Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Grande Artista e Goleador

O prato forte é o derby

Já depois de Anri Egutidze mostrar a força do leão na Alemanha (se bater o pé ao nº 3 do Mundo, tudo poderá acontecer...), será a vez do futsal, com quatro campeões da Europa de cada lado, nos oferecer o prato forte do dia; o derby eterno, o jogo de todas as emoções, aquele que todos querem ganhar. 

Depois, o goalball regressará à Sporting TV, o hóquei aquecerá o João Rocha, o voleibol enfrentará o Espinho na Nave (que não é a saudosa), o andebol voltará a preencher as bancadas da nossa "Nave" futurista e as miúdas da bola espalharão magia na quadra e no relvado.

(Este é um bom momento para consultares a Agenda Leonina e veres aquilo que não queres perder num dia tão cheio, que não vais saber para onde te virar - LINK)

 

Voltemos ao petisco do dia, que pode ser gourmet ou até vegan, consoante o gosto de cada um.

Em 30 jogos oficiais esta temporada, o Sporting de Nuno Dias só perdeu um jogo, tendo ganho os outros 29. Essa derrota significou um troféu perdido e por aqui se vê a exigência que reina na secção de futsal. Uma derrota que significou a perda de um título para o rival e um balão de oxigénio para os seus jogadores, à época algo descrentes das suas capacidades.

 

Desde que Nuno Dias chegou ao Sporting, em 2012, temos sido hegemónicos, muitas vezes demolidores. 

A nossa superioridade é de tal maneira evidente (e palpável) que seria de esperar um desnível maior nos embates com o eterno rival, no entanto, desde 2012 o Sporting tem apenas mais cinco vitórias que o Benfica. Dos oito empates, quatro resultaram em vitórias para os encarnados nas grandes penalidades e o Sporting apenas foi feliz por uma vez em ocasião idêntica. As vitórias nas penalidades equilibram a contenda, tendo o Sporting uma vantagem de duas vitórias sobre as águias (16 vs 14).

 

Três destas vitórias foram esta temporada (os encarnados perderam quatro jogos no total) e permitiram a Nuno Dias passar finalmente para a frente de Joel Rocha nos confrontos directos (se contarmos com os desempates nas penalidades, Joel Rocha continua a ter vantagem). Desde que o treinador do Benfica trocou o Fundão por Lisboa que o Sporting de Nuno Dias deixou de ser avassalador nos derbies (6 vitórias, 1 empate e 2 derrotas nas duas épocas anteriores) e tem mostrado algumas dificuldades em ultrapassar o rival, mesmo tendo sempre mais qualidade individual e colectiva.

Os jogos são sempre "taco-a-taco" e geralmente decididos nos detalhes, acabando com um empate ou uma vitória pela margem mínima. Foi assim em 18 dos 24 jogos, sinal do equilíbrio de forças que têm sido os embates com o Benfica desde então.

 

Joel Rocha, tenho de o dizer, é um homem inteligente na abordagem aos jogos connosco. Sabe que é inferior, não arrisca, explora o erro e entrega as despesas do jogo ao Sporting, que se sente confortável a assumir o jogo mas, perante adversários mais capazes que os habituais (como o Benfica), a exposição ao erro que um jogo de domínio constante provoca faz com que o Benfica aproveite melhor os nossos erros, nunca se expondo da mesma forma que nós.

O senhor do pullover é um borrado e nunca saberemos se arriscaria tentar dominar o Sporting durante a maior parte dos 40 minutos. Eu acredito que ele nunca teria essa ousadia, nem que os jogadores de um lado e outro trocassem de camisolas por um dia e, também por isso, acho que Nuno Dias deveria ter um plano B, que deixasse mais a nu as fragilidades dos encarnados, que são bastantes mais e mais evidentes que as nossas.

 

Há muito tempo que defendo a oferta do mesmo veneno ao nosso adversário, em períodos mais largos do jogo e não apenas por força do Benfica, aqui e ali, se conseguir colocar "por cima" no jogo.

Dar a bola aos encarnados é um renegar da nossa matriz de jogo, daquilo que Nuno Dias trouxe desde o início para este Sporting, um verdadeiro contra-senso mas não estará na hora de provocar mais o erro e deixar o Benfica mais desconfortável no jogo? Eu acho que sim.

Se conseguirmos alternar o nosso jogo habitual com períodos de maior iniciativa ofensiva do Benfica, acredito que estaremos mais perto de vincar a nossa superioridade, consubstanciando-a em números mais expressivos.

O Benfica não gosta de assumir o jogo nos encontros com equipas superiores. Não se sente confortável nesse registo. Pelo contrário, nota-se uma certa tranquilidade quando assume uma postura expectante e defensiva, explorando sobretudo o ataque rápido, nos momentos de desequilíbrio do adversário.

É por isto que Nuno Dias, enquanto treinador do Sporting, só tem mais uma vitória que o Benfica de Joel Rocha. Está na hora de os obrigar a, aqui e ali, provar do próprio veneno e isso vai deixá-los tão "atarantados" que estaremos mais próximos de ganhar os jogos folgadamente.

 

Teremos jogadores experientes e mais do que habituados a estes jogos de ambos os lados e aqueles que melhor explorarem os detalhes, as debilidades do conjunto oposto, estarão mais perto de ser felizes.

Hoje espero que volte a cair para o nosso lado e, se querem uma estatística positiva, em sete jogos na Luz desde que é Joel Rocha o treinador, o Sporting ganhou mais vezes do que perdeu (3 vs 2), tendo empatado por duas ocasiões.

Que seja uma boa forma de começar a tarde, que se estenderá até à noite com muitos motivos de interesse no universo leonino. O difícil vai ser acompanhar tudo.

 

SPOOOOOOOOOOOOORTING!

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal