Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

O sorteio da Liga Europa

Começa dentro de momentos o sorteio dos 16 avos-de-final da Liga Europa e o Sporting vai descobrir quem lhe calhará em sorte.

 

O ADVERSÁRIO QUE EU QUERIA

FCSB

 

O ADVERSÁRIO QUE EU ACHO QUE NOS CALHA

Spartak de Moscovo

 

O ADVERSÁRIO QUE NOS CALHOU QUANDO SIMULEI O SORTEIO

Östersung

 

Estes são os potes a sorteio:

Pote 1: AC Milan (ITA), Arsenal (ENG), Atalanta (ITA), Athletic Club (ESP), Atlético Madrid* (ESP), Braga (POR), CSKA Moskva* (RUS), Dynamo Kyiv (UKR), Lazio (ITA), Leipzig* (GER), Lokomotiv Moskva (RUS), Plzeň (CZE), Salzburg (AUT), Sporting CP* (POR), Villarreal (ESP), Zenit (RUS)

Pote 2: AEK Athens (GRE), Astana (KAZ), Celtic* (SCO), Crvena zvezda (SRB), Dortmund* (GER), FCSB (ROU), København (DEN), Ludogorets (BUL), Lyon (FRA), Marseille (FRA), Napoli* (ITA), Nice (FRA), Östersund (SWE), Partizan (SRB), Real Sociedad (ESP), Spartak Moskva* (RUS)

*Equipas vindas da Liga dos Campeões

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

Já são conhecidos os possíveis adversários na Liga Europa

Tal como o sorteio do playoff da Youth League, também o sorteio dos 16 avos-de-final da Liga Europa se realiza no próximo dia 11 (ao meio-dia).

Os jogos de ontem definiram quem pode e quem não pode cruzar-se com o Sporting na eliminatória que deverá começar-se a jogar a 15 de Fevereiro, tendo lugar a segunda mão uma semana depois.

Está já definido à partida que os cabeças-de-série jogam a segunda mão em casa. Assim sendo, teremos a decisão da eliminatória no dia 22 de Fevereiro, no Estádio José Alvalade.

 

Eis os clubes que vão a sorteio:

Cabeças-de-série: AC Milan (ITA), Arsenal (ENG), Atalanta (ITA), Athletic Club (ESP), Atlético Madrid* (ESP), Braga (POR), CSKA Moscovo* (RUS), Dínamo Kiev (UKR), Lázio (ITA), Leipzig* (GER), Lokomotiv Moscovo (RUS), Plzeň (CZE), Salzburgo (AUT), SPORTING CP* (POR), Villarreal (ESP), Zenit (RUS)

Não cabeças-de-série: AEK Atenas (GRE), Astana (KAZ), Celtic* (SCO), Estrela Vermelha (SRB), Dortmund* (GER), FCSB (ROU), Copenhaga (DEN), Ludogorets (BUL), Lyon (FRA), Marselha (FRA), Nápoles* (ITA), Nice (FRA), Östersund (SWE), Partizan (SRB), Real Sociedad (ESP), Spartak Moscovo* (RUS)

*vindos da fase de grupos da UEFA Champions League

 

Diria que são de evitar o Nápoles, o Dortmund e o trio de franceses (Nice, Marselha e Lyon), ainda que tenhamos argumentos para nos bater com qualquer equipa.

Se evitarmos estes já será um sorteio positivo.

 

Apenas não se poderão defrontar clubes que tenham estado no mesmo grupo da Liga Europa e clubes do mesmo país. Outras eventuais restrições serão confirmada antes do sorteio.

Dadas as diferenças entre a Liga dos Campeões e a Liga Europa, o maior número de jogos da prova onde agora entramos e o menor tempo de descanso entre eliminatórias, a sorte nos sorteios é fundamental para que possamos manter todo o plantel activo e minimamente fresco fisicamente.

 

Como não podia deixar de ser, tenho os meus preferidos. AEK, Estrela Vermelha e os nossos adversários do playoff da Champions, o FCSB, de Bucareste, são aqueles que me parecem mais acessíveis.

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

Pensamento do dia

É público, já o manifestei diversas vezes, que não gosto da Liga Europa enquanto competição. Não a considero com grande visibilidade nem grande impacto mediático, será sempre o parente pobre das competições europeias e acaba por causar nas equipas que a disputam um maior desgaste físico que a Liga dos Campeões.

Por todos estes motivos e mais uns quantos, devem imaginar-me pouco entusiasmado com a possibilidade (ainda não garantida) de vir a disputar a prova. Ainda assim, tenho noção que o ranking europeu do Sporting é baixo e nada consentâneo com aquilo que pretendemos ser enquanto Clube.

Se nos queremos afirmar na Europa, teremos de garantir a presença nesta Liga Europa e fazer uma prestação que nos honre e amealhe uns pontos para o nosso pobre ranking da UEFA.

 

Mas, assim de repente, salta-me à vista algo que pode tornar a competição mais atraente para os adeptos e talvez até para os próprios jogadores. O fracasso dos rivais na Champions levaria cada um deles para a Liga Europa, onde esperamos também marcar presença.

Atacar esta competição com a pressão extra de ter nela inserida os nossos rivais internos seria um aliciante para mim e, mais importante que isso, colocaria em pé de igualdade os três rivais no que à gestão do plantel entre competições europeias e nacionais diz respeito. Poderão até ser quatro as equipas portuguesas presentes, pois o Braga está em condições de se qualificar para a fase seguinte da prova.

 

Dentro daquilo que é a desilusão de não seguir em frente na Liga milionária e a possibilidade de ter de encarar uma Liga Europa, este seria talvez o maior factor motivacional que encontro.

Veremos como correm as coisas a Porto e Benfica que, no mínimo, têm a Liga Europa garantida e espero que, na 4ª feira, não nos deixemos surpreender em Varsóvia, onde vai estar um gelo descomunal, nada condizente com aquilo que estamos habituados em Portugal.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

B. Leverkusen 3-1 SPORTING CP: O adeus definitivo

E pronto, resta o campeonato. Finalmente (dirão alguns) dissemos adeus à Europa.

Não vou discutir supostos prejuízos ou benefícios da eliminação de ontem. Estamos fora e, agora sim, totalmente focados apenas e só no campeonato.

O jogo de ontem foi, no geral, positivo. Discutimos a eliminatória, sobretudo até ao momento em que Bellarabi bisa e faz o 2-1.

Não desgostei da gestão que foi feita do plantel. Entendo-a e, até certo ponto, foi eficaz e serviu o seu propósito.

João Mário esteve verdadeiramente endiabrado e duvido que não tenham sobrado apontamentos entre os clubes alemães. Que jogador! Que exibição! O golo foi mais do que merecido.

Começámos nervosos e quase acusámos a pressão sufocante dos alemães.

Já recompostos, sofremos o primeiro golo, numa transição rápida, após uma situação de finalização da nossa parte. Bastava a Jefferson ter feito aquilo que William não pensou duas vezes para fazer...a jogada tem de 'morrer' no meio-campo e, se não morrer, não podemos ficar a marcar com os olhos. Depois de não ter feito falta, o brasileiro vê o posicionamento do adversário e, em vez de recuar, dá um passo em frente que o deixa totalmente fora da disputa do lance.

Soubemos reagir. Demorámos apenas 5 minutos para nos recompormos do choque. 

O que restava da 1ª parte foi nosso.

Mané fartou-se de desperdiçar, Teo fartou-se de me enervar. E se o primeiro se esforçou mas apenas me deixa cada vez mais a sensação de que temos ali potencial que teima em não se desenvolver, o segundo teima em dar a entender que lhe falta comprometimento...com quem lhe paga e com quem luta a seu lado. Displicente na maioria das abordagens, teima em fazer de conta para dar a ideia que se esforça. Continuo à espera que me contrarie, para que possa depois dar a mão à palmatória.

Sinceramente, perante um cenário globalmente positivo mas em que duas peças pareciam não encaixar, achei que Jesus mexeria numa delas ao intervalo. Porque estávamos com ligeiro ascendente sobre o adversário e porque, de certa forma, este iria entrar para o segundo tempo retraído.

Isso aconteceu mas também nós entrámos expectantes. Faltava apenas um golo e Jesus confiou que podia guardar os trunfos.

Claro que não posso também ignorar uma expulsão perdoada a Wendell, ainda na 1ª parte, por agressão a Bruno César. Não se sabe se a história seria a mesma mas teria certamente outras nuances.

Depois do período de indecisão que foi a 2ª parte, Jesus pensou em mexer. Ruiz entrou e Bellarabi recolocou o Bayer na frente do resultado.

Animicamente, nunca mais recuperámos. Ainda lançámos Slimani e Gelson mas a tarefa já era difícil.

De difícil, a impossível passou, com o terceiro golo dos alemães.

Caímos de pé, com um agregado demasiado pesado e que não espelha a diferença entre os dois conjuntos.

Fomos dignos mas não deixo de pensar que poderíamos ter sido felizes.

Felizes, foram os mais de dois mil leões que não pediram licença para tomar de assalto a BayArena. Demonstração brutal de apoio e fervor leonino. Durante os 90 minutos, foram várias as vezes que só se ouviram os nossos e os alemães terão percebido porque somos os melhores adeptos da Europa.

Falta que possamos num futuro próximo assumirmo-nos também nesse campo desportivamente. Assim prenunciaram os nossos fundadores.

Agora sim, faltam 11 finais. A próxima é na 2ª feira, em Guimarães e é importantíssimo que não falte apoio. Não será por nós que o Sporting não será campeão!

Hoje joga o Sporting

Hoje é daqueles dias em que não tenho dúvidas que, mais do que a transpiração, será a inspiração a resolver a eliminatória, espero que, a nosso favor.

Vai ser um jogo tenso e competitivo em que a concentração e a eficácia serão decisivas. Teremos de fazer algo parecido com o que vimos nos derbies, no clássico e nos jogos com Besiktas em casa e Lokomotiv fora.

Acreditar será a base de tudo.

Se a equipa acreditar na passagem tanto quanto Jesus afirma que acreditam nos seus métodos e na sua ideia de jogo, seremos felizes.

A prioridade é o campeonato? Claro! Mas não podemos nem devemos abdicar de ser felizes, seja com 11 titulares ou 11 suplentes.

Será a nossa crença a comandar o sonho.

Embora a Liga Europa seja o parente pobre da Europa do futebol, não há quem esqueça as grandes noites europeias.

E, hoje, podemos viver mais uma. Com o sabor extra de fazer história, caso isso aconteça.

Não interessa quem joga, não me importa quem descansa, só quero 11 leões em campo com sede de vitória e com o foco em virar a eliminatória a nosso favor.

Jorge, roda a equipa como entenderes mas não deixes de incentivar a que se lute com todas as forças pela discussão da eliminatória até ao último minuto, mais não seja pelo aporte moral que isso pode trazer para o futuro próximo, até mesmo nesta competição onde, como tu próprio disseste, dificilmente apanharemos um adversário tão difícil quanto este.

SPOOOOOOOOORTING!

Jorge, é só imitar estes rapazes

Temos de recuar ao dia 26 de Agosto de 2010 para encontrarmos a única ocasião da história do Sporting nas competições europeias em que uma derrota em casa acabou em qualificação numa eliminatória a duas mãos.

Na verdade, nem estávamos bem numa competição europeia. Esta era uma ronda preliminar da Liga Europa, onde o Sporting viria a vencer o grupo com 6 vitórias em 6 jogos para depois se deixar eliminar em casa por um Rangers fraco num dos jogos mais patéticos de que me lembro.

Depois de uma derrota em casa por 2-0 frente ao Brondby, o Sporting arrancou no último minuto uma vitória fora por 3-0 com uma chapelada fantástica de Yannick Djaló.

Será preciso jogar um pouco mais do que fizemos nesse jogo (do qual me recordo muito bem), onde foi a sorte e o desnorte dos dinamarqueses que nos fizeram acreditar na vitória.

Hoje nem é necessário fazer tanto. Basta vencer 2-0 ou marcar dois ou mais golos e sofrer menos um.

Óbvio que o Brondby em nada se compara ao Bayer Leverkusen mas, se hoje conseguirmos carimbar o passaporte para os oitavos-de-final da Liga Europa, mataremos dois borregos: o de não vencer na Alemanha e o de virar uma eliminatória em fases finais de competições europeias.

SPORTING CP 0-1 B. Leverkusen: Eliminatória comprometida

Tal como eu tinha dito ontem, encontraríamos uma equipa ao nosso melhor nível e só uma exibição dentro daquilo que tem sido o nosso melhor nos aproximaria de um resultado positivo.

Sendo a derrota por 0-1 um resultado negativo, nada tem de irrecuperável. Podemos discutir até final a eliminatória na Alemanha, assim os escolhidos para a disputar lutem por isso.

O jogo de ontem começa a perder-se bem antes de começar. A partir do momento em que o próprio treinador retira do jogo o foco principal e o atira para 2ª feira, é natural que todos relaxem.

E, a verdade, é que todos relaxaram. Os jogadores adoptaram um nível e uma intensidade mais baixa e até os adeptos o fizeram, comparecendo em menor número e sendo menos entusiastas no apoio. Até assobios saíram, algo nada normal e que demonstra bem que o episódio de dezembro 'marcou' Teo perante a massa associativa.

E se entendo a protecção de Jorge Jesus ao colombiano, não entendo porque não resguardou também Rúben Semedo. Em sentido oposto ao que fez com Teo, criticou Semedo quando podia ter refreado os ânimos. Faltou tratamento igual.

Por fim, e porque não quero alongar-me na análise ao jogo, um recado para Jorge Jesus:

Jorge, nenhum treinador teve nos últimos anos o apoio e a tolerância total em prol de um só objectivo. Aceitámos que o campeonato é a prioridade mas somos exigentes, como o senhor e o Presidente. O senhor e a equipa têm tido apoio total em todos os momentos, mesmo nos mais negativos e nós, adeptos, como ontem disse (e bem), temos sido parte integrante no campeonato bem sucedido e que, neste momento, nos coloca na liderança. Por isto, não nos ameace. Não nos ataque por causa de um jogador, ainda mais porque sabe da nossa força. Até ao final da época, treinador e jogadores (mesmo o Teo) terão o nosso apoio. Nós queremos o Sporting campeão e estamos dispostos a tudo por isso, com dedicação máxima, como temos mostrado sempre.

Finalmente, o foco está no Boavista e, agora sim, é imperioso vencer.

Hoje joga o Sporting

A receita está passada. Agora, é aviar (n)os farmacêuticos.

A responsabilidade é a mesma, quer joguem os habituais titulares ou não. Há um clube centenário para dignificar e o Rampante para honrar.

Há que deixar tudo em campo e retribuir o apoio com que os adeptos certamente não faltarão no José Alvalade.

Nunca aconteceu ainda esta época defrontarmos uma equipa que é quase uma cópia da nossa no que ao modelo de jogo diz respeito.

O Bayer alterna bem entre o jogo directo e apoiado, pressiona alto e defende bem subido no terreno. Depois, têm individualidades que podem resolver e às quais temos de estar atentos.

Assim sendo, vai ser curioso ver se alguma das equipas se retrai mais na abordagem ao adversário.

Curioso para ver se a 'rotatividade' de Jesus contempla mudanças pontuais ou uma 'revolução' no onze inicial e expectante para ver se é o nosso 'mister' quem mais se vai 'adaptar' ao adversário.

As mudanças no onze levam-me e crer que seremos nós a ser mais matreiros e talvez a habitual sobranceria alemã possa validar essa abordagem.

Espero um grande jogo, melhor que alguns de Champions e, naturalmente, uma vitória do Sporting.

SPOOOOOOOOOOOORTING!

SPORTING CP 3-1 Besiktas: do 8 ao 80

Uma hora de jogo e não havia meio de desatar a camisa de forças. Para piorar, o Besiktas já ganhava.

Confesso que não acreditava numa possível reviravolta e, a verdade, é que a equipa não dava sinais de ser capaz de a orquestrar.

Acusámos demasiado a pressão de ser um jogo decisivo e ter a carga adicional de não haver poupanças. A responsabilidade era, de facto, acrescida para os 11 que entraram em campo e, a verdade, é que nenhum jogou bem, sobretudo nos primeiros 45 minutos.

João Mário, Adrien, os centrais e Patrício (que mesmo assim nos assustou nos descontos), terão sido os únicos a escapar a uma análise superior a medíocre.

Ao intervalo, a substituição do costume, sempre que algo não está a correr bem à equipa. Percebo e entendo a saída de Montero mas custa-me sempre que seja ele o sacrificado de um onze onde podia ter saído qualquer um.

Jorge Jesus terá puxado as orelhas aos jogadores mas o efeito não foi imediato.

Um erro de João Pereira, mal acautelado pelos que deviam ter-lhe feito cobertura, daria origem ao golo do Besiktas. E nem vale a pena crucificar João Pereira porque neste lance a culpa não morre solteira. João Mário, em zona interior, era a única linha de passe disponível e mesmo que a opção de João Pereira não tenha sido boa, ninguém aplaudiria um 'biqueiro' para a frente se não soubesse que o lance daria golo do adversário. Basta ver a imagem seguinte para comprovar aquilo que digo.

Golo Besiktas.png

Se é possível tirar coisas positivas de um golo sofrido, este foi o caso. A equipa acordou e percebeu que era hora de dar corda às canetas.

Sem clarividência mas com vontade, o primeiro golo acaba por nascer de uma das poucas acções positivas da dupla Ruiz/Slimani (o primeiro assistiu o segundo, que acreditou tanto que até assustou o guarda-redes) até àquele momento.

Se muitos já não acreditavam, acho que todos passaram a ter a certeza que o jogo viraria. O mais difícil estava feito e a confiança voltara a vestir de verde-e-branco. Mérito quase total destes dois que, até ali, tinham sido pouco mais do que zero.

Seguiu-se o melhor momento da equipa, que coincidiu também com a entrada de Teo Gutiérrez, para o lugar de Adrien.

Como disse Quaresma no final, o Sporting estava com vontade e confiança.

Foi assim que partimos para cima dos turcos e bastaram 10 minutos para resolver a questão.

Bryan Ruiz (quem diria), assistido por João Mário, operou a reviravolta e Teo Gutiérrez sentenciou a partida numa excelente jogada individual, antecedida de um passe de Gelson, que viria a dar origem ao momento caricato da noite: o festejo (ou a tentativa) do colombiano.

Depois do segundo, eu, que nem acreditava que pudéssemos ganhar, tinha já a certeza que a vitória não fugiria.

Com os turcos de rastos perante 10 minutos à Sporting, bastou gerir até final e pairou sempre no ar a ideia de que, a haver mais golos, voltariam a ser na baliza de Tolga Zengin.

Tempo para o público aplaudir Slimani e saudar Matheus.

O jogo estava feito e o objectivo cumprido.

Venha o Moreirense!

Hoje joga o Sporting

Jogo importante e de carácter decisivo. Podia não ter sido necessário mas talvez seja melhor. Até agora, a equipa reagiu sempre bem quando os jogos eram decisivos.

Foi assim no Algarve, na decisão da Supertaça. Assim foi nos derbies, um deles a eliminar. E só não o foi na Champions porque factores externos nos tiraram a possibilidade de jogar a mais importante prova de clubes do Mundo.

Com a certeza que, desde então para cá, a equipa tem crescido e evoluído positivamente, só podemos esperar mais uma prova superada.

No entanto, o Besiktas é o 1º classificado da Liga Turca e não perdeu nenhum dos 5 jogos realizados nesta fase de grupos da Liga Europa.

Foi o próprio Jorge Jesus a identificar, em conferência de antevisão ao encontro, os jogadores mais perigosos dos turcos, com Quaresma à cabeça, secundado por Mario Gómez, Gökhan Töre e José Sosa.

As debilidades, estão quase todas na defesa e é aí que devemos forçar o erro. A nossa pressão logo à saída da área turca será importante nos primeiros minutos para nos facilitar a obtenção do primeiro golo o mais cedo possível. A equipa sente-se, neste momento, confortável a gerir vantagens mas, se o conseguir cedo, não pode agarrar-se a isso.

Só a vitória interessa e todos devem estar cientes disso.

Jorge Jesus já deu o mote e a convocatória não deixa dúvidas: a carne vai toda para o assador!

Infelizmente, não há previsão de casa cheia. Um volta pela bilheteira online faz-me apontar para uma casa a rondar os 30 mil espectadores. Não serão tantos quantos deveriam ser mas serão suficientes para empurrar a equipa para a vitória, apoiando e cantando do primeiro ao último minuto.

Mesmo que negras, são águias. E águias são sempre para abater. Nem que para isso tenhamos de imaginar que são as vermelhas.

SPOOOOOOOOOOORTING!

Lokomotiv 2-4 SPORTING CP: Montero e as estrelinhas

Jogo de enorme qualidade e competência do Sporting na Rússia, país onde nunca tinha vencido. Está morto mais um borrego!

E o jogo nem começou bem, pois vimo-nos em desvantagem após uma infelicidade de Adrien, que ao tentar um corte viu o ressalto sobrar para o avançado do Lokomotiv que, isolado perante Boeck, não facilitou.

A resposta não demorou muito com Montero a mostrar que o seu faro de golo também está apurado.

12316430_1004173936292550_514563344471669607_n.jpg

E foi a partir daqui que veio a melhor fase do jogo, em que Fredy foi figura central, assistindo para mais dois golos ainda antes do intervalo. O primeiro da autoria de Ruiz, num lance digno de um jogo do Barça ou do Bayern de Munique, finalizado com classe suprema pelo costa-riquenho e o segundo com Gelson como protagonista maior que, isolado, colocou a bola com precisão, de trivela, por entre as pernas do guarda-redes.

Esta primeira parte deixou-me a pensar que a qualificação podia já estar mais do que resolvida, não fosse aquele desaire em casa com os russos mas sobretudo aquela derrota na Albânia.

Na segunda parte, aguentamos bem a natural subida no terreno do adversário e, após o ímpeto inicial, Gelson tratou de acabar com as dúvidas relativamente ao vencedor da partida. Recuperação de bola no meio campo defensivo, 'modo gazela' on, passe de morte para Matheus Pereira e bola mais uma vez por entre as pernas do guardião russo.

Aqui já a redacção d'A Bola havia encontrado um motivo para não promover a estrela Matheus ou Gelson: não dá para fazer duas capas no mesmo dia e, que se saiba, nenhum dos dois treina no Seixal.

Tempo ainda para Montero voltar a abrir o livro antes de sair, dando mais um golo a Ruiz, negado pelo guarda-redes Guilherme e depois pelo poste da baliza à sua guarda.

André Martins substituiu Matheus e Montero deu o lugar a Slimani. Os dois que saíram já marcaram, juntos, seis golos nesta Liga Europa.

Jesus já não poderia fazer descansar tantos quantos queria e recaiu sobre João Mário a derradeira substituição. Aquilani foi o escolhido para entrar.

Os últimos 20 minutos foram de alguma descompressão da nossa parte e acabaram por servir para o Lokomotiv reduzir e fixar o resultado final, num lance em que, sobretudo Esgaio, poderia ter feito muito melhor.

Resumo do Jogo

Nota final para Montero, o melhor em campo!

Confesso que, nas últimas semanas, tenho pensado no caso de Montero e tenho achado que Jesus não estaria a tirar o melhor partido das suas características de finalizador. Em parte, isso acontece pelo brutal momento de forma de Slimani, o jogador que ocupa a posição em que Montero é mais forte e onde não tem sido utilizado. Jorge Jesus explicou tudo e revelou até que tem sacrificado Montero em prol da equipa.

"O Montero tem jogado mais como segundo avançado e eu sei que ele não tem as melhores características para a posição. Mas, face àquilo que a equipa precisa, a maior parte das vezes, ele joga como segundo avançado. Hoje jogou como primeiro e é aí que ele joga melhor. Não se desgasta tanto... ele não é um jogador com muita intensidade de jogo, portanto, como primeiro ele joga no limite em relação à última linha adversária e sabe posicionar-se melhor. Penso que, por esse motivo, jogou melhor hoje. É um jogador com quem contamos e é como lhe disse... na minha cabeça não tenho um onze mas sim 25/26 jogadores. Hoje, o Montero justificou a aposta."

Agora, temos na mão a responsabilidade de passar à próxima fase da Liga Europa, que nos pode dar a possibilidade de chegar a lugares que melhor se adequam a um Clube com a grandeza do Sporting e que podem dar mais oportunidades e minutos de jogo às nossas segundas linhas. Pois, manter toda a gente pronta para ser útil, é tão importante quanto manter o núcleo duro apto.

Assim, o Sporting sobe um lugar no ranking da UEFA (35º) e ultrapassa o CSKA de Moscovo, equipa com quem tinha disputado play-off de acesso à Liga dos Campeões.

Portugal acabou por fazer também uma boa jornada europeia, que lhe permitiu manter o 5º lugar no ranking da UEFA e todas as equipas portuguesas têm neste momento possibilidades de apuramento para a fase seguinte das competições europeias.

Hoje joga o Sporting

...e eu já estou em estágio. A convocatória de Jorge Jesus deixa a intenção clara de passar o grupo.

Claro que continuarão a haver poupanças (alguns já ficaram em Lisboa) mas temos reunido um lote de 21 jogadores com capacidade para vencer e ainda nos qualificarmos para a próxima fase.

O Lokomotiv já deixou claro em Alvalade que sabe explorar o contra-ataque e, mesmo a jogar em casa, não acredito que abordem o jogo de forma diferente. Porque sabem das próprias limitações e do valor do Sporting.

Só espero que o fantasma Albanês tenha ficado na Albânia.

Sem Rui Patrício, será Boeck a defender a nossa baliza e daí para a frente, Jesus saberá quem são os melhores para trazer os três pontos de Moscovo.

Não arriscarei um onze porque me parece que, qualquer que seja o escolhido dará, mais uma vez, garantias de sucesso.

Ontem, graças ao empate do Benfica mas sobretudo à derrota do CSKA, Portugal recuperou o 5º lugar do ranking, mas continua tudo muito igual.

Ranking UEFA.png

Uma vitória do Sporting seria hoje duplamente importante, para as nossas aspirações e para o País.

Espero uma exibição suficientemente boa para garantir mais uma vitória e, já agora, que se estreie o miúdo Podence.

SPOOOOOOOOOOORTING!

Virar a página

Por muito prazer que me dê uma vitória sobre o rival (ou, neste caso, mais uma) ainda para mais vendo o desnorte que este apresenta, só voltarei a pensar no Benfica em Março.

Assim sendo, não acho útil comentar pseudo-polémicas e muito menos as palavras de desespero e falta de auto-crítica do treinador adversário.

O Sporting ganhou com justiça, foi melhor, e é tempo de todos virarmos a página.

Virar a página.png

Seguem-se dois jogos para competições diferentes e o foco não deve ser alterado. Sendo ambos importantes, a recepção ao Belenenses, de hoje a oito dias, assume contornos mais relevantes, por se tratar do nosso principal objectivo.

Assim sendo, espero mais um jogo da Liga Europa pensado a dois tempos, com o foco em Moscovo mas sem ignorar o jogo com o Belém.

O Sporting precisa de vencer em Moscovo para passar à fase seguinte e se há quem pense que o melhor será saltar já fora das competições europeias, eu discordo.

Nem é pelo prestígio da prova (que é pouco ou nenhum), ou pelo ranking da UEFA, mas sim pela possibilidade que, mais dois jogos em Fevereiro, nos dão de manter toda a gente em condições óptimas de ajudar.

Este jogo frente ao Lokomotiv deve ser encarado da mesma forma que os que o antecederam nesta competição, embora eu fizesse aquilo que acho que Jesus já devia ter feito na Albânia; a equipa é para rodar, mas não os onze.

É importante gerir o esforço de Ewerton, Adrien, Ruiz, Jefferson e Slimani, tendo em vista o jogo de segunda-feira e, por isso, eram estes que pouparia.

Rui Patrício não poderá jogar por castigo e já estaremos a mudar mais de meia equipa. Boeck deverá ser o escolhido.

Paulo Oliveira não esteve nas selecções e estará menos fatigado. Por mim, faria dupla com Naldo, que precisa de continuar a jogar.

Esgaio e Jonathan ocupariam os lugares que já vêm sendo seus na Liga Europa e William e Aquilani tomariam conta do meio-campo.

Gelson merece dar continuidade à boa exibição no derby e deverá ter a companhia de Mané ou Matheus, consoante as condições físicas do português, que regressou tocado da selecção de sub-21.

Na frente, Montero e Teo Gutiérrez.

Parece-me um onze equilibrado e suficientemente forte para vencer e gerir o esforço dos mais fatigados.

Depois, guardaremos a decisão final para o jogo em casa, frente ao Besiktas.

Skënderbeu 3 -0 SPORTING CP: Isto não é o Sporting!

Aquilo que a equipa do Sporting fez ontem na Albânia envergonhou os Sportinguistas. Foi humilhante!

Nenhuma equipa grande, que diz querer ser como as maiores da Europa, pode deixar esta imagem numa competição europeia, mesmo que seja na 2ª divisão das competições do velho continente.

Todos os que me seguem sabem aquilo que penso da Liga Europa mas, porra, não é o torneio do Guadiana!

Todos têm responsabilidades.

Jorge Jesus já as assumiu. Podia ter apresentado um onze com mais um ou dois habituais titulares, dada a importância dos 3 pontos mas, a verdade, é que os que jogaram ontem eram praticamente os mesmos que receberam e golearam os albaneses.

A 'onze' apresentado era mais do que suficiente para vencer o jogo mas, desta vez, os onze não foram uma equipa e falharam enquanto individualidades.

Se Jesus admitiu que preparou este jogo a pensar no de Arouca, os jogadores inventaram desculpas e tiveram medo de assumir a humilhação. Sim, perder com uma equipa albanesa é humilhante e nem precisava de ser por 3-0. É que jogar pelo Sporting não pode apenas ser encarado como mais um dia de trabalho. É a defesa de um Clube e dos seus milhões de adeptos que está causa e falhámos em toda a linha nessa defesa.

Não vou individualizar, pois foram todos maus e não quero ser corrosivo para os piores entre os maus.

João Mário prometeu resposta para domingo mas nem precisava de o fazer. Ninguém espera outra coisa!

Hoje joga o Sporting

É tão bom sempre que chega mais um dia de jogo.

A verde e branca, vestida logo de manhã (bem, na verdade é verde e preta, pois é a alternativa), já foi envergada em plena 'Invicta'. Há que mostrar o orgulho de leão e ver que já nos olham de outra forma. Agora já ninguém se ri na rua quando passa a camisola do Sporting. Agora respeitam-nos e, em certa medida, temem-nos.

O adversário de hoje é novamente o Skënderbeu, para a Liga Europa. Uma equipa completamente ao nosso alcance, como se viu em Alvalade, mas os jogos fora são sempre difíceis.

A qualificação continua em risco e vai haver novamente rotação nos onze titulares.

Espero mais uma vez que o empenho e a seriedade estejam presentes. Garantindo isto, a vitória não passará de uma formalidade.

Eu não abdicava de três ou quatro habituais titulares. O jogo é acessível mas importantíssimo e não podemos facilitar.

Com o assunto resolvido, podemos gerir na segunda parte.

Talvez apostasse em Patrício, Esgaio, Paulo Oliveira, Ewerton, Jonathan, Paulista, Adrien, Mané, Matheus, Slimani e Montero.

O Skënderbeu será, certamente, mais aguerrido do que foi em Lisboa mas estará privado do seu melhor marcador, expulso de forma estúpida em Alvalade.

A nossa obrigação é entrar forte, ganhar vantagem e gerí-la de forma inteligente na segunda parte, de preferência aumentando-a.

Mais um jogo com golos era importante para reforçar a veia goleadora dos últimos jogos.

Agora vou para estágio ;)

SPOOOOOOOOOOOOORTING!

SPORTING CP 5 Skënderbeu 1: Dupla de M's resolve

Jogar a um ritmo baixo mas com qualidade foi suficiente para vencer um adversário fraco, talvez tão fraco quanto o Vilafranquense.

Notou-se que, mais do que jogar depressa, houve preocupação em jogar bem. Pareceram-me claras as ordens de Jesus para privilegiar uma posse segura e um domínio do jogo em posse, acelerando mais pela certa, por forma a ferir 'de morte' o adversário. Isso havia ficado algo implícito, até mesmo na conferência de antevisão.

A primeira parte até começou com algumas jogadas de fino recorte mas a equipa acabou por levar a sério de mais a calma e foi até numa fase menos bem conseguida que Montero, com classe e inteligência, 'sacou' duas grandes penalidades (bem assinaladas), já depois do adversário se ver reduzido a dez jogadores. Aquilani e o próprio Montero colocaram o resultado em 2-0 ao intervalo.

A segunda parte começa com os dois M's. Matheus a falhar na cara do guarda-redes (na sequência de um remate perigoso de Montero) e o colombiano a partir os rins aos albaneses.

Cinco minutos de sufoco, oportunidades, remates, mas nada de golos.

Temos de aprender a matar à nascença os contra-ataques adversários. Podíamos ter sofrido, não fosse a 'azelhice' do albanês.

Não o digo por ser fã, mas cada lance de Montero é classe pura. O mais simples toque na bola parece encantador. Nunca será intenso o suficiente para ser um 'cão de guarda' na hora de defender mas, a dar jogo à equipa, não há como ele.

Aquilani ameaçou e, neste momento, o meu 'teste do algodão' a Paulista estava concluído. O brasileiro não engana e, não sendo William (são jogadores diferentes, mas ambos de grande qualidade e potencial), deixa-me descansado quanto ao dia em que o 'Sir' siga para outras paragens. Paulista e Palhinha serão o futuro da posição.

Depois de '37' piscinas de Jonathan (que pulmão!), bola redondinha para a cabeça de Matheus, que se limitou a encostar para a baliza. Assunto resolvido e Matheus agradece a Deus (deve agradecer a ele próprio, pois tem feito pela vida).

Gelson fica perto do golo e, neste momento, penso como é que alguém pode ter ficado irritado com a nossa exibição (e conheço quem não tenha gostado). O resultado já podia estar em 6 ou 7 e só não estava por mérito do guarda-redes adversário.

Outra vez Montero. Bola com conta, peso e medida em Tobias, que não esbanjou e fez o primeiro desta época. Grande golo, embora facilitado pela falta de 'estorvo'. Boa exibição do jovem central leonino, melhor até que a de Ewerton.

Aquilani terá feito um dos melhores jogos desde que chegou. Não tenho dúvidas que nos será muito útil.

Faltava o golo da noite, da autoria de Matheus Pereira, após grande cruzamento de Esgaio. Boa exibição dos nossos laterais que, sem grandes cautelas defensivas, souberam integrar o ataque com qualidade. São os meus preferidos mas entendo que, devido à inexperiência, raras vezes podem jogar em simultâneo.

Gelson entrou cheio de vontade, ao contrário de Slimani, que se fartou de esbracejar de cada vez que não lhe passavam a bola. Compreendo que quisesse marcar para 'aquecer' para o derby mas acho que se excedeu. Voltando a Gelson, vou usar uma expressão de um amigo que, certamente, vai sorrir quando ler: "tem demasiada rua nos pés" e isso faz com que queira fazer tudo demasiado depressa e bem. No dia em que conseguir contemporizar melhor, será mais eficaz. É esta a diferença dele para Matheus e que beneficia o brasileiro.

A noite fica manchada pelo golo sofrido, de bola parada, numa abordagem totalmente errada de Ewerton. Sem hipóteses para Rui Patrício.

Gestão perfeita de Jorge Jesus e equipa na máxima força para o derby de domingo.

O destaque vai, naturalmente, para Matheus mas o homem do jogo é Montero, que esteve em quatro dos cinco golos.

Hoje joga o Sporting

Espera-se uma equipa com muitas alterações e uma boa oportunidade para que todo o plantel se mantenha 'em forma'.

O adversário será uma equipa mais do que ao nosso alcance mas será essencial que o jogo seja abordado com o máximo de empenho e profissionalismo.

Jesus sabe que a gestão é importante. Para poupar os mais utilizados e para manter todo o plantel focado.

Matheus e Paulista deverão voltar a merecer confiança e estou curioso para os observar, depois de não ter conseguido ver o jogo da Taça de Portugal. Ainda assim, espera-se um jogo de nível de dificuldade superior ao que enfrentámos no passado fim-de-semana e todos estarão à prova.

Eu arriscava pouco ou nada. Jesus foi mais longe e disse que 'montaria' duas equipas. Veremos se a expressão é literal ou figurativa.

Jogue quem jogar, é para ganhar, até porque o apuramento depende disso.

Jesus prometeu classe. Eu acrescento, se possível, golos, muitos!

Vamos para cima dos albaneses.

SPOOOOOOOOOORTING!

Mais sobre mim

imagem de perfil