Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

Dia D para o Sporting na EHF Champions League

Não há volta a dar. Faltam quatro jogos para o final da fase de grupos e o Sporting recebe hoje o Besiktas no Pavilhão João Rocha. Caso o Metalurg não surpreenda o Montpellier, poderemos ganhar pontos a todos os rivais directos pelo segundo lugar de apuramento (o primeiro não fugirá aos franceses).

Digo isto porque, já hoje, o Chekhovskie Medvedi empatou em casa (30-30) com o Motor Zaporozhye, facto que nos pode colocar a apenas dois pontos do segundo lugar do grupo D.

 

Hugo Canela disse na antevisão estar muito satisfeito com a evolução do nosso processo defensivo, que nos tem permitido explorar de forma mais eficiente o contra-ataque.

Disse também que o crescimento do Besiktas tem sido enorme, mesmo que não ganhem há três jogos nesta competição. Também para eles, o jogo de hoje é decisivo para que se mantenham na luta pelo apuramento.

 

Mais do que tudo eu acredito na força deste grupo de jogadores, que se tem exibido a excelente nível, tanto no campeonato como na Champions, onde por pouco não arrancou um empate na casa do líder, Montpellier.

A vitória hoje dará moral, manterá intactas as possibilidades de apuramento e colocará pressão sobre os rivais directos, até porque o jogo seguinte será na Ucrânia, frente ao actual segundo classificado, o Motor. 

A verdade é que duas vitórias nos dois jogos que aí vêm nos podem colocar no segundo lugar, com ascendente psicológico sobre os adversários, mesmo sabendo que todos os jogos são de grau de dificuldade muito elevado.

Passar nem é nossa obrigação mas é com grande alegria que sinto essa ambição no grupo. É essa a forma de estar no Sporting.

 

Só espero um Pavilhão João Rocha composto, para mais um grande jogo europeu e, claro, que ganhe o Sporting!

Força, leões!

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

Momento fair-play do mês vai para José Moreira

Momento de fair play protagonizado por José Moreira do Sporting que se vê ultrapassado na recta da meta pelo atleta do Braga. Este desviou para a esquerda por engano. Moreira não quis ganhar dessa forma, esperou pelo colega e fez questão que este passasse em primeiro. Estes são os valores do desporto e do nosso Sporting. Bravo!

23319413_1727118783973833_1986944229204808884_n.jp

23376066_1727118803973831_1537392699881010944_n.jp

23435176_1727118857307159_8904348244634868529_n.jp

23472344_1727118823973829_5386000591615657421_n.jp

Informação retirada da página de facebook de David Rosa.

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

Parabéns, MG!

Maria Siderot era uma das favoritas à conquista do ouro em Podgorica (Montenegro), mas uma coisa é sê-lo, outra é confirmá-lo.

As coisas não começaram fáceis, com duas vitórias sofridas na 2ª eliminatória e nos quartos-de-final. Por ser uma das mais cotadas, Siderot não competiu na 1ª ronda, passando imediatamente à fase seguinte, onde a romena Catalina Schiopu se revelou um osso bem duro de roer. A vitória surgiu no ponto de ouro, após quase 6 minutos de combate e apenas com a romena a acumular três penalizações, que automaticamente dão a vitória por ippon ao adversário.

 

Nos quartos-de-final, a bielorussa Anfisa Kapayeva também deu luta, mas um waza-ari no primeiro minuto do ponto de ouro colocou Maria Siderot na rota do ouro.

 

A semi-final foi frente à britânica Kelly Staddon e a portuguesa despachou o serviço em pouco mais de um minuto com uma vitória clara por ippon, embora o árbitro não tenha indicado a vantagem máxima numa primeira instância. A prata estava garantida mas não era suficiente.

 

Na final, esperava-a a sérvia Andrea Stojadinov, de apenas 17 anos mas que, com apenas 16 já tinha ganho a sua primeira (e única, até ao momento) prova internacional de seniores (uma taça da Europa, em casa - Belgrado).

A sérvia chegava ao derradeiro combate com mais dois minutos no total dos combates e ainda enfrentava Siderot, mais experiente e favorita.

A judoca do Sporting não tardou a mostrar que estava ali para ganhar e, sensivelmente a meio do combate, já havia marcado waza-ari por três ocasiões.

Apesar das investidas da sérvia, a experiência e calma de Siderot foram fundamentais para levar o combate até final, permitindo apenas um waza-ari, garantindo assim o título europeu de sub-23, com um ippon em cima do último segundo do combate.

 

Muitos parabéns à nossa MG e já agora, também à Joana Diogo, que não veste as nossas cores mas também subiu ao pódio para receber uma medalha de bronze.

 

Vídeo da final (começa aos 5h09'00''):

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

Mais sobre mim

imagem de perfil