Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

Os leões do ano

FUTEBOL

JOGADOR DO ANO

JOGADOR REVELAÇÃO DO ANO

MODALIDADES

ATLETA DO ANO

ATLETA REVELAÇÃO DO ANO

EQUIPA DO ANO

TREINADOR DO ANO

Sigam-me no facebook e no twitter.

Dupla Bola de Ouro

Impossível passar ao lado da eleição, pela quarta vez, de Cristiano Ronaldo como melhor jogador do Mundo. Neste momento é o segundo de sempre com mais distinções e coloca Portugal no segundo lugar de países com mais vencedores do prémio, apenas a uma eleição de Alemanha e Holanda.

O ano fantástico do Real Madrid e da selecção nacional Portuguesa fez com que o júri não tenha tido dúvidas, dando a Ronaldo a distinção com mais do dobro de votos que o segundo classificado, Leo Messi.

 

Nota de destaque, não menos importante para Rui Patrício. Surge no 12º lugar da lista final, com 6 votos.

Recordo que a lista final contemplava 30 nomes e onze deles não receberam qualquer voto. Nomes como Agüero, Iniesta, Müller ou Sérgio Ramos viram o seu nome "ignorado" e isso valoriza ainda mais o guarda-redes do Sporting, o segundo melhor guarda-redes do Mundo, visto que Buffon acumulou 8 votos, os mesmos que Pepe.

Mesmo que estes factos continuem a passar despercebidos à maioria da comunicação social nacional, é inegável que o estatuto de Rui Patrício neste momento é este, entre os melhores do Mundo da sua posição.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Rui Patrício entre os 30 melhores do Mundo em 2016

Deixo alguns factos sobre a Bola de Ouro e os portugueses:

 

- Desde 2007 que Cristiano Ronaldo era o único português presente na lista final de candidatos a melhor jogador do Mundo (as listas variaram entre 23 e 34 jogadores)
- Desde 2004 que nenhum jogador do campeonato português era nomeado para o prémio (Deco, Ricardo Carvalho e Maniche)
- A lista deste ano, com Rui Patricio, Pepe e Cristiano Ronaldo, é a mais representativa para as cores portuguesas desde a de 2004, onde aos 3 já citados se juntaram Luís Figo e Cristiano Ronaldo.
- O último jogador do Sporting presente nesta lista havia sido também um guarda-redes (Peter Schmeichel, em 1999)
- Desde 1999, apenas num ano não esteve nomeado um jogador formado no Sporting (Luís Figo e/ou Cristiano Ronaldo estiveram em 16 das últimas 17 listas)

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Somos campeões da Europa

Não vou elogiar a capacidade de liderança de Fernando Santos nem de Cristiano Ronaldo. Não elogiarei novamente a nossa capacidade de entrega, união e solidariedade dentro e fora de campo. Fomos um e foi por isso que vencemos.

 

Podia dizer muitas das coisas que já disse mas, quem me segue, sabe o que penso deste trajecto e da forma como soubemos construir em cima do erro que foi a nossa fase de grupos.

 

Hoje, o sonho é real. Somos campeões da Europa e fomo-lo da forma mais trágica possível. Uma verdadeira tragédia à grega, em que estivemos, desta vez, do lado certo.

 

Defendemos a maior parte do tempo, tivemos uma pontinha de sorte, fomos competentes e eficazes. Esta final começa a ser ganha naquela defesa de Rui Patrício ao cabeceamento de Griezmann. A verdadeira união surge após a enorme contrariedade que é ficar sem o melhor e mais decisivo jogador com pouco mais de 10 minutos jogados. Aquela mão divina esteve lá quando aquele remate de Gignac esbarrou no poste e não entrou. A justiça fez-se quando Nuno Gomes encarnou em Éder e a bola beijou as redes de Hugo Lloris.

 

Retiro tudo o que disse de Éder. Condescendo aquilo que critiquei no estilo de jogo escolhido pelo seleccionador. A fórmula revelou-se vencedora, porque todos acreditaram nela, inclusive os adeptos.

 

Embora não me agrade por aí além a nossa forma de jogar, Fernando Santos merece orientar Portugal no próximo Mundial e, mantendo ou não este modelo de jogo, terá o meu apoio. No final, veremos se se abre ou não um novo ciclo.

 

Uma coisa é certa. Talento não vai faltar ao treinador nacional e a tarimba que todos ganharam com esta vitória pode ajudar para criar uma onda vencedora. Saibamos nós construir em cima desta vitória. Uma tarefa mais difícil do que quando se tenta construir em cima do insucesso.

 

Deixo um aparte de clubite para o final. Ver 10 jogadores da formação do Sporting chegar ao topo da Europa e comportarem-se como homens é um orgulho tremendo. Saber que 4 deles ainda nos representam, aumenta a crença no futuro imediato. Ver 1 jogador da formação do rival comportar-se como um puto estúpido, fazendo piadas clubísticas, falando na primeira pessoa do singular e desprezando a ausência de Ronaldo no jogo (algo que nenhum outro fez), diz muito daquilo que apregoamos serem as diferenças entre os formados num lado e noutro. É ver onde ele anda daqui a um ano...

 

Viva Portugal!

 

Nota: Amanhã começa o Euro sub-19, mais um título que Portugal nunca venceu, embora já tenha jogado finais. 

Nota2: Que role a bola dos verde-e-brancos que eu já tenho saudades.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Um domingo perfeito: os maiores da Europa

Sara Moreira vence ouro na meia-maratona dos Europeus de Atletismo e Jéssica Augusto o bronze na mesma prova.

Os contornos trágicos, à boa maneira portuguesa, vinham de há dois dias, quando Sara Moreira desistiu da prova dos 10000 metros, num momento em que se encontrava em 4º e já sem hipóteses de alcançar as medalhas. Também à boa maneira portuguesa, Sara fez das fraquezas forças e voltou mais forte, após umas noites que, certamente, não terão sido tranquilas. O foco e a vontade de fazer mais e melhor, valeram-lhe o topo da Europa, numa prova que dominou por completo.

 

Patrícia Mamona vence ouro na prova do triplo-salto dos Europeus de Atletismo.

A prova de Patrícia Mamona teve também os seus momentos trágicos. Começou com um salto nulo, ao terceiro salto era 3ª, começou a segunda série de três saltos com dois nulos e, à partida para a última ronda, mantinha-se em posição de medalha de bronze. A luta parecia ser entre Mamona, a israelita e a grega mas, no último salto antes destas três saltarem, a polaca salta para o 3º lugar e atira a Patrícia para fora do pódio. No salto seguinte, tivemos resposta de campeã. Com uma chamada a 9 centímetros da tábua, Patrícia Mamona bate o recorde nacional e arrebata o ouro, apenas confirmado após os dois saltos das restantes adversárias. Fantástico!

 

Portugal sagra-se campeão da Europa de futebol pela primeira vez.com 10 jogadores da formação do Sporting, quatro deles ainda em representação da maior potência desportiva nacional. Os meus parabéns a todos, em especial aos 10 formados na Academia e em particular aos quatro que havemos de receber em breve para o início dos trabalhos de início de época do Sporting Clube de Portugal (Rui Patrício, William Carvalho, Adrien Silva e João Mário).

Para não variar, mais um jogo com contornos cinematográficos. A lesão de Cristiano no início do jogo, as defesas sucessivas de Rui Patrício, a bola ao poste da nossa baliza aos 91 minutos, a bola na trave da baliza de Lloris, já no prolongamento e o fantástico golo de Éder aos 109 minutos selaram uma vitória histórica e um feito único para o nosso futebol.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

A influência da formação do Sporting no século XXI

Desde 2000, ano em que Portugal se tornou num habituée em fases finais de grandes competições que o 'peso' da formação do Sporting na 'equipa de todos nós' se vem acentuando.

 

Observem o gráfico com os formados no Sporting em cada convocatória de 23:

Formados SCP grandes competições.png

2000 - Beto e Luís Figo - 2

2002 - Marco Caneira, Beto, Luís Figo e Hugo Viana - 4

2004 - Nuno Valente, Beto, Luís Figo, Simão Sabrosa e Cristiano Ronaldo - 5

2006 - Marco Caneira, Nuno Valente, Luís Figo, Hugo Viana, Simão Sabrosa, Cristiano Ronaldo e Luís Boa Morte - 7

2008 - Rui Patrício, João Moutinho, Miguel Veloso, Simão Sabrosa, Cristiano Ronaldo, Nani, Ricardo Quaresma e Luís Boa Morte - 8

2010 - Beto (GR), Miguel Veloso, Simão Sabrosa e Cristiano Ronaldo - 4

2012 - Rui Patrício, Beto (GR), Miguel Veloso, Custódio, João Moutinho, Hugo Viana, Ricardo Quaresma, Simão Sabrosa, Nani e Cristiano Ronaldo - 10

2014 - Rui Patrício, Beto (GR), Miguel Veloso, William Carvalho, João Moutinho, Cristiano Ronaldo, Nani e Silvestre Varela - 8

2016 - Rui Patrício, José Fonte, Cédric Soares, William Carvalho, Adrien Silva, João Moutinho, João Mário, Nani, Cristiano Ronaldo e Ricardo Quaresma - 10

 

São 21 jogadores que nestes 16 anos foram parte integrante de grupos maioritariamente bem sucedidos, com 'campanhas' em que chegámos a 2 finais, 5 meias-finais e onde só por duas ocasiões não ultrapassámos a fase de grupos.

 

Juntos perfazem quase um milhar de internacionalizações (973). São, em média, 46 internacionalizações por jogador, 3 em média por fase final, significando isto que a grande maioria dos seleccionados formados no Sporting tiveram sempre um papel importante dentro dos grupos escolhidos para as grandes competições, fazendo cada um, em média, o equivalente a uma fase de grupos por fase final.

 

Cristiano Ronaldo (7 fases finais) - 132 internacionalizações (33 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Luís Figo (5 fases finais) - 127 internacionalizações (30 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Nani (4 fases finais) - 102 internacionalizações (17 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

João Moutinho (4 fases finais) - 89 internacionalizações (17 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Simão Sabrosa (5 fases finais) - 85 internacionalizações (17 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Ricardo Quaresma (3 fases finais) - 56 internacionalizações (8 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Miguel Veloso (4 fases finais) - 56 internacionalizações (11 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Rui Patrício (4 fases finais) - 51 internacionalizações (12 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Nuno Valente (2 fases finais) - 33 internacionalizações (11 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Beto (3 fases finais) - 30 internacionalizações (5 jogos em Europeus e/ou Mundiais) 

Hugo Viana (3 fases finais) - 29 internacionalizações (2 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Luís Boa Morte (2 fases finais) - 28 internacionalizações (1 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Silvestre Varela (1 fase final) - 27 internacionalizações (5 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Marco Caneira (2 fases finais) - 25 internacionalizações (1 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

William Carvalho (2 fases finais) - 24 internacionalizações (6 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

João Mário (1 fase final) - 17 internacionalizações (6 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

José Fonte (1 fase final) - 15 internacionalizações (3 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Cédric Soares (1 fase final) - 14 internacionalizações (3 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Adrien Silva (1 fase final) - 12 internacionalizações (3 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Beto (GR) (2 fases finais) - 11 internacionalizações (2 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

Custódio (1 fase final) - 10 internacionalizações (3 jogos em Europeus e/ou Mundiais)

 

No top 10 dos mais internacionais de sempre, quatro foram formados no Sporting (Cristiano Ronaldo, Luís Figo, Nani e João Moutinho) e, em breve, o top 3 será totalmente preenchido por jogadores formados na maior escola de Portugal (Cristiano Ronaldo e Luís Figo são os líderes e Nani está a apenas 8 jogos de Fernando Couto, o actual terceiro da tabela). Apenas 5 dos integrantes do top 10 se mantêm em actividade (Cristiano Ronaldo, Nani, Ricardo Carvalho, Bruno Alves e João Moutinho).

 

Só Ricardo Carvalho se intromete entre os jogadores com mais internacionalizações em fases finais (21). O restante top 6 é composto por Cristiano Ronaldo (33), Luís Figo (30) e Nani, João Moutinho e Simão Sabrosa (todos com 17).

 

Naturalmente, não fiz contabilidade idêntica para os rivais, afim de aferir se a diferença é assim tão grande mas, a "olho nu", parecem não restar dúvidas da importância da formação do Sporting no sucesso da selecção no século XXI.

 

Claro que este dado estatístico pretende apenas dar o devido e merecido destaque que tão poucas vezes se vê referido na comunicação social portuguesa, não ignorando a importância de todos os outros clubes que 'abastecem' a selecção nacional até porque, quando joga a selecção, não há clubes em campo mas sim apenas uma nação.

 

Amanhã, espero por um feito histórico mas não nego o orgulho extra que será atingir esse feito com 10 jogadores formados no meu Clube.

 

Força, Portugal!

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Estamos nas meias

É justo fazer uma referência histórica: em 7 presenças em campeonatos da Europa, esta é a 5ª vez que atingimos as meias-finais. Quatro delas neste novo milénio (2000, 2004, 2012 e 2016).

Não somos um país com a densidade populacional de outros mas temos uma qualidade ímpar no futebol. Ninguém na nossa condição apresenta esta consistência de resultados.

 

A verdade é que jogámos pouco. Mais uma vez fizemos uma exibição menos conseguida.

A Polónia revelou-se uma equipa mais fraca que a Croácia e só marcou um golo porque soube aproveitar um erro individual que resultou num desposicionamento geral de toda a linha defensiva. De resto, não conseguiram importunar Rui Patrício, tal como Portugal pouco importunou Fabianski.

 

Nunca uma equipa chegou às meias-finais sem vencer um jogo em 90 minutos e isso diz muito do nosso 'estilo'. É certo que temos valor individual para jogar melhor em termos colectivos mas não é menos verdade que, adoptado o estilo escolhido por Fernando Santos, não há volta a dar. Não é a meio de uma competição que se abdica da estratégia escolhida para ser bem sucedido, muito menos quando, mesmo que por vezes mal executada, esta resulta.

 

Dificilmente alguma equipa poderia almejar o sucesso jogando com dois avançados que são extremos e dois médios-centro adaptados a médios-ala e nós temos contrariado isso. E temo-lo conseguido sobretudo porque, faltando tudo o que já referi, há entreajuda, união, espírito de conquista e uma pontinha de sorte.

Tudo isto aliado a um conjunto de jogadores talentosos que, sabendo que não terão muito mais oportunidades para vencer um campeonato da Europa, estão dispostos a sacrificar-se em prol do colectivo. Sobretudo Nani e Cristiano Ronaldo, que têm sido inexcedíveis, cumprindo como podem funções que não são as suas, rendendo menos por esse motivo e mesmo assim tendo capacidade para ajudar o grupo com o seu talento. Quaresma, outro dos virtuosos, também tem sabido colocar-se ao dispor, em prol de um bem comum, que pode fazer desta geração a mais bem sucedida de sempre do futebol português.

 

João Mário não tem mostrado o jogador que é (foi frente à Hungria, com funções próximas das que habitualmente desempenha que melhor se mostrou) e é mais um que, defensivamente, tem cumprido com aquilo que são os equilíbrios do meio-campo. Meio-campo onde se têm destacado William e Adrien (e que falta fará William no próximo jogo).

 

Depois, a surpresa que é ter Renato Sanches, um box-to-box, como o maior agitador do nosso jogo. Uma estranha 'forma de vida' que lhe dá nesta estratégia um protagonismo que não teria com um modelo de jogo mais ofensivo e de ataque organizado e continuado. Quando se esperava que os momentos de maior imprevisibilidade surgissem dos pés de Ronaldo e Nani, é Renato que aparece a desequilibrar as defensivas contrárias. Erra muito (sobretudo no passe, porque arrisca demais), mas insiste. Tem algo que só os bons têm: persistência e confiança. Mas tem de melhorar muito a sua prestação defensiva se quer cumprir o que promete. São inúmeras as vezes que se abstém de defender, colocando colegas em dificuldades, obrigados a defender em inferioridade numérica. Marcou um bom golo, numa acção em que é competente, mas onde todas as posições perecem trocadas. Um movimento tão natural em Nani e Ronaldo, tem de ser efectuado pelo Renato apenas porque não temos um ponta-de-lança em França (o Éder não conta).

 

Depois, Pepe. Está a fazer um Europeu de grande nível, sobretudo nesta fase a eliminar. Melhorou muito o seu posicionamento com a presença de José Fonte, que me parece domesticar melhor a impulsividade do luso-brasileiro. Ontem foi imperial e o melhor em campo, a léguas de todos os outros.

 

Há outra coisa que tenho de referir. Por mais incrível que pareça a estratégia de Fernando Santos, denotando ambição desmedida com tão fracos argumentos tecnico-tácticos, os jogadores parecem começar a acreditar verdadeiramente que podem ser bem sucedidos desta forma. E este é o nosso maior trunfo neste momento. Jogadores de topo mundial acreditam que podem ter sucesso jogando como underdog e estão dispostos a passar despercebidos para fazer de Portugal campeão europeu.

 

Por fim, a frieza. A frieza e a qualidade de todos quantos converteram em golo a sua grande penalidade e de Rui Patrício, que fez aquilo que tantas vezes o vemos fazer no Sporting. Defendeu um dos penaltis e eu gritei: "RUUUUUUUUUUUUI". Aposto que muitos de vós também. A verdade é que a defesa de Rui Patrício é impressionante e não mereceu o destaque que lhe devia ter sido dado.

 

 

Estamos nas meias e, citando o nosso Cristiano Ronaldo, "agora tudo é possível".

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Os convocados para o Euro

13094273_10153478161016555_3715424750760630944_n.j

Não foram muitas as novidades nos escolhidos de Fernando Santos para o Europeu de França que se inicia no próximo 10 de junho.

O lote de guarda-redes não surpreende. Aos já esperados Rui Patrício e Anthony Lopes junta-se Eduardo, que ultrapassou Beto, talvez prejudicado pelas lesões recentes.

Na defesa não há novidades. Ao quarteto de centrais experientes (Ricardo Carvalho, Pepe, Bruno Alves e José Fonte) juntam-se Cédric, Vieirinha, Eliseu e Raphaël Guerreiro. Eu teria levado Antunes, um lateral com características semelhantes a Eliseu, titular no actual campeão ucraniano que, a meu ver, dá mais garantias defensivas.

No meio-campo surge a única novidade da convocatória. A presença de Renato Sanches surpreende porque deixa de fora jogadores como Pizzi (mais adequado para substituir Bernardo Silva) ou André André (que daria mais versatilidade ao nosso meio-campo) e é, a meu ver injusta para os referidos e incompreensível na óptica das necessidades da selecção. Assim, vamos para França com 3 trincos (William Carvalho, Danilo Pereira e Renato Sanches), 3 médios de transição (Adrien Silva, João Moutinho e André Gomes) e um médio criativo ou um 10, se assim preferirem (João Mário).

Na frente, o esperado. Aos consagrados Cristiano Ronaldo, Ricardo Quaresma e Nani, acrescenta-se a qualidade de Rafa Silva e à falta de um avançado, vai Éder, como tem ido quase sempre, embora ninguém perceba a sua utilidade. Não sei se mais valia aproveitar o regresso de Postiga, que sempre faz de 'pino' com mais qualidade.

Resta esperar pelo início dos jogos de preparação para perceber a disposição táctica da equipa, que deve assemelhar-se à apresentada nos últimos jogos particulares.

Desejo um grande campeonato da Europa e que ninguém volte lesionado.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

O Rei fica

Haveria melhor notícia em véspera de derby? Dificilmente.

Renovar com Rui Patrício não só é da mais elementar justiça como é um excelente acto de gestão.

Da parte do Rui (ou Rei) é um acto de gratidão, dedicação, amor, mas ao mesmo tempo de inteligência.

A vida de um guarda-redes não é como a de um jogador 'de campo'. Tem as suas particularidades e o Rui tem sabido gerir da melhor forma a sua carreira.

Claro que, como o próprio diz, passou mais tempo no Sporting que em casa dos pais. O Sporting é a sua segunda casa. Mas, certamente, teve hipóteses de sair. Provavelmente ganhando mais qualquer coisa do que aquilo que o Sporting lhe pode pagar mas dificilmente defenderia as redes de um Clube da dimensão do Sporting com as certezas de manter os seus objectivos de carreira intactos.

Veja-se, por exemplo, o caso de Victor Valdés. Pese embora a grave lesão, quisesse ele, e continuava hoje a defender as redes do Barcelona. Escolheu sair e é público o que tem atravessado nestas duas épocas.

Uma má escolha podia arruinar a carreira do Rei. Não é comodismo mas sim inteligência.

O Rui gosta do Sporting, sente-se bem no Clube, é um símbolo do mesmo, o Clube dá-lhe tudo, permite-lhe jogar ao mais alto nível e manter o seu lugar na selecção.

O que pode Patrício pedir mais?!

Títulos! Bastam títulos de leão ao peito para que a sua carreira seja brilhante e, este ano, pode conquistar com toda esta incrível nação leonina o mais alto galardão nacional.

Eu quero o Sporting campeão e o Rui Patrício para sempre leão!

O Rei da Europa

Não foi o mais feliz, o jogo que marcou na história o nome de Rui Patrício, a partir de ontem o jogador com mais jogos europeus pelo Sporting.

No entanto, em todo este trajecto não faltam momentos felizes ou simplesmente marcantes.

Eu escolhi cinco.

A ESTREIA

Sobretudo na fase em que foi, poucos escolheriam melhor palco para se estrearem nas competições europeias. Em Old Trafford, o "Teatro dos Sonhos", a estreia esteve perto de ser abrilhantada com pontos. Não fosse Cristiano Ronaldo estragar-nos a festa, já nos descontos. Os comentários no vídeo que se segue, atestam a boa exibição de Patrício.

AQUELE GOLO

Sim, o golo não lhe foi atribuído mas, para mim, é como se fosse dele. Frente ao Twente, na Holanda, jogava-se o acesso ao play-off que podia garantir a presença na Champions de 2009/10. Nos descontos, Rui Patrício subiu à área e colocou-nos na fase seguinte, onde haveríamos de ser eliminados da mesma forma que lá havíamos chegado, o desempate pelos golos fora de casa.

A HUMILHAÇÃO DE MUNIQUE

Não deixa de ser marcante. Foi humilhante mas foi também a única participação do Sporting nos oitavos-de-final da prova, desde que adquiriu o novo formato. Após uma bela fase de grupos, o sorteio foi do mais aziago que podia ser. Caímos redondos, humilhados, mas mostrámos valor para lá chegar. Patrício contribuiu para isso. Nesta noite, nem ele nos valeu...

AQUELA DEFESA

Manchester, 15 de Março de 2012, um dos momentos em que dava tudo para ter lá estado. Rui Patrício esteve e fez "a defesa", aquela que impediu que uma vantagem de 3-0 na eliminatória terminasse em eliminação no último lance do jogo. Defendeu, e o Sporting eliminou o milionário Manchester City que tinha 'aviado' por Porto por 6-1 na eliminatória anterior.

A AFIRMAÇÃO DE UM DOS MELHORES DO MUNDO

Não ganhámos mas Rui Patrício foi um autêntico muro. No ano passado o Chelsea de José Mourinho ganhou em Alvalade 1-0 mas Rui Patrício merecia um resultado positivo, que bem podia ter acontecido, não fosse o penalti de Fabregas sobre Carrillo que David Borbalán não assinalou. Foi uma demonstração clara de que dispomos de um dos melhores guarda-redes do Mundo.

O trio maravilha

É um facto indesmentível: Rui Patrício, Adrien e Slimani são a alma e o coração da equipa do Sporting.

Há outros jogadores importantes e até determinantes mas são estes que elevam os níveis de superação e entrega ao limite.

Curiosamente (ou não), nenhum deles esteve ontem em campo. O resultado, já todos sabemos qual foi.

São eles que, quando as coisas não correm bem, levantam a moral da equipa e a trazem do inferno ao céu.

Ontem foi sobretudo isso que faltou. Faltaram em campo as alavancas anímicas que fazem com que toda a equipa acredite sempre.

Sábado, certamente estarão lá os três e espero que nem seja necessário que coloquem em prática os seus 'dotes'.

SPORTING CP 3-2 Braga: uma 'remontada' épica

Eu tinha avisado ontem...o Braga sabe defender e, connosco, fê-lo em bloco baixo, só arriscando pressionar no próprio meio campo.

Eu tinha avisado...o Braga sabe jogar em ataque rápido, usa para isso processos simples e tem jogadores rápidos e de qualidade que ajudam (e muito) a dar-nos alguns calafrios.

Foi assim que, sem qualquer problema, entregaram o domínio total do jogo ao Sporting e se limitaram a tentar chegar à área de Rui Patrício em jogadas rápidas, aproveitando bem alguns erros a que o nosso estilo de jogo é propenso.

Os primeiros lances de perigo surgem de duas desatenções de Jefferson e William Carvalho. Na primeira, Wilson Eduardo não acertou na baliza. Na segunda, Rui Patrício teve de mostrar serviço.

Na primeira parte, ofensivamente, o Braga só existiu nestes primeiros cinco minutos e nos últimos cinco (pena que com efeitos diferentes dos que acabei de mencionar).

Entre estes dois períodos, as melhores situações de golo foram do Sporting, por João Mário, que só não finalizou melhor porque a bola lhe sobrou para o pior pé, por Slimani, que complicou uma finalização que se queria simples e por Paulo Oliveira, que cabeceou de forma violenta ao poste da baliza de Kritciuk, que havia defendido as duas ocasiões anteriores.

Já diz o povo que, quem não marca, sofre. E assim foi.

Ambos os golos que haveriam de colocar o Braga em vantagem por 0-2 ao intervalo têm um denominador comum: Jefferson, que num deles tem a 'colaboração' de Adrien e no outro de William Carvalho.

No primeiro golo, o alívio de William é o possível, tendo em conta a trajectória da bola e o posicionamento do jogador (correcto, diga-se). O resto, é 'sono' de Jefferson (que se deixa antecipar) e Adrien (que está demasiado longe de Wilson para que possa estorvar a sua acção).

Curiosamente, é no momento do 0-2 que o Sporting começa a vencer o jogo. Imediatamente após o golo de Rafa (que também tem mérito do próprio e de Rui Fonte, que desposiciona totalmente Paulo Oliveira) o vulcão de Alvalade mostrou a sua força e a palestra de Jorge Jesus começou com aquelas gargantas a cantar "Só eu sei, porque não fico em casa".

Os adeptos sabiam que ia valer a pena e, na segunda parte, os jogadores acabaram por fazer valer o bilhete.

Era preciso arriscar para virar um resultado de dois golos frente a este Braga e Jorge Jesus não esperou. William ficou no balneário (porque já tinha amarelo e era, naquela altura, o elemento mais 'descartável' do nosso meio-campo).

Jesus sabia que a pressão ia fazer moça e que Gelson ia ser importante para isso.

A segunda parte é poética.

A toada do jogo não se altera. O Sporting domina e o Braga tenta explorar o ataque rápido, nunca com mais de três homens.

A primeira oportunidade, não estava ainda completo o terceiro minuto, esteve nos pés de Ruiz, servido por Slimani, que havia recebido de Gelson. Tal como nas oportunidades anteriores, o ressalto vindo do guarda-redes não nos é favorável mas estava dado o primeiro aviso.

Logo a seguir, Pedro Santos volta a por Patrício à prova, após mais um deslize (literalmente) de Jefferson. O Braga mostrava também que estava pronto a aproveitar os nossos erros.

Quase dez minutos de futebol algo atabalhoado de ambas as partes e Jesus percebe que este não é o dia de Bruno César. Fredy Montero está na linha lateral, preparado para entrar, quando o cruzamento de Gelson é travado pelo braço de André Pinto. Grande penalidade bem assinalada, que Adrien não desperdiça. Mais do que nunca, as esperanças reacendem. Grita-se o amor ao Sporting! É possível!

Montero entra para o lugar de 'chuta-chuta'. O golo não altera nada. Ainda estamos em desvantagem.

Na primeira vez que toca na bola, Montero isola Slimani. Kritciuk chega primeiro.

Neste momento, o Braga já abusa do anti-jogo. Era um bom sinal. Sentiram o golo. Fonseca troca de avançados. Nada muda na estratégia do Braga.

Montero tenta um passe picado, ganha a segunda bola e ataca a área. Segunda grande-penalidade, desta vez não assinalada mais uma vez com um jogador do Braga a jogar a bola com a mão no interior da área (desta vez foi Ricardo Ferreira).

Ruiz coloca de bandeja na cabeça de Slimani, mesmo como ele gosta. O argelino desperdiça, o público desespera, o Braga respira de alívio. A pressão está a subir de tom.

Montero tenta mais um passe picado. Não resultou mas eu sentia a sua confiança.

Minuto 70. Mais um aviso. Gelson combina com Ruiz, remata, o russo defende e, na recarga, Slimani volta a acertar no boneco. Está quase...já cheira a golo em Alvalade!

João Mário tem uma entrada dura que devia ter valido cartão amarelo. Não vou discutir nem esmiuçar a arbitragem mas, para os lampiões (sejam do sul ou do norte) que exigiam a expulsão do jogador do Sporting, recomendo que revejam as três faltas de Ricardo Ferreira até ao lance que origina a grande-penalidade não assinalada. E fico-me por aqui.

Wilson Eduardo sai ovacionado após marcar um golo em mais um regresso a 'casa'.

Faltam quinze minutos para o final. 

Para os menos desatentos, o lance do golo de Fredy Montero surge após uma troca de bola de quase um minuto, em que a bola passa pelos três corredores e por nove dos onze jogadores do Sporting em campo (só Rui Patrício e Bryan Ruiz não participaram no lance). Só Fredy Montero transformaria um remate de Jefferson numa assistência, tornando o que parecia difícil em fácil. Pé direito para receber e esquerdo para rematar, sem pedir licença, com a potência e direcção certas. Estava feito o empate e eu estava eufórico. Foi o golo que mais festejei e que mais tranquilo me deixou.

Porquê? Slimani ainda não tinha marcado e tínhamos um quarto de hora para tomar de assalto a baliza dos bracarenses.

Paulo Oliveira tenta o tiro do meio da rua. Sai por cima e está na hora de apostar na qualidade de passe e veia goleadora de Aquilani. João Mário é o 'sacrificado'. Faltam dez minutos para o final.

Seguem-se cinco minutos em que abrandámos a pressão (os homens não são de ferro) e o Braga teve mais bola, embora se sentisse desconfortável com ela. Este momento de jogo haveria de culminar com o recém-entrado Marcelo Goiano a isolar Rafa que, na cara de Rui Patrício viu o guarda-redes leoninio ser aquilo que é...o Rei! Mancha monumental, a mostrar aquilo que vale...pontos.

O Sporting volta a carregar a anunciam-se mais de 42 mil em Alvalade. O melhor, ainda estava para vir.

Patrício emenda um erro de Naldo e antecipa-se a Stojilkovic. Falta um minuto para os 90 e o publico ainda acredita.

Ruiz também e mostra porque é que nunca sai. Mais uma redondinha na cabeça de Slimani que, desta vez, não perdoa e escreve o último verso de um poema épico.

Estava feito o 3-2. Estava virado o jogo em menos de 45 minutos e eu só dizia ao meu puto: "Filho, este ano somos campeões! Este é o ano do Sporting!"

Podia nomear um homem do jogo e vou fazê-lo: Jorge Jesus.

Pela mestria como leu o jogo e mexeu na equipa, pela forma como cantou com os mais de 40 mil, pela forma louca como festejou a vitória.

Jesus é treinador do Sporting de corpo e alma. Vive e entrega-se ao jogo como se jogasse e, embora não tenha marcado um golo, esta vitória é dele. Dele e daqueles 40 e tal mil leões que nunca desistiram e acreditaram sempre.

SPORTING CP 2-0 Porto: Regresso autoritário à liderança

Estava confiante na vitória. Senti-me ansioso durante o dia mas, assim que pus os pés na nossa casa, o vulcão de Alvalade, senti-me calmo.

Aquela calma e tranquilidade fez-me ter ainda mais certeza na vitória. Ouvir 47 mil gargantas a cantar a plenos pulmões "O Mundo sabe que..." fez-me sentir que o destino daquele jogo só podia ser um.

Aquilo que aconteceu ontem em Alvalade, protagonizado pelos adeptos do Sporting foi único e inesquecível!

O Sporting entrou forte, mandão e o Porto agressivo e intenso. Foi uma primeira parte interessante, dividida e com o perigo a rondar ambas as balizas mas onde o Sporting pareceu sempre estar em posição dominante.

O golo de Slimani, após livre cobrado por Jefferson, colocava ainda antes da meia hora justiça no resultado.

Na minha cabeça, a vitória era uma certeza e quando Rui Patrício voltou a mostrar escassos minutos depois porque é um dos melhores do Mundo, tive a certeza que nem seria preciso sofrer, porque a nossa baliza ficaria a zeros.

Parece fácil dizer isto no fim mas, quem viu o jogo comigo, sabe que me cansei de o repetir durante os 90 minutos.

Faltava saber por quantos ganharíamos e foi pena que não tivessem sido mais.

Grande exibição na segunda parte onde, na minha opinião, adensámos o domínio e controlamos perfeitamente o jogo e o adversário, mantendo-o quase sempre longe da nossa área. Soubemos dar os flancos sem nos expor-mos em demasia, protegendo sempre a zona central, onde Naldo foi imperial (não me canso de dizer o quão bom é ter 3 centrais deste nível - já agora, espero que Tobias recupere rápido).

Depois, Adrien, o motor do nosso meio-campo. Não é William que está pior. Adrien é que está uns bons furos acima e consegue muitas das vezes evidenciar-se mesmo sobre o Sir. O meio-campo do Sporting é de grande nível e, mais uma vez, há alternativas credíveis para além destes dois. Voltando a Adrien, a sua exibição teve de tudo: raça, entrega, entreajuda, qualidade, definição e só lhe faltou o golo, naquele remate que esbarrou no poste e João Mário esbanjou na recarga.

Antes disto, já Slimani havia ficado a dever um golo, num gesto técnico deficiente, no lance que parecia de mais fácil definição entre os três flagrantes que teve. No entanto, não posso queixar-me. Dois golos em três oportunidades flagrantes de golo é fantástico e mais do que justo para aquilo que Slimani trabalhou em todo o jogo.

O argelino é um poço de força, energia e entrega. Alia a isso uma cada vez melhor capacidade para definir os lances e prepara-se para dinamitar o seu máximo de golos por temporada ao serviço do Sporting. Hoje, não tenho dúvidas que Slimani está na 2ª linha de pontas-de-lança mundiais e que poucos seriam os clubes que enjeitariam a possibilidade de contar com ele nas suas fileiras. É hoje claramente mais jogador do que no ano passado e isso deve-se a Jesus e à capacidade incrível de trabalho do argelino, que lhe permite evoluir todos os dias.

E assim se junta a tríade que, para mim, mais se destacou em mais uma noite mágica em Alvalade, que bateu também o recorde de assistência em jogos oficiais (49382 - o anterior era de 49076): Naldo, Adrien e Slimani, apenas ligeiramente acima de todos os outros, que estiveram sem excepção em bom plano.

Abraços, sorrisos, liderança recuperada e orgulho reposto. O Sporting é novamente e merecidamente líder do campeonato nacional.

Nota final: foi com enorme entusiasmo e alegria que aplaudi e recebi a nossa equipa de ciclismo durante o intervalo. É um sonho concretizado e, certamente, estarei por esse Portugal a saudar os leões que envergarem a mítica (e linda) verde e branca. Bem-vindos a todos e um obrigado a toda a cidade de Tavira, por se associar à maior potência desportiva nacional!

SPORTING CP 3-1 Besiktas: do 8 ao 80

Uma hora de jogo e não havia meio de desatar a camisa de forças. Para piorar, o Besiktas já ganhava.

Confesso que não acreditava numa possível reviravolta e, a verdade, é que a equipa não dava sinais de ser capaz de a orquestrar.

Acusámos demasiado a pressão de ser um jogo decisivo e ter a carga adicional de não haver poupanças. A responsabilidade era, de facto, acrescida para os 11 que entraram em campo e, a verdade, é que nenhum jogou bem, sobretudo nos primeiros 45 minutos.

João Mário, Adrien, os centrais e Patrício (que mesmo assim nos assustou nos descontos), terão sido os únicos a escapar a uma análise superior a medíocre.

Ao intervalo, a substituição do costume, sempre que algo não está a correr bem à equipa. Percebo e entendo a saída de Montero mas custa-me sempre que seja ele o sacrificado de um onze onde podia ter saído qualquer um.

Jorge Jesus terá puxado as orelhas aos jogadores mas o efeito não foi imediato.

Um erro de João Pereira, mal acautelado pelos que deviam ter-lhe feito cobertura, daria origem ao golo do Besiktas. E nem vale a pena crucificar João Pereira porque neste lance a culpa não morre solteira. João Mário, em zona interior, era a única linha de passe disponível e mesmo que a opção de João Pereira não tenha sido boa, ninguém aplaudiria um 'biqueiro' para a frente se não soubesse que o lance daria golo do adversário. Basta ver a imagem seguinte para comprovar aquilo que digo.

Golo Besiktas.png

Se é possível tirar coisas positivas de um golo sofrido, este foi o caso. A equipa acordou e percebeu que era hora de dar corda às canetas.

Sem clarividência mas com vontade, o primeiro golo acaba por nascer de uma das poucas acções positivas da dupla Ruiz/Slimani (o primeiro assistiu o segundo, que acreditou tanto que até assustou o guarda-redes) até àquele momento.

Se muitos já não acreditavam, acho que todos passaram a ter a certeza que o jogo viraria. O mais difícil estava feito e a confiança voltara a vestir de verde-e-branco. Mérito quase total destes dois que, até ali, tinham sido pouco mais do que zero.

Seguiu-se o melhor momento da equipa, que coincidiu também com a entrada de Teo Gutiérrez, para o lugar de Adrien.

Como disse Quaresma no final, o Sporting estava com vontade e confiança.

Foi assim que partimos para cima dos turcos e bastaram 10 minutos para resolver a questão.

Bryan Ruiz (quem diria), assistido por João Mário, operou a reviravolta e Teo Gutiérrez sentenciou a partida numa excelente jogada individual, antecedida de um passe de Gelson, que viria a dar origem ao momento caricato da noite: o festejo (ou a tentativa) do colombiano.

Depois do segundo, eu, que nem acreditava que pudéssemos ganhar, tinha já a certeza que a vitória não fugiria.

Com os turcos de rastos perante 10 minutos à Sporting, bastou gerir até final e pairou sempre no ar a ideia de que, a haver mais golos, voltariam a ser na baliza de Tolga Zengin.

Tempo para o público aplaudir Slimani e saudar Matheus.

O jogo estava feito e o objectivo cumprido.

Venha o Moreirense!

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal