Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Grande Artista e Goleador

Queremos a glória europeia

Duas finais e uma vitoria em cinco presenças nas meias finais da Liga Europeia (à época denominada "Taça dos Campeões Europeus"); é este o registo do Sporting na fase mais adiantada da maior competição de clubes do hóquei em patins europeu.

Entre 1975 e 1979 o Sporting esteve presente em três meias-finais da Taça dos Campeões Europeus (na altura disputadas em duas mãos). Venceu a prova em 1976/1977, naquela que é a única vitória na competição, e foi eliminado em 1975/1976 e 1978/1979 pelas equipas que viriam a vencer a prova (Voltergà e Barcelona).

Em 1982/83 voltaríamos a cair aos pés do Barça (que voltaria a sagrar-se campeão da Europa) e a nossa última presença nas meias-finais culminou numa derrota na final, frente ao Noia.

 

Extinta, em 1994/1995, a equipa de hóquei em patins do Sporting nunca viveu a intensidade de uma final-four, fase que a prova maior do CERH só estreou em 1996/97, com o Barcelona a vencer em casa a primeira fase final disputada neste formato.

Curioso que as equipas portuguesas disputaram muito mais finais desde a implementação das final-four, mas ganharam muito menos troféus nas 21 edições assim decididas do que nas 31 edições anteriores, disputadas em duas mãos (casa e fora).

Em dez finais, entre 1966 e 1996, três equipas portuguesas arrecadaram o troféu por quatro vezes (Sporting, Barcelos e Porto, em duas ocasiões).

Entre 1997 e 2017, foram treze as vezes que a final teve um representante português, sendo que apenas em duas ocasiões uma equipa portuguesa saiu vitoriosa (o Benfica, em ambas, qualquer delas jogadas com adversários também portugueses).

Passámos de quatro finais ganhas em dez, para duas em onze. Jogar uma final-four não é bom sinal para os lusos na Liga Europeia, a não ser que joguem entre si (onde é inevitável que um ganhe).

26125916027_e1f117d0df_o.jpg

O Sporting começou ontem a discutir o acesso às meias-finais da Liga Europeia desta temporada. Em Oliveira de Azeméis o jogo foi difícil, como se esperava.

Aos quinze minutos o Sporting perdia por 2-0, com ambos os golos a surgirem em power-play, fruto da exclusão de dois jogadores leoninos com cartão azul (Toni Pérez e Matías Platero). Ângelo Girão defendeu ambos os livres directos daí resultantes mas o Sporting não conseguiu evitar o golo dos da casa, jogando (e sofrendo) depois em inferioridade numérica.

Paulo Freitas pediu imediatamente timeout e Caio ainda viria a reduzir para 2-1, minutos depois, resultado com que se chegou ao intervalo.

No segundo tempo os golos só surgiram já dentro dos dez minutos finais. Pedro Gil empatou e Ferran Font assegurou uma importante vitória, que pode ser fundamental para carimbar em casa a passagem à final-four da Liga Europeia.

39187207560_1e9ff47052_o.jpg

Paulo Freitas falou, no final, num resultado justo e em decisões duvidosas da equipa de arbitragem. Quarta-feira regressa o campeonato e o Sporting recebe no João Rocha o HC Valença. A segunda mão da Liga Europeia está marcada para o dia 7 de Abril.

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

imagem de perfil