Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Grande Artista e Goleador

Paixão, o segredo para o sucesso

Disse numa entrevista que no Sporting só entram dois tipos de miúdos - os talentosos e os bons jogadores. E em que fase avaliam a capacidade de trabalho, de dedicação e de sofrimento?

_Na hora: um talento, para o provar, tem de ter três coisas: paixão pelo treino, pelo jogo e pela profissão.

Um bom jogador pode chegar a grande jogador?

_Pode, se tiver também esses três fatores. Já um grande jogador nunca chegará a talento.

Mas o miúdo talentoso pode nunca chegar a ser um grande jogador, ou não?

_Exatamente, se lhe faltarem os mesmos três fatores.


Este é um excerto da entrevista de Aurélio Pereira ao DN que partilhei há uns dias.

Trago a lume este assunto pois o que está descrito neste conjunto de três perguntas e respostas é fundamental.

O sucesso de um jogador como profissional depende disto e só disto: paixão pelo treino, pelo jogo e pela profissão.

E isto é o mais difícil de incutir aos que estão no último estadio formativo e o motivo pelo qual muitos chegam a profissionais sem ter a noção da realidade com que se deparam.

É complicado para um miúdo de 19 anos entender o futebol como uma profissão, porque nunca trabalharam antes e porque fizeram aquilo a vida toda por prazer.

O acompanhamento é crucial nesta fase e se o jogador falha enquanto profissional no Sporting, grande parte das culpas vão também para quem não soube traçar o perfil do jogador e lhe ofereceu um contrato profissional sem que reunisse estes três factores essenciais.

Claro que os factores emocionais e motivacionais incidem directamente sobre a paixão com que se treina, joga e se entrega à profissão e é por isso que os dois primeiros anos de sénior são terríveis para a maioria dos jovens. Porque normalmente se joga pouco e porque a paciência para esperar por uma oportunidade é escassa.
Porque a vontade de jogar é mais importante que o resto e porque o estado emocional é, normalmente, flutuante.
O jogador estará satisfeito e motivado se joga e, muitas vezes insatisfeito e desmotivado se não joga. Claro que estar insatisfeito por não jogar é natural, normal e até saudável. Já o mesmo não se pode dizer da desmotivação. O jogador que tem estes três factores fundamentais, não desmotiva. Trabalha sempre no limite, com a mesma paixão e com a certeza de que hão-de olhar para ele pela qualidade do seu trabalho.

Trabalho é aquilo para que se devem preparar os jovens no momento de encarar o nicho que é o mundo do futebol profissional. Um dos mais privilegiados mercados de trabalho em termos financeiros mas aquele em que a meritocracia é mais dura e em que a análise que cada um faz do trabalho excutado pode ter leituras diferentes.

O Sporting deve preocupar-se (e estou certo que o faz) em preparar para o profissionalismo a partir dos sub-17. Aos 16 anos o jovem deve já entender que não é qualquer um que tem o privilégio de evoluir numa das mais conceituadas Academias do Mundo e deve exigir de si o máximo em cada dia que pode desfrutar da possibilidade de progredir em tão conceituado e reputado local. Exige-se responsabilidade, compromisso e retorno desportivo.

Os jovens do Sporting são dos mais preparados do Mundo para as exigências do futebol profissional, como o comprovam estudos recentes que demonstram a elevada quantidade de formados na nossa Academia a jogar nas mais reputadas ligas europeias e até pela simples análise dos habituais convocados para as selecções nacionais.

Mas podemos fazer melhor. Podemos exigir que os bons não descansem enquanto não forem muito bons e que os talentosos não se deixem deslumbrar pelo dom com que nasceram.

O futuro do Sporting depende deste trabalho bem feito e só algo muito perto da perfeição fará com que evitemos que bons jogadores não passem disso e, portanto, nunca nos sejam úteis e se limitem a alimentar as equipas de segundo plano de Portugal e da Europa.

Cabe aos jovens interiorizarem isto como leis para a vida desportiva e como base para o sucesso.

É olhar para o exemplo de Cristiano Ronaldo passando pelo que ele passou para lá chegar e não apenas desejando atingir semelhante patamar, batalhando todos os dias para se ser melhor.

Não são todos os anos que dois jogadores sobem à primeira equipa. Gelson e Matheus estão a mostrar aos restantes que isso pode acontecer ainda com maior frequência mas dependerá da paixão que cada um empregar no que faz, todos os dias.

Mais sobre mim

imagem de perfil