Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

O "emagrecimento" do plantel: Daniel Podence

Embora ache Daniel Podence dos menos preparados para regressar entre os jogadores da nossa formação actualmente emprestados, parece-me interessante verificar se os dados estatísticos "validam" a sua presença no plantel.

Assumo que a minha escolha, a seguir a Iuri Medeiros, seria Carlos Mané mas as particularidades do seu contrato de empréstimo inviabilizam o seu regresso no imediato.

Podence tem muito a melhorar mas é o único com capacidade para fazer descansar Gelson, mantendo alguém com características semelhantes em campo.

Sei que muitos o vêem como segundo avançado mas, para mim, Podence é extremo (é nessa posição que tem sido utilizado no Moreirense). O confronto físico com defesas centrais cada vez mais corpulentos prejudica-o e as alas protegem-no melhor das suas insuficiências. 

Usarei os mesmos termos de comparação que usei para Iuri. Vamos aos números:

Daniel Podence.png

Em golos e assistências Podence aproxima-se muito do rendimento de Bryan e Campbell. Tal como no caso de Iuri, os números ofensivos não desiludem. Remata mais do que os costa-riquenhos, é, de todos, o que mais passes para ocasião faz por jogo e arrisca o drible na mesma medida que Gelson.

Podence não cruza tanto como Bryan ou Campbell, sobretudo por ter no Moreirense tarefas que visam a exploração do espaço interior. Podence parte sempre da ala para o meio, onde muitas vezes acaba por fazer de segundo avançado (ora, isto é precisamente o tipo de movimentação que o sistema de Jorge Jesus pede).

É no plano defensivo que Podence deve trabalhar mais. Os seus números são, de todos, os mais modestos e a ajuda aos laterais (sobretudo aos nossos) é muito importante.

No geral, mais uma vez, não vejo Podence muito inferior a Bryan ou Campbell mas assumo que vejo com bons olhos a sua permanência no Moreirense, onde jogará mais. Todavia, "balanço" sempre que penso nas alternativas a Gelson e parece-me razoável que Podence pudesse ser uma delas.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

O "emagrecimento" do plantel: Iuri Medeiros

Bruno de Carvalho afirmou num post no facebook que o plantel será encurtado para fazer face à situação competitiva em que nos encontramos, em que apenas disputamos uma das quatro competições em que entrámos.

Na minha opinião, o plantel nem precisará de reforços para colmatar lacunas, pois temos essas mais-valias nos nossos quadros. 

Dizer simplesmente que Iuri Medeiros, Francisco Geraldes, Ryan Gauld e Daniel Podence fariam mais do que alguns dos jogadores do nosso plantel pode ser considerada uma análise subjectiva, por estar sujeita aos meus gostos pessoais ou inúmeros outros factores menos "palpáveis".

Assim sendo, vamos a números. Começo com Iuri Medeiros (dados do site whoscored.com):

Iuri Medeiros.png

É evidente a análise dos números se torna num mero exercício aritmético, até porque o estilo de jogo ou caudal ofensivo do Boavista nada tem a ver com o do Sporting mas, tentemos ser objectivos.

 

Os números de golos e assistências não diferem muito dos apresentados pelos extremos mais utilizados do nosso plantel.

Iuri é, juntamente com Bryan Ruiz, aquele que mais passes para ocasião faz por jogo. No entanto, faz menos 12 passes por jogo do que o costa-riquenho, o que lhe limita as oportunidades de ser mais bem sucedido no parâmetro anterior.

A baixa taxa de sucesso no passe deve-se à menor segurança na posse do jogo do Boavista, pelo que, considero a disparidade dos números perfeitamente normal.

Nos parâmetros defensivos (defeito que vejo apontar indiscriminadamente ao açoriano) vejo números semelhantes aos dos três jogadores comparados e parece-me que se tem criado um mito relativamente ao pouco empenho do jogador nas tarefas defensivas (ou isso ou não vêm os jogos e, por isso, pouca legitimidade têm para criticar).

 

De todos, Iuri é mais parecido com Bryan Ruiz. Mais cerebral, lê o jogo como poucos. Não imprime no jogo a velocidade de Campbell ou Gelson nem traz a imprevisibilidade que ambos aportam, embora seja forte no 1x1. Usa sobretudo a sua qualidade de passe para queimar linhas e traria uma qualidade na marcação de todas as bolas paradas que nenhum jogador do nosso plantel possui. Neste momento, tendo a conta a forma de Bryan Ruiz, acho que Iuri poderia ter um impacto muito positivo no jogo do Sporting.

Porque o post ficaria muito extenso, guardarei as análises dos restantes jogadores para as publicações seguintes. Parece-me interessante e espero que gostem.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Sobre as mexidas no plantel

Não me tendo até ao momento manifestado sobre os reforços desta semana e acerca do que a entrada deles implica no plantel, aproveito para o fazer hoje.

Joel Campbell, André e Douglas são agora jogadores do Sporting.

 

 

De todos, apenas conheço o costa-riquenho, mais até pelo Mundial de 2014 do que propriamente por ter acompanhado com regularidade a sua carreira nos clubes por onde passou. Campbel é um jogador de enorme potencial que, aos 24 anos, não se afirmou ainda no panorama internacional. É um ídolo no seu país, que teremos certamente a apoiar-nos em peso, pois temos nos nossos quadros os dois jogadores de maior nomeada, a par do guarda-redes Keylor Navas. Voltando a Campbel, apenas rendeu verdadeiramente na Grécia, ao serviço do Olympiacos, mas num cenário de diminuta competitividade, onde alinhava na equipa claramente mais forte do país, à qual nenhuma outra consegue fazer frente há vários anos. Depois de uma época interessante no Arsenal, Wenger decidiu não contar com ele e, para Joel Campbell,  como a oportunidade ideal para se mostrar ao mais alto nível, numa Liga que, não sendo de primeira linha, tem muita qualidade. Com a 'montra' da Champions e um treinador de alto nível, poderá elevar o seu jogo para outro patamar, onde a sua velocidade, capacidade técnica e capacidade de finalização poderão fazer ainda mais a diferença.

A sua entrada, mesmo vindo de certa forma atenuar a saída de João Mário, não teve ainda efeito imediato mas é provável que, entre Matheus, Iuri e Podence, um acabe por sair devido à falta de espaço no plantel.

 

Douglas, central brasileiro, veio da Turquia (Trabzonspor) para satisfazer um desejo antigo de Jorge Jesus. Desde há um ano que é falado como possível reforço do Sporting e, finalmente, Jorge Jesus vê satisfeita a sua vontade. Com uma carreira de respeito no Twente, onde foi inclusive campeão nacional, não acompanhei o suficiente o seu trajecto para saber o que acrescenta ao nosso "eixo central". Na passagem pela Rússia e pela Turquia manteve sempre um estatuto importante e chega ao Sporting, aos 28 anos, após 9 épocas a jogar com regularidade, factor impossível de desprezar.

Em sentido oposto, Naldo saiu para o Krasnodar, da Rússia. Confesso que gosto do brasileiro e que via com bons olhos a sua continuidade mas, visto que foi esta a opção tomada, resta a satisfação de ver que Paulo Oliveira, apesar de ter perdido estatuto no plantel, não foi colocado na prateleira. Ewerton também deve estar na porta de saída.

 

André virá para suprir a lesão de Spalvis e, simultaneamente, a saída de Teo e Barcos. No fundo, é mais uma opção para a zona ofensiva que, aparentemente, terá a versatilidade de poder fazer ambas as posições da frente de ataque. Também não conheço o brasileiro mas, entre os relatos de "baladeiro" e bom jogador, espero que apenas fique conhecido por cá pelas qualidades dentro de campo.

 

Não directamente relacionada com nenhuma destas aquisições, está a saída de Aquilani. A contratação de Meli parece dar mais garantias que o italiano e não é de menosprezar o reaparecimento de Bruno Paulista, que parece ter entrado nas contas de Jorge Jesus assim que a competição começou a sério. 

 

Salvo as questões de adaptação ao país e à forma de jogar da equipa, parece-me que ficámos com opções mais consistentes e, sobretudo, com uma maior variabilidade em cada um dos sectores da equipa. Agora, é esperar que tudo isto se encaixe e funcione na perfeição.

 

Entretanto, parece que há mais reforços a caminho, fruto da possível saída de Islam Slimani. Vou deixar que ele resolva o Clássico, como tanto gosta, e depois falamos nisso.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal