Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

Bora lá matar o borrego

A selecção francesa é, de todas, a que piores recordações me traz. Estão-me atravessadas sobretudo as derrotas de 2000 e 2006, porque nos tiraram a possibilidade de jogar duas finais (uma de um Europeu e a mais recente de um Mundial) no auge da melhor geração de futebolistas do futebol nacional (a de 84 também nos afastou de uma final do Euro, mas eu ainda nem era nascido).

O jogo é amigável, mas ganhar aos franceses e 'matar o borrego' é para mim uma questão de orgulho. Não só quero ganhar como, se possível, golear com uma verdadeira lição de futebol.

Não vingaria as derrotas anteriores, ainda mais porque falamos de um jogo a feijões, mas seria importante para dar confiança a estes nossos jogadores numa nova fase em que todos esperamos voltar a orgulhar-nos dos que nos representam.

Como podemos ver abaixo, o borrego foge-nos desde 26 de Abril de 1975 e de lá para cá só perdemos. Está nas mãos de Fernando Santos e dos seus seleccionados inverter a tendência,

Histórico Por Fra.jpg

Assim o espero!

 

 

O teste francês é para levar a sério

Amanhã inicia-se a era de Fernando Santos no comando da selecção nacional. O teste com a França deve ser encarado como se de um jogo de qualificação se tratasse.

No lugar de Fernando Santos lançaria no Stade de France aqueles que pretendia colocar em campo na Dinamarca. O intervalo serviria para mudar aqueles que suscitassem dúvidas para que possa tomar uma decisão mais consciente sobre o 11 inicial a usar no norte da Europa.

Eu faria assim:

Fra Din - Portugal.jpgEstá mais que visto que Éder não é ponta-de-lança para a selecção (mesmo estando entre os 23), por isso eu usaria um trio móvel na frente. Todos aparecem bem a finalizar e são eficazes a fazê-lo. Julgo que essa mobilidade pode dar dinâmica ao ataque e perturbar os defesas adversários. Terão de estar bem atentos quando tiverem de passar para o momento defensivo, pois os três corredores devem estar ocupados, por forma a manter o equilíbrio defensivo, mas são os três jogadores experientes e capazes de cumprir a tarefa na perfeição.

João Mário parece-me a melhor solução no último passe e por esse motivo incluía-o no onze, no entanto, ao intervalo, poderia dar lugar a André Gomes para tentar perceber se o seu bom momento de forma pode dar mais soluções à equipa.

João Moutinho, para mim, continua a ser o motor do meio-campo. Bem acompanhado o seu rendimento aumenta substancialmente e julgo continuar a ser a melhor opção, apesar do bom momento de Adrien.

Tiago seria a minha escolha, sobretudo pelo momento de menor fulgor de William. No entanto faria entrar o médio do Sporting ao intervalo por forma a tirar algumas dúvidas que Tiago possa deixar em aberto.

Na defesa, a minha única dúvida prende-se com a inclusão ou não de Ricardo Carvalho. É melhor jogador que Bruno Alves. A maior intensidade do campeonato francês e as boas exibições na Champions levam-me a apostar em Ricardo Carvalho, mas testar Bruno Alves na segunda parte não faria mal.

Em todos os outros, não tenho dúvidas e parecem-me as melhores opções para os lugares que lhes destinei.

Amanhã veremos e espero ganhar aos franceses pois são uma espinha entalada na minha garganta.

Depois da demissão, a revolução

Confesso que não esperava tamanha revolução encetada por Fernando Santos, o novo seleccionador nacional. Para já gabo-lhe a coragem de convocar jogadores que estão a jogar nos seus clubes, sem ligar a estatutos e fazendo aquilo que eu faria: convocar aqueles que são os melhores do momento!

Nem vou questionar se estes eram ou não os meus escolhidos, mas constato que alguns dos nomes que já aqui tinha mencionado, constam na lista do engenheiro.

Estes foram os convocados para a dupla jornada que se avizinha, com jogos com a França (amigável) e com a Dinamarca (qualificação):

Guarda-Redes: Rui Patrício; Beto; Anthony Lopes

Defesa Direito: Cédric Soares; Ivo Pinto

Defesa Central: Bruno Alves; Pepe; Ricardo Carvalho; José Fonte

Defesa Esquerdo: Fábio Coentrão; Eliseu; Antunes

Médio: William Carvalho; Adrien Silva; Tiago; André Gomes; João Moutinho; João Mário

Extremos: Vieirinha; Ricardo Quaresma; Nani; Danny

Avançados: Cristiano Ronaldo; Éder

Um dos seleccionados ficará de fora das opções em dia de jogo e arrisco numa das opções para a lateral esquerda.

Os meus destaques vão para as chamadas de Danny (acrescenta inegável qualidade), José Fonte (que já merecia esta chamada), João Mário (é de aproveitar o seu momento de forma) e Cédric (finalmente alguém com coragem de o chamar). A minha surpresa para os regressos de Ricardo Carvalho e Tiago, que já não julgava que fossem chamados, mas podem ajudar com a sua experiência e ainda jogam ao mais alto nível.

Espero que possamos iniciar esta nova fase com Fernando Santos da melhor forma e, para isso, nada melhor que uma vitória na Dinamarca, por forma a recuperar do desaire em casa com a Albânia.

Fernadoooo, Fernadoooo

Bem, já temos seleccionador desde anteontem, mas só hoje resolvo abordar o tema. Porquê? Porque, na verdade, mesmo tendo passado dois dias desde o anúncio do novo seleccionador nacional, não consigo dizer grande coisa, nem consigo sentir-me entusiasmado. 
Espero que o Vasco Palmeirim tenha razão e que o Adrien, o Quaresma e outros tenham, de facto, razões para sorrir. Veremos...

Deixo-vos com o divertido momento do dia de ontem, que testemunhei em directo, ao volante da minha viatura e que me fez sorrir logo pela manhã.

Boa sorte ao engenheiro!

55 nomes para a selecção

Numa semana em que, muito provavelmente, se saberá quem será o escolhido para comandar a selecção nacional no que resta (e é quase tudo) da qualificação para o Euro 2016, em França, tomei a liberdade de fazer a minha observação. É óbvio que não andei a ver os jogos nem a viajar de país em país, mas fui pesquisar as estatísticas desta temporada (e das mais recentes) e fiz uma selecção de 5 jogadores por posição que poderiam fazer parte da convocatória para os jogos do próximo mês. É claro que não me limitei à estatística e tive em conta o valor que penso que os jogadores têm, a experiência, as mais-valias que podem trazer ao grupo e tive em conta se têm ou não jogado nos seus clubes.

Antes de mais, é altura de ignorar os proscritos do antigo seleccionador, pois todos merecem uma nova oportunidade. E claro, é necessário também trazer caras novas que possam ser uma lufada de ar fresco ou uma réstia de esperança quanto à tão falada renovação.

Confesso que em algumas posições tive dificuldade em preencher os cinco lugares, mas noutras quase que poderia ter indicado dez nomes.

É fácil constatar que os jogadores portugueses de nível mundial são cada vez menos e isso leva-nos para a discussão do futuro do futebol português. Mas isso são contas de outro rosário e esse assunto já foi abordado antes e só se resolverá quando os senhores da FPF e da LPFP abrirem os olhos para a realidade e deixarem de pensar apenas que o cargo que ocupam lhes permite passear um bom fato e distribuir uma série de favores a certos e determinados intervenientes no futebol.

Aqui vai a minha lista:

Como é óbvio, cada um tem a sua opinião e, como será natural, vocês concordarão com alguns e discordarão de outros, por isso, aproveitem a caixa de comentários para dar a vossa opinião. Terei todo o gosto de fundamentar algumas das minhas escolhas.

Agora sim, começou a renovação da selecção

E começou pelo lugar em que mais era necessário: o de treinador. É certo que há mais 'trampa' para limpar, mas como não há ninguém que possa demitir os indivíduos que compõem a estrutura directiva, essa mesma estrutura, optou (e bem) por demitir o treinador logo após o desastre com a Albânia, não correndo o risco que este se viesse a repetir na Dinamarca.

Paulo Bento deixou ontem de ser seleccionador nacional e não vai deixar saudades.

Espero apenas que o próximo seleccionador nacional seja experiente, íntegro, convicto, imune a pressões e claro, que domine toda a parte técnica do jogo.

A minha escolha seria Manuel José.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal