Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

Uma princesa entre reis

Começa amanhã o Mundial de Equipas em ténis de mesa. Portugal apresenta-se com nove atletas (cinco homens e quatro mulheres), três deles vinculados ao Sporting, que tem em representação da Nigéria mais dois atletas. 

São eles o consagrado João Monteiro, o experiente Diogo Carvalho e a surpreendente Patrícia Santos, que se estreia num mundial sénior com apenas treze anos. 

Bode Abiodun e Aruna Quadri disputarão a segunda divisão masculina, em representação da Nigéria.

 

Portugal, nº 8 do ranking mundial, assumiu publicamente uma candidatura às medalhas nos masculinos e propõe-se a subir de divisão nos femininos, mesmo apresentando uma equipa muito jovem, com três atletas com idade igual ou inferior a 20 anos.

 

O grupo dos homens é composto pela China (n.º 2), Brasil (n.º 10), Rússia (n.º 15), República Checa (n.º 18) e Coreia do Norte (n.º 25).

Nas mulheres, Portugal é 77º na hierarquia mundial e defrontará no grupo K da 3ª divisão as seleções da Estónia (n.º 52), Argélia (n.º 56), Turquemenistão (n.º 62), Macau (n.º 65) e Bulgária (n.º 73).

 

Boa sorte a todos, que Portugal traga a medalha, as mulheres consigam a subida de divisão e os nigerianos possam, na próxima edição, defrontar os portugueses.

 

Em seguida deixo-vos uma reportagem publicada esta semana no jornal "A Bola", sobre a "benjamim" Patrícia Santos, onde o pai revela a ameaça que a levou a trocar o Benfica pelo Sporting.

Patrícia Santos.png

Para terminar, recordo que disputar competições seniores, mesmo que não a este nível, não é novo para a jovem Patrícia, que compete pela equipa sénior do Sporting, que está a disputar a subida à 1ª divisão nacional (neste momento ocupa o 2º lugar). 

Numa equipa que conta apenas com uma atleta em idade sénior, a romena Andreea Dodean, irmã da conhecida Daniela Dodean, uma das melhores jogadoras da Europa e mulher do nosso João Monteiro, Helena Pedroso, Rita Silva, Juliana Silva e Bruna Marcelino são as restantes jovens que tentarão levar o Sporting ao mais alto patamar nacional por equipas.

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

A décima terá de esperar por Tóquio

"Um País Amador quer Medalhas Profissionais

Um país que está a anos luz das infraestruturas desportivas de outros países, quer medalhas olímpicas…

Um país que só pensa em futebol, quer medalhas olímpicas…

Um país que tirou horas à disciplina de educação física, quer medalhas olímpicas…

Um país que retirou a educação física da média para o ensino superior, quer medalhas olímpicas…

Um país que despreza a educação física no 1º ciclo, quer medalhas olímpicas…

Um país em que os principais eventos do desporto escolar encaixotam professores e alunos em salas de aula para dormir, quer medalhas olímpicas…

Um país onde os alunos têm cargas letivas brutais e para conciliarem a prática desportiva são obrigados a chegar a casa às 20, 21, 22 horas e ainda têm que ir estudar para o teste que aí vem, quer medalhas olímpicas…

Um país onde a maioria dos professores e pais não tem cultura desportiva, onde se marca aulas e testes em cima dos treinos do Desporto Escolar, quer medalhas olímpicas…

Um país que não gosta de desporto, gosta do “palco”, da festa, do sucesso, e prefere passar horas a discutir se foi ou não penalti, quer medalhas olímpicas…

Um país em que são os pais a suportar as despesas do sonho olímpico desde tenra idade, quer medalhas olímpicas…

Um país em que os seus atletas viajam em “low cost”, dormem nos aeroportos, são completos amadores, quer medalhas olímpicas…

Olhem para a Espanha, olhem para os Estados Unidos, olhem para Inglaterra, olhem para tantos outros e depois questionem-se se realmente queremos medalhas olímpicas…

Olímpicos, ignorem a ignorância e o ruído, sois o verdadeiro exemplo de amor à pátria e cada lágrima, cada gota de suor é cristalina, pura e honesta. Sois uns heróis e quem tem dois dedos de testa tem noção do que abdicaram para chegar onde chegaram. O meu/nosso muito obrigado!"

por Alexandre Henriques, em www.ComRegras.com

 

Aproveitei o texto do Alexandre Henriques para corroborar com a ideia de um país desfasado da realidade. Um país que, sem ter noção dos esforços e das condições disponíveis para se ser "Olimpico", pede medalhas sem saber se essa expectativa é realista. De seguida, farei o rescaldo da participação dos "Olimpicos" leoninos, e tentarei avaliar tendo em conta as expectativas que eu tinha e que acho que os próprios atletas achavam realistas.

 

Carlos Mané (211 minutos), Tobias Figueiredo (270) e Ricardo Esgaio (315) - Futebol

Portugal 2-0 Argentina
Portugal 2-1 Honduras (Tobias - GOLO)
Portugal 1-1 Argélia
Portugal 0-4 Alemanha

O trio de leões presentes no torneio olímpico de futebol fez o esperado. Passaram com mérito a fase de grupos e acabaram por cair com estrondo nos 1/4 final. Diria que, não sendo esperado cair com uma goleada, a eliminação face à Alemanha (medalha de prata na competição) não tem nada de anormal. 

 

Teófilo Gutiérrez (360 minutos) - Futebol

Colômbia 2-2 Suécia (Teo - GOLO)
Colômbia 2-2 Japão (Teo - GOLO)
Colômbia 2-0 Nigéria (Teo - GOLO)
Colômbia 0-2 Brasil 

Boa prestação de Teo Gutiérrez. 3 golos em 4 jogos e uma presença esperada nos 1/4 final, onde caiu aos pés do Brasil (medalha de ouro). 

 

João Costa - Tiro

PAC 10m - 11º
PAC 50m - 11º

João Costa teve uma prestação ao seu nível e dentro daquilo que são normalmente as suas prestações em Mundiais e Olimpíadas. Não atingiu as finais mas esteve muito perto de ambas.

 

Alexis Santos - Natação

400m estilos eliminatórias - 14º, com novo recorde nacional (4'15.84'')
200m estilos eliminatórias - 12º (1'59.37'')
200m estilos meias-finais - 12º (2'00.08'')

Alexis, como o próprio afirmou, teve uma estreia de sonho nos Jogos Olímpicos. Dois recordes pessoais (um deles fixando um novo mínimo nacional) são suficientes para perceber que se transcendeu e se apresentou na sua melhor forma de sempre, tendo atingido duas 1/2 finais.

 

Igor Mogne - Natação

100m livres eliminatórias - 45º, com novo recorde nacional de Moçambique (50.65'')

Com apenas 20 anos e em estreia nos Jogos, o Moçambicano estabeleceu um novo máximo nacional dos 100m livres e pode, também ele, orgulhar-se da sua prestação.

 

Pedro Pinotes - Natação

400m estilos - 25º (4'25.84'')

O nadador angolano falhou o objectivo de bater o recorde nacional do seu país. Na sua segunda participação olímpica, acredito que Pinotes quisesse fazer melhor, pois acabou por nadar um segundo abaixo do seu tempo de 2012 e do tempo com que se qualificou para o Rio

 

Taciana Lima - Judo

-48Kg - 9º

Apesar de experiente, a tri-campeã africana em -48Kg nunca tinha participado nas Olimpíadas. Perdeu ao primeiro combate, no ponto de ouro, por falso ataque, com uma das medalhadas de bronze. O combate poderia ter caído para qualquer dos lados e Taciana pode certamente estar orgulhosa da sua prestação.

 

Joana Ramos - Judo

-52Kg - 9º

Depois de em Londres não ter passado da 1ª ronda, conseguiu desta feita atingir o segundo combate. Venceu a ronda inaugural por ippon, a vantagem máxima do judo e perdeu no segundo combate, provando do veneno que havia dado à sua adversária no combate de abertura. Uma imobilização fez com perdesse por ippon a menos de um minuto do final do combate, onde muitas vezes esteve por cima. Depois do calvário de lesões que chegaram a deixá-la fora do projecto olímpico, arrisco dizer que a Joana esteve ao seu melhor nível e teve uma boa prestação, não sendo de ignorar o facto de ter "caído" frente à nº 5 mundial, uma judoca que só foi eliminada no combate pela medalha de bronze.

 

Sergiu Oleinic - Judo

-66Kg - 9º

Em estreia nos Jogos Olímpicos, Oleinic tinha ambição de chegar longe e provou o seu valor quando ao primeiro combate eliminou o nº4 mundial e um dos principais candidatos às medalhas. No segundo combate, frente a um adversário menos cotado, Sergiu dominou praticamente todo o combate, tendo mesmo estado a poucos segundos de conseguir um yuko (a terceira maior vantagem no judo). O jogo acabou por não se decidir nos 5 minutos e foi para o ponto de ouro, onde após uma tentativa de ataque imprudente, acabou projectado, perdendo por ippon. Dada a sua juventude, Oleinic esteve bem na sua estreia e esperam-se ainda melhores resultados em Tóquio 2020.

 

Jorge Fonseca - Judo

-100Kg - 17º

Também em ano de estreia, Jorge Fonseca entrou em grande nos Jogos. Eliminou o seu primeiro adversário por ippon em apenas 9 segundos e calhou-lhe em sorte o nº 5 mundial na eliminatória seguinte. Fonseca lutou com todas as suas forças para acabar com o combate na primeira metade do mesmo. Atacou, atacou, atacou, até que ficou exausto e demasiado exposto à maior frescura do checo, que venceu por waza-ari (a segunda maior vantagem do judo) nos minutos finais do combate, acabando depois por se sagrar campeão olímpico. No judo, a diferença entre um medalhado e um 9º classificado é, por vezes, nenhuma. Fonseca esteve muito bem e tem tudo para melhorar numa 2ª participação.

 

Gastão Elias - Ténis

2ª Eliminatória Singulares vs Thanasi Kokkinakis - 7-6 (7-4) e 7-6 (7-3)
3ª Eliminatória Singulares vs Steve Johnson - 3-6 e 4-6

1ª Eliminatória Pares vs Andrej Martin / Igor Zelenay - 6-4 e 6-2
2ª Eliminatória Pares vs Daniel Nestor / Vasek Pospisil - 1-6 e 4-6

Nunca o ténis nacional havia vencido uma partida nos Jogos Olímpicos. Gastão, por jogar antes de João Sousa, teve o privilégio de ser o primeiro a conseguí-lo. Uma vitória em singulares e outra em pares pode dizer-se que foi uma boa prestação, até porque foi eliminado por um adversário com melhor ranking.

 

Aruna Quadri - Ténis de Mesa

2ª Eliminatória Singulares vs Yang Wang - 4-1 (11-4; 7-11; 11-7; 11-9; 11-6)
3ª Eliminatória Singulares vs Chih-Yuan Chuang - 4-0 (11-6; 12-10; 11-6; 11-7)
4ª Eliminatória Singulares vs Timo Boll - 4-2 (12-10; 12-10; 11-5; 3-11; 5-11; 11-9)
Quartos-de-Final Singulares vs Long Ma - 0-4 (4-11; 2-11; 6-11; 7-11)
1ª Eliminatória Pares vs China (Long Ma) - 0-3 (1-3 - 6-11; 3-11; 11-5; 2-11)

Aruna foi a grande surpresa do torneio olímpico de ténis de mesa. Tanto em singulares como em equipas, foi eliminado pelos campeões olímpicos e, após não ter conseguido vencer um set ao campeão olímpico de singulares, conseguiu-o no jogo disputado na prova por equipas, algo que nem o medalhado de prata conseguiu. Prova da grande prestação nos Jogos Olímpicos foi a subida do 40º para o 25º no ranking mundial.

 

Bode Adiodun - Ténis de Mesa

1ª Eliminatória Pares (com Segun Toriola) vs China (Zhang Jike e Xu Xin)) - 0-3 (0-3 - 5-11; 6-11; 5-11)

Abiodun entrou apenas na prova por equipas e alinhou apenas no jogo de pares, perdido por 3-0, frente aos campeões olímpicos.

 

Jessica Inchude - Atletismo (lançamento do peso)

36ª (última) - 15.15m

Com apenas 20 anos, Jessica estreou-se nos Jogos e acusou a pressão do evento. Esteve abaixo daquilo que fez em todo o ano de 2016, onde as suas melhores marcas ultrapassam em quase um metro aquela que conseguiu fazer no Rio. Podia ter sido melhor, mas a guineense é muito jovem e voltará mais experiente em Tóquio.

 

João Vieira - Atletismo (Marcha)

20Km - 31º - 1.23'03''
50Km - Desistiu

Na sua 5ª participação em Jogos Olímpicos e com 40 anos, João Vieira apresenta ainda um nível interessante. Fez uma marca dentro daquelas que lhe são hoje habituais nos 20km marcha e teve uma prestação dentro do esperado. Nos 50km marcha acabou por desistir e talvez devesse ter apostado apenas numa das duas vertentes da marcha.

 

Lorene Bazolo - Atletismo (100m e 200m)

Elim. 100m (11.43s)
Elim. 200m (23.01s) Recorde Pessoal

Boa prestação de Lorene Bazolo, na sua primeira participação enquanto portuguesa. A atleta do Sporting havia participado em 2012, mas apenas nos 100m, onde fez meio segundo a mais do que a marca que apresentou este ano nas Olimpíadas. Com o recorde nacional dos 100m batido há dois meses, melhorou a sua marca pessoal nos 200m e aproximou-se do recorde nacional português.

 

Patrícia Mamona - Atletismo (Triplo Salto)

Elim. 9º (14.18m)
Final 6º (14.65m) Recorde Nacional

Patrícia Mamona era uma das maiores esperanças nas medalhas. Precisava, para isso, de se superar. Fê-lo, bateu novamente o recorde nacional, mas o nível da final foi muito elevado. Foi 6ª, a apenas 9 centímetros da medalhada de bronze e pode orgulhar-se disso, tendo a certeza que orgulhou os Sportinguistas.

 

Sviatlana Kudzelich - Atletismo (3000m obstáculos)

Elim. 22º (9'32.93'')

A bielorussa tem mantido um nível constante ao longo dos últimos 4 anos. Esteve nos Jogos de Londres, onde foi 34ª com uma marca meio minuto acima da que realizou este ano. Melhorou a marca com que venceu os 3000m obstáculos na Taça dos Campeões Europeus e julgo que fez uma prova dentro das expectativas, tendo ficado a apenas 5 segundos do seu recorde pessoal que já vem desde 2014.

 

Cátia Azevedo - Atletismo (400m)

Elim. 31º (52.38'')

Com apenas 22 anos, Cátia fez a sua estreia nos jogos, apenas dois meses após se qualificar com uma nova marca nacional da distância. Ficou a menos de um segundo do seu recorde nacional e acho que foi uma boa estreia para ganhar experiência e voltar mais forte daqui a 4 anos.

 

Sara Moreira - Atletismo (Maratona)

Desistiu

Sara foi uma das maiores desilusões da comitiva leonina no Rio. Nem tanto pelo resultado mas por ter marcado presença sem estar em condições de sequer terminar a prova. Percebo que um atleta se ache sempre em condições mas era praticamente impossível debelar uma lesão como a que a Sara apresentava em tão pouco tempo.

 

Jéssica Augusto - Atletismo (Maratona)

Desistiu

A Jéssica terá sentido a falta da Sara visto que, certamente, teriam até uma estratégia conjunta. No entanto, é sempre uma desilusão não ver o esforço levado, pelo menos, até ao ponto de terminar a prova.

 

Vera Barbosa - Atletismo (400m barreiras)

Elim. 32º (57.28'')

Uma lesão recente impossibilitou Vera de se apresentar ao mais alto nível. Foi à justa que conseguiu apresentar-se em maio na Taça dos Campeões Europeus de Clubes e é até injusto comparar com os tempos do passado.

 

Sharolyn Scott - Atletismo (400m berreiras)

Elim. 39º (58.27'')

A costa-riquenha tem uma carreira pautada pela irregularidade. Já correu a distância em pouco mais de 16 segundos, mas o tempo apresentado no Rio está dentro das marcas de 2016.

 

Marta Onofre - Atletismo (Salto com Vara)

Elim. 24º (4.30m)

Em estreia nos Jogos Olímpicos, a nova recordista nacional ficou longe do seu recorde pessoal. Seria realista ultrapassar pelo menos mais uma fasquia mas pode ter-se deixado afectar pela emoção de estar no maior evento desportivo do Mundo. Com 25 anos, não foi certamente a sua última presença nos Jogos.

 

Maria Leonor Tavares - Atletismo (Salto com Vara)

Elim. 29º (4.15m)

Maria Leonor Tavares partiu para os jogos com o objectivo de recuperar o seu recorde nacional, retirado pela colega de equipa mas desiludiu. Ficou uma fasquia abaixo de Marta Onofre e podia ter feito melhor, visto que já este ano saltou 4.50m e estava na sua segunda participação olímpica.

 

Diogo Abreu - Ginástica (Trampolim)

Qual. 16º (55.855p)

Apesar de todas as condicionantes de uma estreia olímpica, Diogo Abreu tinha claras hipóteses de estar na final da competição. Tal não foi possível por ter falhado completamente no segundo elemento da segunda ronda. O 16º lugar na competição de trampolins não reflecte o seu valor nem faz juz ao seu 8º posto na hierarquia mundial. O Diogo falhou mas merece a solidariedade de todos nós.

 

Francisca Laia - Canoagem (K1 200m)

Elim. 8º (41.368'')
1/2 final. 15º (41.573'')
Final B 8º (42.695'')
Class. Final 16º

Na sua primeira participação olímpica, Francisca não escondeu que iria para ganhar experiência. O apuramento surgiu à última da hora mas isso não a impediu de dizer que queria estar na final. Ficou-se pelas meias-finais e um honroso 16º lugar.

 

Emanuel Silva - Canoagem

K2 1000m - Elim. 4º (3'26.284'')
K2 1000m - 1/2 final. 1º (3'18.099'')
K2 1000m - Final. 4º (3'12.889'')
K4 1000m - Elim. 4º (3'01.498'')
K4 1000m - 1/2 final. 2º (2'48.233'')
K4 1000m - Final. 6º (3'07.482'')

Duas finais, um 4º lugar e um 6º devem orgulhar o canoísta do Sporting. É lógico que o objectivo (assumido) eram as medalhas mas não se pode falar em fracasso quando se esteve na luta por elas. Sobretudo no K2 (onde havia ganho a prata em Londres), nova medalha não foi possível por 3 décimos e temos de nos lembrar que, como nós queremos, outros também querem e treinam para as medalhas e ainda há a condicionante do Emanuel ter mudado de parceiro após Londres. Foi triste não chegar lá (como o comprovam as lágrimas dos nossos canoístas) mas há que ter o sentimento de dever cumprido.

 

No geral, e fazendo um balanço global, diria que foi uma prestação positiva. A maioria esteve ao seu nível habitual ou transcendeu-se e é isso que se pede nos grandes certames. Destaco apenas 4 atletas, porque o merecem. Alexis Santos, Emanuel Silva, Aruna Quadri e Patrícia Mamona conseguiram, na minha opinião, as participações com mais visibilidade e mérito mas os meus parabéns vão para todos os 31 que lá estiveram.

 

A 10ª ficará guardada para Tóquio, daqui a quatro anos.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Agenda Olímpica Leonina

Rio 2016 12.png

Jessica Inchude, atleta do Sporting a competir pela Guiné-Bissau, caso passe, terá a final para disputar às 2:00h do dia 13, em directo na SPORT TV 1.

Na sua 5ª participação em Jogos Olímpicos, João Vieira terá certamente em mente melhorar o seu 10º lugar (2004), o melhor que conseguiu em Olimpíadas. 4º nos campeonatos do Mundo de 2014, veremos como se apresenta o atleta leonino este ano.

Nova recordista nacional, Lorene Bazolo tentará certamente voltar a bater o seu recorde e, quem sabe, aspirar a uma presença nas meias-finais, que já seria um excelente resultado.

 

Para além dos nossos leões e leoas olímpicos(as), entram ainda em acção os seguintes atletas portugueses:

 

GOLFE (Dia 2), às 11:30h. em directo na SPORT TV 4.

FILIPE GOUVEIA e RICARDO MELO GOUVEIA

 

ATLETISMO (Final 10000 m), às 15:10h. em directo na SPORT TV 2.

SALOMÉ ROCHA

 

VELA (RS:X Masculino), às 17:00h, em directo na SPORT TV 2.

JOÃO RODRIGUES

 

VELA (Lazer), às 17:00h, em directo na SPORT TV 2.

GUSTAVO LIMA

 

VELA (49er), às 17:00h, em directo na SPORT TV 2.

JORGE LIMA E JOSÉ COSTA

 

VELA (Lazer Radial), às 17:00h, em directo na SPORT TV 2.

SARA CARMO

 

GINÁSTICA (Trampolins Ind. Fem.), às 18:03h, com transmissão em directo na RTP 2 e SPORT TV 4. A final disputa-se às 19:42h, com transmissão nos mesmos canais.

ANA RENTE

 

BADMINTON (Fase de Grupos), às 23:30h.

TELMA SANTOS vs Iris Wang

 

ATLETISMO (Eliminatórias 1500m), às 00:30h de dia 13, em directo na SPORT TV 2.

MARTA PEN

 

A RTP fará a cobertura em sinal aberto da competição mas não detalha as transmissões, daí eu dar preferência às transmissões da SPORT TV. Vão espreitando na RTP nos horários em que entram em acção os portugueses, pois costumam dar prioridade às transmissões dos 'nossos'.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Rescaldo da época do ténis de mesa

São 5 os principais nomes que devemos enaltecer...o treinador, Chen Shi Chao e os jogadores, Diogo Chen, Bode Abiodun, Aruna Quadri e João Sedúvem.

O último título datava de 2011/12 e o Sporting havia disputado (embora perdendo) os seguintes. Este ano, a contratação de Aruna Quadri (nº 37 do ranking mundial e ex-jogador do Toledos, dos Açores) veio subir o nosso nível.

Investimos, passamos a ser mais competitivos e apostámos na formação. Diogo Chen e João Sedúvem são 'produtos' da nossa formação e, juntando Bode Adiodun, que tem muitos anos de Sporting, juntou-se assim o grupo perfeito para atacar o título.

Não só disputamos títulos como os vencemos...a todos. Depois da Supertaça, ganha ao Toledos (campeão nacional e vencedor da Taça de Portugal do ano anterior), veio o campeonato (ganho ao Juncal) e a Taça de Portugal (levando de vencido o Benfica por claros 3-0).

Um 'triplete' que aumenta a responsabilidade para a próxima época e que fará com que siga com atenção a prestação dos dois nigerianos nos Jogos Olímpicos.

Parabéns a todos!

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Rescaldo do #DiaDeSporting

Pode um dia onde se ganhou 7 jogos e perdeu 3 ser negativo?

Pode.

Alguma das nossas equipas falhou no compromisso e responsabilidades de representar o Sporting?

Não.

Fiquei triste pela derrota com o Benfica, pela Taça Continental deixada em Barcelona e pela eliminação da Taça EHF?

Muito.

Porque merecíamos ganhar no futsal, porque podíamos ter dado mais luta ao Barça e porque a passagem era perfeitamente possível, frente aos dinamarqueses.

Assim, perdemos um título ao qual não éramos favoritos à vitória e onde fomos briosos e abandonámos as competições europeias de andebol na 1ª eliminatória em que participámos (com uma boa equipa, mas que se revelou ao nosso alcance).

Nada disto me faz duvidar de nenhuma das nossas equipas mas...haverá alguém satisfeito com objectivos falhados?!

Claro que não! E, sobretudo no caso do andebol, falhámos numa prova onde já tínhamos falhado, com os mesmos contornos dramáticos, na época passada, exactamente na mesma fase.

Vou apenas falar do que vi.

O futsal tem tido um problema claro nos jogos com o Benfica de Joel Rocha: a finalização. Só ganhámos um jogo em nove e fomos mais fortes e dominantes em sete mas...marcámos quase sempre menos golos e, quem marca menos, perde.
Tem sido difícil contornar o jogo extremamente calculista e defensivo do treinador do Benfica que, com a estratégia adoptada, assume a nossa superioridade mas parece saber como a contrariar. Claro que a nossa ineficácia esbarra também na eficácia defensiva do adversário, sobretudo no corpo de Juanjo, que foi mais uma vez decisivo na vitória do Benfica.
A verdade é que é sempre frustrante perder com um rival mas é-o ainda mais quando fomos superiores, quando rematámos mais, quando tivemos mais oportunidades claras de golo e não conseguimos materializar.
Nuno Dias voltou a montar bem a equipa mas voltámos a esbarrar na ineficácia dos nossos jogadores. O jogo nada decide, nada define mas dá ao Benfica a vantagem moral de ficar isolado na frente e com vantagem no confronto directo, bem como agudiza o nosso trauma relativamente aos últimos encontros entre ambos. 
Espero que a sorte mude.

É difícil criticar os nossos rapazes do hóquei. A tarefa era difícil, mesmo com a vantagem conseguida no Livramento, mas a ilusão de que era possível dificilmente não deixaria no ar alguma desilusão, sobretudo porque pareceu que entrámos algo amedrontados, sem qualquer motivo para isso. As bancadas estavam muito despidas e quase só se ouviram os nossos durante os 50 minutos. Motivos de sobra para motivar e nada que nos pudesse amedrontar. Mas a verdade é que faltou um 'pinguinho' de 'desrespeito' pelo adversário, sobretudo após a eliminatória voltar a estar empatada e alguma eficácia nos lances de bola parada.
Claro que não ignoro (nem o podia fazer) o facto de estarmos perante o campeão europeu e o dominador claro da modalidade no nosso continente. Claro que o Barcelona continuava a ser favorito mesmo depois de ter perdido em Portugal. Mas nós tínhamos mais hipóteses do que aquelas em que acreditámos após os primeiros minutos de jogo.
Bola para a frente! Se a Supertaça era um objectivo claro (e foi alcançado com total mérito), a Taça Continental, sendo-o também, previa uma melhor aceitação do insucesso. 
Assim foi. Fiquei triste, acho que podíamos ter feito mais mas continuo orgulhoso de tudo o que esta equipa nos tem proporcionado.
Vitórias na Taça de Portugal e na Taça CERS farão desta época inesquecível. Se pudermos juntar o campeonato nacional (objectivo que considero mais difícil), será apoteótico.

Apenas algumas notas para o futebol.
A formação continua a mostrar que as notícias da sua morte foram claramente um exagero. Vitórias nos juniores (2-1 em casa do Belenenses, o 2º classificado) e nos juvenis (por 11-0, frente ao CADE) voltaram a mostrar que estamos vivos e de saúde.
Nos seniores, o objectivo foi cumprido. Vitória tranquila de uma equipa que soube encarar o jogo com profissionalismo e seriedade e onde foram os 'miúdos' a dar nas vistas. Matheus estreou-se a marcar (e fê-lo por duas vezes), Paulista estreou-se e marcou e Gelson estreou-se também a marcar pela equipa principal e afinal, parece que Jesus não veio 'ignorar' a nossa formação.
Do que me foi possível perceber pela análise de Costinha, durante o relato na Antena 1, foram estes os destaques, aos quais junto Jonathan Silva e Tanaka que, nas palavras do ex-dirigente leonino, entrou muito bem e fez uma boa exibição, mostrando que está disponível para ajudar sempre que for chamado a intervir.

Não posso deixar de dar os parabéns à nossa equipa de ténis de mesa, que não vacilou e venceu o primeiro título da época, a Supertaça, diante do campeão nacional e vencedor da Taça de Portugal, o Toledos. Espera-se uma grande época por parte de Diogo Chen, João Sedúvem (ambos da nossa formação), Bode Abiodun e Aruna Quadri e o regresso do título nacional a Alvalade parece este ano mais provável.

Apenas frisar que a tal mentalidade ganhadora parece estar a demorar mais tempo a entrar no andebol. A derrota com o Porto e a eliminatória com o Holstebro são indicadores disso mesmo e mostram que Zupo ainda tem trabalho a fazer com estes jogadores que, espero e acredito, nos darão alegrias esta época. Sem competições europeias, a pressão dos resultados aumenta e não podemos negá-lo. É encarar o touro pelos cornos, sem receios e com ambição.

Um obrigado especial aos adeptos que estiveram em Barcelona a acompanhar o hóquei. Foram mais notados do que se esperava e mereceram menção honrosa por parte dos comentadores espanhóis, espantados com tamanho entusiasmo e fidelidade.

Somos enormes!

Hoje há mais e estes são os destaques.

Destaques domingo.png

Agenda completa AQUI

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal

Posts mais comentados