Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

"Não havendo cláusula, a decisão não é dos jogadores"

Muito bem o Presidente do Sporting a explicar à 'jornaleiragem' que as coisas não são como eles querem fazer ver.

 Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Discurso de Bruno de Carvalho em Alcobaça

Fora estas palavras, que mostram que estamos prontos para lutar pela transparência, pela verdade, pela justiça e pelos valores em que acreditamos e nos quais baseamos a nossa actuação, hoje há muito para vencer dentro de campo.

O título de ténis de mesa disputa-se no Multidesportivo de Alvalade, o acesso à final do playoff de futsal joga-se em Odivelas, em futebol, os juniores tentam ser campeões na última jornada, mesmo dependendo de terceiros, os juniores do futsal jogam com o eterno rival o acesso à final do campeonato nacional, em andebol, os iniciados disputam com o Benfica a passagem à final do campeonato nacional e o hóquei pode garantir a Liga Europeia da próxima temporada.

Tudo isto e muito mais, que pode ser consultado na Agenda Leonina.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Crescimento sustentado

É inegável o crescimento do futebol profissional do Sporting nestes 3 anos.

Leonardo Jardim restituiu o orgulho, Marco Silva recolocou-nos na rota dos títulos e Jorge Jesus devolveu-nos a nossa identidade, lutando até ao fim pelo título nacional, depois de ter entrado a vencer a Supertaça.

Três bons treinadores permitiram ao Sporting crescer e reerguer-se, aumentado sustentadamente a sua competitividade e melhorando o rendimento global.

Jardim teve o plantel menos apetrechado mas gozou de um calendário menos apertado, sem competições europeias e com eliminações precoces nas taças. Silva viu aumentada a competitividade, aliada ao crescimento de alguns dos jovens da casa e fez quase 20 jogos a mais que Jardim. Jesus teve o melhor dos 3 plantéis e, quanto a mim, implementou a mentalidade imprescindível ao regresso do "Crónico".

Gráfico 1.png

Hoje, o Sporting vence mais do que vencia antes e é a essa mentalidade que hoje se encontra implementada que isso se deve.

Gráfico 2.png

Fruto de um estilo de jogo mais atractivo e ofensivo, marcamos hoje mais golos que antes.

Gráfico 3.png

O equilíbrio conseguido hoje entre a vertigem ofensiva e as transições defensivas, permite-nos também sofrer menos golos que no passado recente (Jardim sofre menos golos no total mas mais para a Liga num registo ainda assim assinalável e bem próximo do de Jesus).

Gráfico 4.png

Estes dados estatísticos, embora não nos tenham permitido melhorar ao ponto de vencer a principal competição nacional, deixam clara a melhoria em termos de percentagem pontual na Liga. Jesus conseguiu a 7ª melhor percentagem de pontos de sempre, a melhor desde 1979/80, onde curiosamente também fomos segundos classificados. Acabámos com um título ganho, tal como no ano passado, igualando a 2ª posição de Leonardo Jardim e com um passo em frente rumo à reafirmação definitiva no panorama futebolístico nacional.

Gráfico 5.png

É importante materializar na próxima época (a última do mandato de Bruno de Carvalho) o crescimento que se vem verificado com o mais importante título nacional, se possível, com uma boa campanha europeia, que faça subir mais um patamar neste trajecto ascendente.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Coates mais um ano

O Sporting já prepara atempadamente a próxima temporada e, na semana em que se discute o título, está já garantida a continuidade de Coates por mais uma temporada.

Bruno de Carvalho tinha em mão dois cenários para o mesmo fim. Renovava o empréstimo por mais uma temporada, mantendo a cláusula de opção de compra de 5 milhões de euros ou adquiria já em definitivo o central uruguaio.

Na minha opinião, tomou-se a melhor decisão. O Sporting tem de apresentar um resultado financeiro positivo e, depois da provisão criada para o caso "Doyen", gastar mais 5 milhões nesta fase podiam comprometer o exercício final da época 2015/16.

Além disso, Alan Ruiz e Spalvis parecem estar mesmo contratados e foi feito um investimento considerável em ambos.

Assim, renovou-se o empréstimo, garantindo a continuidade de um dos esteios da defesa e, para o ano, mais desafogados financeiramente, o investimento não pesará tanto nas contas.

Tudo no negócio foi bem delineado. O empréstimo com a continuidade acautelada e a possibilidade de abortar a transferência por três períodos de transferência caso o jogador não correspondesse.

Coates não só correspondeu como 'pegou de estaca' e, assim, está acautelada a sua continuidade de leão ao peito.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

 

Bruno de Carvalho comenta a actualidade

Na sequência do 2º Congresso Internacional "The Future of Football", Bruno de Carvalho fez o balanço desta 2ª edição e não deixou de comentar a actualidade, esclarecendo mesmo alguns dos temas 'quentes' aos jornaleiros do 'carvão'.

NOTA: Acontece um erro que não consegui resolver no vídeo que afecta a sincronização do som com a imagem. Centrem-se em ouvir e vez de ver. Peço desculpa pelo sucedido.

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Entre a vergonha e mais um título Mundial

O dia 26 de Março está marcado pelo mais triste acto eleitoral da nossa história. Não pelo pesar do momento mas sim pela vergonha que o mesmo encerrou.

Há 5 anos, Godinho Lopes era eleito, depois de ter sido anunciado Bruno de Carvalho como vencedor, nas mais controversas eleições da nossa centenária história.

 

Também a 26 de Março, mas de 1994, Fernando Fernandes sagrou-se campeão Mundial de Kickboxing na categoria -76kg, depois de se ter sagrado bicampeão Europeu no ano anterior e de juntar ao título Mundial o Nacional e um Prémio Stromp na categoria Especial Mundial.

Mais uma hora com o Presidente

Bruno de Carvalho, Presidente do Sporting, marcou hoje presença nas obras do Pavilhão João Rocha para mais um ‘A Hora do Presidente’, desta feita, num sítio especial e simbólico para a Direcção. Ao longo de pouco menos de uma hora, o líder ‘leonino’ abordou diversos temas do quotidiano ‘verde e branco’, nacional e internacional, desde a reestruturação financeira do Clube, à renovação daquela que é a base da equipa de futebol para a próxima época, passando pela morte de Johan Cruijff ou o lançamento do quarto ano de mandato da actual Direcção. No final da entrevista, Bruno de Carvalho anunciou ainda uma surpresa para os Sócios.

 

Três anos de mandato

“Estamos aqui num local que é emblemático e importante e que era um objectivo desta Direcção e de todos os Sportinguistas. Vamos conseguir iniciar o Pavilhão João Rocha neste mandato, vamos conseguir completá-lo e é das coisas mais importantes porque se nota a alegria e o sentimento de realização dos Sportinguistas. É algo que marca a história do Sporting CP, os Sportinguistas e o orgulho que temos em servir o Sporting CP e conseguir esta obra, que daqui a um ano estará pronta. Se olharmos para trás, temos conseguido várias coisas muito importantes para o Clube, começando pela sustentabilidade financeira, muito importante para traçarmos um caminho de crescimento. A restruturação financeira foi um documento, depois é o dia-a-dia a aplicação dos nossos rumos e políticas que vão determinar essa sustentabilidade. Temos a noção clara do que queremos fazer para que a reestruturação funcione e estejamos numa situação de sustentabilidade financeira. Houve necessidade de cortes nas modalidades, infelizmente. Agora, aumentámos, para o ano vamos voltar a aumentar e fizemos coisas como o regresso do hóquei a modalidade oficial, logo com a conquista da Taça CERS, fizemos o mesmo com o ciclismo e estamos a ser a melhor equipa portuguesa em cada prova e demonstramos que quando se arranja parceiros certos e acredita num projecto que vale a pena ficamos na frente. É muito importante porque isso é que é o Sporting e os pergaminhos do CC Tavira, que tem sido um parceiro tremendo”.

“A criação da base do futebol tem sido muito importante, a consolidação dos atletas formados em Alcochete, as renovações, as recuperações de passe. Isso leva os os jogadores a sentirem-se mais confiantes. Planeámos uma equipa para o futuro e já não estamos numa política de deixar sair os activos de qualquer forma e negligenciando os objectivos de ser campeão. Foram três anos muito complicados, mas muito prazerosos, com coisas como estar aqui, olhar e ver a obra feita”.

 

Reestruturação financeira

“Tenho lido algumas pessoas a dizerem que se tem trilhado um caminho mas falta a independência da banca. Explicar que temos uma dívida bancária, muito mais diminuída, mas uma dívida bancária. Isto não significa estar dependente da banca, só que temos de pagar a dívida. Ate já pagamos mais do que estava previsto no acordo porque temos tido resultados e receitas superiores ao que estava previsto. Não temos tido nenhum apoio adicional. Explicar que há vários actos, fizemos uma reestruturação pesada ate 2022, há uma serie de actos que vão ser feitos ao longo do tempo, não significa alteração nenhuma, está tudo planeado. A reestruturação tem mapeamento e cronograma que está a ser cumprido. Algumas pessoas utilizam estes resultados como uma prova de que o Sporting CP precisa de apoio. Não, não precisamos de apoio absolutamente nenhum. É um resultado que reflecte a primeira decisão sobre a Doyen, 14 milhões, um processo que já fizemos recurso e temos toda a esperança de que se faça justiça. E reflecte, e verifiquem com tem sido bem gerida a situação financeira do Sporting CP, a não entrada na Liga dos Campeões, com arbitragens para esquecer. Recuperámos oito milhões desses 12 que não entraram. O Sporting não precisa de nenhum apoio adicional e antes de começarmos a próxima época tudo estará resolvido porque é para isso que cá estamos. O Sporting CP não tem nenhuma dependência da banca”.

“O Sporting CP não está a ficar igual ao que encontrei porque o que temos feito tem sido tudo apresentado. Mas da forma como fomos afastados da Liga dos Campeões, tem de se arranjar soluções e temos arranjado. Temos a Doyen, que vamos recorrer e isto pode inverter-se de um momento para o outro. Éramos os que mais devíamos dos três grandes, agora somos o que menos deve, somos o que mais amortiza a dívida e temos um crescimento de receitas importante”.

 

Jogadores, renovações, equipa de futebol

“O Sporting CP vai manter a base da sua equipa de futebol. Apostamos muito na estabilidade e temos dois objectivos a nível desportivo: voltar a ser campeão de futebol de forma regular e conquistar títulos europeus a nível de Clube, o que já começámos com a Taça CERS. Voltámos a ser campeões nacionais de corta-mato longo masculino e vamos participar na Taça dos Clubes Campeões Europeus. É um objectivo que esta a ser trilhado e o investimento nas modalidades cumpre estes dois objectivos. No futebol, a maior parte dos jogadores com quem renovámos não tinham contratos a acabar. Estamos a passar uma mensagem clara para os atletas de que o Sporting CP conta com eles de forma a conseguirmos títulos de forma regular. Não estamos a renovar e recuperar passe para vender. Queremos estabilizar para poder dar as alegrias que todos nós merecemos. É necessário que o Estádio se estreie a comemorar um título nacional”.

 

Open Day do Pavilhão João Rocha

“Foi um dia muito especial para toda a Direcção e todos os Órgãos Sociais. Nós sabemos o que custa estar a reerguer este Clube e foi um motivo de orgulho e satisfação para todos nós. Foi magnífico, mais de 1.300 pessoas estiveram aqui, num local onde vão comemorar muitos títulos e passar muitas alegrias como se passaram na Nave e ver aquela alegria nos olhos foi a melhor prenda. Vale a pena porque o orgulho dos Sportinguistas está em cima. De repente, o sonho tornou-se realidade. Isto não é uma apresentação bonita numa Assembleia Geral; está aqui, existe e vamos poder estar cá dentro a gritar pelas nossas equipas”.

 

Processos a ex-dirigentes

“Os Sportinguistas ficaram satisfeitos e não vejo aquele sentimento de obscuridade que o Sporting CP vivia, num clima de suspeição constante e acusação constante. O que ficou definido foi que era exigida a auditoria, levou-se a Assembleia Geral. Foi quem quis, falou quem quis a foi aprovado por larga maioria. Os processos estão feitos e nós não escolhemos os prazos legais das coisas. Mas o mais importante é que neste momento está nos tribunais, o local certo para tirar as dúvidas. Demore cinco ou dez anos, saber-se-á se fizeram mal ou não. Não posso aceitar o argumento de que as pessoas pelo processo vão estar sob um foco: as pessoas já estavam, há vinte anos, com esse rótulo no Sporting CP. Vamos dar hipóteses às pessoas de um dia este rótulo terminar, ou para o bem ou para o mal, quando a justiça decidir. Temos de confiar na justiça”.

 

Futebol português

“A juventude que tenho permite-me ter memória elevada e no pouco tempo que tenho para descansar, recordo o que ouvi sobra as campanhas eleitorais, os fundos, os vídeo-árbitros… É engraçado porque o futebol dá uma volta a gostava de relembrar às pessoas que as grandes transformações no Mundo foram sempre feitas de forma abrupta, de um dia para o outro. Se as pessoas virem a história, o importante nunca foi feito aos bocadinhos. E o futebol é igual. Deu-se uma machadada, o futebol mudou e o meu discurso agora é o politicamente correcto que todos usam. É um orgulho ver o ‘NY Times’ entrevistar o Presidente do Sporting CP, a ‘France Football’, a ‘BBC’, o ‘The Guardian’, o ‘World Soccer’. Porque de repente se aperceberam, todos menos Portugal, de que as coisas são assim. E quem luta por princípios e valores é porque os tem e porque é firme no seu raciocínio. O Sporting CP definiu rumos e tarefas como a de acabar com fundos e introduzir novas tecnologias. Porque o Sporting CP é um exemplo claro de que os fundos não resolvem problemas nenhuns”.

 

Base da equipa na próxima época

“Conseguimos fazer renovações extremamente importantes, algumas que ninguém esperaria. O Sporting CP não quer voltar à fase de ganhar uma vez e ter de esperar muitos anos outra vez, não queremos deixar isso para o futuro. Estamos a garantir a base estrutural da equipa para a próxima época e isso é determinante para cumprirmos a promessa que fizemos para deixar o Sporting CP preparado para regularmente vencer e para isso precisa de estabilidade, manter os melhores com sentimento de reconhecimento. O Sporting CP olhava para o produto das Academias e achava que esses eram os jogadores que tinham de ganhar pouco, mas não, têm de ser olhados pelo valor que têm”.

 

Academia e expansão da marca Sporting

“É muito importante termos aberto uma série de Academias. Já temos vários atletas na formação que vêm dessas Academias espalhadas um pouco por todo o lado. As pessoas não têm a real noção da dimensão do Sporting CP e a noção que fisicamente temos mais de 400 núcleos espalhados pelo Mundo todo. Estamos presentes em todos os continentes, no mínimo, há 80 anos de forma sólida e consistente. Filiais que existem e têm força, que praticam desporto. A expansão do Sporting em primeiro lugar está ali. Vou a sítios onde já não iam presidentes há 45 anos. Não sei se há no Mundo um Clube que fisicamente tenha esta implantação ao nível mundial. Estamos a ir ao encontro deles, a expandir as nossas Academias e a voltar a dar-lhes orgulho porque a casa-mãe voltou a olhar para eles e reconheceu a importância que têm”.

 

Falecimento de Johan Cruijff

“O futebol está sempre associado à corrupção, a pessoas que se querem promover e tirar dinheiro. É importante relembrar os bons exemplos e Johan Cruijff era um belíssimo exemplo enquanto pessoa, jogador e treinador. É triste quando pessoas deste importância desaparecem, mas é bom relembrar que o futebol também tem príncipes, boas pessoas, bons exemplos. Temos de começar uma nova era onde as pessoas olhem para nós e voltem a ver um desporto que promove valores, princípios e Johan Cruijff conseguiu passar isso. A morte de Joaquim Campos a nós também nos marcou; era um senhor da arbitragem”.

 

Quarto ano de mandato

Quero acabar o nosso programa eleitoral, mas isso é curto porque das 120 medidas faltam dez ou 12, só temos falhado com a sustentabilidade ecológica. Mas queremos fazê-lo. Queremos continuar este caminho de aposta nas modalidades e de conquista, nacional e europeia, e acho que o vamos conseguir fazer. Queremos cimentar o futebol e criar as condições para sermos campeões. Isso é absolutamente fundamental. Olhamos para o ano que falta com o mesmo olhar do primeiro dia, vontade de fazer mais e melhor, não achar que chega o que fizemos. Queremos fazer muito mais”.

 

Ranking de Sócios

“É fundamental subir mais um patamar. Por isso somos um Clube fantástico, fomos eleitos os melhores adeptos da Europa, entrámos pela primeira vez no Top-10 dos clubes com mais Associados do Mundo, em sétimo lugar. Estamos a 30 mil sócios do quarto lugar e o pódio é uma meta muito importante que todos temos de cumprir. Não podemos ser apenas o clube com mais títulos a nível global nem o terceiro a nível europeu nem um dos que mais forneceu atletas olímpicos, o único com dois melhores do Mundo, uma das melhores Academias do Mundo. Também o temos de ser enquanto Associados e criámos facilidades para isso. É uma meta importantíssima de atingir na próxima época, mais 35 mil sócios pelo menos, para subirmos o nosso ranking que é importante para a nossa imagem mas também porque, desde que entrámos, as quotas vão 100% para as modalidades. Quanto mais Sócios, mais podemos reforçar as modalidades. Façam-se Sócios e os que querem regressar podem fazê-lo de forma gratuita, manter o número e pagar daqui para a frente. A dimensão do Clube e este Pavilhão necessita de mais Sócios”

 

Dá-me a tua camisola

“A partir de agora os Sócios vão começar a contribuir para a camisola alternativa Podem desenhar a sua camisola e fazer as propostas para a época 2017/18”.

 

Fonte: Site Oficial do Sporting Clube de Portugal

Audácia e perseverança, as bases da mudança.

É a Razão que permite distinguir o capricho da teimosia da virtude da perseverança! Hoje é um dia que pode vir a ser relembrado como histórico na vida do Futebol: o International Board abre as portas ao Século XXI no desporto Rei! A notícia acabada de divulgar da aplicação das novas tecnologias (para já em fase de teste) não vem apenas dar razão ao que o Sporting Clube de Portugal defende , cada vez menos isoladamente ao longo destes três últimos anos, mas vem devolver a esperança a todos os que lutam pela verdade desportiva.

O dia de hoje abre ainda ao Futebol Português a extraordinária oportunidade de estar na vanguarda deste momento ,repetimos, histórico do desporto mundial: saibam os seus mais altos responsáveis estar à altura das responsabilidades e das expectativas inerentes a esta transformação. Sabem que, em prol da transparência e da verdade desportiva podem, hoje e sempre, contar com o Sporting Clube de Portugal!

Mensagem de Bruno de Carvalho, presidente do Sporting Clube de Portugal

A história que deve ser contada

Há 3 anos por esta altura o Sporting – mais coisa menos coisa – estava a um ponto da linha de água. Godinho Lopes negociava um PER e havia jogadores a serem obrigatoriamente postos à venda para se pagarem ordenados. Antes disso, outro presidente - conduziu os destinos do clube numa sucessão de decisões desportivas falhadas. 

Nada que tenha surpreendido alguns que desde cedo o preveriam, quando numa conferência de imprensa se despede o treinador Paulo Bento apresentando outro, mas deixando a ressalva que os sportinguistas iriam sentir a falta do primeiro. “E muito.” Uma forma de gerir no mínimo peculiar em que um supostamente valia mais do que a SAD (neste caso, clube). Acontece que bastou à direcção de Bruno de Carvalho (BDC) a escolha de dois treinadores diferentes (Leonardo Jardim e Marco Silva) nos primeiros dois anos para igualar e melhorar consequentemente os resultados do “insubstituível”. Com um orçamento e uma equipa equivalentes - a par de um futebol que não fazia adormecer quem ia a alvalade.    

Mas se BDC herdou um clube falido com uma massa adepta resignada e conformada - também conheceu uma empresa sem qualquer tipo de cultura vitoriosa ou expansão e plano de engrandecimento da marca – que se tornava cada vez mais irrelevante, sobretudo quando comparada com o que havia sido nalgum tempo anterior.

Foi com um programa que prometia remar contra estas vicissitudes que se apresentou a eleições, perdendo primeiro (?) e ganhando depois, ficando o clube adiado durante dois penosos e quase fatais - anos. Logo no seguimento da reestruturação financeira que permitiu a sobrevivência, começou-se a acentuar uma mudança de mentalidade transposta para jogadores e assente numa contenção orçamental em toda a linha. Passados dois anos brilhantes, a desconfiança na experiência do outrora candidato, deu lugar a uma confiança pública que permitiu a contratação de Jesus e a subida de patamar do clube que alguns preconizavam com ela.

Surpreendentemente (ou não) este caminho - cuja realidade hoje permite aos jornalistas desportivos equiparar nas suas análises o Sporting ao Porto e Benfica – nunca foi tido em conta. No lugar dele e a mando de outros, procuraram sempre enaltecer a postura belicista e os excessos de linguagem.

 Nas últimas semanas e conhecida a decisão preliminar prevista e transmitida aos sócios do Sporting, assistimos a um festejo público em prol de uma Doyen cujas operações são questionadas em várias frentes internacionalmente. Constatamos o ressurgimento de uma suposta crise na formação, para o enaltecimento de outra. Quando ao que parece, o líder do campeonato tem uma média de sete portugueses no seu onze e dois extremos com menos de 20 anos nos suplentes/titulares mais utilizados. Por onde aliás, dificilmente não passará o futuro da selecção. Consta também que lidera o campeonato de juniores por muitos pontos. Mas se o “super agente” em causa e proveito próprio diz o que diz, e até no Dubai se fabrica a mentira vezes sem conta, talvez se consiga também- fabricar outra verdade.

Tal como se procurou fabricar durante muitos dias o “extraordinário” contrato do Benfica (resultando na forma de uma cerimónia balofa) com a Nós, que afinal não é bem assim, e que uma vez conhecido o do vizinho da segunda circular, já levou o presidente das águias em menos de um mês a dizer, que se iria rever o do Benfica quanto antes. Assim se confirma o que sempre previ: o mérito de boa gestão com a premiação na negociação coube também aqui ao Sporting, que proporcionalmente - sobretudo quando constatado onde estava há três anos e o número de adeptos de um e outro – faz um contrato muito melhor.

Naturalmente BDC cometeu e cometerá erros. É importante que haja sentido crítico em alvalade para o futuro. Sempre. Mas é na sua ambição que reside a impossibilidade de um regresso ao estado apático, conduzido ao descalabro de ontem, personificado na direcção de Godinho Lopes. E por mais que uma imprensa desportiva “dependente” procure desvalorizar, foi tudo o que BDC e a sua direcção incutiram no Sporting em dois anos - com a sorte e engenho de um muito maior número de boas decisões do que más – que permitiu colocar o clube no lugar em que se encontra hoje com a contratação de Jesus.

Doa a quem doer esta é a história que não só deve, mas merece ser contada. Esta é a história de alguém que reergue um clube num tempo e em tempos que ninguém esperava. Os próximos capítulos vêem já a seguir…

Gonçalo R. Telles, in Jornal i

Antes da mensagem de ano novo

A entrevista foi publicada no Jornal Sporting da semana passada e teve Bruno de Carvalho como entrevistado.

Não partilhei na altura pois não gosto de antecipar aquilo que de tão interessante o nosso Jornal nos traz e que todos devíamos fazer os possíveis para ler, como é óbvio, comprando o Jornal.

Agora que já passou uma semana e como se mantêm actual, aqui vai.

Acompanhem imagem a imagem, pois tive de fazer vários cortes para tornar as imagens o mais legíveis possível sem terem de aumentar cada uma (nos dispositivos móveis vai ser sempre mais complicado). Vou numerando para facilitar os menos atentos.

1

1.png

2

2.png

3

3.png

4

4.png

5

5.png

 

6

7.png

 7

8.png

 

8

9.png

 

9

10.png

 

10

11.png

 

11

12.png

 

12

13.png

 

13

14.png

 

14

15.png

 

15

16.png

 

16

17.png

 

17

18.png

 

18

19.png

 

Quanto mais tempo é preciso fazer mal ao futebol para se iniciar o tempo de refundação?

"Descobriu apenas agora, o Presidente da Liga, que luto com todas as forças por um futebol sem hipocrisias, diferente, transparente, moderno, digno de respeito e admiração. Até George Lucas (criador de Star Wars) percebeu que existem sempre dois lados da força e que isso representa a vida real. Não podemos lutar por valores e querer agradar aos dois lados da força, não podemos evoluir perdendo tempo com objectivos fúteis e inúteis, não podemos querer lutar por regras quando queremos juntar as vontades antagónicas de todos. E essa é a luta da vida, a constante saga de nos mantermos no caminho da verdade e do bem e não sermos atraídos para o lado escuro da força."

 

"Bruno de Carvalho está um passo mais à frente em relação à classe dirigente dominante, porque o futebol precisa de uma grande transformação e está escudado em 'certezas' que perderam valor há pelo menos 15-20 anos. Como a questão da arbitragem e da introdução da figura do vídeo-árbitro. Quanto mais tempo é preciso fazer mal ao futebol para se iniciar o tempo de refundação?"

O primeiro parágrafo é um excerto do texto de Bruno de Carvalho, publicado ontem no jornal "A Bola". O segundo parágrafo é da autoria de Rui Santos, também ele um excerto de um artigo publicado no jornal "Record".

Ambos demonstram que o caminho escolhido pelo nosso Presidente é correcto e merece o apoio de todos os Sportinguistas.

Veremos se será possível lutar por interesses comuns numa organização que rege o nosso futebol, em que o lado escuro da força continua a ser predominante.

A luta continua e não se afastará nunca dos valores e ideais de Bruno de Carvalho, que não podiam estar mais alinhados com aquilo que é a identidade do Sporting Clube de Portugal.

Da minha parte, não lhe faltará apoio.

QUO VADIS, FUTEBOL?

"Depois de uma semana entre Moscovo e Pequim, volto a Portugal para ver um País com um novo Governo, novas expectativas, novos anseios e novas incertezas. Afinal, a vida é feita de mudança e evolução.
Depois de refeita a minha ‘curiosidade social’, dei uma espreitadela ao nosso futebol. E, confesso sem grande espanto, tudo na mesma. Nada se altera, nada evolui, nada se integra, nada se conjuga. A mesma lengalenga de sempre. E ninguém diz nada, somos supérfluos de conteúdos e parcos de palavras. Vive-se num clima de ‘terror’. Uns porque querem ser tão populares que cometem o pecado da uniformização de respostas, quer se faça bem ou mal. Outros porque decidem colocar processos, a torto e a direito, para tentarem desesperadamente silenciar quem os incomoda.

Alguns exemplos do nosso futebol:

1 Chego a Portugal e sou brindado com uma carta do Tribunal onde o Benfica, num processo sem qualquer interesse, de um merchandising que nunca vi, alarga o espectro dos visados a mim. A estratégia agora passa por qualquer processo que o Benfica levanta ao Sporting CP me colocar, a mim, enquanto cidadão, em causa (com a desculpa de ser Presidente do Sporting Clube de Portugal), a fim de me tentar condicionar na vida profissional e pessoal. Maior baixeza apenas tenho visto em animais rastejantes. Mas isso é feito com requintes muito próprios: em vez de me fazerem notificar no domicílio profissional, colocam em documentos que serão públicos a minha morada familiar, o que acredito ser a primeira vez que é feito na história do futebol.

2 Sou confrontado com processos contra ‘tudo o que mexe’ no Sporting CP: eu, Jorge Jesus, Octávio Machado, Jaime Marta Soares… enfim, quem comete o ‘delito’ de se referir ao Benfica leva com um processo jurídico. Mas estes processos têm claramente duas finalidades:
a) Tentar escamotear o caso da caixa e dos vouchers, o não cumprimento do artigo 62.º do Regulamento Disciplinar e a respectiva condenação prevista, que é a descida de divisão, com a criação de ruído e barulho para que a opinião pública ache que também o SCP corre algum perigo de penalização similar. Esta chama-se a táctica da contra-informação: fazer muito barulho para que as pessoas deixem de se focar no essencial e comecem a ficar apenas com os famosos ‘sound bites’;
b) Com tantos processos em tribunal fica claro que a grande luta do Benfica de conquista do ‘tri’ se fica numa estratégia de conquista do ‘tri-bunal’. Como diz o povo, ‘quem não tem cão, caça com gato’.

3 A estratégia assumida pelos clubes sobre os direitos televisivos foi pública: centralização dos mesmos. Já com esta Direcção da Liga todos os seus membros votaram a favor do ‘business plan’ que previa essa mesma centralização. O Benfica foi um dos que votou a favor desse plano. Agora faz mais um ‘negócio do século’ e renega toda a estratégia por si próprio votada, colocando o futebol português em causa, e não falo do Sporting CP, pois tem contrato até 2018, o que significa que estamos serenos. Coloca em causa os médios e pequenos clubes e traça um destino de quase fatalidade para a 2.ª Liga.
A Direcção da Liga faz um comunicado ambíguo “a bem da estabilidade do futebol português” e guarda uma posição para depois da sua reunião da próxima semana. Coincidentemente, ou não, o Benfica promete explicações do negócio em conferência na mesma data.
Fico feliz de ver o futebol tão ‘alinhado’, mas fico com uma curiosidade: depois dos comunicados à CMVM da NOS e do Benfica, o que existe para explicar? Será que, afinal, esses comunicados omitiam informação relevante ao mercado, situação gravíssima, ou teremos aqui mais um compasso de espera para alinhar posições e discursos? Vamos todos ser brindados com uma conferência de “somos 14 milhões, por isso todos nos querem”, ou virão com a teoria dos bastidores que são apenas 25 milhões de euros pelos direitos televisivos e 15 milhões pelo exclusivo da BTV? Ou teremos uma terceira via de dizer que o comunicado não estava certo e existiam outros ‘activos’ envolvidos? Confesso que a curiosidade mórbida me leva a querer ver o próximo episódio. Ao estilo de novela mexicana, acho que a próxima semana vai ser recheada de ‘flique-flaques’ e cambalhotas mortais.

4 Por fim, Rui Vitória adoptou um discurso que termina sempre nos árbitros: os erros, tem de lhes ser dito que erram, estão sempre a errar, erram muito. Agora o Benfica incumbiu o seu treinador da tarefa de pressionar a arbitragem. Não chegava ter de treinar uma equipa que está em processo de conhecimento do seu novo treinador e suas metodologias, e integração de novos jogadores… dar-lhe, em acumulação, esta tarefa de pressão contínua é, na minha opinião, contraproducente. Ficam desde já novamente convidados os dirigentes do Benfica a assinar a nossa proposta de vídeo-árbitro e começarmos em conjunto a lutar pela implementação da mesma. Assim, em vez de andarmos a lamentar constantemente, seremos pró-activos. Mas acrescento hoje um novo convite: falemos em conjunto, e de forma pública, demonstrando a capacidade de elevação e de fair play do futebol português num evento onde analisaremos ao pormenor a arbitragem e, já agora, as exibições em cada jogo desta época dos dois clubes, estando este convite alargado a mais clubes que o queiram fazer. Assim todos demonstrarão que não se fala só por falar, que a linguagem não é utilizada para pressionar mas que todos apenas queremos mostrar os factos verdadeiros e contribuir para um futebol melhor.

Depois desta minha análise a uma semana fora de Portugal, vamos para a Madeira e venha de lá esse futebol, o bonito, o atractivo, o que mexe com os corações de milhões de pessoas, aquele que até ao momento lideramos!"

Bruno de Carvalho, no Jornal Record (Obrigado ao Leão do Deserto)

Entrevista de Bruno de Carvalho

Record foi o único órgão de comunicação social português que acompanhou a visita do presidente do Sporting à China. Em entrevista exclusiva, Bruno de Carvalho aborda temas ‘quentes’: Jesus, a guerra com o Benfica, contratações, saídas, renovações e arbitragem

RECORD – Em que ponto se encontra a renovação de William Carvalho? Há ou não dinheiro para deixar o jogador satisfeito?

BRUNO DE CARVALHO – Este dossiê não está atrasado. O Sporting tratou dos processos que eram importantes e urgentes e agora tem uma série de dossiês em mãos, perante os quais os jogadores estão calmos e serenos. É importante conciliarmos tudo isto: a serenidade da equipa, a concentração e o foco nos objetivos. Estes processos de renovação não podem contribuir para a instabilidade da equipa. Naqueles em que nós sentimos que isso estava a acontecer, sobretudo de uma forma emocional, tratámos de os resolver.

R – Está a falar, por exemplo, de Slimani, Jefferson ou Mané?

BdC – E até do próprio João [Mário]. Portanto, resolvemos tudo aquilo que emocionalmente poderia estar a afetar os jogadores. Agora… eu e o William estamos perfeitamente tranquilos perante esta situação. Podem escrever isto, porque o próprio William ficará muito feliz ao ler: eu e o William Carvalho estamos em total sintonia e descansados perante a situação contratual do jogador. Nada mais do que isto.

R – Trata-se de um jogador já falado para vários clubes ingleses… Apesar da lesão, o Sporting recebeu propostas por William Carvalho durante o defeso?

BdC – Nada.

R – Espera conseguir segurar William, pelo menos até ao final desta temporada, beneficiando do que ele pode sair valorizado do Euro’2016?

BdC –Garantidamente! Não sairá nenhum jogador essencial em janeiro. Está totalmente descartada a transferência de jogadores com os quais o Sporting conta em termos de plantel, em função do que são os seus objetivos.

“Os processos de renovação de contratos não podem contribuir para a instabilidade da equipa”

R – Só aceita vender Slimani pelo valor da cláusula [30 milhões de euros], ou há acordo para o deixar sair no final da temporada?

BdC – Não, não, não, não e não. Isso era antigamente, quando se faziam esses acordos por debaixo da mesa. O Sporting não faz essas coisas esquisitas. Não há acordo com ninguém. O Slimani é jogador do Sporting, está satisfeito no clube, renovou contrato há pouco tempo e não há acordo para sair. Não faço a mínima ideia se sairá ou não no final da temporada. Sinceramente, não tenho grande vontade que ele saia no final da época. Slimani está muito satisfeito no Sporting e nós estamos muito satisfeitos com o rendimento dele. Janeiro, zero saídas. Quanto ao final da época… não olho para a saída do Slimani como algo a ser encarado. Mas é como tudo na vida. Até lá ainda falta muito tempo. Desta direção, os sportinguistas nunca vão ter aquelas cláusulas como a do Eric [Dier], que era uma cláusula de um valor, mas depois havia acordos paralelos. Com esta direção as coisas são muito claras e simples: ou tem ou não tem cláusula. O Slimani está muito bem, muito, muito feliz pela aposta que foi feita. Muito feliz por eu não ter cedido à vontade muito grande dele, de ser emprestado a meio da sua primeira época no Sporting. Estava frustrado e triste por não jogar. Tenho a certeza que ele se lembra perfeitamente desses momentos e é por isso que temos uma boa relação.

R – Foi fácil chegar a um entendimento com Slimani?

BdC – Foi, foi. Toda a gente sabe que houve aquela situação pontual entre nós. O Slimani aí percebeu perfeitamente como são as coisas e, desde então, tem sido um jogador muito importante para nós e tem tido um comportamento exemplar. Foi fácil e acho que o próprio Slimani reconhece que eu também fui muito importante no desenvolvimento da sua carreira, quando pessoalmente lhe neguei a saída naquela fase, explicando-lhe as coisas. Agora, quando vê aquilo que atingiu, ele olha para trás e reconhece que esta foi mesmo a melhor opção, e não era aquela que ele queria. Lembro-me das entrevistas sucessivas que o selecionador argelino na altura dava para que ele saísse do Sporting… O Slimani é um jogador satisfeito e daqueles que percebem que o presidente preocupa-se muito com o Sporting, mas também se preocupa com a realidade de cada jogador. Independentemente de ser duro nas negociações, estou sempre muito atento à visão de cada um dos dois lados. O Slimani está calmo e confiante, tal como está o William Carvalho.

R – Esgaio, Carlos Mané e Tanaka, por exemplo, são jogadores para emprestar, na reabertura do mercado, agora em janeiro?

BdC – Não está tomada nenhuma decisão por parte do treinador, relativamente aos jogadores que podem sair ou ser emprestados.

R – O Sporting lidera o campeonato e parece firme nesse papel. Conhecendo tão bem a equipa e o treinador, acha que está dado um grande passo para atingir o tão desejado título? Jesus disse que se chegasse ao Natal nos primeiros lugares… o Sporting era um candidato forte.

BdC – Mas ainda não chegámos ao Natal… Ainda faltam muitos jogos, daí essa preocupação.

R – Dezembro será, então, importante neste aspeto?

BdC – Independentemente de chegarmos ao Natal em 1.º ou não – e aí Jorge Jesus tem muito mais experiência do que eu – acho que o Sporting terá de ser muito forte, muito humilde e muito aguerrido durante a época toda. Claro que não sou daqueles que têm a teoria de o peso de estar na liderança é terrível. Nada disso. Estar à frente é ótimo. O Sporting terá de ser muito consistente até ao final do campeonato. Até maio, tem de haver concentração, vontade, humildade, crescimento, tudo de uma forma constante. Não se ganham campeonatos no Natal. O Sporting não quer ser campeão de inverno: quer ser campeão nacional. Não podemos dormir à sombra da bananeira por estarmos em 1.º lugar. Com dois ou três jogos menos conseguidos, podemos perder a liderança.

R – Na Taça de Portugal, depois do Benfica, agora o Sp. Braga… O Sporting é favorito?

BdC – Em jogos a eliminar as coisas são sempre complicadas. Não posso dizer que não, pois considero sempre o Sporting favorito em tudo. Saiu o Sp. Braga. Com jogos de três em três dias, este não é o adversário ideal. Mas estamos confiantes e queremos passar.

R – Não esperava uma intervenção mais ativa de Pedro Proença no assunto das caixas do Benfica?

BdC – Já tive a oportunidade de dizer ao Pedro Proença o que achava. Ele agora é presidente da Liga. Tem de se afastar das questões da arbitragem. Seja como for, não se pode afastar dos interesses dos clubes. Considero o que ele disse como uma frase infeliz, porque as caixas não são um ‘fait divers’. Tem de ter posição clara pela modernização do futebol português. Entendo que este é um assunto que ‘queima’, mas temos de ter a coragem de dizer que estes comportamentos não são corretos. E quando acontecem, devem ser punidos. Se, em Itália, a Juventus desceu de divisão, por que é que aqui isso não acontece?

R – Sentar-se no banco não faz de si um alvo demasiado acessível para quem o queira ‘castigar’? Se estivesse na tribuna, não estaria mais ‘blindado’?

BdC – Quando estou no banco, estou como delegado; não estou como presidente. A única coisa que aceito é que me castiguem enquanto delegado. Vejo um ‘vermelho’? Expulsam o delegado, mas jamais vão calar o presidente! Quero ver quem é a pessoa que me cala… Sou dirigente porque fui eleito. Tenho, por isso toda a liberdade para exercer este papel. Ponto. O que acontece? Mais uma vez, a tal falta de visão estratégica. A vontade de me tirarem dali é tão grande, que mais vontade tenho de lá ficar. Lá está outra vez a visão estúpida. Atacam o Jorge [Jesus] e ele fica com mais gás; atacam-me a mim, e eu fico com mais gás; querem tirar-me do banco e eu mais vontade tenho de lá ficar. Portanto… não há dúvida nenhuma de que ao fim de quase 3 anos as pessoas continuam a insistir nos mesmos erros. Já devo ter dezenas de processos. Vou continuar a denunciar o que tiver para denunciar, mesmo percebendo que as instâncias nada fazem. Já denunciei coisas com muita gravidade e os processos têm dado zero. O processo em que o presidente do Benfica me convida para fazer uma aliança e em que ganhava um, ganhava o outro [o campeonato]: zero. A contratação do Brahimi: nada. Mostrei a situação das caixas: toda a gente condena na surdina, mas vamos ver o que vai dar.

R – Quanto a entradas, tentou mesmo contratar Quaresma?

BdC – [pausa] Não sou sportinguista de há dois anos e meio para cá. Acompanho o Sporting há muito tempo. E quando andei a tirar o curso de treinador, já com o objetivo de um dia vir a ser presidente, acompanhei de perto a evolução do Rui [Patrício], do Adrien, desta miudagem toda. Do Cédric, dos Quaresmas e dos Cristianos. Não sou sportinguista de ontem. Pergunta se não gostaria de ver o Quaresma de regresso ao Sporting? Gostaria. Não o escondo. Mas também sei que ele está bem onde está, compreendo que o Besiktas tenha interesse em valorizar os seus jogadores e, portanto, o interesse do Sporting é sempre algo de relevante. O Quaresma é um jogador que me agrada, é da formação do Sporting, tem características muito interessantes e está, nesta altura, muito mais maduro.

R – E acha que pode trazer o Quaresma para o Sporting?

BdC – Tudo na vida é possível e eu já provei a mim e aos sportinguistas de que há poucos impossíveis… Quem sabe se um dia não se transforma numa realidade o que acabaram por ser os próprios dirigentes turcos a revelar. Por exemplo, ele vai regressar a Alvalade daqui a pouco tempo e vai perder!

R – Para ficar?

BdC – Se o Besiktas não quiser levá-lo de volta para a Turquia, eu fico de bom grado com ele. O Besiktas está à vontade [risos]. E não tenha dúvidas de que disse isso mesmo aos dirigentes do Besiktas. Não tenho medo de o admitir.

R – Disse ao Besiktas que queria contratar Quaresma?

BdC – Não foi bem isso. Disse que, no dia em que eles achassem que o Quaresma não era mais-valia para o Besiktas, que o mandassem para casa, pois eu ficaria muito feliz e contente em poder tê-lo na equipa do Sporting.

Bruno de Carvalho falou a Record sobre a situação de vários jogadores.

RECORD – Ainda é possível chegar a um acordo com Carrillo?

BdC – O que posso dizer sobre o Carrillo é que ele continua a recuperar de uma lesão e que está com um processo disciplinar. Como sempre, no dia em que houver uma decisão taxativa, ou para a direita ou para a esquerda, direi. Até isso acontecer, tudo é possível…

R – Tal como Carrillo, André Martins e Marcelo Boeck estão em final de contrato. Pode explicar as diferenças entre estes casos?

BdC – Estamos todos a conversar, com muita calma, e a tentar chegar a conclusões. Estamos a analisar aquilo que será melhor para todos os envolvidos. Nem o Marcelo, nem o André Martins disseram que não queriam renovar os seus contratos.

R – Disse, numa grande entrevista a Record, que Carrillo não sairia a custo zero. Acredita que será capaz de cumprir esta promessa?

BdC – [pausa] Depende do que entender por custo zero. Não se esqueça do processo disciplinar que está a decorrer… Continuo a achar exatamente o mesmo. Agora, poderá ser é de uma maneira diferente. Continuo a achar que Carrillo não sairá a custo zero.

R – Zeegelaar já é do Sporting?

BdC – Não vou falar nada além daquilo que já foi anunciado…

R – Tem sido noticiado que o Sporting está atento ao mercado em busca de um central. Disse que os alvos estão “definidos e mais do que tratados”. O central é uma prioridade?

BdC – Não…

“Se o Paulo Oliveira continuar a afirmar-se (…) possivelmente falarei com ele [sobre a renovação] no próximo ano”

R – Não há posições prioritárias?

BdC – Quando lhe disse taxativamente que não, disse-o de forma consciente. Isto, claro, a não ser que surja um negócio fantástico. Gostamos dos nossos centrais, mas não fechamos a porta a bons negócios. Há alvos identificados e tratados, mas não estamos compradores.

R – Já melhorou as condições salariais do Paulo Oliveira, ainda é cedo ou desnecessário?

BdC – Todos nós temos de ir dando passos se guros na vida. O Paulo é um excelente jogador. E isto não é segredo nenhum: foi opção minha, pois na altura não havia treinador. Não tenho a mínima dúvida de que se continuar a evoluir e a afirmar-se , possivelmente no próximo ano falarei com ele. Agora… calma.

R – Então também assume a contratação do Slavchev…?

BdC – Sem problema nenhum.

R – Arrepende-se dessa escolha?

BdC – Nada. A capacidade que o Sporting tinha para contratar não é igual à de agora. Atualmente, podemos fazer apostas mais certeiras. Temos a possibilidade de ir buscar jogadores que nos dão mais garantias, até pela idade e pelo currículo. Slavchev foi a escolha possível.

R – Como analisa a nomeação de Artur Soares Dias para o jogo com o Belenenses?

BdC – Fico espantado quando olho para as capas dos jornais que dizem “Bruno de Carvalho condiciona a arbitragem” e, de repente, vejo um árbitro a ser escolhido para o jogo do Sporting, um árbitro que já me expulsou esta época [no Bessa] e cujo processo ainda está no Conselho de Disciplina. Tem de haver bom senso. Não tenho a responsabilidade de defender terceiros. O que quero dizer com isto? Sou presidente do Sporting, não sou um árbitro. Sou tendencioso. O meu dever é defender o Sporting. Um árbitro não pode ser tendencioso. Tem de defender todos. Podem fazer-me os processos que quiserem enquanto presidente do Sporting, mas não me vão calar. Não vou deixar de dizer aquilo que acho serem coincidências a mais.

RECORD – O que vem Schelotto acrescentar ao plantel do Sporting?

BdC – Essas perguntas são mais interessantes quando feitas ao treinador. Os pequenos retoques que o Sporting tinha para fazer estavam identificados e foram tratados. Estamos muito contentes com o plantel. Basta ver os resultados magníficos que temos feito. Considerou-se que havia necessidade de proceder a algumas melhorias, de forma a ajudar este plantel a fazer ainda melhor. Foi o que fizemos.

R – Vem para defesa-direito?

BdC – O Schelotto pode fazer todo o corredor. Agora, o Jorge Jesus é que vai decidir o que ele vai fazer. É visto como uma mais-valia para atingirmos os nossos objetivos.

R – Jorge Jesus é muitas vezes acusado de falar constantemente do Benfica. Isso incomoda-o ?

BdC – É quase impossível isso não acontecer [pausa]. Isto é um assunto, de facto, mal digerido por parte do Benfica. É por demais evidente que havia uma estratégia delineada para a saída do Jorge Jesus de Portugal. Mas isso não aconteceu! O Benfica começou numa estratégia de ataque tremendo a alguém que é – e eles sabem isso – um ganhador, profissional, competente, um estratega e um elemento de grande valia.

R – O Benfica teme Jesus?

BdC – Eles sabem o que ele pode fazer no Sporting. Começou pelas ameaças de processo por ter visitado a Academia. Depois a história dos SMS. Tentaram transformar a saída como se fosse uma traição do Jesus à nação benfiquista, quando ele fez uma coisa perfeitamente normal: tomou uma decisão perante a vontade clara do Benfica em não continuar com ele. O tempo vai diluindo as coisas. Percebo perfeitamente que são seis anos. Percebo o que os dirigentes do Benfica estão a passar. Tem-se visto que Jesus, através da sua competência, consegue resultados. Espero que o Benfica se concentre nas suas necessidades e preocupações e cada vez menos em Jesus.

R – Está a contar com isso?

BdC – Vai ser inevitável andarmos a época toda a falar disto… Do outro lado há uma falha de perceção estratégica. É mais do que evidente que esta atuação de conflito é algo que é traduzido, quer por parte do Sporting quer por parte do Jorge Jesus, numa força adicional. Portanto, tudo isto tem servido de estímulo. Por isso, acho que os erros [do Benfica] vão sendo sucessivos. Se estivesse daquele lado – não estou, não quero estar e nunca quererei estar –, estava muito mais preocupado com o que devia fazer no grande processo de alteração que tenho pela frente. Disse-o quando cheguei ao Sporting. Os nossos rivais vão ter de passar por processos similares aos que já ultrapassámos. Tudo tem o seu ‘timing’. O facto de o Sporting ter sido o primeiro não foi questão de estratégia, mas sim de necessidade pura. O clube estava em pré-falência, tinha de mudar. Mas havia que aproveitar esse tremendo contratempo.

R – No final do dérbi da Taça, Jesus e Bruno de Carvalho deram um longo e aparentemente sentido abraço. O que se pode ler daquele momento?

BdC – Uma cumplicidade enorme. Estamos no início deste processo, mas sabemos claramente o que temos pela frente e a dificuldade dos objetivos a que nos propusemos. Une-nos uma grande amizade, sentimento que aumenta à medida que nos vamos conhecendo melhor. Conciliamos dois feitios e dois caráteres muito fortes e vincados.

R – Bruno César foi um pedido expresso de Jorge Jesus?

BdC – Claro que estas afinações têm sido a pedido do treinador. Isto para não fugir a nada. Por coincidência, o Bruno César era um jogador que tinha sido referido na primeira vez em que me candidatei à presidência. Trata-se de um elemento que Jorge Jesus conhece muito bem. É muito polivalente e o Jorge [Jesus] gosta desse género de jogadores. Mais uma vez, aquele pequeno retoque que foi considerado importante para este mercado de inverno…

RECORD – Não ganhar o título esta temporada seria um rude golpe na estratégia que delineou para o futuro do Sporting?

BdC – Já todos perceberam que o foco está na conquista do título desta temporada. Não vamos estar com rodeios nesse aspeto.

R – É mais importante para o Sporting ser campeão esta época do que no passado recente?

BdC – Para o Sporting é sempre importante ganhar o campeonato, mas este ano é ainda mais importante para cimentar todo o trabalho que temos feito. O Sporting não pode estar sem ganhar o título durante tanto tempo. É assim que se alimenta uma marca. É assim que se alimenta a história e a capacidade de crescimento de um clube. Esta época há três condicionantes especiais: o Sporting estava num caminho para criar condições para, de uma forma regular, vencer a Liga. Chegou a hora de apontarmos à meta do campeonato de uma forma mais efetiva. Em 2.º lugar, o treinador. Dá outra capacidade em termos de competência, de ‘know-how’ e até da própria fé e movimentação da esperança das pessoas. E, por último, o investimento que fizemos este ano no reforço da equipa. Fizemos uma aposta muito grande, porque não se consegue consolidar a estratégia de equilíbrio financeiro e organizativo, de fazermos valer as nossas ideias para o desporto, da luta pela verdade desportiva, se não conseguirmos mostrar grandeza através de títulos conquistados.

R – Se não ganhar o título, haverá retrocesso nesse caminho?

BdC – Se não ganharmos o título será, de facto, um objetivo muito grande não cumprido. Mas não haverá retrocesso. Foi como não termos entrado na Liga dos Campeões. A nível financeiro era muito importante, mas não é por isso que viramos as costas e que abandonamos os nossos objetivos. Não tenho dúvidas de que continuaremos o nosso crescimento. Há uma ou duas décadas que não ouvia dizer que o plantel do Sporting era o mais valioso. Temos orgulho nisso. O futebol que está a começar a surgir… Já em vários jogos notamos uma evolução tremenda daquilo que são as ideias do treinador e da própria forma como os jogadores interpretam essa ideia. Isso dá-nos esperança, mas temos de ter os pés assentes na terra. Estamos em 1.º lugar nesta altura, mas é mais importante estarmos em 1.º no fim. O Sporting não pode ganhar de dez em dez anos.

R – Foi uma questão muito debatida quando Jesus era treinador do Benfica: o mérito é exclusivo do treinador ou da estrutura?

BdC – O Jorge Jesus é um excelente treinador. Mas também não o precisava de dizer, pois é do domínio público a noção de que o Jorge é um treinador especial. Domina a ciência do futebol de uma forma quase ímpar. Desde que chegámos ao Sporting, temo-nos esforçado muito para criar alguma consistência naquilo que são todas as operações que se vão relacionando com o futebol. A estrutura não é mais do que isso: são pessoas, processos, filosofias, metodologias. É, sobretudo, conseguirmos olhar para um todo e que esse todo trabalhe em conjunto para um objetivo comum. O Jorge Jesus veio ajudar nisso com todo o seu ‘know-how’, veio ajudar a completar um processo que já estava em marcha. Ele, realmente, tem sido uma peça absolutamente fundamental naquilo que têm sido os resultados esta época.

“É mais importante sermos primeiro no fim”

R – Este balanço positivo no conjunto dos dérbis tem estado muito focado em Jorge Jesus. É redutor para um clube como o Sporting ou natural depois da transferência?

BdC – O Sporting não passa, de repente, de um estado quase depressivo, pré-falência e acomodação para um estado de equilíbrio, onde há novamente alegria e esperança. Isto tem tudo a ver com pessoas, com competências, com ‘know-how’, com graus de exigência, com filosofias. Jesus, a nível de treinador é tudo isto. O Jorge Jesus chegou como a cereja no topo do bolo. Veio trazer para dentro do futebol tudo aquilo que é o nosso raciocínio e tudo o que é o nosso caminho. A oportunidade para contratar Jesus – algo impossível há dois anos – acabou por calhar numa altura boa, porque o Sporting tem vindo a fazer um trabalho de contenção, reequilíbrio e organização muito grandes e o Jorge [Jesus] veio cimentar este crescimento. Não temos dúvida nenhuma de que há uma mão muito grande nesta transformação. Dou um exemplo claro: a forma como os jogadores encaram os grandes jogos é um sinal evidente de uma mudança grande de mentalidade.

R – Provocada por Jesus…

BdC – Sem dúvida! Os jogadores sentem-se com outra confiança, com outra força e mentalidade. É isso que ele nos traz. Quando trabalhamos com alguém que é um vencedor por natureza, isso traduz-se na forma como nos comportamos. O Jorge tem todo o mérito, pois conseguiu, em pouco tempo, colocar o Sporting a fazer aquilo que nós ambicionávamos: encarar os jogos com uma mentalidade vencedora. É justo tudo aquilo que se possa dizer do Jorge Jesus enquanto elemento importantíssimo para esta transformação no futebol do Sporting.

R – Depois do silêncio perante as críticas e acusações lançadas pelo Sporting, o Benfica só agora respondeu. Rui Vitória falou na ‘tática do barulho’; Rui Costa e João Gabriel seguiram-no. “Fazer barulho” ajuda a ganhar jogos?

BdC – Primeiro, é preciso fazermos uma distinção do que é o silêncio. Se estivermos a dizer que eu, a nível do Sporting, sou muito mais interventivo, disso não há dúvidas. Agora, se há coisa que o Benfica não tem feito é silêncio. Pode ser utilizando antigos dirigentes ou comentadores bem documentados. Pode ser através de comunicados, twitters ou facebooks… Pode ser através da situação criada à volta do Jesus ou das SMS; pode ser através das as acusações feitas nos programas pelos comentadores que estão alinhados com o clube. Cuidado com a situação de o Benfica não fazer barulho… Às vezes, não parecendo, faz-se muito mais barulho do que o Sporting.

R – Mas estava a referir-me a uma reação direta do Benfica…

BdC – Mas isto são tudo reações diretas! O que pode dizer é que, por uma questão de estratégia, as coisas são diferentes. A estratégia de Luís Filipe Vieira era entrar nos programas aos pontapés. Se calhar, houve aqui uma necessidade de colocar outras pessoas a falar em nome do Benfica. Mas isso é uma questão muito interna do Benfica. Independentemente da minha forma contundente de ser e de estar, ainda não entrei em nenhum programa aos pontapés; portanto, ainda não há a necessidade de eu desaparecer. Isto não é barulho, pois não foi o Sporting que fabricou uma caixa e meteu lá uma camisola e uns ‘vouchers’ com idas ao Museu do Benfica e a um restaurante. Quer outro exemplo? É de lamentar que as notas dos árbitros que arbitram o Sporting sejam as únicas que saem cá para fora…

R – Por que é que isso acontece?

BdC – Isso é que é barulho ensurdecedor. Isso é que é fazer barulho pela calada. Mostrei uma caixa e pedi para verificarem. Outra coisa é saírem as notas e sair sempre o porquê. Isto é manipular sem ter a coragem de dar a cara.

R – Mas acha que essa é uma estratégia do Benfica?

BdC – É uma estratégia clara de condicionamento.

R – Do Benfica?

BdC – Não sei se será do Benfica. Mas há aqui uma tentativa tremenda de condicionar a arbitragem. E o Sporting é o alvo. Há, de facto, uma tentativa de se jogar fora das quatro linhas.

R – Teme que este caso seja arquivado e que acabe por cair no esquecimento?

BdC – O futebol português continua a embirrar em jogar fora das quatro linhas. Se todos têm razões de queixa, venham assinar a proposta do Sporting. Vamos dar a cara pelo videoárbitro!

R – Por que é que existe tanta resistência ao videoárbitro?

BdC – Porque é mais fácil.

R – Jogar fora das quatro linhas?

BdC – Com certeza.

“A estratégia de Luís Filipe Vieira era entrar nos programas aos pontapés. Agora, são outros a falar”

R – Mas porquê?

BdC – [pausa] Há dois caminhos para lhe poder responder a essa pergunta. Ou porque há malícia ou então é aquela história do escorpião e do elefante. Um elefante vai passar um rio e o escorpião pergunta-lhe se o pode levar com ele. O elefante responde: “Não te vou levar porque tu vais picar-me e assim morremos os dois”. O escorpião responde: “Não! Não! Então eu sou maluco?”. Chegaram a meio do rio e o escorpião picou o elefante. “Então, assim vamos morrer os dois!”. E o escorpião responde: “É mais forte do que eu.” Acho que no futebol português as coisas funcionam assim. Estamos a falar de pessoas que estão há muitos anos no futebol. Sempre se jogou muito fora das quatro linhas. Alterar isso é alterar uma lógica de procedimento. O que seria o futebol com o videoárbitro? O futebol continua a ser muito jogado fora das quatro linhas. Desde que cheguei que tenho denunciado isso.

R – E já que fala nesse jogo fora das quatro linhas, a pergunta é direta: Slimani agrediu Samaris?

BdC – Deixe-me dizer-lhe uma coisa: o Sporting apresentou uma série de queixas…

R – Por isso é que estava a falar-lhe do jogo fora das quatro linhas…

BdC – Mas lá está! Nós não somos hipócritas. Publicamos a nossa visão sobre os lances. Não criamos vídeos hipócritas e lançamos na internet. Você vê imagens de jogadores a darem estalos e socos na cara de jogadores do Sporting! Está a falar de uma jogada do Slimani com o Samaris… que é perfeitamente corriqueira.

R – Mas acredita que o Slimani pode ser suspenso?

BdC – Se aquilo dá para suspensão, então metade da equipa do Benfica era suspensa. A imagem que vemos do Slimani, vamos vê-la toda ou só um ‘frame’ específico? Aconteceu antes ou depois? Quando se vê uma imagem do Eliseu a dar um estalo a um jogador do Sporting, como é? Vemos essa imagem ou vamos ver tudo? Se nós entramos por aí… E lá está, mais uma vez foi o Benfica a fazer uma queixa…

R – Se o Benfica não tivesse feito a queixa, o Sporting também não teria apresentado as queixas contra cinco jogadores do Benfica?

BdC – Não queremos utilizar subterfúgios para arranjarmos formas de vencer jogos e campeonatos. Não há dúvida nenhuma que aquela queixa que o Benfica faz contra o Slimani é uma retaliação pelas três derrotas. Sei que é complicado de digerir… E também porque o Slimani é um jogador importante para o Sporting. Seria uma forma de condicionar. Se calhar, um novo caso Hulk, com as devidas separações. Tudo isto é tão ridículo, que volto a dizer: em vez de estarem com estas atitudes ridículas, convido os clubes a assinarem a proposta do videoárbitro do Sporting e a maior parte destas situações ficam resolvidas.

R – Que comentário lhe merece a forma como o processo a Naldo foi conduzido pelo Conselho de Disciplina da FPF?

BdC – Acho que o Naldo não devia ter reagido daquela forma e acho que o castigo de um jogo é justo. Ponto. Dizendo isto, tenho de realçar o seguinte: esta falta de definição do que é importante no futebol, do que pertence ou não ao jogo… Se for um jogador tem uma relevância, se for um treinador tem outra… Mesmo gostando do Lito Vidigal, acho engraçado que seja mais grave um ‘chega para lá’ de um indivíduo que está a exercer a sua profissão, do que um elemento estranho entrar dentro do jogo. Isto é inacreditável! Depois dizem-me: o futebol não pode mudar, porque perde a essência. O futebol tem de rever algumas das suas regras.

R – Mas neste caso do Naldo, depreendo que tenha ficado satisfeito com a decisão, correto?

BdC – Certo. Mas ninguém percebe como é que um treinador leva uma multa de 40 euros por ter invadido o terreno de jogo e um jogador que dá um ‘chega para lá’ em alguém que estava a mais, seja castigado. Se vir de forma isolada o lance, Naldo, um jogo, perfeito. Se vir o conjunto, tenho de achar aquilo que toda a gente acha: que é ridículo em termos de proporção.

R – Jesus traz a si a responsabilidade de ‘ressuscitar’ o Sporting. Houve três anos de BdC para trás e outros dois técnicos. O que ‘correu mal’?

BdC – São processos de evolução distintos. Quando começámos, era impossível termos o Jorge Jesus ou um plantel com esta dimensão. Basta ver a reação da comunicação social: este foi o primeiro ano em que não foi necessário dizer que o Sporting era candidato. Quando se falou em Jesus, disseram imediatamente que o Sporting estava na luta!

R – Jorge Jesus é melhor treinador do que Leonardo Jardim ou Marco Silva?

BdC – Estamos a falar de alguém que é um dos grandes treinadores mundiais da atualidade. Basta verificar o currículo fantástico que ele tem, inclusivamente em equipas de dimensão menor que a do Sporting ou do Benfica. Não me agrada nada fazer essas comparações. São fases diferentes, treinadores diferentes. Mas quanto ao Jorge Jesus… Conseguiu colocar o Benfica de novo na ribalta. Tem esse mérito e é esse o trabalho que esperamos que ele faça.

R – Nessa “simbiose” que já falou entre presidente e treinador, já houve divergências estratégicas?

BdC – ‘Divergências estratégicas’ é muito forte… Isso não! Conversamos muito, discutimos e temos as nossas visões. Muitas vezes, temos de conversar sobre elas. Mas isso não tem nada a ver com estratégia. O Sporting é um clube que quer ganhar, mas que quer chegar ao 1.º lugar com regras bem definidas. Estrategicamente nenhuma divergência, mas sempre a debatermos as nossas ideias.

R – Entende que vai conseguir resolver em janeiro os casos de Labyad e Viola?

BdC – Na vida tudo tem uma solução quando todos querem que isso aconteça. Tem de haver vontade dos dois de dançarem. Tudo se consegue, se houver vontade de ambos em caminhar no mesmo sentido. A Labyad e Viola, já lhes ficou claro que não contam para o projeto desportivo de Jorge Jesus e têm de tomar decisões para o futuro das suas carreiras. Os anos passam e têm de tomar decisões. Ponto final. Se estivesse na situação deles, de certeza absoluta que não estaria contente a jogar na 2.ª divisão do campeonato português. Ambos têm mercado, isto caso tenham vontade progredir nas carreiras.

R – A vitória em Moscovo deixa o Sporting numa boa posição para garantir o apuramento na Liga Europa. Contudo, nota-se alguma falta de “entusiasmo” de Jorge Jesus por esta competição…

BdC – A nossa concentração está nas competições portuguesas. Ponto. Mas nem eu nem o Jorge Jesus gostamos de perder, nem ao berlinde! É nessa perspetiva que ele fala em ‘mais problemas’. Há uma série de jogos, todos uns em cima dos outros. Quando o Jorge Jesus fala nisto, está a dizer que tem de ultrapassar um desafio. E é magnífico ver a forma como os encara e supera. Quando ouço aquele discurso, não fico preocupado, fico entusiasmado.

Jornal para download

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal