Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Grande Artista e Goleador

Sporting CP 2 Boavista 1

Não dava para começar melhor! Nem um minuto estava cumprido em Alvalade e já Adrien tinha inaugurado o marcador.

Finalmente um jogo tranquilo, pensei eu.

Nada mais longe da realidade, constatei depois.

Aquilo que de bom se podia esperar do jogo, terminou aos 15 segundos.

Foi a pior primeira parte que vi este ano em Alvalade. Sem garra, sem atitude, sem velocidade, sem empenho...

Valeu-nos o facto do Boavista nos ter respeitado sempre e não ter nunca desmontado a sua estratégia inicial, assente numa atitude maioritariamente defensiva.

Para terminar o martírio que foi a primeira parte e já depois de Marco Silva ter alterado a estratégia (lançando Slimani e abdicando de Rosell), foi a vez de Jefferson borrar a pintura, que Tobias se encarregou de emoldurar.

Vermelho directo para o jovem defesa central Sportinguista e bola no ferro na sequência do livre directo.

Impunha-se um puxão de orelhas o intervalo.

As mais de 35000 pessoas presentes no estádio mereciam melhor do que aquilo com que tinham sido brindadas durante os primeiros 45 minutos.

Entra William Carvalho e sai Tanaka.

A ideia inicial era colocar William como defesa central mas, aos 50 minutos, Marco Silva chama à linha lateral Paulo Oliveira e William. Entrando no campo da especulação, arrisco dizer que, ao ver que Petit não iria alterar em nada a sua estratégia, Marco Silva mexeu decisivamente na estrutura da equipa. 

William passou a ser o que habitualmente é na manobra ofensiva da equipa enquanto que, defensivamente, limitou-se a ser muleta de Paulo Oliveira.

Sem grande brilhantismo mas com competência, viram-se imediatamente melhorias.

William pegou no jogo, Nani fez três passes de golo não aproveitados e Carrillo põe a bola 'redondinha' para Slimani fazer o 2-1.

Estava feito o que nos competia...vencer o jogo.

No entanto, não cumprimos o plano na totalidade.

A verdade é que, se queremos ter mais hipóteses que o adversário que teremos pela frente na final da Tala de Portugal, temos de fazer mais.

E com isto nem exijo futebol de encher o olho. Será necessário bem mais do que os serviços mínimos para podermos levantar um troféu no final da época.

(Não gosto muito de individualizar mas, ontem, o exemplo dado por Jefferson durante 90 minutos valia uns bons jogos na bancada.)

Para além da indispensável entrega e garra que ontem faltou durante toda a primeira parte será necessária competência e capacidade para desmontar a estratégia do adversário e é nisso que devemos trabalhar nos restantes encontros da época.

Agora que a posição na tabela classificativa está, mais do que nunca, quase definida, será importante aproveitar os cinco jogos que faltam da 1ª Liga para preparar convenientemente a final da Taça de Portugal com o conforto que conquistámos.

Será importante vencer, convencendo. Para aumentar os nossos índices de confiança, para que nos mantenhamos competentes e para não dar-mos armas ao adversário que disputará connosco o último troféu da temporada.

Tudo o que se passou ontem é material a rever...e a não repetir!

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal