Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

O reflexo do lobby na jornada das selecções

Na sequência do post da semana passada (link), sobre as convocatórias para a selecção nacional e apenas por curiosidade, veja-se também a utilização dos jogadores do Sporting convocados para os respectivos escalões.

A publicação não tem como objectivo questionar as opções dos seleccionadores. Se há partida, já são convocados mais de um respectivo clube, é normal que a probabilidade de serem eles a jogar seja maior.

 

SUB-21

Roménia 1-1 PORTUGAL
Pedro Delgado - 90'
Rafael Leão - 31'
Ivanildo Fernandes - 0'
Rafael Barbosa - 0'

PORTUGAL 2-1 Suíça
Pedro Delgado - 66'
Rafael Leão - 0'
Ivanildo Fernandes - 0'
Rafael Barbosa - 0'

 

SUB-20

Polónia 1-2 PORTUGAL
Pedro Marques - 34'
Bruno Paz - 24'
Abdu Conté - 0'

 

SUB-19

(Nota: Para o estágio foram chamados Luís Maximiano, Thierry Correia, Elves Baldé e Miguel Luís. Antes do jogo frente à Espanha e também por influência da integração de alguns jogadores que estiveram ao serviço dos sub-20, Hélio Gomes dispensou Elves Baldé e Miguel Luís, para chamar Pedro Mendes, avançado do Sporting.)
PORTUGAL 2-1 Espanha
Thiarry Correia - 90'
Pedro Mendes - 0'
Luís Maximiano - 0'

 

SUB-17

Inglaterra 3-2 PORTUGAL
Rodrigo Fernandes - 80' (1 golo)
Félix Correia - 33'
Carlos Silva - 0'

Alemanha 1-2 PORTUGAL
Rodrigo Fernandes - 80' 
Félix Correia - 80' (1 golo)
Carlos Silva - 0'

PORTUGAL 5-3 Rússia
Carlos Silva - 80' (1 golo)
Félix Correia - 40' (1 golo)
Rodrigo Fernandes - 0'

 

SUB-16

PORTUGAL 2-1 Bélgica
Bruno Tavares - 90'
Diogo Almeida - 90'
Eduardo Quaresma - 90'
Tiago Ferreira - 90'
João Daniel - 36'
Umaro Baldé - 1'
Daniel Rodrigues - 0'

 

No total, os jogadores do Sporting jogaram 1125 de 2610 minutos (aproximadamente 43% de utilização). 

Destaque para os quatro golos em três jogos, nos sub-17.

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

O lobby continua

Desde há uns anos para cá que o Benfica tem dominado as convocatórias das selecções jovens, sobretudo nos sub-20 e inferiores.

Isto acontece sem que seja evidente um patamar de qualidade distinto daquele que os jogadores de outros clubes demonstram.

Seria de esperar, até pelo equilíbrio de valores entre as três formações, que Sporting, Benfica e Porto tivessem um número semelhante de chamadas às selecções jovens, mas não é isso que se verifica. Por um ou outro motivo, as escolhas acabam por recair maioritariamente em atletas do Benfica.

Portugal tem muitos jogadores de valor mas quem olha para as convocatórias das selecções nacionais, assiste a um domínio incompreensível da formação do Benfica relativamente às restantes.

Em semana de selecções, vejamos o panorama actual, desde os sub-17 aos sub-21 (deixarei de fora a selecção principal, pois já se encontra de fora do âmbito do futebol de formação):

Benfica (32 jogadores convocados) 

Sporting (14 jogadores convocados)

Porto (13 jogadores convocados)

A estes jogadores, acrescem 5 jogadores que jogam actualmente noutros clubes mas passaram na formação do Benfica e 3 jogadores no que respeita ao Sporting.

 

É evidente que um jogador com internacionalizações desde os sub-15 ganha um certo estatuto e que a FPF e os seus treinadores terão tendência a acompanhar o seu percurso. É também evidente que um jogador que normalmente não era chamado, vai ter mais dificuldade em sê-lo no futuro, a não ser que se revele um fora-de-série ou, no mínimo, bastante melhor que os que habitualmente são chamados e nos quais já recai uma certa confiança.

Em caso de dúvida, um treinador de formação pode ter a tendência a chamar alguém já habituado às selecções nacionais, em muitos dos casos já com um passado associado aos próprios treinadores, que passam pelos vários escalões de formação da FPF.

 

Voltando ao lobby, parece-me evidente que a formação do Benfica não é assim tão boa que justifique, em apenas quatro escalões (sub-17, sub-19, sub-20 e sub-21), mais 18 chamadas à selecção que atletas do Sporting e 19 que os atletas do Porto.

O lobby é evidente, sobretudo aos olhos de quem, como eu, acompanha o futebol de formação em Portugal.

Objectivamente e sem ponta de "clubite", os jogadores da formação do Benfica não têm uma qualidade tão superior aos do Sporting e do Porto que justifique esta discrepância. Nem vou aqui discutir se, no geral, há mais ou menos qualidade num lado ou noutro, até porque só conheço de forma mais aprofundada a formação do Sporting. Mas vejo os jogos, alguns deles entre estas três equipas...

A verdade é que os jogadores do Benfica nem sequer apresentam resultados colectivos que justifiquem chamadas em massa às selecções.

 

Nos últimos dez anos, o Benfica tem um título de juniores (o Sporting tem cinco e o Porto três), quatro de juvenis (o Sporting tem dois e o Porto três) e seis de iniciados (o Sporting tem três e o Porto um).

Benfica (11 títulos)

Sporting (10 títulos)

Porto (7 títulos)

Era, de facto, mais lógico que estes números se reflectissem minimamente nas convocatórias às selecções nacionais.

 

Porque quero defender a minha dama, vou apenas enumerar alguns jogadores do Sporting que julgo terem valor mais do que suficiente para fazer parte das selecções, mas não foram chamados (alguns nunca foram e outros há muito tempo que não o são).

Pedro Silva, Tiago Djaló, Bubacar Djaló, Pedro Ferreira, João Ricciuli, Daniel Bragança, Bernardo Sousa, Diogo Brás, Gonçalo Costa, Diogo Almeida, Eduardo Quaresma, Umaro Baldé, Félix Correia, Daniel Rodrigues, Jorge Ferreira e Bruno Tavares, só para citar alguns dos jogadores da nossa formação que não foram chamados aos trabalhos das selecções e têm valor para lá estar.

Excepto Ricciuli (que tem dupla nacionalidade) e Jorge Ferreira (chegado este ano, vindo do Vitória SC), todos têm um passado nas selecções nacionais. Um ou outro, entendo que não seja chamado, por ter menos tempo de jogo.

 

Importa também relevar que o Sporting é líder da sua série nos juniores, qualificou-se em segundo lugar para a segunda fase nos juvenis (numa série que não incluía o Benfica, que se qualificou em primeiro, com os mesmo pontos do Belenenses) e foi também líder na primeira fase de iniciados.

 

Para terminar, não coloco em causa o valor de nenhum jogador e muito menos o possível sucesso das nossas selecções nos vários compromissos futuros. As nossas selecções jovens têm apresentado bons resultados e continuarão a fazê-lo, porque em Portugal se trabalha bem na formação.

Porém, parece-me evidente uma diferença de tratamento que resulta num conjunto de escolhas que podem não ser as melhores para os respectivos escalões mas acabam a valorizar em demasia uma formação em detrimento das outras, valorização essa que não se verifica na prática, muito menos com a discrepância que os números revelam.

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

Será este o tímido reconhecimento dos campeões da Europa como os "Aurélios"?

Aurélio Pereira, uma das figuras mais destacadas do futebol de formação em Portugal, visitou a Cidade do Futebol e gostou do que viu.

A Cidade do Futebol recebeu hoje a visita de Aurélio Pereira, Coordenador de Recrutamento e Futebol do Sporting CP e figura de referência do futebol de formação em Portugal.

A convite de Joaquim Milheiro, coordenador do futebol de formação da FPF, e de Emílio Peixe, Treinador Nacional da Seleção sub-20, o homem que descobriu para o futebol nacional alguns dos maiores talentos de sempre visitou as instalações, inauguradas no passado dia 31 de março, posou para uma foto com a Taça de Campeão Europeu, conquistada em França, conviveu com Vítor Baía, responsável pelo Projeto 1- Escola de Guarda-Redes, e vários dos treinadores nacionais, além de ter observado atentamente o treino da Seleção Nacional sub-17 que hoje terminava um estágio de três dias.

Em declarações ao fpf.pt, Aurélio Pereira elogiou as novas condições de trabalho oferecidas às equipas nacionais, sublinhando o contributo que está a ser feito para o desenvolvimento dos talentos nos clubes, Associações Distritais de Futebol e FPF.      

Aurélio Pereira é um nome que ultrapassa as fronteiras do clube onde sempre trabalhou. Figura de referência nacional ao longo das últimas décadas foi pelo seu "olho" que foram descobertos e desenvolvidos talentos que se tornaram figuras de proa da Seleção Nacional. Paulo Futre, Emílio Peixe, Luís Figo, Simão Sabrosa, Quaresma ou o atual capitão da Equipa das Quinas, Cristiano Ronaldo, são alguns dos muitos futebolistas que ajudou a descobrir.

Veja aqui as declarações de Aurélio Pereira:

Fonte: fpf.pt

Sigam-me no facebook e no twitter. 

Afinal as meninas também jogam

Quando a 1 de Abril falei no assunto (AQUI) não sabia de nada. Não tenho acesso a informação privilegiada nem contactos com ninguém próximo dos centros de decisão do nosso Clube.

Hoje entendo o objectivo daquela reportagem exibida na SIC. O Sporting já havia dado o sim e havia que fazer uma última chamada de atenção aos rivais.

Eles ignoraram. Nós não. E ainda bem.

 

O Sporting aceitou o desafio de ajudar a impulsionar o futebol feminino em Portugal e entendeu o impacto positivo que a sua adesão poderia ter na modalidade.

Para além disso, fê-lo como deve ser. Criando escalões de base, indo ainda mais longe com a criação de uma Academia que permitirá criar bases para o nosso futuro na modalidade que tão importantes serão para Federação Portuguesa de Futebol.

 

A propósito, a FPF, que tanta merda faz no nosso futebol, teve a sensatez de endereçar convites acautelando o trabalho dos clubes que estoicamente têm feito alguma coisa pelas meninas e senhoras que em Portugal 'ousam' pisar a relva com botas de pitons para jogar futebol. Cada clube presente a título de convite não poderá desfalcar nenhum dos adversários em mais de duas atletas, garantindo assim a saúde da competição e a sobrevivência dos clubes que tanto têm dado ao futebol feminino em Portugal. Ainda tiveram a sensatez de não mexer no mérito de quem arduamente luta ainda pela subida de divisão, preferindo penalizar (e bem) quem para o ano não for competente em campo. Subirão duas equipas da 2ª divisão e descerão posteriormente quatro equipas da 1ª (denominado Campeonato Nacional Feminino Allianz).

 

Para além disto, o impulso dado por Sporting (e também pelo Braga, Estoril e Belenenses - os dois últimos já tinham equipas femininas no escalão secundário) vêm numa fase crucial da modalidade em Portugal. Nunca Portugal teve tantas praticantes de futebol, nunca fomos tão competitivos (longe vão os tempos em que eram aos 10 de cada vez) e nunca a nossa influência pode ser tão determinante como nos dias de hoje em que, embora a modalidade se mantenha amadora, está já ultrapassado o machismo que diz que o futebol não é para meninas.

Afinal as meninas jogam e equipam de verde-e-branco e leão ao peito.

 

Mais informações AQUI e AQUI.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Tudo isto porque o Sporting está em 1º

O processo aberto a Islam Slimani, na sequência do lance com Samaris é hediondo, incompreensível, injusto e ilegal.

Passo a explicar:

O conselho de disciplina da secção não profissional da Federação Portuguesa de Futebol, órgão responsável pela abertura do processo de inquérito, fá-lo ignorando os regulamentos e, pior que isso, passando literalmente por cima dos mesmos para, numa tentativa desesperada, prejudicar o Sporting e beneficiar terceiros.

Pelo contrário, o conselho de disciplina da secção profissional da Federação Portuguesa de Futebol resolveu arquivar todas as queixas semelhante apresentadas pelo Sporting relativamente a jogadores do Benfica, parte delas no jogo do campeonato e que, por isso, seriam passíveis de um efectivo processo sumaríssimo (ao contrário do que acontece em jogos da Taça de Portugal).

São estes os senhores em causa que, sem contemplações ou complacência, atropelam regulamentos para servir interesses e mostrando que os órgãos decisórios do futebol português podem, de facto, interferir na verdade desportiva, desvirtuando, enfraquecendo uns e dando força a outros.

Peço a todos os Sportinguistas que não se acobardem, que 'façam barulho', pois o que se tem passado nos últimos anos no futebol português é um literal atropelo da verdade desportiva.

Depois do colinho, sustentado por vouchers com refeições para toda a classe da arbitragem em Portugal, temos, mais uma vez (depois do dolo sem intenção de há dois anos na Taça da Liga), órgãos da FPF a fazer tudo para retirar o Sporting da luta pelos seus objectivos.

Termino com um apelo ainda mais forte para que enchamos mais uma vez Alvalade, mostrando que nada nem ninguém terá força suficiente para travar a força do Sporting, onde interessa, nos estádios deste país e dentro de campo, que é onde se deviam decidir os títulos.

Uns são filhos da mãe...

06-10-2015 - O Conselho de disciplina da Federação Portuguesa de Futebol aplicou multa de 3825 euros à SAD do Sporting, devido ao comportamento dos adeptos durante o jogo com o Boavista, no Estádio do Bessa.
Em causa, o lançamento de duas tochas para o relvado na zona afecta a adeptos da equipa leonina.

 

13-10-2015 - O Conselho de disciplina da Federação Portuguesa de Futebol decidiu arquivar o processo em torno do lançamento de engenhos pirotécnicos por parte dos adeptos do Benfica contra os rivais do Sporting para a Supertaça.
Os incidentes aconteceram durante a partida e no final do desafio.

A prova rainha a premiar a medíocridade

Todos sabemos que a FPF não prima pela capacidade organizativa e que, mais do que tudo, interessa reunir apoios juntos das associações para que os interesses comuns não deixem de o ser.

Não sei o motivo pelo qual se resolveu estipular no regulamento da competição para esta temporada que haveriam clubes eliminados na 1ª eliminatória a ser repescados para a 2ª, afim de acertar o número de equipas necessárias à continuação da prova.

Agora, pergunto eu: Qual é a lógica de passarem à fase seguinte equipas que perderam, algumas delas com derrotas copiosas como, por exemplo, o Clube Desportivo Amiense, o clube da minha terra?

Isto não faz o mínimo sentido e, perdoem-me as pessoas da minha terra que, este fim-de-semana, receberão o Portimonense para mais um jogo da 'festa da Taça', depois de uma derrota por 9-0 na 1ª eliminatória.

Isto não faz sentido nenhum e devia ter sido acautelado desde o início que o número de clubes apurados batesse certo nem que, para isso, tivessem de ser feitas pré-eliminatórias.

Fazendo sentido premiar as equipas que venceram as taças distritais, qual é o motivo de apurar para a 1ª eliminatória os clubes que se classificaram em 2º nos respectivos campeonatos distritais?

Se os campeões de cada campeonato distrital já disputarão a prova, visto que se encontram a competir no CNS, porquê a necessidade de premiar quem ficou em 2º?

Tudo isto são perguntas sem resposta e que deixam bem patente a exigência que se vive nas competições nacionais (Liga de Clubes incluída), onde a mediocridade é tão ou mais premiada do que a excelência.

Isto entronca e muitas outras questões que me deixariam aqui a escrever horas a fio.

Por exemplo:

Porque é que as competições profissionais têm tantos clubes?

Porque se premeiam os piores e não descem mais equipas para que outras possam ter oportunidade de mostrar valor?

Porque não se criam estímulos ao futebol espectáculo? 

Porque não se estimula a competitividade positiva, aliada ao espectáculo e não à simples disputa de pontos?

Porque se continua a premiar a mediocridade?

Sobre William Carvalho

"A Sporting SAD vem, por este meio, exprimir a sua indignação pelo facto de o futebolista William Carvalho ter regressado dos trabalhos da Selecção Sub-21 com um fractura de stress na tíbia sem que tal facto tenha sido comunicado pelo corpo clínico da Selecção Nacional de Sub-21 ou por qualquer um dos seus dirigentes à Direcção Clínica do Sporting Clube de Portugal.

Só ontem, segunda-feira, no regresso de William Carvalho aos treinos, o corpo clínico do Sporting Clube de Portugal identificou um problema com o jogador e, curiosamente, só hoje de madrugada a Federação Portuguesa de Futebol enviou ao Sporting Clube de Portugal os boletins clínicos referentes aos sete jogadores do Sporting que participaram no Campeonato da Europa de Sub-21.

O boletim clínico da Selecção, referente ao jogador William Carvalho, diz que o jogador nunca apresentou qualquer problema físico. O jogador nega e refere que o departamento clinico estava a par das queixas do jogador.

Como resultado, o jogador William Carvalho enfrenta um tempo de paragem entre 10 a 12 semanas."

Comunicado Sporting Clube de Portugal

Foram notórias as dificuldades de William Carvalho para terminar o jogo da fase de grupos do Euro Sub-21 com a Suécia. Os sinais de lesão não eram evidentes mas soou em mim o alarme.

O jogo terminou sem que William fosse substituído.

Não acredito que não tenham sido feito exames de diagnóstico no imediato e a prova de que foram é a ocultação dos relatórios até ontem.

No jogo com a Alemanha, voltou a ser titular e nem foi poupado, mesmo com a equipa a golear.

Na final voltou a jogar 120 minutos e duvido que tenha alinhado nos dois últimos encontros sem dores (dada a natureza da lesão) e sem uma dose elevada de anti-inflamatórios.

O Sporting foi o único lesado em todo este processo e, pior do que isso, foi feito de parvo por parte da FPF.

Não me irrita o facto de ser William o lesionado. É óbvio que é um dos mais influentes da equipa mas isso, por si só, não arruína os objectivos colectivos.

O que me irrita é que a FPF, propositadamente, não informou o Sporting que o jogador se lesionou.

Irrita-me que o jogador não não tenha avisado o Sporting das queixas e que não não se tenha recusado a jogar lesionado.

Irrita-me que façam o clube de parvo e que se fiquem a rir, quando só há uma selecção de jeito graças ao Sporting.

Agora, espero que o Slavchev mostre porque foi contratado e que outros mostrem vontade e qualidade para lutar pelo lugar.

 

Vergonha

Perdoem-me os mais sensíveis mas, um grande VÃO PARA O CARALHO para os doutores da FPF!

Não sei onde estão os bilhetes nem se ainda aparecerão mas, para já, o que aconteceu hoje só pode ter sido bricadeira de mau gosto para com os adeptos dos clubes finalistas bem como do futebol em geral.

Não seu se já disse: aos doutores da FPF, VÃO PARA O CARALHO!

Gala dos 100 anos do futebol português

Lista de vencedores na Gala que se realizou ontem à noite, no Casino do Estoril.

 

Onze histórico: Costa Pereira; Germano, Hilário, Vicente e Virgílio; Coluna, Simões e Travassos; Eusébio, Matateu e Peyroteo

Melhor jogador de futsal do século: Ricardinho

Melhor jogadora de futsal do século: Rita Martins

Melhor jogador de futebol de praia: Madjer

Melhores reportagens: cobertura do Euro-2004 pela RTP e 'Hino ao Futebol', de Jaime Cravo (Sport TV)

Melhores programas: 'Bola Branca', da Rádio Renascença, e 'Tarde Desportiva', da Antena 1

Melhor árbitro do século: Pedro Proença

Melhor treinador do século: José Mourinho

Melhor selecção do centenário: Mundial 1966 - Magriços

Onze contemporâneo: Vítor Baía; João Pinto, Fernando Couto, R. Carvalho e Humberto Coelho; Chalana, Figo e Rui Costa; Ronaldo, Futre e Pauleta

Melhor jogadora do século: Carla Couto

Quinas de Honra: Camacho Vieira (médico), Carlos Queiroz (treinador), Gilberto Madaíl (dirigente), Luís Figo (jogador) e Liga Portuguesa de Futebol Profissional (clube).

Quinas de Platina: Eusébio

Prémio do Presidente: Associações de Futebol do Porto, Lisboa e Portalegre

Jogador do Século: Cristiano Ronaldo.

 

Destaque para a surpreendente (tendo em conta o peso dos votos dos adeptos) entrega do prémio de Jogador do Século a Cristiano Ronaldo, menção que considero acertada e totalmente justa.

A primeira gala 'Quinas de Ouro'

"No dia 14 de Janeiro realiza-se a primeira edição da Gala Quinas de Ouro.

A Federação Portuguesa de Futebol celebra o seu Centenário com a organização de uma cerimónia que evoca a história do Futebol Português, os seus protagonistas e feitos.

Este evento será palco do lançamento dos prémios anuais, Quinas de Ouro, atribuídos pela Federação nas diversas variantes da modalidade que superintende. Inserido no ano de Centenário, a Federação Portuguesa de Futebol organiza um evento que invocará a história da FPF, seus nomes e feitos, continuando assim a contribuir para a divulgação do Futebol Português e a promoção da sua prática.

O Comité de Prémios da FPF, composto pelos membros da Direcção e pelos elementos da Comissão Organizadora das Comemorações do Centenário, é responsável pela escolha dos vencedores de grande parte dos prémios.

Alguns deles, contudo, terão igualmente a participação dos adeptos e fãs do futebol, que poderão ser decisivos na escolha do melhor 11 histórico, do melhor 11 contemporâneo, do melhor 11 do centenário e dos melhores jogadores e jogadoras de futebol feminino, futsal masculino e feminino e futebol de praia.

As bases de futebolistas para a escolha dos três onzes (que se organizarão em 4x3x3) foram encontradas através da aplicação de critérios práticos e objectivos, relacionados com títulos conquistados, internacionalizações acumuladas, participações em provas internacionais, golos e prémios individuais."

Deparei-me por acaso com esta votação numa das minhas incursões pelo google. Achei interessante e fui oferecer o meu contributo para a dita.

Ao ver a lista de jogadores, deparei-me com dezenas de históricos já retirados (alguns deles fazem parte da história mais recente e, portanto, recordo-me de os ver jogar, mas isso não invalida que tenha ouvido falar de todos os outros) e com jogadores ainda em actividade, quase todos com carreiras feitas e, portanto, na casa dos 30 anos ou perto disso.

Tendo em conta os critérios de selecção acima indicados para a escolha dos futebolistas a votação para os prémios indicados, não concordo com a inclusão de alguns nesta lista.

Não vou contestar nenhum dos históricos que não vi jogar. Não vi jogar nenhum e, na sua grande maioria, o seu currículo fala por si.

Há nomes discutíveis, mas esses nem vou mencioná-los, pelo simples facto de que uma redução da lista de jogadores a votação (a meu ver seria mais sensato e justo) resolveria o 'problema'.

Por exemplo, todos concordam comigo se eu disser que João Tomás poderia ter tido uma carreira muito melhor do que aquela que todos testemunhámos...mas não teve. Se não tem títulos no currículo e as suas internacionalizações se limitam a quatro presenças na 'equipa de todos nós', porquê incluí-lo numa categoria onde figuram Cristiano Ronaldo, Eusébio, Fernando Gomes, Peyroteo, entre muitos outros.

Nélson, o lateral direito que passou pelo Benfica, surge nesta lista na categoria dos defesas. Mais uma vez, nem um título e as mesmas quatro presenças na selecção nacional. No entanto, lá está ele, entre Fernando Couto, Humberto Coelho, João Pinto ou Hilário.

Miguel Garcia nunca foi internacional e se tem lugar na história do Sporting, não me parece que tenha feito uma carreira que justifique a sua inclusão num possível 'onze do século'. Mas lá está ele junto daqueles que já enumerei no parágrafo anterior.

De todos os jogadores em actividade, há dois que me saltam à vista pela falta de honestidade intelectual de quem ousou colocar o seu nome nesta lista: André Almeida e André Gomes.

Ambos estão em início de carreira e nenhum deles se afirmou como titular indiscutível nas equipas com que venceram títulos. 

Comecemos pelo primeiro... André Almeida, em três épocas no Benfica só foi utilizado em 38 jogos para o campeonato e no ano passado, em que venceu a Primeira Liga, só foi opção em 10 jogos. É um internacional português de circunstância e provavelmente nunca cimentará a sua posição no núcleo duro da selecção. António Veloso, símbolo do Benfica que figura na mesma lista foi titular anos a fio, venceu 7 Campeonatos, 6 Taças de Portugal e 3 Supertaças, corou de vergonha ao saber que o menino Almeida não precisou de fazer nada para ser metido no mesmo saco.

Relativamente a André Gomes o caso é ainda mais surpreendente. Recordo que numa lista cheia de lendas do futebol nacional, figura um jogador de 21 anos que, para justificar esta 'chamada' deve ter feitos extraordinários no currículo.  Nos dois anos na equipa sénior do Benfica, foram mais as aparições na equipa B do que na principal e espantem-se...no ano passado, o ano do título, esta foi a utilização do médio este ano transferido para o Valência.

AGomes.png

Sim, até quase ao fim do mês de Abril, André Gomes tinha jogado 5 minutos na Liga Portuguesa, repartidos em 4 jogos. Inacreditável! Claro que justificou chamadas à selecção após esta brilhante prestação.
Mário Coluna, António Oliveira, Figo e Deco, entre outros, figuram na mesma lista que André Gomes e, sem desprimor para o menino, isto é uma vergonha!

Não coloco em causa as qualidades futebolísticas de nenhum dos jogadores que questionei e acabo por considerar os casos de João Tomás, Nélson e Miguel Garcia (podia até ter enumerado muitos outros) menores, tendo em conta aquilo que se pode observar dos casos de André Almeida e André Gomes.
Pelo menos os primeiros três têm a carreira recheada de jogos.

Recordo que estamos a escolher os melhores entre os melhores de sempre!

Quem quiser, contribua para a votação em http://quinasdeouro.fpf.pt/#

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal