Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

Espero que a procissão ainda vá no adro

Começo por pedir desculpa a todos os leitores do blog por não ter actualizado os resultados, nem o relatório sobre os emprestados. A vida familiar tem sido mais exigente e não tem sobrado tempo nem para dormir.

 

Vamos agora ao tema que marca a actualidade desportiva nacional, mesmo que não faça na nossa comunicação social o eco que deveria. O "1º Ministro", sabe-se agora com maior grau de certeza, controla todos os "padres" e escolhe os mais "amigos" para celebrar as suas "missas".

Para os mais distraídos, explico a mesnsagem codificada. Sim, o Benfica, através de pessoas que o servem, cometendo ilegalidades várias, escolhe árbitros, controla as suas carreiras, manda (ou, pelo menos, já mandou) no Presidente da Liga e obtém vantagem competitiva com isso.

Sim, obter vantagem competitiva por meios ilícitos dá pelo nome de corrupção e/ou tráfico de influência. Nem todos o dizem mas é a mais pura das verdades.

 

Mas nada disto me surpreende ou choca. Esta é apenas a confirmação daquilo que há muito os adeptos do Sporting (sobretudo) desconfiavam e denunciavam, com provas daquilo que na prática se observava deste esquema de controlo total da arbitragem portuguesa.

 

E agora? Agora, mesmo que nada aconteça ao Benfica ou aos directamente implicados em todo este "sistema" mafioso, estão cá fora, na praça pública, alguns dos motivos que fabricaram o "tetra".

Agora é ver os lampiões a fazer contorcionismo por forma a não terem de desvalorizar cada ida ao Marquês.

Agora é ver que, inevitavelmente, os títulos que ganharam terão o mesmo valor dos do Porto, alimentados a putas e café com leite.

 

Valerá a pena aguardar com expectativa por um desfecho justo, ao contrário do que aconteceu com o Porto e o seu presidente?

Não, não vale. O "polvo" estende a sua teia de influência bem mais longe do que aquilo que se pensa. Não se limita a ter do seu lado os "padres" que decidem os resultados das "missas". O Ministério Público já revelou que abriu um inquérito. Mesmo a tempo de serem eliminadas ou ocultadas provas. Mesmo a tempo de, também aqui, jurídica e criminalmente se passar uma esponja sobre o assunto.

Mas a memória popular, essa, não há esponja que a apague. Este será sempre o tetra da treta, com a ajuda do amigo Mota e restantes "padres" amigos, suportados por tudo um conselho de arbitragem alinhado e manietado pelo "1º Ministro", Luís Filipe Vieira e os seus moços de recados.

 

Espero pelas cenas dos próximos capítulos, por curiosidade, para ver até que ponto isto pode ir e até que ponto as provas são ou não ainda mais incriminatórias. Tomara que pudesse fazer-se justiça e, de uma vez por todas, iniciar uma reforma naquilo que é o dirigismo desportivo em Portugal e naquilo que os intervenientes pensam para o negócio na sua globalidade. Mas, por agora, este não passa de um cenário idílico.

 

Para a semana há mais...

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

E agora, o que acontece ao clube do "1º Ministro"?

O Artista do Dia partilhou tudo, AQUI e AQUI.

 

Respondendo à pergunta, o que acontecerá à Igreja Lampiã? Será absolvida, pagando o pecado com uns míseros avés Maria? Será crucificada e severamente punida? Ou, espantem-se, beatificada?

 

É esperar para ver...

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

A estratégia para o derby

Quem me conhece sabe que prefiro falar do jogo do que da arbitragem. Quem me segue sabe que raramente centro uma análise no trabalho do árbitro mas estou longe de o achar um elemento sem influência no decorrer de um jogo. Não me escudando em erros de arbitragem, não tenho dificuldade em identificá-los e muito menos em averiguar a sua influência num jogo.

Começo assim para explicar que muito do que possa ser um jogo destes depende da atitude do árbitro e da sua preparação. O estudo das equipas (que os árbitros fazem) é das coisas mais importantes para ajudar na gestão do jogo e na tomada de decisão.

O Sporting é uma equipa agressiva e, normalmente, algo faltosa. Porém, raramente há uma abordagem maldosa entre as faltas repetitivas, que fazem parte do modelo de Jesus para parar o adversário em momentos de desequilíbrio. Pelo contrário, mais pela natureza dos jogadores do que por qualquer factor estratégico, o Benfica é uma equipa agressiva mas que leva essa agressividade a níveis por vezes excessivos. Jogadores como Fejsa, Samaris, Pizzi ou Eliseu excedem-se frequentemente, com entradas fora de tempo, mãos na cara e lances do género. 

Importante também é saber quem são aqueles que estão sempre prontos a enganar o dono do apito. Jogadores como Jonas mereciam uma perseguição da arbitragem ao nível da que sofreram jogadores como João Vieira Pinto.

 

Posto isto, vamos àquilo que eu observei do adversário. Não considero importante a análise em jogos com os ditos "pequenos", por isso, revi partes do clássico com o Porto que, ainda por cima, tem a vantagem de se ter jogado no início deste mês.

Apesar de tudo, a provável titularidade de Fejsa e Grimaldo diferem do jogo com o Porto, onde foram Samaris e Eliseu os escolhidos.

Se no meio-campo não muda muito, jogue o sérvio ou o grego, o mesmo não se pode dizer da lateral esquerda. Sobretudo ofensivamente, Grimaldo dá coisas que Eliseu não dá e vai ser necessário dar igual atenção à subida de ambos os laterais do Benfica.

 

Quanto ao momento defensivo, o mais provável é que a equipa de Rui Vitória assuma uma posição expectante, com as linhas mais recuadas que o habitual no momento do ataque organizado do Sporting.

Deverá ser fácil observar duas linhas de quatro jogadores bem juntas (defesa e meio campo + alas) e os dois avançados na contenção da primeira fase de construção. A atitude da defesa encarnada não é muito agressiva neste momento de jogo. Uma atitude inteligente, que convida o adversário a arriscar e potencia o erro, dada a dificuldade em penetrar o espaço entre essas duas linhas.

 

Por norma, o Benfica é fortíssimo na reacção à perda e no ataque às chamadas "segundas bolas" sobretudo devido a uma permanente atitude muito competitiva. Na falta de elementos tácticos que surpreendam o adversário, Vitória aposta tudo na entrega, união e intensidade da sua equipa.

 

Em momento ofensivo, o Benfica é normalmente uma equipa de processos simples, que queima linhas com facilidade, ora abusando do passe longo para Mitroglou (que quase sempre combina com Pizzi ou Jonas) ou do transporte de bola pelas alas.

 

Falando no que interessa, aquilo que podemos fazer para evitar cair nos erros provocados pelo adversário, forçando a entrada no último terço do campo parece fácil mas não é de simples execução.

Na minha opinião, devemos manter Bas Dost o máximo em jogo possível. Assim sendo, sempre que nos seja difícil penetrar da defensiva encarnada em progressão/posse ou que isso implique mais riscos, devemos apostar no jogo directo para o holandês, salvaguardando-lhe dois apoios frontais (Alan, Adrien, Bruno César...) e um em profundidade (Gelson).

Variar o nosso jogo permitirá confundir a equipa do Benfica. Alternar esse jogo mais directo com um jogo apoiado em que os extremos se posicionem claramente por dentro será primordial. Temos de garantir um bom jogo interior pois, caso contrário, passaremos imenso tempo a lateralizar da direita para a esquerda (isso facilita o posicionamento defensivo adversário, que assim se limita a bascular entre uma ala e outra).

Gelson, Alan, Bruno César, Bas Dost e William são os elementos-chave do sucesso do nosso jogo.

 

No momento defensivo, tudo passa pelo policiamento apertado das faixas laterais do Benfica, onde tanto os laterais como os extremos são muito fortes. Eu aconselharia algum conservadorismo aos nossos laterais e talvez não arriscasse colocar Esgaio, mantendo um lateral esquerdo de raiz. Jefferson seria a minha aposta.

Para além disto, se William e Adrien conseguirem controlar as movimentações de Jonas e Pizzi, teremos o jogo na mão.

 

Depois é ser eficaz, algo que passará certamente pela qualidade com que servirmos Bas Dost.

 

O 12º jogador terá também um papel importante no jogo e prevejo que a atmosfera menos tensa da nossa parte, dada a situação classificativa, poderá potenciar um ambiente mais descontraído e favorável aos rapazes de verde-e-branco.

 

Aposto num jogo com três golos. A sua distribuição dependerá da eficácia da nossa estratégia.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Pensamento do dia

É público, já o manifestei diversas vezes, que não gosto da Liga Europa enquanto competição. Não a considero com grande visibilidade nem grande impacto mediático, será sempre o parente pobre das competições europeias e acaba por causar nas equipas que a disputam um maior desgaste físico que a Liga dos Campeões.

Por todos estes motivos e mais uns quantos, devem imaginar-me pouco entusiasmado com a possibilidade (ainda não garantida) de vir a disputar a prova. Ainda assim, tenho noção que o ranking europeu do Sporting é baixo e nada consentâneo com aquilo que pretendemos ser enquanto Clube.

Se nos queremos afirmar na Europa, teremos de garantir a presença nesta Liga Europa e fazer uma prestação que nos honre e amealhe uns pontos para o nosso pobre ranking da UEFA.

 

Mas, assim de repente, salta-me à vista algo que pode tornar a competição mais atraente para os adeptos e talvez até para os próprios jogadores. O fracasso dos rivais na Champions levaria cada um deles para a Liga Europa, onde esperamos também marcar presença.

Atacar esta competição com a pressão extra de ter nela inserida os nossos rivais internos seria um aliciante para mim e, mais importante que isso, colocaria em pé de igualdade os três rivais no que à gestão do plantel entre competições europeias e nacionais diz respeito. Poderão até ser quatro as equipas portuguesas presentes, pois o Braga está em condições de se qualificar para a fase seguinte da prova.

 

Dentro daquilo que é a desilusão de não seguir em frente na Liga milionária e a possibilidade de ter de encarar uma Liga Europa, este seria talvez o maior factor motivacional que encontro.

Veremos como correm as coisas a Porto e Benfica que, no mínimo, têm a Liga Europa garantida e espero que, na 4ª feira, não nos deixemos surpreender em Varsóvia, onde vai estar um gelo descomunal, nada condizente com aquilo que estamos habituados em Portugal.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Sporting vs Benfica: Os Playoff

Um Sporting - Benfica é jogo de tripla. Passamos a vida a ouvir isto. A verdade é que não é apenas uma frase feita ou um lugar comum...muito menos no futsal.

 

No campeonato nacional da 1ª divisão (hoje Liga SportZone) são 60 os jogos entre ambos. 30 deles em playoff, 27 dos quais em finais. 22 vitórias, 14 empates e 22 derrotas. 173 golos marcados para ambos os lados. Não há favoritos em jogo nenhum, nem o factor casa se revela determinante.

 

Em 8 finais discutidas nos playoff, temos 4 títulos nacionais para cada lado. Nos 30 jogos em playoff (3 em meias-finais e 27 em finais) a sorte sorriu-nos 16 vezes e 14 ao rival (15-12, se contarmos apenas as finais). Perdemos em casa mais do que ganhamos e o oposto acontece fora. É impossível prever o que acontecerá nos próximos 3 jogos, que podem vir a ser 5.

 

Só por duas vezes a final se discutiu na 'negra' e sempre que isso aconteceu, perdemos. Só uma vez uma final à melhor de 5 jogos acabou ao fim de 3 e fomos nós que vencemos. Desde que há playoff, o Sporting só venceu a fase regular 4 vezes (contabilizando já a deste ano) e nas três anteriores acabou sempre campeão nos playoff.

 

Há dois jogos que o Sporting não vence o Benfica em playoff (a pior série de sempre, igualada por outras 3 ocasiões). A melhor série leonina foram 5 vitórias consecutivas (4 delas fora de casa).

 

Seja como for, vencer os 2 jogos em casa será meio caminho andado para recuperar o título nacional, colocando toda a pressão em cima do adversário, mesmo sabendo que nunca a equipa que iniciou em casa a final a 5 jogos, venceu ambos.

 

Tal como disse Nuno Dias, esta semana, na antevisão aos jogos 1 e 2, não há segredos. As equipas conhecem-se profundamente, tanto em termos colectivos, como individuais. Serão os detalhes e a sorte a resolver o resto. Sobretudo, é importante que os jogadores saibam manter o equilíbrio emocional pois, muitas vezes, são as questões mentais e não as tecnico/tácticas que resolvem este tipo de jogos.

 

Seguem as estatísticas:

Playoff SCP vs SLB.png

Playoff SCP vs SLB 1.png

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

2015/16: A Onda Verde

Terminada que está a época, é tempo de fazer também o rescaldo da Onda Verde. É sabido que os Sportinguistas bateram todos os recordes de assistência em casa e que não pouparam esforços na hora de apoiar a equipa fora mas falta quantificar e comparar com o passado recente.

Apesar do Sporting ter noticiado uma média superior a 40 mil adeptos por jogo, tal não corresponde à realidade e confesso não saber como se chegou aos 40017 espectadores veiculados pelos nossos meios de comunicação oficiais.

A média foi de 39988 espectadores por jogo (a 2ª da nossa Liga, atrás do Benfica - 50322) e a taxa de ocupação de 80% (a 2ª da nossa Liga, atrás do Marítimo - 85%).

Os maior parte das equipas da 1ª Liga subiram este ano as suas médias de assistência e só dois pioraram os seus registos de 2014/15. Um bom indicador que deverá fazer a Liga pensar em formas de melhorar ainda mais estes números (talvez com maior transparência e melhores espectáculos a coisa possa atingir outros patamares).

Vamos aos números:

Média em casa.png

Média em casa sem grandes.png

Percentagem ocupação em casa.png

Percentagem ocupação em casa sem grandes.png

Percentagem ocupação fora.png

Percentagem ocupação fora sem grandes.png

 

COMPARATIVO COM A ÉPOCA ANTERIOR

Comparativo assistências Liga.png

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Mais uma final

Num momento em que a máquina de propaganda lampiã funciona a todo o vapor e Bruno de Carvalho dispara em todas as direcções, há quem nem se lembre que amanhã há mais uma final, um jogo importante que, mais uma vez, pode definir o nosso futuro na competição.

 

Naturalmente, esperamos que nada fique decidido. Só uma vitória do Sporting adia as decisões por, pelo menos, mais uma semana e, para que isso aconteça, Jorge Jesus e os nossos jogadores terão de matar (mais) um 'borrego'.

 

O Sporting não vence no Porto desde que Rodrigo Tello silenciou o Dragão e relançou então a Liga 2006/07, que o Porto haveria de acabar por vencer.

Pior que isso, nas últimas 40 épocas o Sporting tem apenas 3 vitórias em casa do Porto:

1975/76 - 2-3, com golos de Chico Faria, Manuel Fernandes e Baltasar;

1996/97 - 1-2, com golos de Beto e Pedro Barbosa;

2006/07 - 0-1, com um golo de Rodrigo Tello.

Pelo meio, 25 derrotas e 12 empates.

Há 8 épocas que não vencemos para o Campeonato e há 6 que perdemos de forma consecutiva, perfazendo a pior série de derrotas da história só igualada entre 1985/86 e 1990/91.

 

Por muito que estejamos num momento extraordinário de forma e que o Porto ande errático à espera da final da Taça de Portugal que, não salvando a época do maior investimento de sempre, pode dar um título que o Porto não vence desde a Taça de Portugal de 2012/13, não há como negar que, independentemente dos momentos de forma das duas equipas ou da classificação, jogar no estádio do Porto é historicamente dificílimo e os 16% de vitórias em toda a história comprovam-no.

 

Pior...apenas por 5 vezes o Sporting foi ao Porto nas últimas 3 jornadas e perdeu sempre.

Dessas 5 vezes só numa o Sporting foi campeão. O jogo realizou-se na última jornada, com o título já garantido (1981/82).

Também apenas numa das restantes 4 vezes o Sporting se apresentou no Porto ainda com possibilidades de disputar o título, em 1970/71. Perdemos e deixámos fugir o Benfica, que viria a sagrar-se campeão.

Nas três vezes que restam, o Sporting foi ao Porto cumprir calendário, visto que se encontrava já fora da luta pelo título.

 

Por todos estes motivos, Jorge Jesus e a sua equipa têm pela frente um dos maiores 'borregos' da história e a possibilidade de fazer algo nunca antes feito, mantendo assim acesa a chama do título.

Só uma equipa no máximo das suas capacidades, concentrada e focada alcançará o desejado objectivo, os três pontos e nós, adeptos, temos a nossa parte a fazer.

Eu acredito e vou lá estar para ajudar.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Ponto da situação da Onda Verde

A quatro jornadas do final, parece-me pertinente fazer um ponto de situação da Onda Verde, comparando-a com a dos rivais.

Onda Verde.png

Tal como no último update, mantemo-nos líderes em percentagem de ocupação no próprio estádio, embora os adeptos benfiquistas tenham começado nas últimas semanas a subir este percentil.O Porto encontra-se em queda livre, tanto nos jogos em casa, como nos jogos fora. Fora, tanto Sporting como Benfica viram a percentagens de ocupação subir, mantendo essa tendência.

Onda Verde 1.png

Em casa, há três jogos consecutivos que Sporting e Benfica vêm as suas médias subir. Em contraponto, a média de assistência do Porto desce há 10 jogos consecutivos, situação que sofrerá inversão dentro em breve, assim que o Sporting visite o Estádio do Dragão. O Benfica lidera sem surpresa neste parâmetro.

Onda Verde 2.png

As médias decrescem em 2 mil espectadores se excluirmos da contagem os jogos grandes. Há 7 jogos consecutivos que a média cresce em Alvalade. Na Luz, há 5 jogos que a tendência é crescente. No Dragão, há 11 jogos consecutivos que a média cai.

Onda Verde 3.png

Depois de na 1ª metade da época o Porto ter sido o clube que mais encheu o seu estádio, o Sporting assumiu a liderança deste dado estatístico, que mantêm há 7 jogos em sua casa. O Benfica nunca teve uma percentagem de ocupação do seu estádio superior aos dois rivais em toda a temporada.

Onda Verde 4.png

Mesmo excluído os jogos grandes da equação, a tendência mantêm-se. O Porto foi 'rei' na 1ª metade da temporada, para depois passar o 'trono' ao Sporting.

Onda Verde 5.png

Sporting e Benfica têm-se mantido a uma distância mais ou menos constante na ocupação dos estádios dos adversários. O Porto vem-se afastando dos rivais. Neste ponto, de realçar apenas que o Benfica não foi a Arouca, tendo sido deslocado o jogo para Aveiro (o que não significa que não preenchesse 78% do Estádio Municipal de Arouca, como fez em Aveiro).

Onda Verde 6.png

Excluído as deslocações ao campo dos outros grandes, o Benfica perde 3 pontos percentuais, o Sporting 2 e o Porto 6, facto que mostra que são os Sportinguistas quem menos oscila na sua falange de apoio.

 

Já pouco se alterará até final da temporada. Espera-se que Sporting, Benfica e Porto acabem por subir as suas médias em casa. Os dois primeiros pela disputa pelo título, o Porto porque recebe o Sporting. Fora, parece que a Onda Vermelha vai bater a verde em todos os aspectos, excepto no qualitativo.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Meritocracia ou propaganda

Foi já sem qualquer espanto que se assistiu à estreia de Renato Sanches na selecção nacional. Tem sido frequente esta tentativa de valorizar os poucos talentos nacionais emergentes na equipa do Benfica e, não discutindo o valor do jogador, é discutível a diferença de tratamento para jogadores do Sporting com rendimento ou utilização semelhantes.

O caso de Renato Sanches, de todos, nem é o mais escandaloso. Não podemos ignorar o facto do jogador se ter imposto em definitivo na equipa principal dos encarnados e de ser inclusive uma peça importante no onze.

Mas é fácil identificar aqui um padrão. Nélson Oliveira, Ivan Cavaleiro, Nélson Semedo, Gonçalo Guedes e Renato Sanches. Por esta ordem os vimos estrear na principal equipa nacional. Todos com um propósito propagandístico de valorização no mercado ou 'justificação' a futuros investidores. Todos incluídos num complot financeiro que tem privilegiado nos últimos anos o Benfica e que conta com a missão propagandística da comunicação social, sobretudo a escrita que, "silenciosamente", vai montando o circo mediático com capas de jornais sucessivas como que na tentativa de justificar estas chamadas.

Ivan Cavaleiro foi vendido por 15M€ (mesmo que sejam dos da treta) depois duas internacionalizações incompreensíveis.

Nélson Oliveira foi convocado sem quase passar pelos sub-21, depois de "meia-dúzia" de jogos em competições secundárias e com um número de golos marcados ridículo para a posição que ocupa.

Nélson Semedo, Gonçalo Guedes e Renato Sanches fazem parte da vaga que tenta vender a ideia de aposta na formação para os lados da Luz (mesmo que Semedo não tenha sido lá formado). Todos foram chamados sem reservas e, nos casos de Semedo e Guedes, sem qualquer motivos que o justificassem.

Semedo não passou por nenhum dos escalões jovens nacionais. Bastou o agenciamento de Jorge Mendes (algo comum a todos estes casos) para lhe valer uma chamada.

Guedes tem quase tantas internacionalizações "A" como pelos sub-21 quando nada provou que justificasse queimar etapas, prova disso, são as poucas internacionalizações sub-21, onde sai maioritariamente do banco.

Renato Sanches foi convocado para justificar o alto valor pelo qual será vendido no final desta época (até porque as coisas estão complicadas em termos de finanças para os lados da Luz) e nem passou ainda pelos sub-21. Diria que estamos em frente de um fora de série...ou talvez não.

Volto a dizer, aceito até a chamada do Renato mas critico o tratamento diferenciado para com os jovens do Sporting na última década.

Vejam quantos jogos e minutos tiveram de fazer os jogadores do Benfica para se estrearem na selecção e a idade com que o fizeram:

Meritocracia vs Propaganda.png

Tal como no Benfica, também o Porto tem apostado muito pouco em jogadores portugueses nos últimos anos e, por isso, são poucos os exemplos de chamadas à selecção. Também aqui há casos paradigmáticos de valorização espontânea. 

Bastou a Licá aparecer no Porto para merecer uma internacionalização. Fenómeno idêntico para Josué, que acumulou 4 presenças na selecção nacional e até deu para Miguel Lopes também ser chamado.

Rúben Neves, fenómeno idêntico a Renato Sanches (ambos com qualidade e potencial imenso), precisou de participar em quase o dobro dos jogos para merecer uma chamada à selecção.

Vejam um quadro idêntico para os jogadores do Porto citados:

Meritocracia vs Propaganda 1.png

Depois, como é lógico, não posso criticar a falta de "renovação" da selecção (como já fiz) e castrar a entrada de todos os jovens só porque estes não jogam no Sporting. Não é isso que pretendo fazer.

Têm é de haver critérios claros. Principalmente qualidade, potencial. minutos e influência nas equipas onde actuam.

Assim sendo, assumo as chamadas de Renato Sanches e Rúben Neves como normais e naturais. Preenchem todos os requisitos e, embora tenham ainda imensos defeitos, não deixam de merecer uma chamada para um particular da selecção, até como forma de integração futura e motivação extra.

Curiosamente, parece que para os jogadores do Sporting há sempre algo mais a provar. E para sustentar esta "teoria" analisemos mais de duas dezenas de casos distintos.

Começo pelos que, embora não tenham justificado uma chamada, não fizeram no Sporting menos do que alguns supracitados nem apresentavam qualidade ou rendimento muito distintos dos mesmos (estes nunca chegaram a estrear-se na selecção):

Meritocracia vs Propaganda 2.png

Claro que podemos também alegar a maior competitividade e qualidade de selecções anteriores, que possam ter dificultado a entrada de algum dos que acabo de mencionar mas, recordo, só reclamo da chamada para um amigável, como foi concedido a outros, ressalvando que nenhum deles terá feito o suficiente para uma chamada.

No entanto, era Abel menos fiável que Miguel Lopes? Que terá faltado a Esgaio (titular em todo o Euro sub-21) para ser ultrapassado por Nélson Semedo? O que não tinha Mané que Cavaleiro mostrava? O que viram em Licá que Wilson não fazia? Comparem o rendimento de Saleiro com o de Nélson Oliveira (embora neste caso a concorrência que enfrentava o jogador do Sporting e os seus fracos atributos nem o considerem como equacionável na altura).

...

Sigo com alguns que são internacionais mas nunca foram chamados enquanto jogaram no Sporting:

Meritocracia vs Propaganda 3.png

Daniel Carriço mereceu amplamente uma chamada enquanto jogador do Sporting e Cristiano Ronaldo, pese embora o imenso talento para a sua posição quando apareceu em 2002/03, só foi chamado imediatamente depois de se transferir para Manchesterem 31 presenças na equipa do Sporting serviram para marcar presença num amigável. Olhem para cima e riam...

A última lista mostra os jogadores que justificadamente se estrearam na selecção enquanto serviam as cores do Sporting e vejam as diferenças:

Meritocracia vs Propaganda 4.png

Só João Mário e William Carvalho foram precoces mas ambos justificaram plenamente a aposta.

João Moutinho e Nani são os casos mais semelhante ao de Renato Sanches ou Rúben Neves, até pelas semelhanças na idade com que se estrearam.

André Martins, André Santos e Paulo Oliveira são casos de afirmação já em idade sub-23, pelo que me parece que as chamadas terão surgido na altura certa.

Tonel chegou ao Sporting mais velho, justificou a chamada, e foi chamado também ele quando foi possível, até porque sempre estivemos bem servidos de defesas centrais.

Todos os restantes casos demonstram jogadores que demoraram demasiado tempo a receber a merecida chamada à equipa que cada vez menos é a de todos nós.

Os casos de Adrien e Cédric são um escândalo. Adrien precisou mesmo de duas convocatórias para se estrear, visto que na 1ª não foi utilizado em ambos os jogos. Miguel Veloso precisou de quase o dobro dos jogos pelo Sporting do que os que Sanches fez pelo Benfica. Yannick era no mínimo idêntico a Licá, Cavaleiro ou Guedes e basta ver as diferenças nos números apresentados. Procurem quanto precisou de jogar Anthony Lopes para se estrear e comparem com Rui Patrício.

Sim, em jeito de conclusão (até porque isto já vai mais longo do que esperava) parece-me óbvio que é mais difícil ser chamado à selecção jogando no Sporting ou não sendo agenciado pelo Mendes.

Ontem foi dia de papar lampiões

Depois dos juniores terem ganho na Luz por 4-2, foi a vez dos iniciados receberem e vencerem o velho rival por 3-2.

Hoje jogam-se mais dois derbies.

Às 10 da manhã, em andebol (iniciados), em directo na BTV1 (podem ver a seguir a vitória de ontem dos juniores em futsal).

Às 14.30h as nossas leoas do basquetebol tentarão contrariar o favoritismo do rival (em diferido às 18.30h, na BTV1).

Pelo meio, há futebol e futsal para ver na Sporting TV, com destaque para a estreia dos juvenis na 2ª fase do campeonato nacional de futebol.

Confere a agenda completa AQUI.

Cada um com a sua

Ainda aqui não tinha dito nada sobre os negócios de venda dos direitos televisivos e afins.

Recuso-me a andar aqui a 'medir pilas'. A mim pouco me interessa qual foi o melhor negócio.

Para mim, interessa-me que, dentro das circunstâncias, que nos obrigaram a negociar individualmente em vez de em pacote e de forma centralizada, foi um bom negócio para o Sporting.

É curioso que os que mais se esforçam por tentar explicar que a 'pila' deles é a maior, menorizando as dos outros, são os afirmam taxativamente que fizeram o melhor negócio. Para tantas certezas, igual número de dúvidas.

Parabéns ao Presidente do Sporting, que fez aquilo para que o elegeram: defendeu os interesses do Sporting.

A Onda Verde: Podemos e devemos fazer mais e melhor

Resolvi fazer um ponto da situação relativamente às médias de assistências dos 3 grandes nas várias competições.

A média, na Liga Portuguesa, foi dividida entre os totais absolutos e os jogos com as equipas ditas pequenas, tanto em casa, como fora.

Faz mais sentido, tendo em conta que nem todos os embates entre os grandes estão realizados e estes inflacionam positivamente as médias.

Comparar as médias dos jogos com os ditos pequenos dá uma perspectiva mais realista da verdadeira militância de cada um dos clubes e parece-me ser essa a bitola de onde devemos partir para melhorar.

Acrescentei também a taxa de ocupação média em todas as categorias pois, sobretudo nos jogos fora, dá uma ideia mais realista devido às diferenças de lotação entre os estádios dos oponentes.

Assistências.png

CONCLUSÕES

LIGA PORTUGUESA (Em casa)

- Não é surpreendente que seja o Benfica a deter uma média de assistências superior às dos rivais. Tem uma massa adepta maior (14 milhões em todo o mundo, não é?) e um estádio de maiores dimensões.
- Curiosamente, a percentagem de ocupação dos estádios, tanto na totalidade dos jogos como apenas nos jogos frente às equipas ditas pequenas, é favorável ao Porto e bastante semelhante entre os três clubes.
- Estamos atrás dos rivais tanto em média de espectadores como em taxa de ocupação e, mesmo que tenhamos menos dois jogos em casa que os rivais e possamos melhorar os nossos números (convém lembrar que, entre os três, o Sporting é o único que ainda não teve jogos grandes em sua casa), parece-me cada vez mais importante apelar à mobilização dos Sportinguistas.

LIGA PORTUGUESA (Fora)

Pelos motivos já enumerados acima, vou centrar-me mais nas taxas de ocupação, devido às discrepâncias na lotação dos estádios onde cada um já jogou.
- Sporting e Benfica apresentam exactamente a mesma taxa de ocupação nos jogos fora (70%) e bem longe da capacidade mobilizadora do Porto (apenas 40%, ressalvando o facto do Porto ainda não se ter deslocado ao estádio de nenhum dos rivais, ao contrário de Sporting e Benfica).
- Excluindo os jogos grandes, voltam a destacar-se Benfica (59%) e Sporting (56%) relativamente ao Porto (40%).

COMPETIÇÕES EUROPEIAS

Aqui vou centrar-me apenas nos jogos em casa.
- O Sporting parece sair prejudicado por jogar uma competição menos apelativa que os rivais. A Liga Europa não tem a capacidade de mobilizar adeptos como a Champions e, depois de mais de 40 mil terem assistido à pré-eliminatória frente ao CSKA, a média decresceu drasticamente.
- O Benfica apresenta a melhor média de espectadores, apenas ligeiramente acima do Porto (que apresenta uma taxa de ocupação superior).

TAÇA DE PORTUGAL

Deixei os dados mais por curiosidade, pois não me parecem relevantes. Os jogos têm impacto muito diferente nos adeptos e, regra geral, são menos apelativos e interessantes.

Nada bate a evidência dos factos

«A tremenda reacção emocional do Benfica à derrota no Estádio de Alvalade não se justifica. Ao trocar Jorge Jesus por Rui Vitória, Luís Filipe Vieira assumiu a entrada do Benfica numa nova era, em que a aposta na formação se sobrepõe à sede de vitória. De facto, se fosse para continuar a ganhar, Vieira teria mantido Jesus… Os benfiquistas não têm, pois, de ficar traumatizados. Os resultados menos bons são o risco inerente a uma nova política.
 
O Sporting, curiosamente, fez o caminho inverso. Ao contratar Jorge Jesus, Bruno de Carvalho assumiu a necessidade de começar a ganhar, mesmo que isso implique alguns riscos financeiros e uma menor aposta na formação. Dito simplificadamente, enquanto o Benfica abdicou das vitórias em nome da aposta na academia, o Sporting abdicou da academia em nome das vitórias. Nesta perspectiva, aquilo que aconteceu em Alvalade foi natural.
 
A única coisa estranha consistiu no seguinte: as mudanças na equipa do Benfica em relação à época passada foram a utilização de início de uma jovem promessa do Seixal, Gonçalo Guedes, e de um reforço deste ano, Mitroglu; e, no Sporting, as principais novidades foram um reforço deste ano, Bryan Ruiz, e uma jovem promessa de Alcochete, Gelson. Ou seja, as apregoadas mudanças de política de Benfica e Sporting não se viram no relvado. Aquilo que verdadeiramente mudou foi a passagem de Jorge Jesus de um lado para o outro da 2ª Circular. Mas essa foi suficiente para baralhar todas as contas.»

(José António Saraiva, Futebol à Portuguesa, in Record).
Com a devida vénia ao Álamo, do Leoninamente


Tal e qual

«Aguardo uma capa séria que diga: Benfica deixa manobras de diversão infantil e assina a proposta do Sporting CP de apoio ao video-arbitro!»

As palavras são de Bruno de Carvalho, na sua página oficial do facebook e não podiam ser mais acertadas. 

Ao invés de quererem ser a cabeça do polvo, de quererem mover influências, de se queixarem sem fundamentação apropriada, apenas para exercerem pressão sobre os árbitros...apoiem a transparência.

Ajudem os árbitros a tomar as melhores decisões em vez de os pressionarem a decidir 'bem'.

 

Com Russos e Franceses à perna

Ranking UEFA.png

 

Pois é... Já aqui havia abordado esta temática há umas semanas, julgo que por ocasião do jogo do Sporting na Albânia e os sinais mais recentes são tudo menos animadores.

O Porto perdeu ontem em casa com o Dinamo de Kiev e Portugal viu-se ultrapassado no ranking da UEFA pela Rússia, fruto de mais uma vitória do Zenit. O impacto só não foi mais negativo porque o Olympique de Lyon perdeu e, assim, não somou qualquer ponto para a França, que podia ter-se aproximado ainda mais.

Hoje há nova jornada a três: Benfica, CSKA de Moscovo e Paris Saint-Germain lutam pelo sucesso próprio e pela manutenção ou melhoria do estatuto recente dos seus países.

Amanhã, serão Sporting, Sporting de Braga e Belenenses a tentar manter as suas equipas na luta na prova secundária da UEFA e, assim, amealhar mais uns pontos que evitem uma queda para o oitavo lugar do ranking que, a acontecer, deixaria apenas dois lugares de acesso à Champions League para a temporada 2017/2018, época em que se reflecte o ranking final desta temporada.

Espero que o Sporting possa, não só contribuir para a manutenção da posição de Portugal no ranking, mas também para a melhoria do seu próprio ranking entre as equipas europeias, neste momento, bem longe da elite.

Sai mais um estudo credível

Sai mais um estudo credível.png

(clica na imagem para ver melhor)

A tentativa de descredibilizar um estudo já mais do que descredibilizado é evidente.

A tentativa de, mais uma vez, menorizar o Sporting também.

Há que dizer que, ao contrário do estudo propalado pela máquina propagandística vermelha, este se baseia em factos (já não é mau).

Agora, assumir que todas as pessoas com um 'like' no facebook de um clube são adeptas do mesmo é, tal como outras, apenas mais uma teoria mirabolante e pouco ou nada credível.

Claro que os autores deste 'estudo', 'levantamento de dados' ou o que quer que cada um lhe queira chamar se salvaguardam dizendo que "a rede social não será um reflexo exacto da realidade" mas a tentativa de tomar os dados como factos adquiridos é óbvia e apenas um pouco menos ridícula que a anterior.

Claro que quem não tem facebook não pode ser adepto de nenhum clube, mesmo que seja sócio do mesmo, vá ao estádio ou tenha em casa uma camisola que orgulhosamente veste de vez em quando...

Enfim, o tema não me merece mais observações.

Curiosidades sobre os derbies na Taça

No geral, a balança dos derbies inclina ligeiramente para o lado dos encarnados mas, se nos cingirmos apenas aos jogos jogados em Alvalade, naturalmente, o domínio é verde e branco.

69 vitórias, 27 empates e 41 derrotas. 

Não é o que devia ser mas, ainda assim, é-nos favorável. No entanto, comprova a venha máxima de que derby é jogo de tripla e, a verdade, é que o é ainda mais quando jogado em nossa casa.

No entanto, se falarmos apenas em duelos a contar para fases preliminares da Taça de Portugal disputados no Estádio José Alvalade, o caso muda de figura e o Sporting domina em toda a linha.

Taça em casa.png

 

O Sporting não perde em casa, frente ao Benfica, para a Taça de Portugal, desde 1963.

Sim, há mais de 50 anos que o Benfica não vence em Alvalade para a Taça de Portugal e mesmo essa derrota não significou eliminação, pois as meias-finais disputavam-se a duas mãos e o Sporting virou a eliminatória na Luz.

Na verdade, nenhuma das duas derrotas em casa nos retiraram da Taça de Portugal, pois a outra, em 1945, foi no primeiro de três jogos que haveriam de colocar o Sporting em mais uma final do Jamor.

Apenas uma das vitórias (1959) não nos levou à fase seguinte, em mais uma meia-final a duas mãos, perdida na Luz por um golo de diferença.

Foram 5 as partidas disputadas em Alvalade para a prova raínha nestes últimos 50 anos e todas deram vitória leonina.

Curioso que nenhum dos 14 jogos se decidiu nas grandes penalidades e só um deles precisou de prolongamento (1976).

O resultado que mais se verificou foi 3-0 (por três vezes) e foram 6 as vezes que conseguimos vencer sem sofrer golos.

O último dos confrontos em nossa casa foi o memorável 5-3, em 2008, com uma reviravolta fantástica, depois de estarmos a perder por 0-2 ao intervalo.

Uma coisa é certa, se a tradição ainda for o que era, teremos golos durante o tempo em que a eliminatória de discutir no relvado do José Alvalade. Só por uma vez o jogo chegou ao final dos 90 minutos a zeros (1976) e Libânio encarregou-se de carimbar a vitória do Sporting no prolongamento.

A média é de 2.5 golos marcados por jogo e de apenas 0.9 golos sofridos mas...tudo isto não passa de estatística.

Estatística que o Sporting quererá no sábado avolumar e que o Benfica tudo fará para contrariar.

Aconteça o que acontecer, que seja o Sporting a vencer.

Leitura recomendada

Análise aos Relatórios & Contas dos 3 grandes por: O Artista do Dia

Parte 1 - O endividamento

Parte 2 - Os custos com o pessoal

Parte 3 - Os proveitos e custos operacionais

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal