Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

Hoje joga o Sporting

O Vitória sadino apresenta-se em Alvalade após um empate na ronda inaugural, em casa, frente ao Moreirense.

Vasco Fernandes, defesa central expulso na 1ª jornada do campeonato, será baixa para José Couceiro que deverá chamar Pedro Pinto para o seu lugar.

 

O Sporting é favoritíssimo para o encontro de hoje à noite e até a história mostra isso mesmo. Vencemos os últimos seis jogos para o campeonato em casa e nos últimos quatro jogos para o campeonato (em casa e fora) o "score" é de 16-0.

 

Apesar dos rumores sobre as saídas de William e/ou Adrien, confio que ambos estarão no "onze" e que Jesus apresentará a melhor equipa à sua disposição. Visto que William se encontra castigado para a Champions, menos sentido ainda faria que não fosse utilizado por causa de uma possível futura transferência, a menos que o comprador já tenha pagado a cláusula de rescisão do luso-angolano.

 

Teorias à parte (para já ainda ninguém saiu), o Sporting tem mais do que obrigação de vencer este Vitória e, na minha opinião, a lateral direita dos sadinos é o flanco a explorar. Acuña deverá estar em grande destaque e aposto que Bas Dost voltará aos golos.

Ainda assim, percebe-se que Jesus teste a equipa sem William, visto que estará inapto para defrontar o Steaua. No entanto, na minha opinião, a sua influência na equipa desaconselha mais uma invenção de Jesus, sobretudo quando não se podem perder pontos, muito menos em casa.

 

Talvez Podence jogue de início, num encontro onde acho que seria importante dar confiança a Iuri Medeiros, embora desconfie que Jesus voltará a deixá-lo na bancada.

Seja como for, é para vencer e convencer.

Na terça-feira estarei em Alvalade para o jogo da Champions, frente a mais um adversário perfeitamente ao nosso alcance que, embora anseie por voltar à Champions, voltou a mostrar o que realmente vale ao empatar em casa com o 10º classificado do campeonato romeno.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Podem contar com Noce

Hoje a Volta a Portugal dá descanso aos ciclistas do pelotão e é tempo de fazer um rescaldo das primeiras 6 etapas (mais prólogo).

Não há dúvidas do poderio da W52/FCPorto. Têm dominado a Volta a seu bel-prazer e, talvez por isso, seja de espantar que a vantagem não seja maior para os principais candidatos dos rivais.

Os portistas colocam neste momento três ciclistas no top 5 da classificação geral individual e só um super Rinaldo Nocentini (SPORTING / TAVIRA) e um insistente Vicente de Mateos (Louletano / Hospital de Loulé) têm furado o domínio total dos de azul-e-branco.

Raul Alarcón, com duas vitórias em etapas lidera a Volta, com o seu chefe-de-fila, Gustavo Veloso, neste momento em 5º lugar, a 39 segundos de distância.

 

O revés que representou a ausência de Joni Brandão desta Volta a Portugal foi agravado pelas múltiplas quedas de Frederico Figueiredo, que era suposto que fosse um dos suportes de Nocentini nos terrenos montanhosos. Alejandro Marque tem-se revelado com falta de pernas e, assim, Nocentini tem-se visto sozinho a lutar frente ao comboio dos portistas que, mesmo nas chegadas em alto, ataca o final das tiradas com três ou quatro ciclistas colocados na frente.

O terceiro lugar de ontem e a respectiva bonificação permitiu a Nocentini ir para o dia de descanso com um ligeiro ganho face ao líder da classificação geral, dando novo alento ao italiano e a nós, Sportinguistas.

"Noce" tem sido um verdadeiro leão a lutar entre dragões com chamas nas bicicletas e nem o incidente de anteontem, onde disse ter sido impedido por Raul Alarcón de disputar o sprint no final da etapa, o impediu de voltar a ir à luta pelos lugares de bonificação.

 

O que é certo é que, praticamente sozinho, o chefe-de-fila do Sporting / Tavira têm dado água pela barba aos azuis-e-brancos e, não fossem as bonificações, estaria agora a escassos 9 segundos da liderança da Volta.

Amanhã haverá nova chegada em alto e, na 2ª feira, após uma etapa que se espera mais tranquila, o pelotão enfrentará a subida à Torre (Serra da Estrela), seguida de mais três contagens de montanha, uma delas coincidente com a chegada, na Guarda.

 

Vamos,Noce! Força nas canetas!

Sigam-me no facebook e no twitter.

Nelson de bronze!

Sei que a ambição do Nelson não tem limites e que, embora satisfeito com o resultado obtido, não ficou convencido com a marca que atingiu.

Porém, é este o nível actual de Nelson Évora. Claro que acredito que possa "sacar" um salto de 17.40 metros mas, aos 33 anos, há coisas que só a juventude traz e o Nelson não só é dos mais velhos como já não está no patamar que atingiu há uns anos atrás.

Os anos 2007, 2008 e 2009 já não voltam e não perspectivo que possa voltar a saltar mais de 17.70 metros. O seu recorde pessoal data de 2007, quando se sagrou campeão mundial com um salto de 17.74 metros.

 

Ainda assim, Évora parece conhecer a poção da juventude. Aos 33 anos compete com jovens dos 19 aos 27 (a idade do novo campeão mundial, Christian Taylor) como se fossem da mesma idade. 

Nesta final, entre os últimos oito apenas Évora e Copello estavam acima da fasquia dos 30 anos. Os restantes tinham menos de 27 anos, sendo que três deles têm ainda 18, 22 e 23 anos.

Há dois anos Nelson Évora venceu o bronze nos mundiais de Pequim com um salto acima dos 17.50 metros. Não saltava acima dessa marca em competições importantes desde 2009.

 

Não sei se alguma vez voltará a fazer mais do que os 17.50 metros mas uma coisa é certa: Nelson Évora é sempre um nome a ter em conta e ontem voltou a prová-lo.

A prova correu-lhe de feição. Ao segundo salto já estava em posição de medalha de bronze e ir para os três saltos finais com a possibilidade de gerir a prova, vendo saltar antes dele todos os rivais directos era claramente uma vantagem e um decréscimo de pressão se as coisas lhe corressem de feição.

Évora saberia que as marcas atingidas por Taylor e Claye ao terceiro ensaio não estavam ao seu alcance e, assim, controlou a prova com a serenidade que lhe confere a sua experiência.

Vendo que ninguém chegava à sua marca, o atleta do Sporting foi arriscando, na expectativa que a tal marca extraordinária lhe saísse. Não saiu, mas valeu a pena tentar (acabou por fazer dois nulos e um salto muito mau, quando já sabia que o bronze era seu).

 

Apenas para enquadrar, só o recorde pessoal de Nelson Évora daria para ganhar a prova de ontem. Todas as marcas obtidas ao longo da carreira teriam sido insuficientes para bater Taylor.

A prestação do português no triplo-salto do campeonato do Mundo de Londres foi, a meu ver, extraordinária e, neste momento, é difícil prever quando deverão deixar de contar com ele para as medalhas. 

 

Nelson Évora esta aí para ficar. É duro e, se lhe querem comer a carne, terão de roer os ossos. 

Parabéns, Nelson! A medalha também é nossa mas o mérito é todo teu!

Sigam-me no facebook e no twitter.

Mais sobre mim

imagem de perfil