Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

2015/16: A Onda Verde

Terminada que está a época, é tempo de fazer também o rescaldo da Onda Verde. É sabido que os Sportinguistas bateram todos os recordes de assistência em casa e que não pouparam esforços na hora de apoiar a equipa fora mas falta quantificar e comparar com o passado recente.

Apesar do Sporting ter noticiado uma média superior a 40 mil adeptos por jogo, tal não corresponde à realidade e confesso não saber como se chegou aos 40017 espectadores veiculados pelos nossos meios de comunicação oficiais.

A média foi de 39988 espectadores por jogo (a 2ª da nossa Liga, atrás do Benfica - 50322) e a taxa de ocupação de 80% (a 2ª da nossa Liga, atrás do Marítimo - 85%).

Os maior parte das equipas da 1ª Liga subiram este ano as suas médias de assistência e só dois pioraram os seus registos de 2014/15. Um bom indicador que deverá fazer a Liga pensar em formas de melhorar ainda mais estes números (talvez com maior transparência e melhores espectáculos a coisa possa atingir outros patamares).

Vamos aos números:

Média em casa.png

Média em casa sem grandes.png

Percentagem ocupação em casa.png

Percentagem ocupação em casa sem grandes.png

Percentagem ocupação fora.png

Percentagem ocupação fora sem grandes.png

 

COMPARATIVO COM A ÉPOCA ANTERIOR

Comparativo assistências Liga.png

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Ponto da situação da Onda Verde

A quatro jornadas do final, parece-me pertinente fazer um ponto de situação da Onda Verde, comparando-a com a dos rivais.

Onda Verde.png

Tal como no último update, mantemo-nos líderes em percentagem de ocupação no próprio estádio, embora os adeptos benfiquistas tenham começado nas últimas semanas a subir este percentil.O Porto encontra-se em queda livre, tanto nos jogos em casa, como nos jogos fora. Fora, tanto Sporting como Benfica viram a percentagens de ocupação subir, mantendo essa tendência.

Onda Verde 1.png

Em casa, há três jogos consecutivos que Sporting e Benfica vêm as suas médias subir. Em contraponto, a média de assistência do Porto desce há 10 jogos consecutivos, situação que sofrerá inversão dentro em breve, assim que o Sporting visite o Estádio do Dragão. O Benfica lidera sem surpresa neste parâmetro.

Onda Verde 2.png

As médias decrescem em 2 mil espectadores se excluirmos da contagem os jogos grandes. Há 7 jogos consecutivos que a média cresce em Alvalade. Na Luz, há 5 jogos que a tendência é crescente. No Dragão, há 11 jogos consecutivos que a média cai.

Onda Verde 3.png

Depois de na 1ª metade da época o Porto ter sido o clube que mais encheu o seu estádio, o Sporting assumiu a liderança deste dado estatístico, que mantêm há 7 jogos em sua casa. O Benfica nunca teve uma percentagem de ocupação do seu estádio superior aos dois rivais em toda a temporada.

Onda Verde 4.png

Mesmo excluído os jogos grandes da equação, a tendência mantêm-se. O Porto foi 'rei' na 1ª metade da temporada, para depois passar o 'trono' ao Sporting.

Onda Verde 5.png

Sporting e Benfica têm-se mantido a uma distância mais ou menos constante na ocupação dos estádios dos adversários. O Porto vem-se afastando dos rivais. Neste ponto, de realçar apenas que o Benfica não foi a Arouca, tendo sido deslocado o jogo para Aveiro (o que não significa que não preenchesse 78% do Estádio Municipal de Arouca, como fez em Aveiro).

Onda Verde 6.png

Excluído as deslocações ao campo dos outros grandes, o Benfica perde 3 pontos percentuais, o Sporting 2 e o Porto 6, facto que mostra que são os Sportinguistas quem menos oscila na sua falange de apoio.

 

Já pouco se alterará até final da temporada. Espera-se que Sporting, Benfica e Porto acabem por subir as suas médias em casa. Os dois primeiros pela disputa pelo título, o Porto porque recebe o Sporting. Fora, parece que a Onda Vermelha vai bater a verde em todos os aspectos, excepto no qualitativo.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Um registo histórico

Não há volta a dar. Este ano vai bater-se pelo segundo ano consecutivo o recorde de assistência média no novo Estádio José Alvalade.

Depois de no ano passado termos estipulado o recorde em 34988 espectadores em média, este ano preparamo-nos para acrescentar a este número, pelo menos 5 mil.

A média actual dos jogos em casa para a Liga é de 39450 e espero que consigamos acabar a temporada com média superior a 40 mil.

Faltam apenas dois jogos para continuar a mostrar a força do 12º jogador e apoiar a equipa na luta pelo título nacional.

A título de curiosidade, desde que o novo Estádio José Alvalade foi construído (13 épocas), apenas por 5 vezes chegámos a 5 jornadas do fim na luta pelo título e só numa delas à distância que nos encontramos agora.

A onda verde não pode parar.

Média novo Alvalade.png

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

A Onda Verde: Podemos e devemos fazer mais e melhor

Resolvi fazer um ponto da situação relativamente às médias de assistências dos 3 grandes nas várias competições.

A média, na Liga Portuguesa, foi dividida entre os totais absolutos e os jogos com as equipas ditas pequenas, tanto em casa, como fora.

Faz mais sentido, tendo em conta que nem todos os embates entre os grandes estão realizados e estes inflacionam positivamente as médias.

Comparar as médias dos jogos com os ditos pequenos dá uma perspectiva mais realista da verdadeira militância de cada um dos clubes e parece-me ser essa a bitola de onde devemos partir para melhorar.

Acrescentei também a taxa de ocupação média em todas as categorias pois, sobretudo nos jogos fora, dá uma ideia mais realista devido às diferenças de lotação entre os estádios dos oponentes.

Assistências.png

CONCLUSÕES

LIGA PORTUGUESA (Em casa)

- Não é surpreendente que seja o Benfica a deter uma média de assistências superior às dos rivais. Tem uma massa adepta maior (14 milhões em todo o mundo, não é?) e um estádio de maiores dimensões.
- Curiosamente, a percentagem de ocupação dos estádios, tanto na totalidade dos jogos como apenas nos jogos frente às equipas ditas pequenas, é favorável ao Porto e bastante semelhante entre os três clubes.
- Estamos atrás dos rivais tanto em média de espectadores como em taxa de ocupação e, mesmo que tenhamos menos dois jogos em casa que os rivais e possamos melhorar os nossos números (convém lembrar que, entre os três, o Sporting é o único que ainda não teve jogos grandes em sua casa), parece-me cada vez mais importante apelar à mobilização dos Sportinguistas.

LIGA PORTUGUESA (Fora)

Pelos motivos já enumerados acima, vou centrar-me mais nas taxas de ocupação, devido às discrepâncias na lotação dos estádios onde cada um já jogou.
- Sporting e Benfica apresentam exactamente a mesma taxa de ocupação nos jogos fora (70%) e bem longe da capacidade mobilizadora do Porto (apenas 40%, ressalvando o facto do Porto ainda não se ter deslocado ao estádio de nenhum dos rivais, ao contrário de Sporting e Benfica).
- Excluindo os jogos grandes, voltam a destacar-se Benfica (59%) e Sporting (56%) relativamente ao Porto (40%).

COMPETIÇÕES EUROPEIAS

Aqui vou centrar-me apenas nos jogos em casa.
- O Sporting parece sair prejudicado por jogar uma competição menos apelativa que os rivais. A Liga Europa não tem a capacidade de mobilizar adeptos como a Champions e, depois de mais de 40 mil terem assistido à pré-eliminatória frente ao CSKA, a média decresceu drasticamente.
- O Benfica apresenta a melhor média de espectadores, apenas ligeiramente acima do Porto (que apresenta uma taxa de ocupação superior).

TAÇA DE PORTUGAL

Deixei os dados mais por curiosidade, pois não me parecem relevantes. Os jogos têm impacto muito diferente nos adeptos e, regra geral, são menos apelativos e interessantes.

Mitos e certezas

Ultimamente, muito tenho ouvido falar em fidelidade, ondas e números de adeptos falaciosos. É hora de cada um apelar à presença no estádio e vender os seus lugares anuais.

Quantas vezes já ouvi a teoria de que temos o estádio às moscas e que na nossa pior classificação de sempre jogávamos para 6 ou 7 mil pessoas! Pois, este post tem como objectivo encerrar certos mitos.

O Sporting, em 2012/2013, no ano trágico que nos deu a pior classificação de sempre da nossa história nunca jogou para menos de 19000 adeptos (na verdade até foram quase 20000) e na 27ª jornada, sem nada para vencer, foram mais de 30000 os presentes nas bancadas.

Quando afirmamos que somos diferentes: mais fiéis, mais dedicados, menos dependentes de resultados para nos fazermos sentir no apoio à equipa, sempre ouvimos um adepto rival a dizer que somos como os outros. Se ganhamos, enchemos o estádio, se perdemos somos meia dúzia. Isto é falso.

Este argumento é falso e a prova disso são os números, os irrefutáveis números.

São já treze temporadas sem vencer um campeonato e, ainda no velhinho Alvalade, registou-se a pior média de assistência de que me lembro: 14789 espectadores assistiram, em média, a cada jogo do Sporting. Ainda antes da construção dos novos estádios, fenómenos semelhantes aconteceram aos rivais.
Em 2002/2003 a média de assistências no Estádio da Luz foi de 22541 espectadores e, em 2000/2001, o Porto registou uma média de 17776 espectadores.

No novo milénio (15 épocas), apenas por uma vez o Sporting foi o clube com melhor média de assistências no seu estádio (28814, em 1999/2000).

Neste mesmo período, o Benfica teve 9 vezes a melhor média dos 3 grandes mas apenas nas últimas 6 épocas (curiosamente, os anos que Jorge Jesus passou na Luz) o conseguiu de forma consistente.

Nas restantes 5 temporadas, foi o Porto a superar os rivais, colocando no seu estádio mais adeptos (todas entre 2002/2003 e 2008/2009).

As temporadas deste milénio jogadas nos antigos estádios não trouxeram médias famosas e os números máximos são até muito semelhantes: Sporting (28814), Benfica (29924) e Porto (28248).

O Euro 2004 e os novos estádios tiveram o condão de 'acordar' os adeptos. A maior comodidade dos estádios, bem como a modernização a eles adjacente atraíram mais pessoas aos estádios.

No novo Estádio José Alvalade, as médias oscilam entre os 24606 e os 34988 espectadores.

No novo Estádio da Luz, as médias andam entre os 28395 e os 50033 espectadores.

No novo Estádio do Dragão, as médias foram entre 28685 e 38781 espectadores.

Curiosamente, o que se observa é que os que mais parecem andar ao sabor dos resultados são os adeptos do Benfica. A difereça de 21638 espectadores entre a melhor e a pior média no novo Estádio mostra isso mesmo. Se englobarmos todas as épocas do novo milénio, a média sobe para 27492 de diferença entre as épocas de menor e maior afluência.

Desde que o novo José Alvalade foi edificado, o diferencial resultante das médias de assistências foi de 10382. Analisando todo o novo milénio, esse diferencial sobe para 20199.

No caso do Porto (o clube que mais vitórias alcançou neste período) a diferença é idêntica à do Sporting. 10096 no novo estádio e 21005 neste novo milénio.

Em 15 temporadas as diferenças globais não são tão significativas quanto se quer fazer crer. O Sporting é, dos 3 grandes, aquele que menor média de assistências regista mas sem que se registem diferenças brutais e desadequadas aos universos de adeptos dos três clubes.
- Benfica (36959)
- Porto (31918)
- Sporting (28069)

Como se pode verificar, mesmo com um número reduzido de vitórias (apenas dois campeonatos em 15 épocas, ambos nas primeiras três temporadas deste novo milénio), os Sportinguistas são aqueles que menos definem o seu apoio pela posição na tabela classificativa.

Este tipo de análise não pretende, ao contrário das de outros clubes, assumir nenhuma espécie de superioridade. Pretende apenas desfazer mitos e comprovar factos. Não somos os que mais adeptos levamos aos estádios mas somos os mais fiéis e resilientes. Somos os mais dedicados e apaixonados e não dependemos de vitórias para estar ao lado da equipa de futebol.

Não nos assumidos como diferentes porque sim nem queremos com isso parecer melhores que ninguém. Somos diferentes e isso é um facto.

Agora, resta esperar que o efeito Jorge Jesus se faça sentir da mesma forma do que quando chegou ao Benfica (no primeiro ano de Jorge Jesus, a média subiu quase em 15000 espectadores) onde aparentemente, os adeptos iam ver a equipa que ele treinava e não a equipa da 'estrutura', que já era a mesma há quase uma década.

Para já, 20000 Gameboxes vendidas em cerca de duas semanas, parecem bom prenúncio.

Segue o infograma completo:

Média Assistências Global.png

 

Fontes: http://www.european-football-statistics.co.uk/attn.htmhttp://www.ligaportugal.pt/oou/estatisticas/espectadores/

Balanço final da onda verde

Evolução da onda verde.png

No que a nós, Sportinguistas, diz respeito, pode dizer-se que foi uma época positiva, em que a onda verde cresceu em Alvalade mas decresceu (embora muito ligeiramente) fora de casa.

Na verdade, os números são semelhantes aos da temporada passada e será necessário que sejamos nós, que vamos frequentemente ao estádio, consigamos arrastar mais um amigo ou familiar connosco.

Espero também que a conquista da Taça de Portugal e um bom início de época possam ajudar a dar maior dimensão a estes números.

Quanto ao comparativo com os rivais, como seria de prever, os bons resultados desportivos afastaram o Benfica para números difíceis de atingir.

Após uma época desolante, o Porto melhorou e os adeptos responderam positivamente, aproximando-se dos números do Sporting mas ainda assim abaixo daquilo que a onda verde produziu.

No final de época, já sem objectivos palpáveis e com as perspectivas de um Benfica campeão, acabámos por perder o primeiro lugar no que às assistências em jogos fora diz respeito.

A verdade é que a onda vermelha foi este ano praticamente avassaladora, mesmo que alavancada pelo #colinho.

Resta esperar que, para o ano, os resultados possam dar um impulso forte que eleve estes números para algo mais consentâneo com o nosso estatuto. Será importante, tanto para a nossa reafirmação como para que os rivais sintam a nossa força.

Vamos ao estádio

Atendendo ao facto de ternos percorrido as dez primeiras jornadas da Liga Portuguesa, parece-me oportuno fazer um apanhado das assistências dos jogos dos três grandes.

Assistências 10J.png

Sendo certo que este tipo de análise é passível de várias interpretações e que os estádios dos 3 clubes têm lotações diferentes (nos casos de Sporting e Porto nem tanto) divulgo mais uns dados que não detalhei no quadro acima.

SPORTING
Nos jogos em casa a média de assistências é de 35353 espectadores.
Nos jogos fora de casa a média de assistências é de 25467 espectadores.

PORTO
Nos jogos em casa a média de assistências é de 36412 espectadores.
Nos jogos fora de casa a média de assistências é de 15357 espectadores.

BENFICA
Nos jogos em casa a média de assistências é de 43964 espectadores.
Nos jogos fora de casa a média de assistências é de 10921 espectadores.

Isto só por si nem quer dizer nada de específico, no entanto, é interessante ver que os jogos do Sporting, que neste momento é o oitavo classificado da Liga são os que mais público atraiu aos estádios (não me esquecendo que um dos jogos foi frente a um rival, no estádio com maior lotação do país).
Sendo o Benfica o clube com o estádio maior e com o maior número de adeptos (e sócios, embora os alemães desconfiem!) devo dizer que, após uma época de sonho em que ganharam quase tudo a média de espectadores me parece francamente desapontante.
Sporting e Porto têm médias de assistência semelhantes em casa, embora os dragões ainda não tenham recebido qualquer dos rivais (ao contrário do Sporting).
Excluído os jogos entre os grandes na contabilidade dos jogos fora de casa, confirma-se que a onda verde supera a dos rivais. Os jogos fora do Sporting não disputados frente a rivais directos perfazem uma média de 12859 espectadores, enquanto as de Porto e Benfica são de 9697 e 10921 espectadores.

Quanto a nós, adeptos do Sporting Clube de Portugal, podemos orgulhar-nos do espectáculo que temos dado em todos os campos em que o Sporting tem jogado, no entanto há trabalho a fazer e será importante aumentar a mobilização de adeptos nos jogos em nossa casa (esperando que em campo a equipa corresponda com vitórias).

No final da primeira volta, talvez faça novamente este exercício.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal