Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

HÓQUEI / SPORTING CP 3-1 Oliveirense: Vitória fundamental

Há 3 épocas o hóquei do Sporting era uma modalidade autónoma e lutava pela manutenção. Em 2013/14 fomos 9º e só no ano seguinte a modalidade passou de forma oficial para o Clube. Na época 2014/15 vencemos a Taça CERS e fomos 5º no campeonato, muito perto da qualificação para a Liga Europeia. No ano passado (2015/16) conseguimos finalmente dar entrada na elite do hóquei europeu e qualificámo-nos para a prova máxima, após o 4º lugar, tendo disputado também a final-four da Taça CERS.

Este ano a aposta no título é mais séria mas não fomos apenas nós a investir. Todos os rivais directos o fizeram e têm objectivos sérios internamente e nas competições europeias.

 

O erro naquele jogo que nos tirou três pontos na secretaria atrasou-nos de tal forma que dificilmente teremos capacidade para discutir o título. O Benfica tem uma equipa fortíssima e, mesmo com dois jogos por realizar com o eterno rival, continuamos a precisar que eles escorreguem mais do que nós iremos escorregar. E vamos escorregar algumas vezes, podem acreditar.

 

Hoje, a recepção à Oliveirense era fundamental para manter viva a esperança do título mas, mais do que isso, coloca-nos em posição de discutir o segundo lugar que, não sendo um título, nos coloca numa posição dominante na mais forte liga do Mundo. 

Na minha opinião, melhorar esta época a classificação do ano passado, tornará a temporada positiva. Deve ser esse o foco...dar o melhor para ganhar cada jogo e, no final, fazer melhor que no ano passado, em pontos e no seu reflexo na tabela classificativa.

Mas há mais títulos para disputar esta temporada e é aí que devemos ir com tudo. A Liga Europeia começou mal e estamos obrigados a vencer os três jogos que faltam, sob pena de não nos qualificarmos para a fase a eliminar. Averbar três vitórias nesses jogos fará de nós um sério candidato ao título europeu. Porque temos uma grande equipa e porque numa competição por eliminatórias, tudo pode acontecer, como verificámos em 2014/15. Depois, há ainda a Taça de Portugal.

 

Quanto ao jogo de hoje, foi um duelo de grande intensidade. Nem sempre bem jogado mas com duas equipas que se respeitaram e lutaram pelos três pontos. O Sporting esteve a perder 1-0 já no decorrer da segunda parte e teve de correr atrás do prejuízo. Tuco empatou o jogo numa excelente execução, após um lance em que atacámos o último reduto oliveirense em superioridade numérica. De grande-penalidade, Tuco bisou e colocou-nos em vantagem e daí para a frente a equipa soube recorrer aos seus jogadores mais experiente para, não só segurar a vantagem, como dilatá-la. Foi o inevitável Pedro Gil que deitou por terra as esperanças da Oliveirense e colocou em polvorosa os fervorosos adeptos leoninos, que encheram o pavilhão do Futebol Clube Alverca.

Neste momento estamos a oito pontos da liderança mas a apenas três do segundo lugar, posição que dependemos apenas de nós para alcançar.

Para a semana temos uma determinante deslocação a Itália, para defrontar o Forte dei Marmi, na quarta jornada da Liga Europeia. Um resultado que não seja a vitória poderá arrumar por completo com as nossas esperanças de seguir em frente na prova. Será mais um jogo de tudo ou nada, numa série de jogos de elevado grau de dificuldade até ao final da primeira volta do campeonato.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Somos da raça que nunca se vergará

Começo pelo negativo do fim-de-semana. Não, não falo do empate em casa com o Porto a contar para o campeonato nacional de hóquei em patins mas sim do castigo aplicado ao Sporting, com perda de três pontos pela utilização irregular de Zé Diogo, nos jogos com a Sanjoanense e o Boliqueime num espaço de tempo inferior ao permitido pelos regulamentos.

E não, a nota negativa não é para a federação de patinagem nem para o seu conselho de disciplina mas sim para os responsáveis do hóquei leonino. Nunca numa estrutura profissional se podem cometer erros destes. Erros que nem amadores cometem e que, sobretudo, prejudicam os jogadores e equipa técnica que muito se haviam esforçado para conquistar os três pontos agora perdidos.

Tenho quase a certeza que, embora tristes com esta situação, os jogadores saberão perdoar o erro e trabalhar ainda mais para reduzir os agora oito pontos de distância para os líderes.

 

O jogo de ontem foi aquilo que se esperava. Um grande espectáculo, com duas equipas de grande qualidade.

Melhor o Porto na primeira parte que, justificadamente, foi para o intervalo a vencer por 2-0, fruto de uma superior capacidade para finalizar as oportunidades criadas.

No segundo tempo o Sporting regressou com vontade de dar a volta aos acontecimentos mas as coisas não correram bem nos primeiros minutos. A boa organização defensiva dos dragões dificultou muito o nosso "assalto" à baliza azul-e-branca e foi um lance individual de Pedro Gil que fez tremer o adversário e nos fez acreditar que poderíamos conquistar algo no jogo. O 1-2, num excelente remate à meia volta, acordou o leão esfomeado e, a partir daqui, partimos para cima do Porto, sem receios e aproveitando o efeito negativo que o golo teve na equipa de Guillem Cabestany.

Três minutos volvidos e Tuco não desperdiçou uma grande penalidade, empatando o jogo e deixando em aberto o resultado para os últimos oito minutos.

 

Foram minutos finais de parada e resposta. Ninguém estava satisfeito com o empate e a vontade de vencer de ambas as equipas era superior ao receio de perder. O espectáculo agradeceu...e nós também.

O erro de Pedro Gil tem tanto de infantil quanto de desculpável. Quem vê a forma como o espanhol se entrega ao jogo não pode apontar-lhe nada. Errou e tenho a certeza que foi o menos satisfeito com isso. 2-3 a dois minutos do fim.

Não trememos e voltámos à carga. Arriscámos, fomos para cima e conquistámos um livre directo a um minuto do fim, com menos um jogador em campo. Responsabilidade toda em cima do "benjamim" da equipa. Ferran Font (20 anos), que não tremeu e avançou com tal confiança que pintou o "quadro" mais belo da noite (modo Freitas Lobo off). Um golaço de levantar qualquer pavilhão que me faz suspirar por mais e melhores meios tecnológicos que nos permitam desfrutar destes momentos de rara beleza que só o hóquei nos proporciona.

 

O jogo termina com protestos da nossa parte por uma grande penalidade (existente) não assinalada, depois de um cartão azul discutível a Pedro Gil à entrada para os três minutos finais. Ressalve-se que antes também tinha ficado por assinalar um penalti a favor do Porto, pelo que me parece que a maior dualidade de critério esteve na questão disciplinar e na gestão do jogo.

 

No final, a prova que João Pinto não só merece jogar no Sporting como está à altura da tarefa de capitanear a equipa. Um leão de gema criado em três anos de Sporting diz muito do espírito existente nas modalidades que o mediatizado futebol não consegue formar, a não ser que o jogador seja "da casa". Pinto fala como um adepto fervoroso que sei que é, comporta-se ao nível dos melhores capitães de sempre e, se já está na história do Clube, arrisca-se a tornar-se um ícone. Dá tudo, defende o Sporting dentro e fora de campo e isso deve orgulhar-nos a todos.

 

Fiquem com o resumo do jogo e as palavras do Capitão:

Sigam-me no facebook e no twitter.

Hóquei posto à prova

Certamente que o calendário da 1ª divisão do campeonato nacional de hóquei em patins não foi "sorteado" assim por acaso.

Começam hoje os embates entre os candidatos ao título. O Sporting recebe o Porto e tentará igualar os dragões na pontuação e aproximar-se de Oliveirense e Benfica, que já venceram ontem.

O Porto era o líder à partida para esta jornada e, de longe, a melhor defesa da prova. O Sporting apenas tropeçou em Barcelos, onde deixou três preciosos pontos.

 

Este campeonato será decidido a quatro, com o Barcelos na rectaguarda a poder afectar directamete o desempenho de qualquer dos candidatos. O Sporting sofreu isso na pele e, para já. só a Oliveirense passou em Barcelos (Porto e Benfica só lá se deslocarão na 2ª volta do campeonato).

Estamos nas últimas cinco jornadas da 1ª volta e, depois deste Sporting-Porto, teremos um Porto-Oliveirense seguido de uma jornada em que os quatro da frente se defrontam (Sporting-Oliveirense e Benfica-Porto). Na penúltima jornada o Benfica desloca-se a Oliveira de Azeméis e na última teremos um derby na Luz (o que significa que fecharemos o campeonato em casa, com o Benfica).

Um "sorteio" claramente condicionado para termos alguma emoção na fase final da temporada. Nada contra, num campeonato onde se continua a resistir ao playoff, ao contrário das restantes ligas europeias.

 

Como já disse acima, defrontaremos a melhor defesa do campeonato e a única equipa sem vitórias tangenciais. O Porto tem "passeado" neste campeonato e só agora terá um verdadeiro teste às suas capacidades. Se os jogos da Liga Europeia servirem de bitola para hoje, o Porto teve dificuldades nos confrontos europeus. Empatou em casa com uma equipa francesa sem grande expressão e venceu com dificuldades o Bassano em Itália.

Defrontaremos hoje a equipa que melhor mescla juventude com experiência e que tem dois dos mais talentosos jovens avançados (um deles formado por nós).

 

Não há dúvidas que será no confronto directo entre as quatro equipas mais fortes que se decidirá o campeonato, facto que confere uma importância ainda maior à fase do campeonato em que agora entramos.

Se entrarmos na segunda volta na frente do campeonato, acredito que chegaremos à fase decisiva da época com as nossas hipóteses aumentadas em relação àquilo que eram as minhas expectativas.

Já fomos a alguns dos pavilhões mais difíceis do campeonato (Valongo, Viana e Barcelos) e isso pode facilitar a nossa tarefa no início da 2ª volta.

 

Para já, concentração máxima no jogo de hoje, que poderá dizer-nos se a Elite Cup vencida no início da época indicia mesmo um Sporting ao mais alto nível, aquele no qual os nossos rivais se encontram.

No ringue, duas equipas com filosofias de jogo semelhantes, que prometem um grande espectáculo de hóquei em patins. Espero que João Pinto não esteja condicionado pela lesão da semana passada pois, para além de ser o nosso capitão, tem uma enorme preponderância no nosso jogo ofensivo, formando com Pedro Gil uma dupla temível.

O pavilhão de Alverca estará cheio e efusivo no apoio aos rapazes de verde-e-branco.

 

Que seja o início de algo muito bonito.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Hoje joga o Sporting

A Taça da Liga nunca gerará entre nós, adeptos, o entusiasmo típico de um jogo do Sporting. Não depois do desrespeito que nos foi demonstrado quando, nos primórdios da competição, fomos dos poucos a valorizá-la.

Admito que o Sporting queira vencer a prova mas duvido que a maior parte dos adeptos alguma vez valorize extremamente esse feito.

Para mim, o modelo apresentado em 2014/15 seria para manter eternamente nesta competição.

 

O adversário de hoje é o Arouca, no primeiro de dois jogos em casa (havemos depois de nos deslocar à Póvoa de Varzim e receber o Vitória FC). Espera-se pouco público, principalmente pelos motivos enumerados no início do texto e espera-se também um Sporting de segundas linhas.

Segundas linhas que o próprio Arouca não deixará de apresentar, pois tem um jogo importante em Santa Maria da Feira, no domingo, para o campeonato, onde pretendem distanciar-se o mais cedo possível dos lugares de descida (recordo que Feirense e Arouca têm neste momento o mesmo número de pontos acumulados).

 

Jorge Jesus fará alinhar Beto, Paulo Oliveira e Douglas, sendo previsível que a lesão de Schelotto faça Esgaio jogar na lateral direita. Do lado esquerdo devemos ver Jefferson, que certamente me causará mais uns quantos calafrios.

Tenho muitas dúvidas sobre quem serão os escolhidos para o meio-campo mas tenho o feelling que jogará um dos habituais titulares...veremos qual.

Nas alas devem alinhar de início Matheus e Markovic, sendo que é possível que Alan Ruiz faça companhia a André na frente de ataque.

 

Mesmo que não seja nada disto, é importante uma boa resposta dos menos utilizados, que passarão a ter um papel mais determinante a partir de fevereiro. Até lá, é bom que mostrem que podem ser úteis, por forma a não adensar a desconfiança para com alguns.

Para os adeptos, haverá o estímulo adicional de querer esmagar um clube que, na pessoa do seu Presidente (e não só), nos tem vindo a desrespeitar mas esse sentimento de "vingança" não deve ser interpretado pelos jogadores.

 

É bom ter algo para "entreter" a meio da semana, enquanto não chegam os jogos que realmente interessam. A propósito disso, hoje há hóquei em Viana do Castelo (21:30h) e, na falta de transmissão televisiva, podem optar pelo relato na Radio Geice FM (link). Também em hóquei, os infantis, já com a passagem à fase final regional assegurada, deslocam-se à Lourinhã para o penúltimo jogo da 2ª fase (21h).

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

É a forma como encaras a derrota que te abre o caminho das vitórias

"Nós é que falhámos. Fizemos o pior jogo da época e parabéns ao O. Barcelos que fez um grande jogo. Temos de trabalhar muito mais. Não estou nada preocupado com a distância para os clubes na frente da tabela classificativa. Há muitos jogos pela frente e há que seguir a trabalhar"

 

Palavras de Guillem Pérez, treinador do hóquei em patins do Sporting, após a derrota de ontem em Barcelos, a primeira da temporada. Já era fã do espanhol e acho que não preciso de dizer mais nada.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

O "Senador" António Ramalhete

Podem ver o primeiro episódio, com André Cruz, AQUI
Podem ver o segundo episódio, com Manuel Fernandes, AQUI

Sigam-me no facebook e no twitter.

Guillem, o leão!

Hoje, o hóquei em patins recebe em Alverca o Paço de Arcos (às 21 horas, em directo na Sporting TV), depois de ter entrado a vencer na Liga Europeia.

Um jogo tão importante como qualquer outro porque, num campeonato que se decide na regularidade, cada três pontos valem o mesmo, sejam com o Paço de Arcos ou os rivais mais directos.

 

Na verdade, esta nota introdutória, embora importante, serve para falar daquilo que, primeiro, julgo ser um exemplo de aculturação e integração e, segundo, de competência, dado o que me foi permitido constatar acerca do nosso novo treinador, Guillem Pérez.

É sabido o meu profundo apreço e admiração por Nuno Lopes, pelo seu Sportinguismo e por aquilo que, desportivamente, deu ao Sporting. Gostava que tivesse tido mais uma oportunidade, pois acho que o plantel do ano passado não era suficiente para os objectivos irrealistas a que nos propusemos mas, a partir do momento em que foi anunciado Guillem Pérez como novo treinador, fui lesto a manifestar o meu apoio, sendo certo que serão os resultados finais a determinar a sua competência.

 

Feito este aparte, esta publicação tem o intuito de destacar uma coisa que me irrita profundamente nos profissionais das várias áreas e em especial os jogadores de futebol que vêm para Portugal, algo que Guillem Pérez não descurou e, a meu ver, é importantíssimo tanto para a integração no país como para ganhar o respeito e admiração de quem o acolhe. Era muito fácil a um espanhol vir para cá a falar a língua dele (que todos nós percebemos - uns melhores que outros) mas Pérez fez questão de trazer um português fluente, de conhecer a cultura desportiva do Clube e a sua história que, tenho a certeza, se revelaram determinantes para marcar a diferença no grupo e entre os adeptos (pelo menos os mais atentos).

Não só demonstra conhecimento da realidade actual e passada do Sporting como parece ter interiorizado aquilo que é o nosso verdadeiro ADN, a nossa forma de estar.

Ontem tive a oportunidade de o ouvir, mais uma vez, desta feita no programa Pavilhão Sporting, da Sporting TV. O espanhol demonstra um respeito máximo pelos adversários mas faz algo que, a meu ver, devia ser transversal a todas as modalidades do Clube; não pensa nos adversário antes de pensar em si próprio, na sua equipa.

Disse Guillem Pérez que os adversários não lhe interessam nada para além daquilo que é o estudo semanal do oponente seguinte, demonstrando assim respeito igual por todos e foco total na sua equipa. Privilegia a auto-crítica e o trabalho ao foco no adversário e isso, na minha opinião, reflecte na perfeição aquilo que é a nossa identidade enquanto Clube e é algo que não se identifica em todas as secções.

 

Não sei se Guillem terá ou não sucesso de leão ao peito mas sei que, para já, causou em mim muito boa impressão e, como se sabe, não há duas oportunidades para causar uma boa primeira impressão. Para além disto, o Sporting tem demonstrado qualidade de jogo e entrega, embora o técnico espanhol diga que pretende muito mais e melhor e que todos os jogos serão encarados da mesma forma, apenas a pensar na vitória.

 

Hoje, espero mais uma.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

O regresso ao palco maior

Penso que todos concordam se disser que o hóquei em patins é hoje uma modalidade muito menos mediática em Portugal do que no passado, mesmo que continuemos a ter/ser dos melhores do Mundo.

Eu comecei por ignorar, por me passar ao lado, para ser hoje um apaixonado da modalidade "do pau". Depois do futebol, tenho o futsal e o hóquei em patins em pé de igualdade. Não diria que deixasse de ver o futebol para ver o hóquei mas preferia que a SportingTV ontem tivesse transmitido o hóquei, em detrimento da equipa B.

Sempre vi com paixão e atenção os duelos da nossa selecção nacional mas os grandes responsáveis pelo entusiasmo pela modalidade são os heróis de 2014, com Nuno Lopes à cabeça, seguido por cada um dos que, em campo, fizeram história no primeiro ano do regresso da modalidade oficialmente ao Clube.

Alguns deles ainda ontem nos representaram no regresso à mais alta roda europeia, os outros têm um cantinho no meu coração, onde os guardo com apreço e enorme respeito por terem preenchido a mais bela página vivida enquanto Sportinguista.

Já vi dois títulos nacionais de futebol mas nada me alegrou e emocionou como a conquista da CERS de 2013/14. Se provas forem necessárias de que o Sporting não é um Clube de futebol, podem guardar esta.

 

Ora bem...ontem o hóquei regressou à Liga Europeia (antiga Taça dos Campeões Europeus), a Champions da modalidade, e fê-lo da melhor forma: pavilhão cheio, adeptos entusiastas, uma boa exibição e uma vitória de goleada.

Perfeito!

Importa dizer que o Sporting se assume como candidato à vitória na prova, num momento em que o hóquei português parece ganhar sobre o espanhol um ascendente nunca antes visto (se estiver a dizer alguma parvoíce, alguém melhor informado que me corrija). Nos últimos dois anos, os portugueses venceram três das quatro provas europeias (Liga Europeia e Taça CERS) e este ano voltam a ser favoritos às vitórias finais. Qualquer dos quatro representantes na Liga Europeia a deseja vencer e o Óquei de Barcelos será um dos principais favoritos à vitória na CERS.

Esta é a sétima presença do Sporting na prova, que venceu uma vez nas seis participações anteriores (podem saber toda a história da única vitória, AQUI). Foi mesmo o Sporting, a primeira equipa portuguesa a vencer uma competição europeia de clubes, rompendo o domínio esmagador dos espanhóis. Nas cinco presenças restantes, três presenças nas meias-finais e outra final, desta vez perdida.

Nesta, que é apenas a sétima presença na mais importante prova de clubes da Europa, o Sporting pode manter ou melhorar um registo impressionante na prova, para uma equipa com tão poucas participações. Recordo que, só finais, o Benfica tem 7 e o Porto 12, com bastantes mais anos de modalidade que nós e grande parte delas durante a nossa ausência. O Benfica é o campeão europeu em título e o Porto vem de uma série de 8 finais perdidas nos últimos 20 anos.

Só quatro equipas portuguesas venceram a Liga Europeia: Sporting CP (1), FC Porto (2), Benfica (2) e OC Barcelos (1). As restantes 45 edições tiveram 44 vencedores espanhóis e um italiano (numa final jogada em Portugal).

Na última participação na prova, em 1988/89, o Sporting foi finalista vencido e, agora, 27 anos depois, estamos de regresso para voltar a tomar de assalto o título de reis do "velho continente", que em 89 escapou à equipa comandada por um dos maiores símbolos do Sporting; António Livramento.

 

A expectativa é elevada para esta época mas, para mim, considero-a moderada. O Sporting tem sabido dar os passos certos no aumento da sua competitividade e, ano após ano, tem subido um degrau, aproximando-se do topo. Como disse, há 27 anos que não estávamos na Liga Europeia e, da minha parte, haverá sempre exigência mas sem nunca perder a noção desta realidade.

Ontem, com uma grande equipa, liderada pelo melhor guarda-redes do Mundo e, entre outros, reforçada com o melhor jogador de campo da última década, o Sporting venceu sem problemas os franceses do Quévert e disputará certamente a passagem à fase seguinte com o Reus e o Forte dei Marmi, este último desfalcado de Pedro Gil, o nosso mais sonante reforço para esta época.

O grande destaque da partida vai para os três golos de João Pinto, o nosso capitão e um dos eternos heróis de 2014.

Segue-se a recepção ao Paço de Arcos, na próxima quarta-feira, e o exigente teste em Barcelos, no próximo fim-de-semana. Depois, será um duelo com a Sanjoanense, em casa, a mediar o segundo jogo da Liga Europeia, na Catalunha, frente ao Reus.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Continua a preparação do nosso hóquei

A formação leonina de hóquei em patins continua a preparar a nova temporada desta feira em Barcelona, para onde partiu este domingo de manhã, para realizar um estágio que se vai prolongar até dia 10 de Setembro.

 

Os comandados de Guillem Pérez irão realizar três jogos de preparação na cidade condal.

O primeiro jogo tem lugar já esta segunda-feira diante do Caldes, em Caldes De Montbuy, no Pavelló Torre Roja pelas 19:15h (hora de Portugal).

Os outros dois encontros vão ter lugar no pavilhão de alto rendimento da federação espanhola frente ao Sant Cugat, dia 6, e o Club Voltregà, a 8.

 

Depois deste estágio em terras catalãs, o Sporting CP vai participar na Taça Elite, prova que decorre de 16 a 18 de Setembro, em Coimbra, e que conta com a participação dos oito primeiros classificados do campeonato nacional da época anterior.

O Sporting abrirá a competição com um duelo frente ao OC Barcelos, no dia 16 de Setembro, às 21 horas e, caso passe às meias-finais, defrontará no dia 17, às 17 horas, o vencedor do jogo entre o Benfica e o Turquel (que terão mais 5 horas de descanso). A final joga-se no dia 18 (domingo), às 16 horas e terá transmissão em directo na TVI24 (bem como as meias-finais).

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Portugal é Campeão Europeu de hóquei em patins

Depois de termos ido para o intervalo a perder por 0-2, virámos brilhantemente o resultado para 6-2.

Parabéns a todos, em especial ao nosso Ângelo Girão!

Viva Portugal!

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Agenda Leonina

Agenda 1.png

Agenda 2.png

Agenda 3.png

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

O derby da Taça

Em dois anos, dois títulos...um deles internacional. O projecto desportivo que visa devolver o Sporting à elite do hóquei em patins Mundial continua o seu caminho.

 

Não foi uma época que tenha correspondido às elevadas expectativas mas é impossível dizer que foi uma má temporada.

Começámos por vencer a Supertaça, chegámos à final-four da Taça CERS (que não conseguimos revalidar), assegurámos a presença na próxima Liga Europeia (a Champions do hóquei) e temos agora a possibilidade de terminar como começámos...com um título, que seria o terceiro em 2 anos, desde o regresso oficial da modalidade ao Clube.

 

A equipa de Nuno Lopes, já bem diferente daquela que atingiu os restantes objectivos acima mencionados, parte como underdog para esta final-four. Tendo em conta as circunstâncias, somos mesmo os menos favoritos e os que, teoricamente, integram o jogo com maior desequilíbrio entre os intervenientes.

Não só vamos defrontar o campeão nacional e europeu como o faremos sem 4 dos jogadores que fizeram parte do plantel desta época (Ricardo Figueira, Tiago Losna, Cacau e Luís Viana).

Restam André Centeno, Tuco, Poka e João Pinto, ladeados por Girão e Zé Diogo, a que se juntam atletas da equipa de juniores, que acumulam a disputa pelo título nacional do seu escalão com a ajuda à equipa sénior.

 

Não se antevê um jogo fácil, onde se prevê ainda o cansaço acumulado pelo maior período em jogo das peças principais. Mas nós nem nos damos mal com este 'estatuto'. A baixa expectativa relativamente à nossa prestação e o nível baixo a que o rival tem jogado após atingir os principais objectivos da época, podem jogar a nosso favor.

É acreditar na surpresa, defender em bloco, com espírito de sacrifício e jogar tudo no contra-ataque, onde até os mais jovens podem fazer a diferença, dada a motivação de estar presente em tão importante fase da competição.

 

O Sporting não vence a taça de Portugal à 16 anos e, depois de quebrar os jejuns da Taça CERS e da Supertaça, talvez possamos matar mais um borrego. Para já, temos pela frente um dos grandes, antes da final de domingo.

 

Força, Sporting!

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

"Estou no Clube que possui os valores com os quais me identifico"

As palavras são de João Pinto, jogador do hóquei patins leonino, após rubricar novo contrato, que fará dele um dos privilegiados que jogarão no novo pavilhão João Rocha.

João Pinto HP.png

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

Obrigado, André! E boa sorte!

"No passado sábado, antes do jogo em Turquel contra o Sporting CP, assinei a revogacão do contrato por mútuo acordo que me ligava ao clube que me viu crescer, que me deu valores competitivos e sociais, que me fez atleta e Homem. Com o clube que ajudei a crescer e a lutar para estar nos patamares que merece! Com o clube onde passei por muita coisa, muitos pavilhões, muitas conquistas e aprendizagens. Com o clube que estará sempre marcado no meu percurso e que sei que terei o meu nome gravado na sua grandiosa história. Saio à procura do meu espaço na modalidade que amo, com a certeza que se posso sonhar com algo devo a este clube que me deu as bases e condições para me tornar jogador de Hóquei em Patins. Foi uma simbiose perfeita ao longo destes anos, da qual me orgulho imenso de ter evoluído desde da Casa do Gaiato até ter competido com os melhores.
Ao Engenheiro Gilberto Dias Borges, grande mentor deste crescimento sustentado e com qualidade, que levou o SCP ao mais alto nível, o meu reconhecimento de amizade por ter sido parte essencial do meu crescimento. Sei que serei sempre um dos seus meninos , assim como da Dona Gabi, isso diz muito da nossa relação. Ao Presidente Bruno de Carvalho, o meu agradecimento por ter sido sua aposta pessoal assim como por ter tornado a modalidade oficial, sonho partilhado nos tempos ainda no Gaiato! A todos os que cruzaram comigo neste percurso longo, obrigado por terem sido parte integrante no meu crescimento! Por fim, a maior palavra de agradecimento para aqueles que estiveram sempre presentes, tanto nas conquistas como nas derrotas, os melhores adeptos que para mim são a alma do clube, e que torna este clube tão especial.
Um Até Breve,
E que venham as maiores aventuras e conquistas!!!"

 

André Pimenta, jogador formado no Sporting, internacional nos escalões de formação e um dos vencedores da Taça CERS 2014/15.

 

Sigam o GAG no facebook e no twitter.

QUEIRAM SER FELIZES, QUEIRAM SER IMORTAIS!


Eu sou imortal! Eu tenho a certeza que sou imortal! (...) Por ter perdido tantas vezes e por ter ganho da forma que foi, tão apoteótica.



Eu estou pronto e já disse aos meus colegas: "Daqui a 30 anos nós vamos ser os velhos jarretas que vamos falar à Sporting TV do feito que nós fizemos."



Eu vou lá estar para falar, e dizer, já cheio de 'bicos de papagaio', cansado...Nunca mais vi hóquei, nunca mais quis saber de competições, porque a competição faz mal...Nós sofremos muito, desgastamo-nos em demasia mas o sabor...o sabor de chegar ao sucesso é muito bom!



 



Carlos Martins ("Carlitos"), na sequência da vitória na Taça CERS 2014/15 - 26/04/2015

 



Sigam o GAG no facebook e no twitter.



No país do futebol

Sempre acompanhei as mais importantes competições onde entre a selecção portuguesa, nas várias modalidades.

Não sou especialista em hóquei em patins mas aquela equipa leonina do ano passado fez nascer em mim um gosto especial pela modalidade.

Sempre acompanhei as prestações em campeonatos da Europa e do Mundo e, com muita pena, ainda não consegui ver nenhum dos jogos da nossa selecção na Taça Latina.

Sim, está a decorrer uma competição internacional à qual ninguém liga mas que já foi importantíssima entre o povo, sobretudo por via das transmissões televisivas e da atenção por parte da imprensa.

Hoje passa-se o oposto.

Aqui, no país do futebol, os destaques do dia vão para um jogo que não se venceu, uma "estrela interplanetária" a quem se faz propaganda diária, um guarda-redes búlgaro ou goleadores argelinos.

Sim, ninguém fala de um feito que há 55 anos não se alcançava, muito menos com a categoria e 'limpeza' com que ontem fechámos a conquista de mais uma Taça Latina.

Depois de anteontem termos vencido a Itália por 4-3, foi a vez de, ontem, a Espanha ter sido categoricamente 'despachada' por 5-1. Hoje ainda há um jogo, com a França, o adversário menos 'cotado', mas nem uma derrota nos tirará o título.

Há 55 anos que Portugal não vencia uma Taça Latina disputada fora de Portugal e, em Follonica, é em Português que se vai festejar. Será a 14ª Taça Latina, competição em que Portugal é o máximo vencedor.

Espero que o facto de todos os desportivos terem ignorado a equipa nacional sub-23 de hóquei, onde despontam grandes talentos, seja por estarem a guardar as chamadas de capa para amanhã.

Sem me querer alongar, é também por isto que a modalidade não evolui, não capta mais público nem chama mais à atenção... porque a comunicação social portuguesa, sobretudo a imprensa desportiva, está mais interessada em fazer propaganda em vez de jornalismo, 'jornalixo' em vez de aproximar o público de outras modalidades que não o futebol, algumas delas em que somos muito bem sucedidos.

Parabéns à selecção nacional que, agora bicampeã da Taça Latina, não tenho dúvidas festejará hoje com nova vitória.

Pode ser que assim mereçam alguma tinta.

Vale a pena pensar nisto

Toda a gente sabe que é a visibilidade e o alcance de uma modalidade que cativa mais adeptos para a mesma. Para isso, há que ter executantes de qualidade que proporcionem bons espectáculos.

Esta é a base para o sucesso de qualquer competição ou modalidade.

O Sporting sabe isso e, atempadamente, preparou um documento extenso com aquilo que julgava melhorar o futebol.

Furou a inércia de instituições nacionais e internacionais, foi proactivo e já se notam os efeitos dessa proactividade.

 

Gostava que o Sporting, em conjunto com os vários especialistas nas várias modalidades que compõem o Clube (ou até mesmo externos, desde que em parceria) fizesse algo semelhante para as restantes modalidades.

Só assim cativaremos mais praticantes, mais público e melhoraremos as competições, sejam elas nacionais ou internacionais.

Já deu para perceber que podemos ter impacto, que lá fora nos respeitam e estão dispostos a ouvir-nos.

 

Servem estas notas introdutórias para discutir o caso do hóquei em patins em concreto.

Não será novidade para ninguém se disser que o regresso da modalidade ao Clube agitou o mundo do hóquei, tanto em Portugal como na Europa, com resultados que o comprovam.

Não é novidade também para os mais atentos que o hóquei carece de regras que tornem a modalidade mais atractiva para quem assiste aos jogos (também davam jeito bons pavilhões e meios para transmitir as provas com qualidade na TV, mas isso já exige outros meios).

Bons executantes não faltam, muitos deles portugueses e, por isso, custa-me que uma modalidade em que somos dos melhores do Mundo não evolua de modo a que mais gente a conheça e pratique.

 

Vendo a inépcia total do CERH (organização europeia da modalidade) e das principais federações (sobretudo a Portuguesa e a Espanhola), está na hora do Sporting se assumir para além dos rinques e tentar fazer algo pela promoção da modalidade.

Vamos ter um novo pavilhão, onde teremos capacidade de fazer transmissões televisivas de qualidade que promovam as nossas modalidades. Temos e teremos equipas cada vez mais competitivas. Já vencemos e queremos certamente vencer mais troféus.

Falta que essas vitórias tenham maior impacto do que aquele que têm hoje as de quem vence competições, sejam elas nacionais ou europeias.

 

Vem toda esta 'lenga-lenga' a propósito dos critérios hediondos de candidatura à organização de competições europeias, em especial da Taça CERS, que se realizam até ao próximo dia 18 de Março.

Imaginem vocês que para fazer uma candidatura à final-four da Taça CERS não é necessário ter um bom pavilhão, com uma lotação mínima e muito menos com as ideais condições de segurança.

Sim, nada disto é necessário.

Para fazer uma candidatura basta entrar num leilão. 

Sim, um leilão, tendo por base 5 mil euros para início de conversa.

Quem der mais, organiza a prova.

Isto não prova nada mas demonstra bem quais são as prioridades e as reais preocupações do CERH.

 

Adorava que o Sporting pudesse organizar a prova.

Porque tem uma capacidade organizativa ímpar, uma capacidade de mobilização única e também porque defender o título em casa seria fantástico para quem pretende voltar a marcar uma era na modalidade. Também porque tenho quase a certeza que o Sporting faria uma melhor promoção da modalidade do que qualquer outra equipa.

Convém dizer que, embora ainda não o tenhamos feito oficialmente, consta que o Sporting, o OC Barcelos e o Vilafranca serão os únicos candidatos (o Metera não deve estar disposto e enfrentar o leilão).

 

Quanto ao resto, espero que alguém do Sporting leia isto e promova também a melhoria das restantes modalidades em que nos mostramos ao país e ao Mundo.

Acho que vale a pena pensar nisto.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal