Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

Espero que haja mais Sporting que JJ

O primeiro jogo da época é sempre um jogo de nervos. Depois de um mês de pré-temporada, o primeiro jogo da época é sempre uma incógnita.

Num grande clube, como o Sporting, entrar bem não é uma conveniência mas sim quase uma obrigação. A verdade é que, quando o fizemos em casa, raramente vacilámos.

Nos últimos 20 anos, foram 9 as vezes que debutámos em casa. 8 vitórias e uma derrota, um registo antagónico ao do nosso actual treinador, mesmo enquanto treinou o rival da 2ª circular.

 

SPORTING CP

 

2000/01 - 1-0 vs Farense

2001/02 - 1-0 vs Porto

2004/05 - 3-2 vs Gil Vicente

2005/06 - 2-1 vs Belenenses

2006/07 - 3-2 vs Boavista

2007/08 - 4-1 vs Académica

2008/09 - 3-1 vs Trofense

2011/12 - 1-1 vs Olhanense

2013/14 - 5-1 vs Arouca

 

De Jorge Jesus estão apenas contabilizados os jogos no principal escalão nacional. Em 6 encontros, apenas por uma vez ganhou, na última época ao serviço do Benfica. É para manter esse registo e não para voltar aos antigos, mister.

 

JORGE JESUS

 

1995/96 - Felgueiras 2-2 Chaves

1999/00 - Est. Amadora 0-3 Belenenses

2009/10 - Benfica 1-1 Marítimo

2010/11 - Benfica 1-2 Académica

2012/13 - Benfica 2-2 Braga

2014/15 - Benfica 2-0 P. Ferreira

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Surpreendente convocatória para Vila do Conde

Apesar de compreensível, não deixa de ser surpreendente a convocatória para o jogo com o Rio Ave.

Aqui vai:

Guarda-redes: Marcelo Boeck e Luís Ribeiro

Defesas: Miguel Lopes, Cédric, Tobias Figueiredo, Naby Sarr, Ewerton e Jonathan Silva

Médios: Oriol Rosell, Wallyson, João Mário, André Martins

Avançados: Carlos Mané, Nani, Matheus Pereira, Tanaka, Montero e Slimani

São apenas 18, os jogadores convocados e, como tal, nenhum terá a triste notícia de ver o jogo na bancada.

Compreendo e apoio a ideia de premiar alguns dos jogadores da equipa B, tendo especial cuidado para não desfalcar em demasia um grupo que ainda tem um objectivo por cumprir (recordo que foi assumido publicamente por João de Deus e alguns jogadores o desejo de bater o recorde de pontos das equipas B na 2ª Liga, atingido na época passada pelo Porto com 77 pontos - faremos 78 se vencermos).

Assim sendo, Luís Ribeiro, Wallyson e Matheus Pereira foram os escolhidos, por diferentes motivos (acho eu).

Luís Ribeiro e Wallyson fizeram uma grande temporada na 2ª Liga e podem ambos fazer parte do plantel principal da próxima temporada (Wallyson é uma certeza e Ribeiro pode ocupar o lugar de Boeck, em caso de saída do brasileiro, que está a um ano de terminar contrato). Já Matheus, surge numa lógica de futuro. Houve uma aposta no seu potencial ao renovar contrato e, embora hajam jogadores na equipa B que mereciam mais este prémio, esta foi uma forma de manter o foco no brasileiro que, com ainda alguns tiques de vedeta, precisa de pequenos objectivos que não o façam desmoralizar.

Assim sendo, hoje apetece-me arriscar o MEU 'onze':

Luís Ribeiro; Miguel Lopes; Tobias; Ewerton; Jonathan; Wallyson; André Martins; João Mário; Mané; Nani; Slimani.

Sendo que, correndo tudo dentro da normalidade, Ewerton, Nani e Montero seriam substituídos no decorrer do encontro por Sarr, Matheus e Montero.

Para terminar, gostei de ouvir Marco Silva hoje, na conferência de antevisão do encontro: “Sinto que o Sporting me apoia e não interessa estar aqui a individualizar. É sempre importante qualquer pessoa sentir apoio, dá mais vontade de trabalhar”

Sporting CP 4 Braga 1

Foi um bom teste, embora enganador.

Não que isto retire algum do mérito da vitória e da exibição, bem pelo contrário.

Houve bom futebol, intensidade q.b e alguma passividade do adversário, que se apresentou na expectativa e a jogar apenas no erro, embora sem o forçar.

Em todo o caso, acredito que não será este o Braga que se apresentará no Jamor.

Depois de uma boa entrada no jogo, acabou por ser o adversário a adiantar-se no marcador, através de um penalti discutível, cometido por Tobias, onde não é possível afirmar convictamente que toca no adversário.

O golo não abanou os leões que, embalados pela classe de Montero, criavam com alguma facilidade boas jogadas de entendimento e lances de perigo.

Ainda antes do empate, é dos pés de Montero que surge o 'golo' do jogo. Sim, eu sei que a bola não entrou...mas devia. Lance genial de Freddy: recebe, roda e 'saca' um chapéu monumental que só a barra e o azar não quiseram que se tornasse num dos golos deste campeonato.

Montero é classe pura e qualidade e será um crime retirá-lo da equipa no momento de forma e de confiança em que se encontra.

Xistra descortina um penalti sobre Carrillo que, no estádio, não me pareceu existir e, nas imagens, volta a não me convencer.

Adrien não desperdiça e vamos para o intervalo com um empate.

45 minutos de domínio total a que se seguiriam os outros 45 idênticos.

Canto de Nani, cabeceamento de William, defendido pelo redes bracarense, e recarga de raiva de Tobias. Estava operada a reviravolta.

Sai Montero para dar minutos a Slimani.

Tempo ainda para um belo golo de Adrien, num remate de fora da área, sem hipóteses para o guarda-redes.

Entrávamos nos últimos minutos e faltava dar a Nani uma despedida digna de Alvalade. Marco Silva acedeu, o público levantou-se das cadeiras e ovacionou de pé um ídolo que quis voltar a casa e nos deslumbrou por, pelo menos, meia época.

Faltava completar o ramalhete. Carrillo fez o ramo e Slimani atou o laço. Mais uma assistência para o peruano e um aporte de confiança para o argelino.

Excelente despedida de Alvalade, onde voltarei na próxima época. 

Vou sentir saudades de casa!

Hoje joga o Sporting

Por mim, era encarar o jogo de hoje como a primeira mão de uma eliminatória a fechar no Jamor em que, independentemente do resultado do jogo de Alvalade (que, espero, seja uma vitória), encarássemos a final do Jamor como se nos encontrássemos em desvantagem.
Quem sabe assim, não entremos adormecidos no jogo mais importante da época.

Quanto ao jogo de hoje, espero um bom ensaio para o jogo de dia 31, sem saber minimamente se terá algo em comum com o que lhe sucede.

Parece que a ausência de Jefferson foi gestão física, em vez de castigo pelas fracas prestações pois, Jonathan, ficou de fora da convocatória. Espero que o brasileiro venha com a cabeça no lugar e volte a uma forma que há muito não nos demonstra.

A ausência de Ewerton, por lesão, dará provavelmente lugar a Tobias Figueiredo no centro da defesa, compondo com Paulo Oliveira a dupla de centrais.

Nani voltará à titularidade, até porque será o jogo de despedida em Alvalade, onde espero que volte para a volta de honra com a Taça de Portugal em punho.

Aplaudirei com carinho e em gesto de agradecimento pelos bons momentos que nos proporcionou e desejando-lhe a maior das sortes para o futuro, seja ele onde for.

O Braga não está no melhor momento da época e espero que venham a Alvalade tentar mostrar que podem ainda ultrapassá-lo. Mais um jogo amorfo dos bracarenses podia criar dentro da nossa equipa a ideia de que a Taça já está no papo e isso é tudo o que não quero.

Quem dera que venham com tudo e levem uma lição. Lição essa que podemos dar em dose dupla, com periodicidade quinzenal.

SPOOOOOOOOOOOOOOORTING!

Estoril 1 Sporting CP 1

Uns empatas, é o que somos. Não nós, adeptos, mas sim a nossa equipa de futebol.

10 empates em 32 jogos é demasiado para alguém que almeja a conquista do título nacional.

A minha frustração só não é maior porque, como medida de prevenção, também eu já apontei baterias para o Jamor.

Nada mais há a fazer pela classificação na 1ª Liga.

Não pensem com isto que deixei de parte o meu nível de exigência.

Quero vencer os dois jogos que faltam e acho que é a nossa obrigação fazê-lo. Ninguém quer chegar ao jogo mais importante da época numa série de três jogos sem vencer nem isso é admissível.

Quanto ao jogo de ontem, foi mais um para dormir durante quase duas horas. Digo quase porque até estivemos em campo 20 minutos, onde podíamos ter virado o resultado a nosso favor.

Não o conseguimos e sobrou mais um resultado negativo.

Não posso deixar de dizer que, mesmo com uma exibição fraca, o homem do apito voltou a prejudicar-nos. Ainda dentro dos primeiros cinco minutos e com Montero perfeitamente em jogo e só com a baliza pela frente, o lance é anulado por fora de jogo inexistente. Ninguém garante que ganharíamos o jogo nem serve de desculpa para um empate onde a nossa incompetência foi superior à da equipa de arbitragem.

Segue-se o Braga e um importante teste para o Jamor. Estarei em Alvalade e, visto ser o último jogo em casa, espero uma despedida em grande.

Hoje joga o Sporting

Pego na convocatória de Marco Silva e mais especificamente na ausência de Jefferson para destacar a lucidez que a tranquilidade na tabela classificativa trouxe ao 'mister'.

Não tem feito tudo bem e tem cometido erros. Mas tem dado oportunidades, premiado os que merecem e sacrificado os que não parecem merecedores da confiança depositada.

Há semanas que venho criticado as exibições e a displicência de Jefferson.

Finalmente Marco Silva viu o mesmo que eu e agiu em conformidade.

Não há lugares cativos e isso agrada-me.

Chegamos à fase mais importante da época e se é para ir para a guerra, que vamos com os que aceitam 'morrer' pelo leão rampante.

O adversário é o Estoril, hoje bem mais descaracterizado relativamente ao tempo do nosso actual treinador.

Como sempre, é para ganhar e nada menos que isso é aceitável, excepto em condições extraordinárias.

Mesmo com valores individuais interessantes, os canarinhos não são a equipa consistente e organizada das épocas anteriores. A segurança de Yohan Tavares não é a mesma. Diogo Amado, formado em Alcochete, é o pêndulo do meio-campo e Sebá e Tozé os mais perigosos.

Nada que assuste o leão, desde que este se apresente faminto, visto que faz uma semana que, qual pac-man, não come 3 pontinhos.

Confio na segurança da dupla de centrais, no equilíbrio de William, no desequilíbrio de Carrillo, no faro de Mané e na classe de Montero que, felizmente, tem vindo com golos.

Que seja mais um domingo de sorriso nos lábios, de preferência com bom futebol.

SPOOOOOOOOOOOORTING!

 

Sporting CP 2 Nacional 0

Ganhámos!

Mas esperava muito mais no que à exibição diz respeito.

A primeira parte foi muito má e parece que o 'fantasma' das primeiras partes continua a morar em Alvalade.

A verdade é que não houve um jogador que escapasse à onda de más exibições. Dois ou três foram menos maus, mas nem por isso bons.

Numa fase do campeonato em que já se percebeu que Marco Silva quer rodar a equipa e fazer descansar as peças chave, entendo-o tendo por base que são dadas oportunidades a jogadores capazes de interpretar o modelo de jogo (que neste momento nem sei se existe). Isto para, com alguma mágoa, voltar a dizer que Capel já não é jogador para o Sporting. Exibição medíocre, premiada com a substituição ao intervalo (por mim, tinha sido mais cedo).

Rosell também ficou no balneário no fim dos primeiros 45 minutos, embora nem fosse por ele que a equipa não funcionou durante a primeira parte (eu tinha retirado Tanaka ao intervalo para equilibrar o meio campo).

A segunda parte mostra que os próprios jogadores confiam mais nuns do que noutros. A estratégia para a segunda parte passou por dar a bola ao mais talentoso, Carrillo. O peruano correspondeu, deixando a cabeça em água a Marçal, esse enorme jogador que, segundo os pasquins, o benfica nos terá 'roubado'.

Passados dez minutos da segunda parte, Montero começa a cumprir aquilo que eu tinha prognosticado e marca o primeiro (mais uma assistência para Carrillo).

A equipa relaxou e pensou que estava tudo decidido.

O Nacional cresceu e assustou, sobretudo de bola parada.

Só no período de descontos Montero bisou, descansou as hostes leoninas e passou a ser o melhor do Sporting em todas as competições.

SINAL +

Montero - Decidiu o encontro com dois golos à ponta-de-lança

Carrillo - Foi a chave da vitória e a origem de quase todos os lances de perigo

A. Martins - Voltou a ser o ponto de equilíbrio do meio-campo e foi o que mais bolas recuperou em todo o jogo

SINAL -

Jefferson - Foi, mais uma vez, o pior em campo e há muito que precisa de banco

Paulo Oliveira e Ewerton - Exibição carregada de erros, sobretudo na primeira fase de construção ofensiva

Mané - Inconsequente, decidiu quase sempre mal

Hoje joga o Sporting

Noite amena, bem convidativa a uma ida à bola.

Lá estarei, no lugar do costume.

Curioso para ver como Marco Silva monta a equipa com tantas ausências. Gostei da omelete em Moreira de Cónegos e não me importava que fosse feita hoje com os mesmos ingredientes...sobretudo a eficácia.

Manuel Machado não é parvo e não virá a Alvalade jogar para vencer. Além disso, com o Braga na final da Taça, julgo que o sexto lugar do campeonato dará acesso à Liga Europa. Assim sendo, o objectivo está a três pontos de distância e um empate em Alvalade julgo que seria satisfatório para os insulares.

Será um Nacional fechado, de linhas recuadas e juntas, a explorar o contra-ataque. Nada de novo em relação ao que temos visto em Alvalade.

Quanto a nós, que somos o que realmente importa, julgo que nos pode facilitar a vida neste final de campeonato a falta de pressão dada pela tranquilidade na tabela classificativa. Claro que há sempre a pressão da vitória e todos gostamos de ver bom futebol...

Estou com um bom feelling para esta noite.

Uma boa vitória com um prémio merecido para os Geraldes (o André faz anos hoje, por isso, parabéns!). Quanto ao Chico, espero que o jogo nos corra de feição para que se possa estrear e ter o merecido prémio pela excelente prestação na equipa B.

SPOOOOOOOOORTING!

Moreirense 1 Sporting CP 4

Custava muito fazer isto noutros períodos da época, Marco?!

Excelente gestão do plantel e um bom resultado num show de Montero que, sem ser ponta-de-lança, é o melhor avançado da equipa.

Fossem todos os jogos assim, com este grau de eficácia, e não estaríamos tão longe do objectivo a que nos propusemos no início da época.

Claro que não passámos sem o golo estúpido concedido ao adversário (apesar do Moreirense ter marcado outro, mal anulado pelo árbitro) e sem alguma intranquilidade após o mesmo mas, no geral, fiquei muito satisfeito com o que vi.

Sinal +

Montero - esteve nos quatro golos e só isso é mais que suficiente para que seja considerado o melhor em campo

André Martins - tal como em Paços de Ferreira, encheu o meio campo e foi inclusive ele que, por vezes, libertou William para situações mais ofensivas. Ajuda colocá-lo a jogar onde mais rende.

Mané - não foi brilhante, mas voltou a dizer presente na hora de empurrar para a baliza

Tanaka - mais um golinho para a conta do 'japa'

Sinal -

Jefferson - anda a pedir banco há muito tempo e as desconcentrações começam a ser demasiadas

Nani - não conheço as clausulas do empréstimo de Nani e só entendo a sua utilização em tão mau momento de forma se o contrato a isso o obrigar

Fecho de fim-de-semana desportivo em grande, com vitória e goleada.

No final, isso foi o mais importante.

Isso e a alegria que nos deram os rapazes do hóquei!

Sporting CP 2 Boavista 1

Não dava para começar melhor! Nem um minuto estava cumprido em Alvalade e já Adrien tinha inaugurado o marcador.

Finalmente um jogo tranquilo, pensei eu.

Nada mais longe da realidade, constatei depois.

Aquilo que de bom se podia esperar do jogo, terminou aos 15 segundos.

Foi a pior primeira parte que vi este ano em Alvalade. Sem garra, sem atitude, sem velocidade, sem empenho...

Valeu-nos o facto do Boavista nos ter respeitado sempre e não ter nunca desmontado a sua estratégia inicial, assente numa atitude maioritariamente defensiva.

Para terminar o martírio que foi a primeira parte e já depois de Marco Silva ter alterado a estratégia (lançando Slimani e abdicando de Rosell), foi a vez de Jefferson borrar a pintura, que Tobias se encarregou de emoldurar.

Vermelho directo para o jovem defesa central Sportinguista e bola no ferro na sequência do livre directo.

Impunha-se um puxão de orelhas o intervalo.

As mais de 35000 pessoas presentes no estádio mereciam melhor do que aquilo com que tinham sido brindadas durante os primeiros 45 minutos.

Entra William Carvalho e sai Tanaka.

A ideia inicial era colocar William como defesa central mas, aos 50 minutos, Marco Silva chama à linha lateral Paulo Oliveira e William. Entrando no campo da especulação, arrisco dizer que, ao ver que Petit não iria alterar em nada a sua estratégia, Marco Silva mexeu decisivamente na estrutura da equipa. 

William passou a ser o que habitualmente é na manobra ofensiva da equipa enquanto que, defensivamente, limitou-se a ser muleta de Paulo Oliveira.

Sem grande brilhantismo mas com competência, viram-se imediatamente melhorias.

William pegou no jogo, Nani fez três passes de golo não aproveitados e Carrillo põe a bola 'redondinha' para Slimani fazer o 2-1.

Estava feito o que nos competia...vencer o jogo.

No entanto, não cumprimos o plano na totalidade.

A verdade é que, se queremos ter mais hipóteses que o adversário que teremos pela frente na final da Tala de Portugal, temos de fazer mais.

E com isto nem exijo futebol de encher o olho. Será necessário bem mais do que os serviços mínimos para podermos levantar um troféu no final da época.

(Não gosto muito de individualizar mas, ontem, o exemplo dado por Jefferson durante 90 minutos valia uns bons jogos na bancada.)

Para além da indispensável entrega e garra que ontem faltou durante toda a primeira parte será necessária competência e capacidade para desmontar a estratégia do adversário e é nisso que devemos trabalhar nos restantes encontros da época.

Agora que a posição na tabela classificativa está, mais do que nunca, quase definida, será importante aproveitar os cinco jogos que faltam da 1ª Liga para preparar convenientemente a final da Taça de Portugal com o conforto que conquistámos.

Será importante vencer, convencendo. Para aumentar os nossos índices de confiança, para que nos mantenhamos competentes e para não dar-mos armas ao adversário que disputará connosco o último troféu da temporada.

Tudo o que se passou ontem é material a rever...e a não repetir!

Vitória FC 1 Sporting CP 2

Fiquei feliz com a vitória!

E hoje nem vou dizer se acho que o Marco Silva montou bem a equipa, se fez bem as substituições...se o Rosell esteve bem ou se o Tanaka deve jogar mais.

Hoje, digo-vos que, se não fosse pelo meu (nosso) Sporting, nem ligava ao futebol português.

O nosso futebol morreu, foi enterrado há décadas e acredito que não cheguei a vê-lo com vida.

Quem acha que o apito dourado foi apenas uma fase má e um mau exemplo passageiro do que de mau se pode fazer com o desporto está enganado.

Nem o apito dourado foi apenas uma fase, nem só um mau exemplo.

O apito dourado é o espelho que reflecte o futebol português. Não apenas o das décadas de 80 e 90 mas o que daí em diante se viu, com episódicas excepções.

Ontem, assistiu-se a mais uma tentativa de roubo com um conjunto de cúmplices com medo de acusar e apontar o dedo ao ladrão.

E digo tentativa de roubo, porque o roubo efectivamente não se consumou.

Olegário Benquerença passou ontem 90 minutos a tentar evitar que o Sporting levasse para Lisboa os merecidos três pontos que com tanto esforço conquistou.

Se na primeira parte o esforço do Olegário foi atenuado com dois golos, na segunda, o golo dos sadinos deu mais força ao ladrão.

Enquanto este tentava consumar o roubo, certos comentadores televisivos tentavam branquear todo aquele circo montado, para 'gamar' nem que fossem apenas dois pontos (ou mais dois).

Exibição medíocre e insolente. Ridícula e ofensiva. 

Uma vergonha para o futebol nacional, um futebol que se diz e quer respeitado além fronteiras, onde outros o vêm ridículo.

Cá, não são os treinadores, os jogadores, as tácticas nem as fintas que resolvem jogos e campeonatos.

Cá, os campeonatos decidem-se atrás de secretárias (ao telefone), em restaurantes, hotéis e casas de alterne. Decidem-se na Liga, na Federação e no Conselho de Disciplina e de Arbitragem. Por vezes, até mesmo nos tribunais.

Por isso, eu estou feliz!

Porque o Leão lutou e, pelo menos desta vez, batalhou para levar para casa o que lhe pertencia e havia conquistado com mérito.

Hoje joga o Sporting

A maior dificuldade do jogo de hoje será, mais uma vez, a nossa eficácia na hora de rematar à baliza.

Os jogos frente às equipas que lutam pela manutenção numa fase adiantada da época são sempre difíceis mas, a verdade, é que o Vitória é uma das piores equipas do nosso campeonato.

Bem sei que mudaram de treinador mas eu não me esqueço do jogo em Alvalade, onde a preocupação foi fazer anti-jogo desde os 30 segundos e defender com onze dentro da área. Levaram 3, mas deviam ter sido 6 ou 7.

Parece-me um bom jogo para rodar um pouco a equipa, por forma a manter todos focados num final de época onde a união do grupo será muito importante. Ora, a satisfação dos jogadores é importantíssima para o factor anímico, para o comprometimento com os objectivos da equipa e para a solidariedade para com os colegas de equipa.

Estes serão predicados que teremos de ter até ao fim da época onde, no Jamor, podem até ser preponderantes. Mais ainda do que a qualidade de jogo.

A verdade é que, a espaços, temos voltado a apresentar bom futebol. Espero ver mais disso hoje e, se possível, trazendo de volta a eficácia da recepção ao Vitória minhoto.

Já agora, Marco, dá lá uns minutinhos ao Ryan. Todos queremos ver mais um pouco do miúdo.

E tragam os três pontos de Setúbal.

SPOOOOOOOORTING!

P. Ferreira 1 Sporting CP 1

Estamos numa época festiva e, como em todas elas, repetem-se os filmes na TV dos quais estamos cansados mas acabamos por, mais uma vez, voltar a rever.

O mesmo se passou ontem em Paços de Ferreira, onde o Sporting nos voltou a mostrar um filme que vimos pela enésima vez.

Estive no estádio e posso afirmar que, sem ser um jogo brilhante, fomos sempre competentes e, não tivéssemos gasto toda a eficácia frente ao Guimarães, estaríamos agora a saborear mais uma goleada e a elogiar treinador e jogadores.

Não há que ter medo de pôr o dedo na ferida. Já se sabe quais são os jogadores em que Marco Silva confia e já nem gasto mais balas nessa guerra. Qualquer jogo mais complicado em que precisemos de sacar um coelho da cartola (neste caso do banco de suplentes) falhamos o truque porque não levamos para o palco os utensílios necessários fazer um brilharete.

Nada a apontar ao nosso treinador no escalonamento do 'onze'. Já o mesmo não se pode dizer das substituições (e já começa a ser recorrente e exasperante). Mas, já lá chego.

Jogo de sentido único. Um golo. Uma boa exibição. Meia dúzia de golos falhados.

Ao minuto 60, quando João Mário e Carrillo, ambos isolados, falham dois golos feitos o meu alarme soou.

Marco, tens de mexer!

Só ao minuto 74 Montero foi chamado ao banco e já tínhamos baixado linhas. Pareceu-me um acto mais consciente do que algo provocado por uma maior pressão ou domínio dos pacences.

Claramente, estávamos a pensar em quarta-feira e o meu alarme continua a soar ruidosamente.

Montero começa a encaminhar-se para o centro do terreno para dar lugar a Slimani. Minuto 75. João Mário faz uma asneira (mais uma) e Rodrigo Galo remata forte e empata a partida (Patrício não fica isento de culpas).

Sem reacção, Marco Silva não altera a substituição. Como é possível?! (penso eu e todos na bancada)

Mais duas boas oportunidades falhadas até final e mais duas substituições sem nexo.

Na conferência de imprensa vem a explicação (esfarrapada e gasta, a meu ver), Slimani e Carrillo estavam desgastados.

Eu respondo... Ai estavam? E não aguentavam mais 10 minutos?! É que, se estavam no limite, deviam ter sido substituídos aos 60 minutos e não aos 80!

Começo a ficar agastado com tudo isto e já só penso na próxima época. Já me entusiasmo mais com a possibilidade de um brilharete da equipa B na 2ª Liga do que com uma vitória na Taça de Portugal que, a meu ver não salvará a época. Será uma boa conquista, mas a prestação no campeonato não passará de mediana.

Que seja como diz o Nani e que, na quarta-feira, o Nacional pague a factura.

Hoje joga o Sporting

Jogo frente a um adversário complicado, bem orientado e num campo tradicionalmente difícil.

Já tinha saudades de um dia de Sporting! Hoje, eu vou lá estar...para apoiar os rapazes de verde e branco.

Como já disse, o Paços é uma equipa 'arrumadinha'. Paulo Fonseca, depois do fracasso (assumido esta semana pelo próprio) no Dragão, voltou ao lugar onde já tinha sido feliz e encontra-se neste momento a apenas seis pontos dos lugares europeus (esperemos que assim se mantenham).

O Sporting estará quase na máxima força e terá apenas de suprir a ausência de Adrien, castigado.

Em treze jogos em casa, apenas o Porto, o Rio Ave e o Nacional venceram na capital do móvel.

Espero que hoje o Sporting se junte ao grupo dos que derrotaram o Paços em casa.

Conto para isso com uma entrada de leão, bem ao contrário do que fizemos em casa, frente a este mesmo Paços.

Acredito que será André Martins a ocupar o lugar de Adrien no 'onze'. Possivelmente obrigando ao recuo de João Mário, apesar de me parecer mais lógico que fosse Martins a ocupar a posição 8.

Não vou opinar sobre o 'onze'. Já deu para perceber que Marco Silva tem o seu núcleo duro e vou, mais uma vez, confiar no nosso treinador.

Vou alegre a Paços de Ferreira e espero voltar contente...com o resultado e, se possível, com a exibição.

SPOOOOOOOOORTING!

Sporting CP 4 Vitória SC 1

O jogo foi tudo o que eu tinha pedido.

Vencemos, convencemos e goleamos, retribuindo com bom futebol a goleada recebida em Guimarães.

O Vitória apresentou-se em Alvalade para discutir o resultado, de igual para igual, e disso poucos se podem gabar (nem o Benfica o fez). Rui Vitória fez o que prometeu: não trouxe o autocarro para o relvado e quase saiu de Alvalade humilhado.

O Sporting foi superior, eficaz e produziu vários momentos de bom futebol, sobretudo durante os primeiros 45 minutos.

Mais um golo de João Mário (e vão sete em todas as competições) desbloqueou o marcador e embalou o Sporting para meia hora de grande nível.

Adrien, de grande penalidade, e já no final da primeira parte Slimani, de cabeça (excelente insistência e cruzamento de Miguel Lopes), fizeram com que ao intervalo o resultado já fosse um volumoso 3-0.

Finalmente, adivinhava-se um jogo tranquilo em Alvalade.

A segunda parte foi menos espectacular e menos intensa. O jogo estava ganho e, embora Marco Silva tenha admitido que as ordens foram para não abrandar, o subconsciente dos jogadores aconselhou uma menor intensidade que levou a uma segunda parte menos bem conseguida.

Após mais uma grande penalidade Adrien, numa atitude de grande altruísmo e de um verdadeiro capitão (mesmo que sem a braçadeira), entregou a bola a Nani e disse-lhe para ser feliz. Nani assim fez. Aninhou a bola na gaveta e cantou-se mais um golo em Alvalade.

Tudo parecia perfeito e, por isso, faltava o momento caricato em Alvalade. Num lance totalmente inofensivo, Rui Patrício hesita (a meu ver, fez bem em voltar para a baliza), o jogador vimaranense cabeceia fraco e Jefferson, quase em cima da linha de golo, falha a bola e o alívio e o Vitória reduz para 4-1

Tempo para verificar a facilidade com que se expulsam jogadores do Sporting quando, num lance perfeitamente normal, Jorge Sousa resolve mostrar o segundo cartão amarelo e consequente vermelho a Paulo Oliveira, facto que obrigou Marco Silva a estrear mais uma dupla de centrais nesta temporada. Tobias Figueiredo entrou para equilibrar o eixo defensivo e fez par com Ewerton que, tudo indica, será seu parceiro no próximo jogo, em Paços de Ferreira.

Confirma-se o grande momento de forma de João Mário que foi, a meu ver, o melhor jogador em campo.

Uma palavra de apreço para Miguel Lopes. Já várias vezes o critiquei mas ontem esteve muito bem, tanto a defender como a atacar e fez aquele que, para mim, foi o seu melhor jogo de leão ao peito.

Hoje joga o Sporting

O fim-de-semana está a correr tão bem, que não podemos ser nós a estragá-lo.

Hoje, às 18 horas, temos de vencer os de Guimarães e, para mim, não é só mais um jogo. Temos o dever de provar que aquilo que se passou no jogo da primeira volta foi um total engano e devemos fazê-lo por vários motivos.

1º Porque a derrota em Guimarães, pela expressividade do resultado, deve ser vingada.

2º Porque mostramos na Cidade Berço uma atitude competitiva miserável onde não tivemos ponta de entrega e união.

3º Porque a sobranceria de Rui Vitória relativamente ao Sporting me enerva.

4º Porque vale três pontos num fim-de-semana em que os dois primeiros perderam pontos.

Sem surpresas na convocatória, apenas Cédric está afastado da mesma, por castigo.

Marco Silva praticamente garantiu que Miguel Lopes ocupará o lugar na direita da defesa mas manteve a dúvida relativamente a quem será o companheiro de Paulo Oliveira no eixo defensivo. Gostava que fosse Tobias, mas 'cheira-me' que será Ewerton o escolhido. A parte boa disto é que confio em ambos e isso é o melhor que posso dizer quanto às qualidades de cada um.

Espero que a equipa se solte, pois temos obrigação de jogar sem pressão. Ninguém nos pressiona atrás e, embora os da frente tenham perdido pontos, não podemos pensar em subir na classificação quando ainda estamos tão longe.

Será naquela do 'jogo a jogo'. Este é mais um e é para vencer, num dia em que se homenageiam em Alvalade as modalidades do clube e logo num ano em que teremos duas equipas na disputa de troféus europeus (futsal e hóquei em patins - e que jogo fizeram os nossos patinadores ontem, frente à Oliveirense).

Não vou apostar uma equipa. Vou confiar que, os que Marco Silva escolher entrarão em campo empenhados em vencer e convencer, lutando com união pela conquista dos três pontos que nos poderão aproximar um pouco dos líderes. Se copiarem a atitude que ontem vi no hóquei, são favas contadas!

SPOOOOOOOORTING!

Pólos opostos

Não é habitual usar o mesmo post para comentar os jogos da equipa B e da equipa principal, mas hoje assim será.

Foram duas vitórias. Uma na Academia e outra no Estádio dos Barreiros.

Gostei da vitória da equipa B que, assim, ocupa o 6º lugar a apenas seis pontos do 1º.

Não gostei nada do jogo nos Barreiros apesar de ter gostado da vitória.

Era suposto que fosse a equipa principal a lutar pelo título e não a equipa B mas a verdade é que, sem qualquer responsabilidade neste capítulo, a equipa B vai baralhando a luta pelo título da 2ª Liga sem que ninguém isso lhes exija.

Não quero ser demasiado duro com Marco Silva e os jogadores que têm sido utilizados na equipa principal mas ouso dizer que, neste momento, a equipa B arriscava-se a fazer melhor figura em alguns dos jogos na 1ª Liga.

Porquê?

Sobretudo porque demonstram uma atitude competitiva bastante mais evidente que os colegas do plantel principal.

Também erram o que, de resto, me parece mais 'normal' dada a inexperiência e juventude dos jogadores às ordens de João de Deus.

Depois há outra questão.

Nota-se clara evolução da equipa B. Um estilo de jogo rápido, de posse e com tentativas de jogar sem grandes correrias, sobretudo no meio campo. A equipa parece ter consolidado processos e ter ganho alguma maturidade.

Sinal evidente são, por exemplo, os últimos 10 minutos do jogo de ontem, frente ao Académico de Viseu em que, com menos um, simplesmente não houve jogo até ao apito final, tal foi a capacidade de controlo de jogo dos leões.

Claro que a reorganização de Janeiro em muito ajudou a equipa B. Ter um ponta-de-lança ajuda muito e João de Deus soube tirar partido das qualidades de Rubio, que em muito ajudaram à melhoria de toda a equipa que, finalmente, passou a ter alguém de qualidade a quem endossar a bola na frente de ataque. Rubio joga e faz jogar e isso nota-se.

O mesmo não se pode dizer da equipa principal que já jogou bom futebol esta época e que, neste momento, parece um deserto de ideias e um mar de incertezas.

Desde jogadores em défice físico ao défice de índices competitivos, nada tem ajudado a praticar bom futebol. Mais do que os resultados, chateia-me ver que a equipa regrediu em vez de consolidar processos. Deixa-me revoltado ver futebol sem rasgo e sem chama.

Dificilmente seremos alguma vez campeões nacionais a jogar da forma que fizemos ontem e que temos feito ultimamente. Poderemos vencer uma competição a eliminar, como é o caso da Taça de Portugal, mas nunca um campeonato, onde se tem de ser regular em 34 jogos.

Aliás, eu admito até que a equipa seja menos exuberante em jogos a eliminar pois é natural que exista um maior pragmatismo, em face da necessidade de não falhar, pois tudo se decide naquele momento. A mesma paciência já não tenho quando, num momento em que era suposto estarmos 'no ponto', o nosso jogo não passa de aborrecido.

Num momento em que faltam nove jogos para terminar o campeonato e temos a nossa posição praticamente definida, considero importante que se consolidem processos e se integrem jogadores com vista à próxima temporada, não só porque considero que pode trazer melhorias à equipa como também facilitará a preparação da próxima época. Fora o campeonato, a Taça tem de ser para vencer e só essa vitória com uma melhoria na qualidade de jogo nos jogos da Liga me deixará satisfeito.

Quanto à equipa B, nada lhes exijo, para além da atitude, entrega, qualidade e evolução que têm demonstrado. No fim, fazem-se as contas.

Uma nota final para Diego Rubio. Mais um grande golo e a prova de que é um avançado com qualidades raras. Bem sei que aufere um vencimento de cerca de 700 mil euros anuais, bem fora dos valores ideais e que, para agravar a situação, o vencimento dispara com a utilização na equipa principal. Para dificultar ainda mais tem o passe partilhado com fundos e o contrato termina em Junho de 2016, pelo que interessa aos fundos uma transferência que permita reaver o dinheiro investido (recordo que o Sporting adquiriu o jogador por 1M€ e, pese embora o vencimento ruinoso, já alienou partes do passe por cerca de 2M€). Com todas estas condicionantes e, partindo do princípio que Bruno de Carvalho gosta tanto do chileno quanto eu, é falar com o rapaz todos os dias, explicando-lhe que fazemos conta com ele e acenando-lhe com uma renovação de contrato mais consentânea com a realidade do clube, anulando cláusulas estúpidas e definindo objectivos que o motivem.

Hoje joga o Sporting

Mais um jogo para a nossa luta. Uma vitória pode colocar-nos com sete pontos de vantagem para o quarto classificado, colocando alguma pressão ao Porto que, logo de seguida, recebe o Arouca.

Claro que as expectativas passam pelo terceiro lugar, visto que o segundo parece de difícil acesso mas cabe a Marco Silva criar objectivos internos, talvez até que vão para além da simples conquista dos três pontos para que até ao final do campeonato nos consigamos superar e embalar para uma recta final que nos permita terminar a festejar no Jamor.

O Marítimo é uma equipa razoável que nem está a fazer um bom campeonato. Mudou recentemente de treinador e isso faz sempre com que nos primeiros jogos a moral pareça mais elevada.

Veremos se o Marítimo joga positivo, como fez em Alvalade, ou se se limita a jogar de 'autocarro'.

A ausência de William, por castigo, promete dificultar-nos na recuperação de bolas e na nossa fase inicial de construção e espero que Rosell consiga cumprir 'os mínimos'.

Tobias também não jogará, depois da expulsão frente ao Penafiel, e será, em princípio, Ewerton a ocupar a posição junto de Paulo Oliveira. Veremos se aguenta noventa minutos de intensidade de 1ª Liga.

Será importante que os homens da frente de ataque estejam em tarde inspirada para que possamos criar oportunidades um quantidade suficiente para fazer dois ou três golos visto que, normalmente, um não chega para vencer.

Sem novidades na convocatória, poucas novidades (para além das obrigatórias, face aos castigos) surgirão no 'onze'.

Que a uma vitória dos 'B' frente ao Académico de Viseu, na Academia, se dance o bailinho na Madeira com festa em tons de verde e branco.

SPOOOOOOOOOOOOORTING!

Sporting CP 3 Penafiel 2

Gostei do jogo de ontem! Aos rapazes de verde-e-branco, exijo três coisas: entrega total, a vitória e um espectáculo de qualidade. Ontem, conseguimos cumprir com as duas primeiras. Os jogadores foram briosos e entregaram-se de corpo e alma à tarefa de vencer o jogo...e conseguiram. Apenas a espaços se viu futebol de qualidade mas foi, no geral, uma exibição positiva.

Os primeiros dez minutos, com dois golos, indiciavam um jogo tranquilo para os adeptos leoninos mas, numa jogada daquelas que parecem só acontecer ao Sporting (e a alguns adversários do Benfica), Tobias acaba expulso ao tentar corrigir um conjunto de estupidezes. Chegou atrasado e acabou por impedir, em falta, que Guedes se isolasse perante Patrício. Cartão vermelho bem mostrado, Sporting com um a menos aos onze minutos e golo dos penafidelenses na sequência do livre. Tudo o que podia correr mal neste lance, correu.

Não fosse este lance e Rui Quinta e 'sus muchachos' teriam levado um cabaz para Penafiel.

Marco Silva mandou recuar William para central, continuando com a tarefa de iniciar o processo ofensivo e, na verdade, continuo com dificuldade em afirmar se foi ou não a melhor escolha. É verdade que chegámos ao intervalo empatados mas não me parece que o facto de William ter sido o segundo central (em vez de Ewerton, que passou toda a primeira parte em exercícios de aquecimento) tenha influenciado negativamente pois, o golo do Penafiel surge após mais um erro, desta vez de Paulo Oliveira, que aliviou mal a bola e a colocou nos pés de um adversário, acabando esta por terminar nas redes da baliza do Sporting.

A intervalo, lá entrou Ewerton. Mais para equilibrar o meio-campo do que para resolver um problema na defesa. Em abono da verdade, os de Penafiel foram uma vez à nossa baliza e já tinham feito dois golos. Adrien foi o escolhido para ir ao banho mais cedo.

A segunda parte resumiu-se a uma procura dos verde-e-brancos pela vitória. Já depois de Mané ter saído para dar lugar a Carrillo, o peruano assiste primorosamente Nani para o 3-2 e respectivo salto mortal.

Na verdade o jogo pareceu resolvido, tal a incapacidade dos durienses em se fazerem aproximar da baliza de Rui Patrício.

O outro susto estava guardado para o último lance da partida, onde Rui Patrício teve de se agigantar perante um adversário isolado.

Vitória justíssima numa exibição cheia de erros individuais, passes errados e entrega, muita entrega, coroada com os merecidos três pontos.

Obrigatório dizer que Rui Quinta foi ridículo ao falar de arbitragem no final de um encontro em que Bruno Esteves, apesar do erro ao expulsar Dani (com o Sporting já na frente do marcador) teve uma dualidade de critério gritante, quase sempre em prejuízo do Sporting.

Hoje joga o Sporting

Expectativas baixíssimas para o jogo desta noite.

Não há pressão. O 4º e o 5º perderam e não nos ficaram a morder os calcanhares. Os dois primeiros não parecem ao nosso alcance. Resta jogar com alegria e sem pressão, algo que tem parecido impossível ultimamente.

Só espero que, às 22 horas do dia de hoje, me apeteça escrever algo imediatamente (independentemente se o publico de seguida ou amanhã).

Os convocados são os de sempre e já nem vou esmiuçar isso. Ewerton estreia-se e perfila-se como a única opção defensiva a jogar a partir do banco.

É, como sempre, para ganhar e, infelizmente, por ser segunda-feira não poderei dar o meu contributo com o meu apoio à equipa no estádio. No entanto, já tratei de lá colocar alguém a gritar por mim que, espero, saia do estádio satisfeito com a equipa.

Também não vou dizer quem gostava que jogasse. O treinador está lá para escolher e só quero que os que entrarem em campo dêem o máximo em prol do Sporting Clube de Portugal.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal