Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

O nosso caminho

«O caminho mais solitário que um homem pode percorrer é o da coerência: veremos chegarem e partirem parceiros de conveniência, aliados de ocasião, adversário oportunistas.

Todos eles autênticas tentações para que nos desviemos do caminho.
E o que nos mantem? Os princípios que nos norteiem.
E o que nos guia? A luz da razão.
Quando leio nas notícias que Aldo van der Laan, o Presidente do Twente, acaba de se demitir porque foi apanhado no meio de uma polémica com a Doyen, não posso deixar de sentir a tal luz reforçada e os princípios ainda mais robustecidos.
O que estava em causa era, uma vez mais e como repetidamente tenho chamado a atenção, a ingerência abusiva e contra as normas da FIFA, da Doyen Sports na gestão prática das transferências de jogadores.

Seria hipócrita se fingisse não notar que o Twente foi o “viveiro” de transferências como as de Jesus Corona ou Ola John mas que, particularmente no caso que provoca esta demissão, é a partilha de direitos económicos de sete jogadores contratualizada entre a Doyen e o Twente que está debaixo de fogo: e um desses jogadores é Bilal Ould Chikh que chegou ao Benfica esta temporada. Entende-se agora porque é que a Doyen chamou o FC Porto e o Benfica como suas testemunhas abonatórias no processo que a opõe ao Sporting Clube de Portugal e porque é que Pinto da Costa e Paulo Gonçalves se prestaram ao papel…
É como disse um caminho solitário mas o tempo vai revelando o quão acertado esse caminho é!»

Mensagem de Bruno de Carvalho no facebook

Tal e qual

«Aguardo uma capa séria que diga: Benfica deixa manobras de diversão infantil e assina a proposta do Sporting CP de apoio ao video-arbitro!»

As palavras são de Bruno de Carvalho, na sua página oficial do facebook e não podiam ser mais acertadas. 

Ao invés de quererem ser a cabeça do polvo, de quererem mover influências, de se queixarem sem fundamentação apropriada, apenas para exercerem pressão sobre os árbitros...apoiem a transparência.

Ajudem os árbitros a tomar as melhores decisões em vez de os pressionarem a decidir 'bem'.

 

Nem imaginam o que isto me deixa feliz

Atletismo 2016.png

O atletismo é das mais emblemáticas modalidades do Sporting. Carlos Lopes um dos maiores porta-estandarte da mesma, tanto no nosso país, como no Mundo.

Em palavras ao Jornal Sporting, fez a antevisão da próxima época no dia da apresentação da mesma.

"Todos nós, Sportinguistas, queremos que o atletismo volte aos seus momentos de glória. O Clube revê-se nessas vitórias, nos resultados, os recordes... Infelizmente temos andado arredados desses tempos."

"A palavra de ordem é ganhar. Houve um investimento grande nas equipas masculina e feminina. Todos os atletas ficaram a perceber melhor a dimensão que o Clube tem tido ao longo da sua história e estamos aqui todos para contribuir para que isto continue de forma eficiente e para que se mantenha e reavive a imagem que o atletismo do Sporting teve ao longo dos anos."

"Reforçámo-nos essencialmente na equipa feminina, nas equipas de crosse feminina e masculina e também no sector de pista, onde tínhamos imensas lacunas e fomos buscar jovens entre juniores e sub-23. Com a chegada destes jovens talentos vamos criar grandes problemas às equipas que estão mais bem apetrechadas."

"O crosse é uma aposta muito forte, fomos buscar atletas que dão garantias de uma competitividade enorme. Fizemos uma equipa que terá muitos anos pela frente, e que nos dá uma garantia enorme e uma segurança tremenda para o futuro, tanto no masculino como no feminino. E, aliás, demonstra que estamos atentos aos novos valores para termos a garantia de recuperar a hegemonia num futuro próximo, algo que não acontecia nos últimos anos."

"São quatro provas (Campeonato Nacional de Crosse; Campeonato Nacional de Estrada; Campeonato Nacional de Clubes e Taça dos Clubes Campeões Europeus) e quatro momentos onde os nossos atletas têm de estar no seu melhor. Todos eles foram alertados para esses focos extremamente importantes e vamos criar condições para que tudo corra de uma forma muito séria e capaz de fazermos o que pretendemos: entrar em competição convencidos de que temos uma equipa boa e preparada para discutir seja que prova for."

"Estamos a apostar na conquista de mais uma competição europeia, como a Taça dos Clubes Campeões Europeus, e temos a consciência de que tudo estamos a fazer para que isso se torne realidade. Sabemos que há momentos em que, por muita vontade que tenhamos, não somos capazes de ultrapassar as adversidades, mas tudo fazemos e faremos para que isso não aconteça."

"Nestes últimos dois anos ficámos no pódio da Taça dos Clubes Campeões Europeus. Isso denota que a equipa feminina, só por si, já tem um valor muito bom. Se conseguirmos introduzir outros valores - como fizemos - para melhorar isso, ficamos com a consciência de que somos capazes. E o Sporting tem todo o interesse em que isso venha a acontecer, o que seria muito importante para o Clube e para o atletismo nacional porque pode chamar patrocinadores e fazer recair sobre o nosso país mais atenções. Queremos tornar o atletismo do Sporting numa referência, tal como já foi em anos passados, no meu tempo e do Moniz Pereira. Temos de criar a ideia de que o atletismo do Sporting começa a ter condições para trazer até nós jovens com outras mais-valias."

"A nossa mística não se perdeu, nós é que perdemos alguns valores que faziam a diferença em competição. A mística está cá e alimenta-se com os mais jovens a aprenderem com os mais velhos (como o Rui Silva ou o Francis Obikwelu). É importante passar a estes jovens talentos a mística do Clube que viveu momentos de grandeza, dentro e fora do país, e que ajudou o Sporting a ser o mais ecléctico de Portugal. E essa maneira de ser, aliada aos bons resultados, fizeram com que, durante muitos anos, eu e outros atletas abraçássemos o amor ao Sporting."

"A qualidade dos nossos jovens traz-nos algumas garantias que, num futuro próximo, podemos garantir a nossa posição de primeiros em tudo. É preciso capacidade de gestão porque muitos dos jovens que chegaram ainda estão em formação, mas também para isso fizemos uma aposta num quadro técnico de alto valor e de grande mais-valia. Queremos técnicos que sejam de qualidade para o presente, mas capazes de valorizar ainda mais estes jovens talentos para o futuro. Com estes jovens e o quadro técnico ao nosso dispor, todos em conjunto faremos a força."

"Estamos todos no mesmo barco e a tentar levá-lo a bom porto. Temos dado sinal de uma recuperação daquilo que se tinha perdido e penso que com um bocadinho de boa vontade e uma certa liberdade para podermos expressar o que entendemos ser melhor para o Clube, estamos num bom caminho. Não é num ano que se prepara o futuro, isso demora tempo e é preciso ter calma. O dinheiro é a base da sociedade e os clubes não fogem a essa realidade nem atravessam os melhores momentos, por agora, e essa dificuldade por vezes torna-se incómoda. Mas com paciência, garra, habilidade, e todos juntos, com espírito colectivo levaremos a água ao nosso moinho e conseguiremos levar o nosso barco ao tal bom porto, sem que este se afunde pelo meio."

(Sobre a presença do Presidente, Bruno de Carvalho e do vive-presidente para as modalidades, Vicente Moura) "É uma forma de valorização de toda a equipa, de todos os atletas e de toda a gente envolvida na secção do atletismo do Clube. Estamos todos unidos para criar as melhores condições para que o sucesso se torne uma realidade."

"É um ano muito, muito complicado. Não para o Clube em si, mas para os atletas, que têm uma série de situações que terão de ser bem geridas. Existe a Taça dos Clubes Campeões Europeus, no final de Maio, e os Campeonatos da Europa em Julho, e depois o Campeonato Nacional de Clubes, antes dos Jogos Olímpicos. É tudo muito seguido e gerir os atletas para estarem em boas condições físicas e mentais em Maio e novamente em Julho e Agosto exige um esforço tremendo. Tem de haver um encontro de ideias entre todos os técnicos para conseguirem calibrar a forma destes atletas em todas as provas."

"Uma prova como os Jogos Olímpicos desvia sempre o foco de atenção de um atleta, que não haja dúvidas sobre isso. Quem está a preparar os Jogos tem a visão e o sentimento de querer representar-se bem e fazer um bom papel e não é fácil gerir isso com os objectivos do Clube. Mas vamos tentar acalmar as coisas e fazer uma gestão sensata e equilibrada para que possamos todos atingir o que desejamos e consigamos reforçar uma posição bem alicerçada para o futuro."

"Naturalmente que vamos estar com mais atenção em cima, mas isso não nos preocupa. Os Jogos acontecem de quatro em quatro anos, são o maior acontecimento histórico do desporto mundial e toda a gente quer estar presente e focada nisso. Todos estamos ansiosos para ver o que acontecerá no Rio de Janeiro, onde, para nos aproximar ainda mais, se fala português. Só a Federação é que devia ter tido mais cuidado quando lançou o calendário de competições. Parece-me que não serviram os interesses nem dos clubes nem dos atletas."

"Penso que, neste momento, podemos ter entre uma a duas mãos cheias de atletas, só no atletismo. Temos de avaliar primeiro o que vai ser esta época e o que cada um conseguirá fazer ao longo do ano, mas temos atletas com níveis muito elevados e que poderão carimbar rapidamente a sua presença lá."

"Não é fácil conseguir uma medalha, muito menos de ouro. Mas temos atletas com grandes hipóteses, embora seja difícil. A Sara Moreira, na maratona, é uma das potenciais candidatas. Não sei o que acontecerá se a Jéssica Augusto participar na maratona também, mas terá possibilidades. A Patrícia Mamona, se aparecer em boa forma, é uma das candidatas a ficar nos primeiros oito classificados. Assim de repente, não sei se o João Vieira, nos 50 quilómetros de marcha, não poderá também conseguir algo... Temos imensos atletas que poderão fazer resultados fabulosos, mas temos de ver como corre a época para percebermos em que ponto é que eles lá chegam."

A hora do Presidente

Apenas consegui ver os primeiros 5 minutos antes da responsabilidade de pai se sobrepor à curiosidade do fervoroso Sportinguista.

Achei o Presidente algo desiludido e até conformado com os evidentes resultados da investigação à devassa por parte do blog Football Leaks e relativos às averiguações (ou à falta delas) relativamente à denúncia da caixa negra e dos vouchers que nela constavam como oferenda a árbitros, delegados e observadores por parte do Benfica. Parece óbvio que alguém não quer mexer na merda e os castigos de Arouca já vieram em jeito de aviso.

O sistema continua contra nós e é em campo que teremos de responder.

O resto da minha análise baseia-se no que li.

Saudando a mais ou menos anunciada candidatura de Rui Barreiro (quem?!) às próximas eleições, o Presidente lamentou o timing das críticas a esta direcção em mais uma publicação da revista sábado em semana que antecede mais um derby.

A homenagem a Peyroteo, mais do que merecida, é justa...mesmo que a Federação Portuguesa de Futebol a ignore.

Bruno de Carvalho reiterou confiança mas humildade para mais um derby, desta vez disputado em Alvalade.

Volta a vir à baila o tema dos 14 milhões de lampiões e o mais recente e não menos ridículo estudo do jornal O Jogo que dá o Porto como maior clube português no Mundo e o Benfica como o maior de Portugal com base, imagine-se, em likes do facebook. Pouco credível mas claramente na tentativa de projectar uma dimensão irrealista, tal como já havia acontecido com o inexistente estudo proclamado pela nação lampiónica. O motivo de tudo isto: a renegociação dos direitos televisivos e a tentativa de espremer todo o sumo, dividindo-o por dois. Bruno de Carvalho está atento e terá, certamente, uma estratégia para abordar tão importante temática.

A importância da abertura de 10 Academias na China foi também relevada e justificada com a aposta forte do país no desenvolvimento da modalidade. A presença do Sporting, como Clube formador de topo, faz todo o sentido para que esse desenvolvimento se concretize.

“Os governos falam sempre da não promiscuidade entre a política e o futebol. (...) mas em princípio a massa dos 10 milhões estará nos 3 grandes, por isso os governos têm medo. Mas depois olhamos para as leis e todos os inputs que se deram, até com texto jurídico, as pessoas leram a nossa visão, fizemos um trabalho profundo, bom ou mau e o que acontece é que não se fazem alterações nenhumas e continuam a ver-se leis à medida de alguns clubes, muita promiscuidade entre a política e futebol, com situações absurdas de favorecimento de clubes a vários níveis e em vários processos. Vê-se claramente que o Sporting é um clube que nunca se preocupou em forma um lobby, mas acho que deveria ter sido denunciado quando os outros o criaram. Falta mesmo visão estratégica correcta por parte do governos para o futebol”. Estas foram as palavras de Bruno de Carvalho relativamente ao conjunto de propostas apresentadas para melhoria do desporto nacional, que ainda não terão sido alvo de estudo aprofundado.

A abordagem ao mercado de Inverno será tranquila, ponderada, de ocasião e s potenciais alvos estão perfeitamente identificados.

Relativamente ao ecletismo e ao olimpismo, em ano que culmina com mais uma edição dos Jogos Olímpicos, Bruno de Carvalho disse que “O Sporting fez um grande investimento nas modalidades. É o clube do mundo com mais atletas representados em termos olímpicos. Não tenho dúvida que o Sporting honrará o nome de Portugal. Um dos nossos pilares é o ecletismo. E já agora o pavilhão está em excelente ritmo. A malfadada licença que nunca iria surgir… já está. E tenho um orgulho tremendo de todos os dias olhar para aquela obra”.

Em Dezembro, haverá nova hora com o Presidente.

Obrigado, Leonissimo ;)

Resumo da entrevista de Bruno de Carvalho à Sporting TV

Bruno de Carvalho esteve esta noite na Sporting TV para uma grande entrevista para esclarecer diversos assuntos relacionados com o Clube e o futebol em geral. Da definição do que é o perfil de um Presidente ao caso da ‘caixa’, passando pelo site ‘Football Leaks’ e pelo alegado pedido de indemnização do Benfica a Jorge Jesus, o Presidente do Clube não deixou nada por responder e teve ainda tempo para recordar o início da carreira de Nélio Lucas, ‘homem forte’ da Doyen, e os tempos de Luís Filipe Vieira como Sócio dos ‘leões’ (durante 11 anos). Aqui ficam as principais ideias da entrevista

O que é ser Presidente
“Depende da personagem que fizer a avaliação. O que seria o treinador ideal? Recordado as palavras de Ricardo Araújo Pereira, aquele que ganhasse o Campeonato três vezes em seis anos e fosse a duas finais europeias… O Presidente é alguém que tem um trabalho de equipa mas que às vezes também tem um trabalho que se torna solitário. No meu caso, o de recuperar um Clube financeiramente, em termos de ambição, que estava entregue a um certo comodismo e tristeza. O desafio era esse: alguém que resolvesse a situação financeira, o orgulho Sportinguista, devolvesse o Clube ao nível das grandes decisões internacionais, organizasse a estrutura, expandisse o nome do Sporting, que não tivesse medo de travar todas as guerras que fossem necessárias, apesar de as poder ganhar ou perder, mas comandado por convicção ou valores. Nem toda a gente parece pensar assim mas lanço o desafio para que alguém consiga definir o que é esse perfil de Presidente”

A estabilidade, o falar em demasia e as ‘guerras’
“Há pessoas que não entendem de facto o que deve ser o perfil de um Presidente nas condições do Sporting e fazem algumas confusões. Focam-se muito no que é pontual e não conseguem retirar a visão, que também não competia ter, mais global do Presidente e do que é uma estratégia. Compreendo que às vezes olhamos para a situação isolada mas até somos conhecidos pelo Clube dos comunicados, de tão transparentes que somos”

“Depois há também os programas de opinadores onde a maior parte não faz o básico sequer, que é informar-se. Cada vez lemos mais jornais, vamos mais ao Facebook e fico espantado porque a maior parte das pessoas reage ao estímulo de alguns segundos na TV. Também me coloco a jeito, sem dúvida nenhuma. Há quem não compreenda essa defesa do Sporting, que ache que sou incendiário, que me quero afirmar e a verdade é que só quero eficácia e a eficiência. Sei onde quero chegar, onde queremos levar o Sporting, e não tínhamos tempo para esperar cinco ou dez anos para recuperar o Clube. Aí esquecem-se que o Sporting não tinha tempo, ou matava ou morria. Esteve à beira do colapso. A partir deste ponto, temos de tomar decisões. Em dez anos posso ter uma certa postura, se for para fazer numa semana tenho outra. Os adeptos e os Sócios já perceberam o caminho que estamos a trilhar, porque me envolvo nas coisas. Tudo junto é que deu o Sporting de agora, não dá para andar a escolher as frases mais ou menos polémicas, as guerras etc. Tenho de defender o Sporting e foi para isso que me propus, para alterar tudo. Se posso fazer, porque não vou fazer a TV, o Pavilhão já? Este é o perfil que gosto do Sporting. Entreguei o meu coração ao Sporting, vou lutar por isso e isso assusta muita gente. Ainda não cheguei há três anos e tudo o que disse confirmou-se: era possível dar a volta ao Sporting, acabar com os fundos, introduzir as tecnologias como assunto, colocar o Sporting como ‘player’ no futebol e por isso tudo é que depois falam apenas no estilo. Tudo o que faço, tudo o que digo e toda a imagem que passo tem tudo a ver com um rumo que está traçado. E ainda quero mais, mais e mais”

O programa ‘Prolongamento’ e a caixa
“Tudo aquilo foi pensado. Houve dois objectivos muito claros: podem achar que é do mais incendiário mas existe uma máquina de campanha tremenda do Benfica a nível de comunicação social. Uma parte até posso compreender, porque tem a ver com a tentativa de grandeza e de afirmação. Mas depois existe uma outra parte muito suja que é o espezinhar, o dizer mal, e isso tem uma cara visível e outra escondida. Essa pessoa dispôs-se a esse papel de dizer mentiras e não deixar ninguém falar, como aconteceu no meu programa e no seguinte, a dizer mentiras sobre o TAS e o ‘caso Cardinal’. O objectivo passava por explicar algumas situações aos Sportinguistas e aos amantes de futebol – porque nem só os Sportinguistas estão preocupados com a verdade desportiva – e demonstrar aquela peça fundamental para essa campanha sucessiva e baixa que o Benfica quer fazer, passando de um programa com audiência relativa na CMTV para outro maior na TVI24 apenas para desinformar”

“Tinha recebido a caixa há um dia ou dois. Deixaram, apresentei e bastava o Benfica e as pessoas envolvidas dizerem que era falso e admitia que tinha sido enganado. Entre o pânico e o desespero tudo ficou confirmado e percebeu-se como funciona o futebol, não digo se bem ou mal. Quis revelar que no futebol joga-se muita coisa e começo a ficar farto daquele que é jogado fora de campo. Aí deve ser estratégia, rumo, projecto e não um jogo de brincar às escondidas. As coisas devem ser claras e não são. Vou dar um exemplo: na UEFA também se faz, também se dá prendas, as pessoas ouvem e não, estando informadas, acham que é mesmo tudo assim. O que acontece é um jantar ou almoço entre comitivas onde o delegado da UEFA está presente e aí é que se trocam prendas, com tudo à vista. Um dos objectivos do Sporting é trazer verdade para o futebol e para a vida desportiva, não vamos compactuar com nada que achemos mal”

A realidade desportiva e a cível
“Temos duas realidades, a desportiva e a cível, ou a justiça desportiva e a ‘normal’, digamos assim. O que significa? Que há regulamentos de um lado e outro, uns desportivos e outros sociais. A caixa não vejo interesse nenhuma nesta fase estar no Ministério Público. Vão averiguar o quê? Nas regras da UEFA e da FIFA diz que não se deve aceitar prendas, há uns pontos que falam em galhardetes e camisolas do jogo, outros em 200 francos suíços. Não é desculpa para nada e a Federação tem de ser clara e rápida para dizer se falha alguma coisa no regulamento. Se falha, qual é o regulamento que falha, qual sanção e depois manda para o Ministério Público, para ver se além disso há mais alguma coisa. Mandar agora para o Ministério Público é atirar poeira. Se não ferir, qualquer clube pode dar 1.120 jantares por época aos árbitro, nem interessa se utilizaram ou não. O Ministério Público vai avaliar se o jantar é um crime? Vai chamar quem? O clube, que dá a lista; o restaurante, que é parceiro do Benfica; e os árbitros, delegados e observadores. Espero que a Federação venha dizer que aquela declaração do ter mão pesada é falsa porque aí estamos a virar a história ao contrário. Num cenário hipotético, ainda escolhem os nomes e depois os árbitros perdem 2-1 porque os outros dizem que sim e estão em vantagem em termos numéricos”

“O presidente do Benfica não sabe o que há de dizer, ponto. Foi muita camisola, muito jantar, muito saco. Nem que fossemos brincar ao preço de custo, não se consegue dar a volta. Como está agarrado ao poder, esteve calado e espera talvez ganhar o ‘derby’ para fugir por aí, ao contrário de mim que quero levar isto até ao fim. Mas vou dizer isto pela quarta vez para ver se alguma entidade ouve – o Cervi foi vendido por 4,8 milhões de dólares ao Benfica em vez de seis milhões do Sporting. E é falso dizer que chegaram primeiro, está provado. Como diria o outro, vamos deixar os folclores – às vezes também existem questões que queimam as mãos mas temos de enfrentar, como tenho agora o Carrillo. Gosto de ganhar em campo mas por lapso também podemos cometer um crime. Há uma decisão desportiva para tomar e todos os elementos para isso. Não vamos permitir que este assunto caia em saco roto porque não estava roto, tinha lá isto tudo dentro. Tem de ser tomada decisão desportiva, se não houver mal têm de dizer porquê”.

O processo do Benfica a Jorge Jesus
“Ontem dei uma entrevista e disse que esperava tudo do Benfica o mais baixo possível e que só faltava antes do ‘derby’ entrar nessas palhaçadas ridículas contra o Jorge Jesus. Aí está. Iniciamos a época, vamos buscar o Jorge Jesus, ganhamos a Supertaça e começam as histórias das SMS e das pressões. Depois vamos para um hotel em Gaia, como habitual, mas impedem-nos de lá ficar. É absolutamente vergonhoso. Perderam a Supertaça e ficaram tresloucados, em vez da formação foram logo buscar um jogador por nove milhões de euros metade do passe, apesar de não ter nada a ver com isso. Estava tudo preparado para esta desestabilização e não há vergonha na cara, falei ontem e colocaram hoje. Para ser ainda mais baixo e para todos perceberem isso só faltava colocar um processo ridículo. Hoje ouvi que deve muito dinheiro ao Espírito Santo mas quer sacar ao Jesus. Pessoalmente gosto do Rui Vitória enquanto pessoa mas tudo o que foi feito só para dizer mal de Jorge Jesus foi terrível. É propaganda pura e dura ridícula. E cai não só para todos os Sportinguistas mas para qualquer pessoa normal”

‘Football Leaks’
“Esse site foi para manchar a dignidade e para mim há tristes coincidências: dias antes de ser lançado, Pedro Guerra mostra documentos que que seriam confidenciais e depois aparecem nesse site, depois Simões tinha provas do negócio com o Caála e depois também lá foram parar. É legítimo pensar que viram nisso o ‘Grândola Vila Morena’ para a revolução. Tiveram azar, uns são verdadeiros, outros manipulados e outros falsos. Foi devassa, crime mas não tem interesse nenhum. A certa altura havia muitos documentos relacionados com a Doyen e esses documentos desapareceram. Se não temos nada a esconder ou a temer, decidimos colocar no blogue e recebemos uma carta da Doyen para retirar. Será que o ‘Football Leaks’ também recebeu uma carta? E quem? Um dia depois de ter estado no programa, ainda entraram uma coisas sem interesse e a seguir nada”

Opinião sobre Luís Filipe Vieira
“Vivemos num futebol onde existe um poder que é o tal sistema e anda sempre tudo à volta disso, do agora estou eu, agora estás tu e andamos todos ali. Lá em cima é tudo perfeito, em baixo está tudo mal. É isso que me irrita. O Sporting é um ‘player’ mas não quer andar a discutir o futebol fora das quatro linhas e não se vai calar. Ficha de Sócio do Sporting entre Setembro de 1989 e Dezembro de 2000? São onze anos de muitas dores nas costas, ouvi dizer que era essa a justificação. É ou foi sócio dos três ‘grandes’. Agora, pode-se achar isto normal, eu não acharia. Se tivesse um problema de coluna ia ao médico, não ia para o Benfica ou para o FC Porto. Deviam ter águas termais…”

Carrillo e lesão na selecção
“É verdade que vai lá recuperar na Academia, claro. Temos de agir pelas regras e valores que defendemos. Não vou tratar de nada, não lhe vou dar volta nenhuma: vai ser acompanhado por médicos, nem sei qual é a lesão. Não sei se voltaremos a ter conversas. Esperaríamos dele a mesma atitude de respeito que estamos a ter também”

Nélio Lucas, o técnico em gestão de casting
“Comentário a este vídeo? Estamos a falar do homem mais forte do futebol mundial na perspectiva dele, é a cara forte da Doyen. Neste vídeo diz que fazia gestão dos mais famosos actores do Hollywood em 2011, depois na página da Doyen a notícia do primeiro negócio, que foi comprar 33.3% de Mangala e Defour nesse ano. Acho que este senhor estava excelente. Se é a este que entregam 100 ou 150 milhões é muito estranho, o futebol vive melhor sem fundos”.

“Aproveitando o pouco de positivo que teve o ‘Football Leaks’, quem viu os documentos percebeu que o Sporting tem toda a razão contra a Doyen. É proibida a intromissão de fundos na gestão dos clubes mas havia muitas cláusulas que eram puras intromissões. Não rasgamos contratos, defendemos o Clube nos locais certos”.

No final, Bruno de Carvalho comentou ainda algumas das páginas dos jornais e revistas do dia, bem como a reportagem à volta do Brasa FC, um clube que surge no Relatório e Contas da SAD do Benfica e que não existe nem tem actividade.


Obrigado ao Converge, que partilhou isto n'A Tasca do Cherba

KO ao primeiro assalto

Foi mais ou menos o que aconteceu a Pedro Guerra no embate com Bruno de Carvalho. Também eu era um dos que dispensava esta intervenção do Presidente mas há guerras que só se vencem na cara do inimigo.

Vale a pena ver e esperar pelos próximos ataques (os leaks hoje são sobre Carrillo).

Enjoy!

Há guerras mais importantes

Só ontem tive a possibilidade de, calmamente, ouvir todo o discurso do Presidente na AG de domingo.

Mais uma vez, estou a seu lado para as lutas que comprou e aplaudo todo o trabalho feito até hoje, tanto no capítulo desportivo como financeiro.

Mas, e nem sempre há um mas, há uma guerra que acho desnecessária.

Na verdade, nem é bem a guerra que é desnecessária. É mais a extrapolação do assunto que o é, pois penso ser um assunto que podia ser tratado na 'sombra'.

Não porque não devesse ver a luz do dia mas sobretudo porque acabou por afastar os holofotes de assuntos mais importantes que foram tão bem abordados no discurso.

Não acho que o tal 'governo sombra' tenha qualquer capacidade de criar uma oposição forte. Porque o alcance das redes sociais é ainda diminuto para o 'universo leonino' e porque a minoria que tem conhecimento dos cantos e recantos onde este 'movimento' se move não lhe atribui o mínimo de credibilidade.

Tenho dúvidas que alguém, mesmo que exposto a esses pseudónimos sob perfis falsos, se deixe influenciar por tão fraca argumentação.

É notório que fazem um ataque pessoal ao Presidente e é público que estão criados anti-corpos para essa oposição, dentro dos próprios Sportinguistas. Poucos serão os que se deixam influenciar por ofensas gratuitas e acusações carentes de prova.

O trabalho do Presidente está à vista e os resultados não deixam margem para dúvidas: estamos no bom caminho e o Clube encontra-se revigorado e novamente pujante.

Poucos serão os que duvidam do trabalho levado a cabo por esta Direcção e todos têm noção que o Presidente erra, porém, todos sabemos que, com o passar do tempo, os erros diminuirão.

Compreendo o receio do Presidente perante um hipotético aumento deste grupo de opositores.

Porque está na sua cadeira de sonho.

Porque deu muito trabalho recolocar o Sporting no caminho certo.

Porque um crescimento desta mesma oposição poderá trazer de volta o Sporting do passado.

Porque o Sporting do passado não interessa e ninguém o quer de volta.

Sei que Bruno de Carvalho sabe que esta é uma minoria e talvez queira cortar o mal pela raiz mas, hoje, os Sportinguistas não são os mesmos do passado.

Somos mais atentos, mais informados, mais exigentes e mais sensatos. Não vamos em cantigas e sabemos da realidade do Clube, do país e daquilo que é o 'fenómeno futebol' à escala mundial.

Assim sendo, continuo a achar que esta luta completamente secundária. Porque está condenada à nascença e porque a oposição se move pelo ódio e puro 'ressabiamento'.

Não acho que afecte outros Sportinguistas e acho até que envergonha a maioria deles. No limite e sabendo que vivemos noutros tempos, o que este 'governo sombra' preconiza ataca e viola a maioria dos 10 mandamentos do Sportinguista.

Para terminar, acho que, independentemente do que os move, são livres de discordar ou ter uma visão diferente, na mesma medida em que outros Sportinguistas podem discordar destes ou até confrontá-los.

Por isso, Presidente, não se preocupe em demasia com eles e continue a fazer o seu trabalho, que tão bons frutos tem dado.

O tempo em demasia que lhes dedicou afastou da ordem do dia os assuntos que realmente interessam:

- Os casos Danilo e Cervi e 'onde pára o dinheiro?'

- Os sacos azuis

- A manipulação sofrida por fundos e empresários

- A contra-informação da imprensa e dos 'paineleiros'

Estas sim, são as guerras que temos de ganhar e os campos em que nos devemos mexer pois continuam a ser os jornais e as TV's a manipular a opinião pública e não as minorias da blogosfera e do facebook, até porque quem frequenta este espaço são os Sportinguistas mais e melhor informados.

Deixe lá o Dolbeth defender o Sporting fora da antena da Sporting TV, mantenha o Inácio onde está (mesmo que este às vezes ponha os pés pelas mãos, tal é a vontade de defender o Clube) e arranje lá alguém que substitua o Rui Oliveira e Costa. Ah...e ponha o gabinete de informação a trabalhar pois nem todos lêem ainda apenas o Jornal Sporting e vêem apenas a Sporting TV.

E continue a fazer o que tão bem tem feito: defender e trabalhar em prol do Sporting Clube de Portugal.

Vem aí 'o crónico'

Nos últimos dois anos, fundamentais para a recuperação e o ressurgimento do Sporting no panorama desportivo nacional, o leão mudou.

Passou a ser liderado por um verdadeiro guerreiro. Exigente, determinado, inconformado, competente e apaixonado.

Os ingredientes eram fundamentais para que o Sporting voltasse a ser 'o crónico', mas ainda não eram transversais a todos os que lideravam as várias equipas.

A época 2015/2016 parece ser a da mudança de mentalidade. Deixaram de haver bons rapazes. O politicamente correcto deixou de existir. Só há ambição, exigência, determinação, paixão e trabalho.

Jorge Jesus no futebol e Zupo Equisoain no andebol personificam o 'estereótipo' pretendido. Nuno Dias e Nuno Lopes apreenderam-no ainda melhor no Sporting, depois de provarem o doce sabor do sucesso. Nas outras modalidades, as menos mediáticas, o sabor da vitória nunca nos tem sido negado.

O objectivo para este ano foi a aposta na liderança. Líderes fortes, formas equipas fortes. Equipas fortes estão nas decisões e ganham mais vezes. Ganhar mais vezes vai fazer-nos a todos felizes e fará o Clube crescer, alimentará o ego e trará novas e renovadas esperanças e responsabilidades.

Trazer 'o crónico' de volta parece estar cada vez mais perto e isso também se deve a nós. Que acreditámos na direcção, lhe demos confiança e com ela seguimos, mesmo sabendo que o caminho não será fácil.

Mais do que nunca, o Sporting precisa de todos nós. Da nossa exigência, mas também do nosso apoio. Só juntos traremos de volta 'o crónico'.

Os profissionais do erro

"Existem centenas de milhares de pessoas que vivem à custa do futebol. Eles são parte integrante de estruturas, organismos, entidades, associações, empresas, agências, enfim, um sem fim de "profissionais".
Depois existem milhões de pessoas que, nada percebendo sobre os verdadeiros meandros do futebol, teorizam, diariamente, por vários meios e locais, criando explicações elaboradas daquilo que chamam o "fenômeno" desportivo. Eles vão tecendo um conjunto de considerandos complexos onde o sistema, o modelo, as noções ofensivas e defensivas, as condutas, tudo serve para criar fórmulas de explicação para que o comum dos mortais perceba este evento mundial que carinhosamente apelidamos de "fenômeno".
Eu continuo a acreditar que na simplicidade está o segredo. As coisas são o que são e ponto final. O futebol não foge à regra. O "fenômeno" desportivo resume-se a uma tentativa frenética de tentar controlar um desporto que conseguiu envolver a paixão de biliões de pessoas. E se existe paixão e quase todo o mundo vibra com ele, então envolve dinheiro e mesmo muito dinheiro. Com o dinheiro vem a ânsia do poder, pois quem controla o poder controla o dinheiro. Mas o poder não pode ser filosófico, tem de ser real, tem de advir de controlo efectivo. Mas com o controlo real vem a noção ,do povo comum, de "injustiça", "corrupção" e "falsidade desportiva". Então foi criada a teoria do erro. O erro, essa "besta" que assombra o dia a dia do comum dos mortais podendo levar a despedimentos, mortes, acidentes, entre tantas outras maleitas, mas que no futebol e saudável e natural! Errar é humano, dizem. Quem nunca errou que atire a primeira pedra, dizem. O erro faz parte do jogo (leia-se controlo), dizem. Sem o erro o futebol perde a graça e naturalidade (leia-se controlo), dizem. A teoria do erro como "amigo do futebol" vai vingando pois mesmo quem não acredita esconde-se atrás de "eu até não concordo com nada disto mas são as directivas da UEFA e da FIFA".
Identificada a "coisa" ou melhor o "fenômeno" desportivo, resta pensar na consequência. Afinal como devemos lidar e reagir perante a "coisa"? Neste caso a simplicidade também é a chave do sucesso. A roda está inventada. O que a sociedade comum criou para lidar com os poderes ilegais criados dentro do poder legal? Prisões! Quem "opera" fora da lei e preso! Quem rouba e preso! Quem age pelo interesse próprio e não pelo comum e condenado! O futebol não se pode num paraíso do delito. Não pode vir a ser um subsistema de ilegalidade. Não pode ser uma coisa "amoral". O futebol tem de se sujeitar as leis, regras e condutas que a sociedade comum se vê obrigada a cumprir. Quem intervém no jogo e rouba tem de ser preso, não existe outra solução sem criar uma sociedade paralela que ameace tudo o que aprendemos a respeitar.
Sem começar a identificar e prender corruptores e corrompidos, sem começar a exigir-se ao futebol o mesmo cumprimento de leis e regras da restante sociedade, sem acabar com a luta desenfreada pelo poder e os seus "mecanismos de controlo", por exemplo com a introdução imediata do video-arbitro, que reduziria logo 90% desse "controlo" efectivo, o futebol arrisca-se a poder ter uma definição simples trazida da sempre brilhante sabedoria popular: "o que parece trampa, cheira a trampa e sabe a trampa, e trampa de certeza"!"

Bruno de Carvalho, na sua página pessoal do facebook

Não desgostei da analgia

Metralhas de Alvalade
 
"Os Irmãos Metralha são uma criação da Disney que se mobilizam para roubar a caixa forte do Tio Patinhas. São figuras engraçadas e desengonçadas, que normalmente vêem frustrados os seus intentos, porque o pato rico arranja sempre maneira de defender a sua enorme fortuna.
 

Lembrei-me deles, agora, não apenas porque o futebol, às vezes, tem muito de desenhos animados, tipo Tom e Jerry, o gato e o rato, estes uma criação de Hanna e Joseph Barbera, mas também porque no Sporting o papel que Octávio Machado, Bruno de Carvalho e Jorge Jesus querem protagonizar parece mais próximo dos Bad Boys, Beagle Boys para ser mais exacto, porque o seu grande objectivo é "roubar" o "tesouro" do ‘Tio Patinhas’, isto é, os títulos que FC Porto e, ultimamente, Benfica têm conquistado nos últimos anos. A metáfora do Tio Patinhas neste caso só se enquadra para as questões de natureza desportiva, porque, financeiramente, as caixas-fortes estão vazias, com a devida licença da nossa mui optimista ministra das Finanças…
 

Os Irmãos Metralha são três e, nas suas aventuras contra o pato, às vezes tropeçam uns nos noutros, mas nunca se desviam do objectivo: caçar-lhe a fortuna. Os "Metralhas de Alvalade" ainda não tropeçaram uns nos outros, ninguém sabe se isso algum dia irá acontecer, há quem vaticine e deseje que sim, mas ninguém tem dúvidas de que estão unidos no mesmo propósito: bater o pé ao Benfica e FC Porto. E com todas as armas que tenham à disposição, das mais inofensivas às mais destruidoras…
 

Agora na Supertaça apresentaram-se juntos e unidos, e, para já, como acontece nos "bonecos" com os Irmãos (muito parecidos e vestidos da mesma maneira), ninguém parece preocupado com questões de (maior ou menor) protagonismo. Bruno de Carvalho, Jorge Jesus e Octávio Machado são aquilo a que se chama a "estrutura" do futebol do Sporting. Bruno de Carvalho escolheu Jorge Jesus e Jorge Jesus escolheu Octávio Machado e não é por acaso que há um denominador comum entre eles: não são de "comer e calar", não são românticos, não acham que o "tótismo" (ideologia perfilhada pelos totós) dê vitórias e títulos e, por isso, já começaram a mostrar as garras, e não apenas Bruno de Carvalho que, até aqui, assumia as despesas todas e acumulava o desgaste de um elefante.
 

Na África do Sul, Octávio Machado já se havia destacado quando mandou o árbitro ‘para o c…", perante os sorrisos presidenciais, e Jorge Jesus não teve problema algum – como nunca tem – em provocar os adversários, mesmo que eles sejam os seus "queridos amigos" do Benfica, como se viu agora antes e depois da Supertaça. O próprio Bruno de Carvalho, mais escudado e protegido, mesmo ainda no "banco", consciente de que ali quem manda é mesmo o treinador (ai Jesus), já refreou os ímpetos: entre os Metralhas até parece (agora) o mais bonzinho…
 

Não foi o destino nem um acaso que ditou que Bruno de Carvalho, Jorge Jesus e Octávio Machado se juntassem e formassem a "estrutura-Metralha". Há muito que o presidente do Sporting, este presidente do Sporting, disponível para todas as batalhas, mesmo aqueles que aparentam ser mais difíceis de ganhar, tem a convicção de que é preciso fazer com o que o leão rebente com as grades onde esteve enjaulado durante anos. Ainda pensou que era possível fazê-lo como um jovem capitão a comandar um exército de soldados e um alferes. Cedo percebeu que o alferes Silva não alinhava na sua estratégia e o plano ruiu. Eram necessários sargentões, sargentões-Metralhas, que falassem a mesma língua, que tivessem os mesmos trejeitos, sem gongorismos éticos e estéticos, assim na linha antiviscôndica e anticroquética que havia distribuído mordomias a rodos em troco de quase nada.
 

Esta "representação" de Jorge Jesus perante Jonas, arrastando com ele o Benfica, não foi apenas uma manifestação de ADN. Foi também a exteriorização de uma estratégia – a estratégia-Metralha..."

(Rui Santos, Pressão Alta, in Record)

Um obrigado ao Álamo, do Leoninamente, de onde transcrevi o texto.

Ontem à tarde, na Academia Sporting

Bruno de Carvalho - Mister, perdemos o Danilo?

Jorge Jesus - Quem?!

BdC - Porra, Jorge, o do Marítimo?

JJ - Atão...mas não o encontram?

BdC - Não é isso..o gajo vai pró Porto.

JJ - Ah...vai?! Epá, Presidente, não se preocupe! É menos um lampião. Lampião por lampião, já cá temos o Semedo!

BdC - E agora?

JJ - E agora o quê, homem?

BdC - Contrato quem?

JJ - Eu ainda nem tive tempo de ver os que cá estão....

BdC - Então não compro ninguém.

JJ - Temos o William...

BdC - Epá...

JJ - Epá o caraças! Temos o William, o Rissol, o búlgaro, o Alisson, o Adriano, o Semedo...

BdC - E acha que chega?

JJ - Ainda há o Zezito e, se for preciso, adapta-se o Sarro. O gajo é grande e nem é mau de pés.

BdC - Então chega, não é? E não fica chateado por não vir o Danilo?

JJ - Presidente, eu só quero aqueles que querem jogar no Sporting!

BdC - (Suspira) Então vá, até amanhã. Ainda tenho de ir à Judite da TVI.

JJ - Iiiiiiiiii, ca ganda cena! Na seja bruto...a mulher nunca mais foi a mesma e as perguntas já se sabe que são encomendadas. (enquanto pisca o olho) Vá, até amanhã. Ainda vou ver uns vídeos do Guterres.

Obrigado José Quintela, por escreveres aquilo que eu queria dizer

José Quintela, no seu habitual editorial no Jornal Sporting, tratou de colocar em palavras aquilo que eu há uns dias tento organizar na minha cabeça para tentar explicar a alguns Sportinguistas que, eventualmente, mesmo que inconscientemente, se deixem influenciar pela ideia que 'paineleiros', adversários e comunicação social querem vender.

São gémeos.png

Bem-vindo, Jorge!

Sobre a saída de Marco Silva

Se eu preferia uma 'saída airosa'?

Sim. Mas apenas se os desentendimentos versassem sobre questões menores.

Se, como o Presidente Bruno de Carvalho disse na sua página do Facebook, houve da parte de Marco Silva falta de respeito e desobediência e se tudo isso resultou em situações verdadeiramente graves, que lesaram o Clube, então Bruno de Carvalho tem em mim alguém que apoia esta decisão.

Em todo o caso, e como o assunto será julgado em tribunal, guardarei as conclusões para essa altura, antes de 'condenar' quem quer que seja.

Sobre Jorge Jesus

Não tenho duas caras e, embora raramente (ou se calhar nunca) tenha aqui opinado sobre o ex-treinador do Benfica, não vou agora dizer que amo a 'personagem'.

Jorge Jesus é, sem sobra de dúvidas, um excelente treinador e a sua capacidade técnica e de liderança não carece de provas. É, seguramente, o melhor treinador a trabalhar no nosso país e, como tal, a melhor solução para suceder a Marco Silva.

No entanto, episódios com o 'limpinho, limpinho', entre outros, não necessariamente ligados ao Sporting, não deixam de fazer com que, como pessoa, Jorge Jesus me deixe algumas reservas.

Jesus é egocêntrico e abusa, por vezes, desse egocentrismo, acabando mesmo por ser, algumas vezes, insolente e malcriado.

Naturalmente, não espero que Jesus seja, no Sporting, uma pessoa completamente diferente mas espero que perceba que atitudes de fanfarrão não serão aceites por nós como foram aplaudidas por outros.

Desejo um Jesus igual a si próprio mas com os níveis de bazófia controlados.

Ao contrário da época passada não vou embarcar em euforias. Jesus é bi-campeão nacional mas no Sporting não vai gozar de certas 'facilidades'. Vou encará-lo como alguém novo, que terá de convencer-me. Afinal, julgo ser mesmo isso que ele pretende fazer.

Espero competência, rigor, exigência, dedicação, paixão e, já agora, que faça do Sporting campeão!

Sobre a jogada estratégica de Bruno de Carvalho

Correndo o risco de especular um pouco, arrisco dizer que, desde dezembro, Jesus está guardado para o Sporting.

Não porque o Sporting tivesse com ele qualquer tipo de pré-acordo mas, sobretudo, porque, tendo Bruno de Carvalho motivos para despedir Marco Silva, não tinha em dezembro a capacidade de o substituir devidamente (não só porque perdia a confiança dos jogadores mas também porque não havia disponível ninguém melhor no capítulo técnico que o próprio Marco).

Sabendo que Jorge Jesus estaria livre no final da temporada e imaginando que um convite do clube do coração o podia convencer, Bruno de Carvalho guardou todas as fichas para este final de época.

Claro que o Benfica nunca se preocupou pois, ao contrário do que possam dizer, sempre pensaram que tinham capacidade de o segurar ou de, na incapacidade de o fazer, o colocar no estrangeiro, por intermédio de Jorge Mendes.

Menosprezaram o Sporting e sobrestimaram a sede de dinheiro e notoriedade de Jesus que, afinal, pretendia apenas manter-se em Portugal.

A 'jogada' é genial, não só porque o Sporting contrata o melhor treinador disponível (e um dos melhores do Mundo), como também enfraquece e deixa 'à beira de um ataque de nervos' toda a 'nação benfiquista'.

Vieira terá agora nas mãos um pré.acordo com Rui Vitória e a tentação de resgatar Marco Silva enquanto que, em simultâneo, empresários tratarão de lhe acenar com outros nomes.

Na verdade, parece que temos tudo a nosso favor para entrar em grande em 2015/2016, espero eu, que com a conquista da Supertaça e o apuramento para a Champions, que em muito ajudarão no restante da temporada.

Falou, e disse

"Caros Sportinguistas,

Encerramos uma época desportiva mas, mais do que isso, encerramos um ciclo na vida do nosso Clube. Um se fecha, para que outro se abra mais à frente.

E para que este se feche definitivamente remeto-vos esta mensagem.

Transportaremos sempre connosco o que de melhor tenhamos conquistado.

Desde logo uma situação financeira que conseguimos estabilizar, fruto do esforço, trabalho competente e dedicação de toda a minha equipa. Posso hoje dizer-vos que pertencemos a um Clube que apresentou um lucro de 22 milhões de euros, que acaba de concluir o mais bem sucedido empréstimo obrigacionista da sua história, que soube reduzir as despesas, honrar os compromissos e preparar ambiciosa, mas prudentemente, o seu caminho.

Conseguimos aumentar os índices competitivos em todas as nossas modalidades e assim, estamos certos, criar condições sustentadas para que a conquista de mais títulos seja regular.

Dentro de 21 meses estaremos em condições de festejar muitas dessas vitórias no Pavilhão João Rocha, que será inaugurado em Março de 2017

Temos lucro e temos títulos mas este não seria o Sporting Clube de Portugal se não tivéssemos desde sempre, hoje e para sempre valores!

Um deles, porventura o principal, é o do intransigente compromisso com a verdade.

Quem hoje vos fala não o faz por ter um contrato de longa duração a ligá-lo a uma Instituição mas antes um contrato eterno e irrevogável com o Sporting Clube de Portugal. Como todos saberão, decidiu a Administração da Sporting SAD, por unanimidade, esgotada a tentativa de chegar a um acordo com o treinador Marco Silva, instaurar um processo disciplinar com vista ao seu despedimento com justa causa não por consequência da falta de acordo, mas pelo número significativo de ocorrências que tiveram lugar e que, a nosso ver, causaram uma ruptura de relacionamento com o treinador do Clube.

Marco Silva não será apagado nem da nossa História nem das fotografias do nosso Clube e em ambas, ficará registado como o treinador que venceu a Taça de Portugal 2014/2015, contribuindo desse modo, para terminar com um ciclo de sete anos sem vitórias nas competições principais.

O reconhecimento ao seu trabalho e mérito ficará para sempre registado porque nunca foi o seu valor como treinador que esteve em causa.

As qualidades técnicas de um jovem treinador em formação, foram por mim próprio reconhecidas, quando tomei a decisão de assinar um contrato por quatro anos. Tal como muitos Sportinguistas partilhei dessa percepção.

Todavia, ao trabalhar com Marco Silva, vi-me involuntariamente envolvido num conjunto de episódios em que este demonstrou, no nosso entendimento, falta de respeito para com o clube e para com a estrutura que com ele trabalhava.

Inevitavelmente, isso mudou a minha opinião.

Não está em causa o treinador, cujas qualidades técnicas não se colocam em causa, mas sim circunstâncias pessoais que naquelas ocasiões nos deixaram revoltados e desapontados, de forma extremamente grave.

Foram esses (vários) episódios que serviram como factor de constante desestabilização do normal relacionamento institucional, tornando a situação insustentável.

Assinalamos ainda que, durante vários destes episódios, e porventura por pelo nosso silêncio, não foi dada qualquer ênfase na comunicação social aos actos de Marco Silva, ou procurada qualquer justificação para um elevado conjunto de atitudes e frases enigmáticas que este proferiu. Foi igualmente visível o aproveitamento da natural simpatia, que os sócios e adeptos do nosso clube sentiam para com o treinador, para se procurar provocar instabilidade.

O último episódio foi, após ter sido convocado para uma reunião com o seu Presidente na passada 4ª-feira , ter dado a informação de que não podia reunir nessa data porque estaria presente num acção de renovação da licença “UEFA Pro”, a decorrer em Fátima. Situação que se veio a verificar não correspondia à verdade, com a agravante de ao mesmo tempo – e como tantas vezes aconteceu – ter sido passada para os jornais a informação de que era o treinador que estava à espera para ser recebido.

O mesmo sucede agora, com uma selecção adjectivada de factos que vemos patente nos escaparates e pela qual os sportinguistas não devem deixar-se enganar.

Por exemplo, o Sporting tem parceiros e patrocinadores que lhe permitem alcançar determinados níveis económicos. Diminuir-se publicamente as necessidades de um parceiro e patrocinador do Sporting Clube de Portugal, que entrega ao Clube receitas em troca de visibilidade, e que vê o seu retorno de visibilidade injustificadamente diminuído por alguém que, por algum motivo, entendeu não lhe serem aplicáveis as regras de um grupo, nem de que um mero fato estejamos a falar, não é só deselegante como é pouco sério.

Em prol do superior interesse do cumprimento dos objetivos desportivos, optámos por não causar a ruptura quando ela se impunha, tendo mantido uma posição de tolerância quase involuntária para que os objectivos do Sporting Clube de Portugal pudessem ser alcançados.

Quero também deixar expresso, de forma muito clara, o sentimento de que terminado este processo, para o Sporting Clube de Portugal, são indiferentes as opções profissionais que o treinador Marco Silva venha a tomar, inclusivamente no que se refere ao clube que decida treinar, seja ele rival ou não.

O meu único dever de lealdade é para com o Sporting Clube de Portugal.

Hoje como amanhã estarei sempre única e exclusivamente ao serviço do Sporting Clube de Portugal.

A minha dedicação 24 horas por dia é com esta Instituição que tanto amo e me orgulho de presidir.

Instituição que merece o máximo de respeito, lealdade e verdade por parte de todos os que a servem.

O nosso Sporting Clube de Portugal pauta-se por princípios de rigor e exigência muito claros, demonstrados de forma inequívoca nas contas que já apresentámos e nos resultados desportivos que melhoram de época para época.

E quero dizer a todos os Sportinguistas que existem valores que para nós são inalienáveis.

Estando eles em questão é todo um projeto que é posto em causa.

E para mim o projeto que conta é só um: o sucesso e o futuro do nosso Sporting Clube de Portugal!

Fecho este ciclo com a absoluta convicção de que, mais uma vez e como sempre, decidimos com a consciência e a obrigação de agir no melhor interesse do Sporting Cube de Portugal e na defesa intransigente dos seus valores e princípios que sempre nos diferenciaram.

Presidente do Sporting Clube de Portugal

Bruno de Carvalho"

Fonte: Página oficial do Facebook de Bruno de Carvalho

A conferência

A conferência de imprensa marcada para o dia de ontem foi aguardada com inquietação generalizada e na qual nem me incluo.

Esperei para saber e, calmamente, ao fim da noite, puxei a box atrás e fui ouvir (e ver) aquilo que o Presidente sentiu necessidade de dizer.

Pois, incluo-me no lote de Sportinguistas que Bruno de Carvalho considera que entendeu a mensagem e, como tal, vou manter-me calmo e tranquilo no meu canto, aguardando por duas vitórias no que resta do campeonato, ansiando pela conquista da Taça de Portugal e de mais uns títulos noutras modalidades, de menor importância para alguns mas que, a mim, me enchem de idêntico orgulho.

Mais uma vez, a nossa comunicação social, foi chamada para uma espécie de humilhação pública que, a mim, tão bem me soube. Não que dela retirem ilações, mas...

Esperarei também, serenamente, pela explicação...Que será dada em tempo e local oportunos e a quem de direito (a nós, sócios e adeptos).

Até lá (e, de certeza, depois disso), só me apetece gritar: SPOOOOOOOOOORTING!

Mais sobre mim

imagem de perfil