Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Grande Artista e Goleador

Um exemplo

André Pimenta, jogador do hóquei patins do Sporting, este ano no Turquel, falou ao Jornal Sporting sobre os 12 anos de leão ao peito e de como foi difícil a caminhada até ao sucesso que foi a temporada passada.

O centro da conversa foi o pavilhão da Casa do Gaiato, a casa principal do hóquei do Sporting, desde os primeiros anos após a reactivação da secção.

"Tinha começado na Amadora, mas assim que abriram os treinos no Sporting ofereci-me por ser o Clube que é, apesar de na altura não ter bem a noção da realidade, pois era um 'cachopo'."

"O primeiro impacto não foi fácil. O pavilhão, apesar de ainda ser um 'barracão', está bem melhor do que estava quando fomos para lá. Os pais iam construindo algo mais e melhorando as condições, Verão após Verão. Foram os pais dos atletas que construíram as bancadas, puseram as tabelas, puseram o cimento do piso, pintaram as paredes, também limparam muitas 'caganitas' de pássaros, por exemplo, os balneários também eram bem mais pequenos."

Sobre o facto de o Sporting ter tido sempre equipas competitivas, André disse algo que, certamente, todos identificamos como motivo de orgulho, não podendo deixar de sorrir quando nos colocamos nesta posição, enquanto miúdos: "É quase impossível recusar um Clube com a grandeza do Sporting. A falta de condições ultrapassa-se. Chegamos à escola e dizemos que jogamos no Sporting, ninguém quer saber onde são os jogos. Isso é secundário para um miúdo, a camisola importa mais."

Ex-capitão de todos os escalões por onde passou, mesmo sem equipa sénior no Clube, não abandonou o barco: "Queria fazer crescer o projecto. Sentia que era parte integrante dele e era eu que o tinha de fazer crescer, em vez de ser o projecto a crescer para eu chegar lá. Com isto, deixei a minha imagem na história do Clube."

O Gaiato é uma lição de vida e de humildade para quem tinha de viver com aquela realidade. Pimenta recorda: "Víamos miúdos que não tinham nada e isso obrigou-nos a crescer. Lembro-me do Marco, que não tinha pais, do David Tavares, que chegou a jogar hóquei, era bom jogador, mas é melhor ainda a jogar futebol e está actualmente no Sporting, do próprio Dário que o Engenheiro Gilberto adoptou e que também joga hóquei. Lembro-me dele empoleirado nas árvores em redor do pavilhão, com uma faca de tirar manteiga. Eram miúdos que iam ver os nossos jogos e treinos e a seguir invadiam o rinque para jogar futebol. O Bebé, que jogou no Manchester United, também estava lá. Eram imensos e muitos deles, felizmente, conseguiram melhorar as suas vidas."

No entanto, Pimenta confessa que tem de ser um local a "desaparecer para bem do Clube", pois "têm de haver mais condições para os miúdos futuramente."

Infelizmente o aumento da competitividade da equipa leonina, levou à sua saída. Não sei se voltará a ter espaço no plantel mas espero que sim. Pelas qualidades técnicas, de liderança e humanas. O André é dos nossos e faz parte de um dos momentos mais belos da história do nosso hóquei em patins

Mais sobre mim

imagem de perfil