Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

A incessante procura pela última coca-cola do deserto

Estávamos quase em Novembro quando o João Novais foi titular pela primeira vez esta época. Foi contra o Sporting e, aproveitando a deixa do Chico, que não podia jogar, foi um dos melhores em campo..
 
Até lá, só tinha jogado 55 minutos, divididos em 6 jogos.
 
Daí para cá foram 11 titularidades em 12 jogos, 893 minutos jogados e 9 golos marcados, a maioria deles de belo efeito e 3 deles na sequência da marcação exemplar de livres directos (algo raro e muito valioso, sobretudo no nosso campeonato).
 
1 golo a cada 99 minutos. Um médio com números de ponta-de-lança (e não serão de um ponta-de-lança qualquer).
 
Claro que isto será uma fase. O Novais, que tinha 7 golos em toda a carreira como sénior, tem apenas 24 anos e pulverizou todos os seus números numa sequência de oportunidades que não desperdiçou. Não vai ser sempre assim mas, se Miguel Cardoso não lhe tem dado aquela oportunidade e lhe tem dado continuidade, ninguém saberia quem é o João Novais.
Assim, temos mais um jogador que, de repente, tem todos os olhos em cima de si e vai começar a sentir a pressão. Ainda não soçobrou mas um dia vai quebrar. No entanto, teve o seu espaço para mostrar que tem valor e naquilo em que é melhor.
 
Com 24 anos, tem muito para melhorar, se fizer uma boa gestão da sua carreira.
 
Digo isto não só porque aprecio o jogador mas sobretudo porque isto não se aplica a um único jogador do plantel do Sporting e eu acho isto problemático e motivo de reflexão.
Com base em pouco mais do que treinos, vamos mudar 5 ou 6 peças do elenco. Tudo sem saber que cá tínhamos o nosso "Novais".
 
Jesus usou um núcleo duro de 12 jogadores, que jogaram a maior parte do tempo, sendo que três se encontram num patamar abaixo (Podence, Doumbia e Jonathan).
Destes três jogadores, nenhum teve uma sequência de jogos que lhe permitisse dar aquele salto competitivo, embora cada um deles tenha aportado algo à equipa, pontualmente.
 
Gelson Dala e, provavelmente, Iuri Medeiros e João Palhinha sairão nesta janela de mercado sem se saber se tinham ou não algo a acrescentar ao grupo, mais não fosse para folgar um ou outro dos tais 12 que jogam sempre.
 
Sem colocar em causa o valor de qualquer dos recém-contratados, todos eles vão necessitar de oportunidades e terão de mostrar valor ainda em período de adaptação (sobretudo Wendel e Misic).
Terão em cima deles um peso e uma pressão ainda maior que a que condenou um jogador como Iuri Medeiros, que tinha tudo para ser o nosso "joker", como o Novais tem sido no Rio Ave.
Serão assaltados por uma incrível necessidade de mostrar algo, alargando esse tal núcleo duro onde Palhinha nunca entrou, ficando nós sem saber se ele podia ter sido o melhor substituto para Adrien.
 
Estou no campo das suposições, porque nem Iuri nem Palhinha saíram ainda do Sporting mas estou em crer que isso acontecerá. Alguém terá de sair e as opções são evidentes e têm na utilização dos jogadores um sinal claro.
 
Vamos agora aos reforços...
 
Não conheço Wendel. É mais um "prodígio" vindo do Brasil, a quem auguram grande futuro mas sobre quem cairão, naturalmente, as dúvidas da capacidade de adaptação ao futebol europeu.
A verdade é que o Sporting tem recrutado pessimamente no Brasil. Desde Liédson que não vem um craque de Terras de Vera Cruz. Depois disso, Polga e Rochemback (este, vindo de Barcelona) foram os únicos brasileiros verdadeiramente úteis. Depois destes, a lista de brasileiros que pisou o José Alvalade é deprimente, pese embora um ou outro que nos ajudou de forma pontual.
Tomara que Wendel seja o próximo Liédson e nos ajude tanto como o "Levezinho", mesmo que em tarefas diferentes.
 
Também não conheço Misic. É, tal como Wendel, um jovem mas actuava num campeonato que, embora europeu, não se aproxima sequer da competitividade do "Brasileirão". É uma incógnita total, não terá implicado um grande esforço financeiro e, se parecer tão bom como Ristovski (que também veio do Rijeka) pode ser que...
É internacional croata. Algo que, só por si, não é mau cartão de visita, visto que a Croácia tem uma bela selecção.
No entanto, dou por mim a perguntar porque se renovou com o Palhinha...? É que, por momentos, pareceu que tínhamos intenção de apostar nele.
 
Por fim, Rúben Ribeiro.
Assumo que não tenho grande fezada, não por não reconhecer valor ao jogador mas por um qualquer feeling.
Reconheço que pode trazer coisas boas que, por exemplo, Bryan Ruiz já não traz (e nem vale a pena teimar mais) e, pese embora o pessimismo, há um ponto a favor do Rúben que pode ser determinante. Não necessita de adaptação, não é evidentemente alguém com falta de confiança e, aos 30 anos, terá a oportunidade de ouro que há muito reclama e muitos têm reclamado por ele.
Terá pela frente uma prova de fogo mas também a oportunidade de uma vida, sendo que está, em termos de maturidade, em "ponto de rebuçado".
Reforço; embora pessimista, sei que Ribeiro será útil. A minha dúvida é se será determinante, pois é disso que nós vamos precisar para atacar todas as frentes a que nos propomos. Lá no fundo, sei que ele é capaz. Veremos se concretiza as minhas melhores expectativas. Se o fizer, pode até entrar nas contas para o Mundial, pese embora o conservadorismo de Fernando Santos.
 
Termino regressando à ideia inicial. Estamos na silly season. Todos querem encontrar a última coca-cola do deserto, muitos estão dispostos a loucuras por isso mas, no fim, só há uma e às vezes até a temos na mochila.
Tomara que dê certo, que tomemos as melhores opções e que o resultado da abordagem ao mercado de janeiro não reflicta os mesmos erros de há duas épocas atrás.
 
A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

SPORTING CP 3-1 Olympiacos: Está garantido o mal menor

"A Liga Europa, para nós, é um mal menor."

 

As palavras são de Jorge Jesus, no final do encontro de ontem e, ao contrário do que muitos possam pensar, não exprimem qualquer desânimo ou desilusão.

Esta frase exprime uma ambição que há mais tempo eu esperava ter visto no Sporting de Jorge Jesus. Já havíamos jogado antes olhos nos olhos com outros tubarões mas nunca se tinha vislumbrado em Jesus esta ambição.

Talvez o tenha dito porque conseguimos ontem o que falhámos no passado. Porque fizemos a nossa obrigação ao garantir seis pontos com a equipa "do nosso campeonato", coisa que não havíamos feito no passado e nos acabou por custar caro. Talvez o tenha dito porque não havia nada a desculpar e porque daqui para a frente o que vier é ganho mas, não posso negar, esta ambição agrada-me. É isto que eu quero continuar a ver no meu Sporting.

Cumprimos o nosso dever com entrega, rigor, determinação e qualidade. Tal como em Atenas foi com naturalidade que chegámos ao 3-0, resultado depois nivelado pelos gregos para números mais coincidentes com aquilo que é a real diferença entre os dois conjuntos.

O Sporting é melhor equipa e mostrou-o ontem, como já havia feito em Atenas. Os três pontos (seis, no confronto directo) são merecidos e, no mínimo, continuaremos a competir na Liga Europa, onde poderemos restituir algum do nosso prestígio e, tão ou mais importante, refazer o nosso ranking, recolocando-nos onde merecemos e queremos estar.

Só assim se evitam equipas como as que temos apanhado nos últimos anos e que tanto nos complicam a vida.

Inevitavelmente é Bas Dost o homem do jogo mas, no geral, todos se exibiram a um nível interessante. Curiosamente, um dos que mais me tem feito suspirar pelo seu regresso terá sido um dos menos bons. William não teve a noite mais feliz, mas não deixou de dar, aqui e ali, um cheirinho da sua qualidade.

Piccini, por tudo o que acrescenta ao nosso jogo na ala e pela segurança que transmite (tal como Coentrão) mas sobretudo por ter iniciado o lance que desbloqueia o jogo, merece-me uma atenção especial, tal como Bruno César, que surpreende nestes jogos europeus pela sua fiabilidade e efectividade que, curiosamente nem sempre revela nos jogos das competições internas.

Gelson e Bruno Fernandes voltaram a assistir colegas para os golos e continuam a ser os principais municiadores da equipa. Com maior eficácia, os números de ambos podiam até ter sido mais relevantes.

O 12º jogador voltou a dizer "presente" e foram mais de 42500 os espectadores no Estádio José Alvalade, num dia cheio e em cheio para o Sporting, que assegurou a presença no playoff de acesso aos oitavos-de-final da Youth League, venceu o primeiro encontro da ronda de elite da UEFA Futsal Cup e acabou o dia a regressar ao primeiro lugar do campeonato nacional de andebol, após vitória tranquila em Águas Santas, com o regresso de Pedro Solha à competição.

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

O reflexo do lobby na jornada das selecções

Na sequência do post da semana passada (link), sobre as convocatórias para a selecção nacional e apenas por curiosidade, veja-se também a utilização dos jogadores do Sporting convocados para os respectivos escalões.

A publicação não tem como objectivo questionar as opções dos seleccionadores. Se há partida, já são convocados mais de um respectivo clube, é normal que a probabilidade de serem eles a jogar seja maior.

 

SUB-21

Roménia 1-1 PORTUGAL
Pedro Delgado - 90'
Rafael Leão - 31'
Ivanildo Fernandes - 0'
Rafael Barbosa - 0'

PORTUGAL 2-1 Suíça
Pedro Delgado - 66'
Rafael Leão - 0'
Ivanildo Fernandes - 0'
Rafael Barbosa - 0'

 

SUB-20

Polónia 1-2 PORTUGAL
Pedro Marques - 34'
Bruno Paz - 24'
Abdu Conté - 0'

 

SUB-19

(Nota: Para o estágio foram chamados Luís Maximiano, Thierry Correia, Elves Baldé e Miguel Luís. Antes do jogo frente à Espanha e também por influência da integração de alguns jogadores que estiveram ao serviço dos sub-20, Hélio Gomes dispensou Elves Baldé e Miguel Luís, para chamar Pedro Mendes, avançado do Sporting.)
PORTUGAL 2-1 Espanha
Thiarry Correia - 90'
Pedro Mendes - 0'
Luís Maximiano - 0'

 

SUB-17

Inglaterra 3-2 PORTUGAL
Rodrigo Fernandes - 80' (1 golo)
Félix Correia - 33'
Carlos Silva - 0'

Alemanha 1-2 PORTUGAL
Rodrigo Fernandes - 80' 
Félix Correia - 80' (1 golo)
Carlos Silva - 0'

PORTUGAL 5-3 Rússia
Carlos Silva - 80' (1 golo)
Félix Correia - 40' (1 golo)
Rodrigo Fernandes - 0'

 

SUB-16

PORTUGAL 2-1 Bélgica
Bruno Tavares - 90'
Diogo Almeida - 90'
Eduardo Quaresma - 90'
Tiago Ferreira - 90'
João Daniel - 36'
Umaro Baldé - 1'
Daniel Rodrigues - 0'

 

No total, os jogadores do Sporting jogaram 1125 de 2610 minutos (aproximadamente 43% de utilização). 

Destaque para os quatro golos em três jogos, nos sub-17.

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

Vai, Leão!

Há pelo menos dois anos que sigo atentamente Rafael Leão. Aquele jeito desatento, despreocupado, desleixado, por vezes displicente, nunca escondeu o talento enorme que se percebia a léguas em cada vez que tocava na bola. Nunca a perdia sempre que parecia empenhado na acção levada a cabo. Perdia-a quando a acção lhe parecia demasiado fácil, acessível. Fazia coisas incríveis em situações nada propícias a isso e coisas inacreditáveis quando tinha tudo para dar certo. Coisas de craque.

 

Em 2015/16 já actuava nos juvenis e nos juniores, em ambos de forma inconsistente. Um jogo bom, outro mau, um a titular, outro no banco mas o talento, esse, sempre esteve lá. O trajecto dos craques nem sempre acontece com uma passadeira estendida. Leão precisava constantemente de um "abre-olhos" mas o final de época mostrou o melhor dele, sendo fundamental no título nacional de juvenis, depois de já se ter sagrado campeão da Europa de sub-17, pela selecção nacional portuguesa.

Na época passada, a subida aos juniores fez-se de forma pacífica. Era óbvio que precisava de novos estímulos, de maior e melhor oposição. Aquele era o habitat que precisava. A época nem sempre lhe correu de feição. Alternou a titularidade com o banco e pareceu sempre mais decisivo quando começava o jogo como suplente. A qualidade aparecia mas não era ainda consistente. Faltava foco mas eu continuava a dizer em todo o lado que estava ali a "next big thing" (ainda me posso enganar, mas...).

Mais uma vez, é no final da temporada que se dá o "click". Para mim o definitivo, que indiciava que Leão estava cada vez mais pronto. Os momentos de desconcentração eram cada vez mais raros, já se notava outra atitude competitiva. Rafa deixou de estar apenas a jogar no bairro, frente aos amigos da sua rua.

O prémio surge no final da temporada, com a chamada à equipa B, antes do jogo do título no escalão júnior. Leão estreou-se nos escalões profissionais, entrou aos 68 minutos e 22 minutos depois marcou o golo que daria um empate em Braga. Na semana seguinte estava a festejar no Olival o título de campeão nacional de juniores.

 

Esta temporada, confesso, era de enorme expectativa para mim. Não esperava retrocessos mas tinha receio que acontecessem. Ainda com idade júnior, Rafael Leão estebeleceu-se na equipa B e tem ganho o seu espaço, mesmo que fosse expectável que esse espaço fosse de Pedro Marques. Os jogos da Ledman LigaPro alternam com os da Youth League, onde tem sido determinante na, até ver, boa caminhada do Sporting. As "aparições" no campeonato nacional de juniores são cada vez mais escassas e Leão, mais focado do que nunca em agarrar as oportunidades, cada vez mais olha para cima, para o topo.

A estreia na equipa principal foi uma surpresa mas acaba por acontecer com naturalidade, dadas as circunstâncias. O jogador recebeu um sinal de confiança pelo trabalho desenvolvido e respondeu afirmativamente. Podem contar com ele! Jesus lançou-o na Taça de Portugal, em Oleiros. Entrou aos 70 minutos e aos 86 as redes já tinham abanado. Foi ainda mais rápido a marcar na equipa principal do que na equipa B, onde também leva um interessante registo (5 golos em pouco mais de 500 minutos).

Este fantástico percurso não escapou a Rui Jorge, que o convocou para os sub-21, em reconstrução após duas "fornadas" muito boas. A derrota na Bósnia fez soar alguns alarmes e o ex-lateral esquerdo dos leões, hoje timoneiro da equipa de "esperanças", não tardou em dar um sinal ao grupo. Não há lugares cativos e hoje há um Leão preparado para mostrar que não pára de subir degraus.

 

O céu é o limite! Vamos lá, puto!

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

O lobby continua

Desde há uns anos para cá que o Benfica tem dominado as convocatórias das selecções jovens, sobretudo nos sub-20 e inferiores.

Isto acontece sem que seja evidente um patamar de qualidade distinto daquele que os jogadores de outros clubes demonstram.

Seria de esperar, até pelo equilíbrio de valores entre as três formações, que Sporting, Benfica e Porto tivessem um número semelhante de chamadas às selecções jovens, mas não é isso que se verifica. Por um ou outro motivo, as escolhas acabam por recair maioritariamente em atletas do Benfica.

Portugal tem muitos jogadores de valor mas quem olha para as convocatórias das selecções nacionais, assiste a um domínio incompreensível da formação do Benfica relativamente às restantes.

Em semana de selecções, vejamos o panorama actual, desde os sub-17 aos sub-21 (deixarei de fora a selecção principal, pois já se encontra de fora do âmbito do futebol de formação):

Benfica (32 jogadores convocados) 

Sporting (14 jogadores convocados)

Porto (13 jogadores convocados)

A estes jogadores, acrescem 5 jogadores que jogam actualmente noutros clubes mas passaram na formação do Benfica e 3 jogadores no que respeita ao Sporting.

 

É evidente que um jogador com internacionalizações desde os sub-15 ganha um certo estatuto e que a FPF e os seus treinadores terão tendência a acompanhar o seu percurso. É também evidente que um jogador que normalmente não era chamado, vai ter mais dificuldade em sê-lo no futuro, a não ser que se revele um fora-de-série ou, no mínimo, bastante melhor que os que habitualmente são chamados e nos quais já recai uma certa confiança.

Em caso de dúvida, um treinador de formação pode ter a tendência a chamar alguém já habituado às selecções nacionais, em muitos dos casos já com um passado associado aos próprios treinadores, que passam pelos vários escalões de formação da FPF.

 

Voltando ao lobby, parece-me evidente que a formação do Benfica não é assim tão boa que justifique, em apenas quatro escalões (sub-17, sub-19, sub-20 e sub-21), mais 18 chamadas à selecção que atletas do Sporting e 19 que os atletas do Porto.

O lobby é evidente, sobretudo aos olhos de quem, como eu, acompanha o futebol de formação em Portugal.

Objectivamente e sem ponta de "clubite", os jogadores da formação do Benfica não têm uma qualidade tão superior aos do Sporting e do Porto que justifique esta discrepância. Nem vou aqui discutir se, no geral, há mais ou menos qualidade num lado ou noutro, até porque só conheço de forma mais aprofundada a formação do Sporting. Mas vejo os jogos, alguns deles entre estas três equipas...

A verdade é que os jogadores do Benfica nem sequer apresentam resultados colectivos que justifiquem chamadas em massa às selecções.

 

Nos últimos dez anos, o Benfica tem um título de juniores (o Sporting tem cinco e o Porto três), quatro de juvenis (o Sporting tem dois e o Porto três) e seis de iniciados (o Sporting tem três e o Porto um).

Benfica (11 títulos)

Sporting (10 títulos)

Porto (7 títulos)

Era, de facto, mais lógico que estes números se reflectissem minimamente nas convocatórias às selecções nacionais.

 

Porque quero defender a minha dama, vou apenas enumerar alguns jogadores do Sporting que julgo terem valor mais do que suficiente para fazer parte das selecções, mas não foram chamados (alguns nunca foram e outros há muito tempo que não o são).

Pedro Silva, Tiago Djaló, Bubacar Djaló, Pedro Ferreira, João Ricciuli, Daniel Bragança, Bernardo Sousa, Diogo Brás, Gonçalo Costa, Diogo Almeida, Eduardo Quaresma, Umaro Baldé, Félix Correia, Daniel Rodrigues, Jorge Ferreira e Bruno Tavares, só para citar alguns dos jogadores da nossa formação que não foram chamados aos trabalhos das selecções e têm valor para lá estar.

Excepto Ricciuli (que tem dupla nacionalidade) e Jorge Ferreira (chegado este ano, vindo do Vitória SC), todos têm um passado nas selecções nacionais. Um ou outro, entendo que não seja chamado, por ter menos tempo de jogo.

 

Importa também relevar que o Sporting é líder da sua série nos juniores, qualificou-se em segundo lugar para a segunda fase nos juvenis (numa série que não incluía o Benfica, que se qualificou em primeiro, com os mesmo pontos do Belenenses) e foi também líder na primeira fase de iniciados.

 

Para terminar, não coloco em causa o valor de nenhum jogador e muito menos o possível sucesso das nossas selecções nos vários compromissos futuros. As nossas selecções jovens têm apresentado bons resultados e continuarão a fazê-lo, porque em Portugal se trabalha bem na formação.

Porém, parece-me evidente uma diferença de tratamento que resulta num conjunto de escolhas que podem não ser as melhores para os respectivos escalões mas acabam a valorizar em demasia uma formação em detrimento das outras, valorização essa que não se verifica na prática, muito menos com a discrepância que os números revelam.

 

A publicidade neste blog destina-se apenas a fins solidários.
Sigam-me no facebook e no twitter.

SPORTING CP 2-3 Basileia: errar assim, é fatal

Fui tolerante com a lentidão de processos e a aparente monotonia do nosso futebol. Afinal estávamos a usar um sistema de jogo novo que, embora tivéssemos adoptado duas vezes na temporada passada, não me parece que estivesse a ser trabalhado.

Um sistema de três defesas demora tempo a implementar, mais ainda numa pré-temporada, em que a frescura física não é a melhor. Para funcionar, os laterais / alas têm de conseguir dar largura e profundidade, ao mesmo tempo que recuperam defensivamente. Essa é uma das chaves do sistema e, num momento em que o cansaço impera, é impossível, tanto a Jonathan como a Piccini, desdobrar-se em todas as tarefas que farão tanto melhor quanto maior for a capacidade física. Ambos parecem ter características para encaixar neste modelo mas ainda é cedo para saber se pode funcionar (Coentrão estará dependente da forma que consiga adquirir ao longo das próximas semanas). De qualquer das formas, este parece-me o plano B.

O jogo interior também não teve a qualidade desejada e viveu das investidas de Podence e de alguns momentos de Bruno Fernandes e Alan Ruiz. Bas Dost não teve uma oportunidade de golo em jogo corrido e isso é elucidativo.

 

Mas não há plano de jogo ou modelo que resista a erros fatais. O primeiro pertenceu ao árbitro da partida, que assinalou uma grande penalidade sobre Ricky van Wolfswinkel, quando foi o holandês a derrubar Tobias. O Basileia fez o empate e cresceu, embora não o suficiente para ameaçar de forma evidente Azbe Jug. Porém, o esloveno acabaria por dar uma fífia que levaria os suíços para o intervalo em vantagem.

 

A segunda parte foi fraca de ambas as partes, monótona e, confesso, foi um sacrifício daqueles acompanhar o jogo até ao final. Valeu pela capacidade individual de alguns jogadores que, percebe-se, podem resolver jogos sozinhos. Iuri tira um coelho da cartola e Matheus Pereira aparece a finalizar na zona do ponta-de-lança. Repunha-se a justiça no resultado.

Até final, haveria de ser mais um erro a ser-nos fatal. André Geraldes oferece a um adversário a possibilidade de finalizar na cara de Azbe Jug, o esloveno, pese embora a inaudita surpresa, pareceu-me pouco lesto a fazer frente ao jogador dos suíços e a bola acabou no fundo das redes da nossa baliza. 3-2 para o Basileia, que haveria de ser o resultado final.

 

Posto isto, com quatro jogos decorridos, já consigo tirar algumas ilações, sem que sejam ainda conclusões.

Mattheus e Battaglia, podendo vir ainda a crescer, não parecem ser claras mais valias no imediato. Neste cenário, tenho dificuldades em validar a contratação de ambos quando tínhamos nos nossos quadros jogadores de capacidade igual que acabarão dispensados (alguns deles já receberam até ordem para abandonar os trabalhos da equipa principal).

Continuarei a dar o benefício da dúvida a Piccini (que não conheço e espero que cresça numa posição para a qual não tínhamos alternativas internas), na expectativa que Mathieu e Coentrão atinjam níveis que já demonstraram e que Doumbia seja mesmo a mais-valia que Bruno Fernandes já mostrou que vai ser.

 

Para já, embora fosse mais do que previsível, perece-me um erro dispensar Ryan Gauld, Francisco Geraldes e João Palhinha. As dispensas não são oficiais mas serão uma questão de dias. Espero que possam jogar os três juntos, por exemplo, no Moreirense ou Boavista e mostrem aquilo que valem. Não são inferiores a Petrovic, Battaglia ou Mattheus.

 

Termino com uma farpa a Jorge Jesus que, há uns meses dizia que o Sporting precisava de ter capacidade para comprar mais jogadores de 10 / 15 / 20 milhões de euros. Concordo.

O que não concordo é que se continuem a contratar jogadores de 1 / 2 / 3 milhões, quando desses formamos nós todos os anos à mão cheia. O melhor de dois mundos é saber atingir o equilíbrio e a razoabilidade. O Sporting forma jogadores de nível para a equipa principal. Não para emprestar sucessivamente, fortalecendo equipas da mesma competição, que jogarão contra nós enfraquecidas, fruto de uma regra de empréstimos ridícula que ninguém faz por mudar.

A aposta nos nossos jovens reduz a frequência com que se erra na contratação de jogadores vindos de fora. Gastar 1 / 2 / 3 milhões a ver se pega não pode banalizar-se e muito menos desvalorizar-se. Não quando afirmamos (com razão) que somos uma das melhores academias do Mundo a formar jogadores de nível para as melhores ligas.

 

Curioso para o que aí virá, expectante e pouco confiante. A ver vamos.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Juvenis bi-campeões!

Tudo foi tentado para evitar o inevitável. Expulsões exageradas, outras incompreensíveis e inacreditáveis, jogos de castigo, impedimento de despenalizações, violência extrema permitida pelas equipas de arbitragem e penaltis assinalados contra. Nada disto travou a equipa de João Couto que, assim, é também ele bi-campeão no segundo ano após o regresso ao Sporting (importante continuar a recuperar gente válida que já nos ajudou no passado, Sportinguistas, como o "mister" Couto).

Depois, na falta de Diogo Brás, o maior craque desta equipa, apareceu Bernardo Sousa, que sempre fez com Brás uma dupla temível para todos os nossos adversários.

Muita qualidade em todos os sectores do terreno, desde a segurança da defesa, passando pela acutilância dos laterais, até ao equilíbrio e criatividade da linha média. Por fim, na frente, qualidade, explosividade, técnica apurada e golos, muitos golos.

119 golos marcados (3.5, em média, por jogo) e apenas 21 sofridos em 34 jogos.

Falta o jogo de consagração, no próximo domingo às 11 horas, na Academia Sporting, frente ao rival Benfica.

Parabéns aos jogadores e equipa técnica!

Sigam-me no facebook e no twitter.

Daniel Bragança em entrevista

Daniel Bragança é um dos capitães dos juniores do Sporting e acabou de juntar o título nacional do escalão ao de juvenis. Em entrevista ao Jornal do Clube, o médio, que tem na criatividade uma das suas armas, defendeu que o jogador que alinhe ao seu lado não precisa de ter características distintas.

Daniel Bragança.jpg

JORNAL SPORTING – Juvenis ou juniores, qual o título que teve um sabor mais especial? 
DANIEL BRAGANÇA
– Foram os dois. Ser campeão é sempre um grande objectivo e conquistar o título, seja em que escalão for, é incrível. Cada um tem um significado diferente, mas a felicidade é a mesma.

Foste campeão pelo Sporting em dois anos consecutivos e dois escalões diferentes. Qual é o sentimento? 
É algo que me deixa muito orgulhoso. É uma recompensa do trabalho que realizámos nestes dois anos de trabalho. É merecido e nunca vou esquecer.

Se tivesses de escolher o momento mais difícil desta época, qual seria? 
[Suspiro] A eliminação na Youth League. Foi definitivamente a altura mais difícil da temporada para nós. Tínhamos qualidade para ir mais longe e termos consciência disso deixou-nos um bocado abalados.

Foi teu primeiro ano como júnior, além do campeonato tiveste a oportunidade de participar na Youth League. Foi importante para o teu crescimento?
Foi uma experiência muito positiva, apesar da eliminação precoce. Como equipa, evoluímos bastante e individualmente não tenho dúvidas de que todos os jogadores cresceram. Nós gostamos é de jogar e por isso ficámos muito felizes por ter a oportunidade de ter jogos a meio da semana e ao fim-de-semana.

O nível de dificuldade que encontram nessa competição é totalmente distinto do que têm a nível nacional? 
A nível competitivo é uma diferença enorme. Tivemos pela frente equipas de grande qualidade, de países diferentes e que por isso tinham estilos de jogo completamente diferentes.

A nível individual, és um jogador que lê bem o jogo e é dotado tecnicamente. Consideras que a vertente física é um aspecto em que tens de melhorar?
Sei que esse é um capítulo no qual tenho de evoluir muito e estou a trabalhar para o fazer. Claro que também ainda tenho de melhorar em outros aspectos, mas esse é sem dúvida o principal.

Concordas que cada vez mais o lado psicológico do jogador é fundamental para conseguir ter um bom desempenho em campo?
Não só em mim, mas em qualquer jogador. Quando entramos em campo, precisamos de confiar em nós próprios, caso contrário as coisas vão estar mais perto de correr mal do que bem. É fundamental ter a confiança no máximo.

Podes jogar mais recuado no terreno, como mais perto da zona de decisão. Achas que esta polivalência é um factor cada vez mais determinante no futebol actual?
Para nós, que ainda estamos nos escalões de formação, é algo essencial para o nosso crescimento. Temos de estar sempre aptos para jogar onde o 'mister' quiser e é para isso que trabalhamos diariamente.

Achas que esta polivalência também te pode prejudicar de certa forma, já que não crias rotinas fixas numa posição?
Sinceramente, não vejo nenhum aspecto negativo no facto de um jogador estar apto a jogar em várias posições e sempre com um bom rendimento. Jogar em mais do que um lugar ajuda-nos a perceber todos os momentos de jogo de uma forma diferente do que faríamos caso estivéssemos apenas cingidos a uma.

Quais são as características que o teu colega de meio-campo deve ter para te complementar?
Sou da opinião que não é obrigatório que o colega de posição me complemente. O que é preciso é que os dois estejam sempre em sintonia e saibam ler muito bem o jogo.

Quais é que achas que são os aspectos essenciais que um jogador na tua posição deve ter?
É preciso ter muita inteligência, tanto com bola como sem, criatividade e compleição física também é importante. Enfim, acho que estes são os principais.

Que jogadores são os teus exemplos a seguir?
Gosto muito do Pogba, do Modric, mas acima de tudo do Iniesta e do Busquets. São jogadores que aprecio e que vejo para aprender. No plantel do Sporting, revejo-me no William e no Adrien em certas características.

Tens algum jogador que, como já está há algum tempo no Clube, já achasses que podem atingir o nível do plantel principal?
O 'Chico' Geraldes e o Daniel Podence. Sempre demonstraram uma enorme qualidade e que tinham um talento especial nos escalões de formação.

 

Fonte: Jornal Sporting

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Não é o mais importante mas vai saber bem

Cristiano Ronaldo, Hugo Viana e Silvestre Varela são três exemplos de jogadores que não venceram o campeonato nacional de juniores mas vingaram e fizeram carreiras ao mais alto nível, chegando a patamares elevados, de selecção nacional, no caso de Ronaldo a um nível estratosférico e dificilmente igualável por outro "produto" da formação do Sporting.

 

Isto para dizer que o campeonato que estão prestes a vencer, poderá um dia não passar de uma memória de tempos que não voltam.

Não vou fazer de conta que há um longo caminho a trilhar. Tenho a certeza que esta equipa de juniores será campeã nacional, mas tenho ainda mais certezas que a aventura começará depois.

 

Aproveitem estes exemplos e trabalhem, empenhem-se, esforcem-se para ser como eles pois este campeonato nada vos vai garantir no futuro.

É uma vitória que saberá bem mas que será também a última (para alguns) na redoma dos jogos entre malta da mesma idade.

 

Daqui para a frente, parte de vocês vai passar a enfrentar adversários com mais de 10 anos de idade, experientes e "sabidos". Aproveitem para aprender e crescer depressa. Lembrem-se que o que ganharão hoje (sim, vai ser hoje) de nada vos servirá nos desafios de amanhã.

 

Hoje, vençam (ou façam pelo menos um ponto) e festejem. Depois, cerrem os punhos e lutem. Vocês têm qualidade e é só uma questão de dedicação até ganharem o vosso espaço. São parte de uma geração muito talentosa que todos queremos que vingue e deixe a sua marca no mundo do futebol.

 

Sejam felizes!

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

SPORTING CP 1-1 Benfica: derby enfadonho

Começo pela polémica, para ficar já arrumada. Houve três penaltis no jogo de ontem. Um sobre Bas Dost (claro, evidente e sem a devida acção disciplinar - amarelo para Ederson), um sobre Grimaldo (que poucos árbitros marcariam, devido à linguagem corporal do espanhol, que só caiu mais tarde, quando viu que não chegaria à bola) e outro sobre Lindelof (por estupidez de Bruno César que pode ser considerada experiência por alguns).

Ressalvo que os dois lances na área do Sporting aconteceram com um intervalo de 1:20 minutos e que, por isso, é natural que não fossem ambos assinalados mas, na minha opinião, são dois lances em que existe falta, mesmo que nenhuma seja tão evidente quanto a que originou o penalti convertido por Adrien.

 

Quanto ao jogo, o Sporting teve 15/20 minutos interessantes em todo o jogo, que coincidiram com o início de cada uma das partes, onde poderia ter feito pelo menos mais um golo para além do que conseguiu concretizar.

O Benfica disputou o jogo dentro do seu plano esperado e mereceu o empate.

 

A verdade é que o Sporting pouco fez do que podia para ferir a linha defensiva do Benfica. Deixámos que Bas Dost passasse ao lado do jogo na fase de construção e, com isso, limitámos imediatamente parte da influência positiva que Alan Ruiz pode ter no nosso jogo.

Gelson foi praticamente o único elemento desequilibrador da defensiva encarnada e os nossos laterais, não tendo estado mal defensivamente (até porque o adversário não causou grandes problemas e os que causou foram resolvidos sobretudo pela dupla de centrais), ofensivamente foram uma nulidade (a quantidade de cruzamentos para trás da baliza foi - é sempre - assustadora).

Muito bem, a dupla de centrais (Paulo Oliveira foi o melhor em campo) e também de agradou a dupla de meio-campo (não acompanho as críticas que li a William, para mim, o único em campo que nunca teve medo de ter a bola).

 

No geral, pareceram duas equipas com medo de fazer por ser felizes e isso prejudicou o espectáculo e defraudou as expectativas dos adeptos, sobretudo dos quase cinquenta mil que estiveram no Estádio José Alvalade. Claro que esta atitude se percebe da parte do Benfica mas, da nossa parte, sem qualquer pressão, exigia-se mais.

Naturalmente, isto sou eu a relativizar a importância do jogo pois creio que, lá dentro, a estrutura ainda teria uma réstia de esperança no título.

 

Perdida essa esperança ontem, espero que finalmente se comece a pré-época e que Jesus tenha visto como deve ser a qualidade dos jovens da equipa B que acabaram de golear o Vitória SC B por 3-0.

A qualidade mostrada por Ryan Gauld, Matheus Pereira, Francisco Geraldes, Gelson Dala e mesmo Ricardo Esgaio, João Palhinha ou André Geraldes, sem desprimor para os restantes, que também estiveram muito bem.

Sobretudo Ryan Gauld, pelo que fez durante mais 90 minutos, deixa-me um enorme ponto de interrogação sobre a capacidade de Jorge Jesus em avaliar qualidade e potencial. O escocês foi o melhor jogador em campo e mostrou, mais uma vez, toda a sua qualidade táctica, técnica e inteligência.

 

Termino voltando ao derby de ontem, apenas para salientar o enorme desportivismo e fair-play de todos os jogadores, de ambas as equipas e para criticar veementemente (mais uma vez) o comportamento dos adeptos do Benfica, que voltaram a entoar cânticos ofensivos, desrespeitosos, vergonhosos e, estes sim, incendiários. Parabéns aos adeptos do Sporting, que foram exemplares.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Alguém que me explique isto?

DIOGO BRÁS

Craque da cabeça aos pés, tem apenas 87 minutos distribuídos por três jogos nos Sub-17. Não é convocado desde 28 de agosto de 2016 e falhou assim a Ronda de Elite, que pode deixar Portugal fora do Euro 2017.

 InternacionalizaçõesMinutos JogadosGolos Marcados 
Futebol Masculino Seleção Sub 17 3 87 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 16 10 402 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 15 2 102 1    

 

TIAGO RODRIGUES

Esteve presente no apuramento e em todos os torneios de preparação que antecederam a Ronda de Elite sub-17. Integrou a convocatória preliminar mas foi um dos preteridos, a uma semana da competição que antecedeu o Euro.

 InternacionalizaçõesMinutos JogadosGolos Marcados 
Futebol Masculino Seleção Sub 17 12 579 6    
Futebol Masculino Seleção Sub 16 9 490 1    
Futebol Masculino Seleção Sub 15 2 86 0    

 

GONÇALO COSTA

Fez, tal como Tiago Rodrigues, parte do percurso dos sub-17 até à Ronda de Elite, fase onde também ele ficou de fora após ter integrado a convocatória preliminar.

 InternacionalizaçõesMinutos JogadosGolos Marcados 
Futebol Masculino Seleção Sub 17 9 607 1    
Futebol Masculino Seleção Sub 16 4 287 0    

 

THIERRY CORREIA 

Campeão da Europa de Sub-17 no ano passado, esteve em Fevereiro no Torneio de La Manga, onde participou em dois dos três jogos. Portugal ganhou o torneio que visava a observação e preparação da Ronda de Elite do Euro 2019- Thierry ficou de fora.

 InternacionalizaçõesMinutos JogadosGolos Marcados 
Futebol Masculino Seleção Sub 19 2 118 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 18 1 81 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 17 8 455 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 16 5 158 0

 

DANIEL BRAGANÇA

O incansável médio leonino capitaneou a equipa que no ano passado venceu o campeonato nacional de juvenis. Para além de líder, era o motor daquela equipa. Nem isso lhe valeu uma única internacionalização até aos sub-17 (sim, zero, bola!) nem chegou para mais do que duas chamadas aos sub-18 (não competem em certames internacionais), para um duplo amigável com Marrocos.

 InternacionalizaçõesMinutos JogadosGolos Marcados 
Futebol Masculino Seleção Sub 18 2 92 1

 

BRUNO PAZ

Qualidade e polivalência. Faz qualquer das posições do meio campo e também a lateral direita. Nos Sub-19, foi convocado para a Ronda de Elite para aquecer o banco de suplentes. Tem zero minutos e Portugal joga hoje cartada definitiva rumo ao apuramento...ou não.

 InternacionalizaçõesMinutos JogadosGolos Marcados 
Futebol Masculino Seleção Sub 19 5 240 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 18 8 512 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 17 17 1625 1    
Futebol Masculino Seleção Sub 16 14 1202 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 15 1 90 0    

 

PEDRO FERREIRA

Um dos mais talentosos médios dos sub-19 leoninos. Actualmente lesionado, teve cinco jogos onde poderia ter actuado nos sub-19, durante o ano de 2016. Nunca foi convocado e chegará a sénior sem nunca ter sido internacional sub-19, depois do percurso que se pode constatar.

 InternacionalizaçõesMinutos JogadosGolos Marcados 
Futebol Masculino Seleção Sub 18 6 323 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 17 17 1243 2    
Futebol Masculino Seleção Sub 16 13 786 1

 

 
Futebol Masculino Seleção Sub 15 2 125 0    

 

PEDRO MARQUES

O melhor marcador do nacional de juniores e titular absoluto dos sub-19 portugueses na fase de qualificação, esteve presente no torneio de La Manga mas, surpreendentemente, ficou de fora da convocatória para a Ronda de Elite.

 InternacionalizaçõesMinutos JogadosGolos Marcados 
Futebol Masculino Seleção Sub 19 8 523 2    
Futebol Masculino Seleção Sub 18 2 90 2    

 

ELVES BALDÉ

Ainda juvenil, Elves já compete nos juniores, onde é titular e participou inclusive em 5 jogos da equipa B. É internacional sub-16 e sub-18 mas consegue a "proeza" de não ter sido convocado nem para a Ronda de Elite sub-17 nem para a sub-19, categorias onde não acumula qualquer internacionalização.

 InternacionalizaçõesMinutos JogadosGolos Marcados 
Futebol Masculino Seleção Sub 18 2 97 0    
Futebol Masculino Seleção Sub 16 7 315 1    
Futebol Masculino Seleção Sub 15 2 129 0    

 

Num passado recente, também nomes como Francisco Geraldes, João Palhinha, Daniel Podence, Iuri Medeiros, Rafael Barbosa, Bubacar Djaló ou Ronaldo Tavares (apenas para citar alguns e citando os que me lembro, assim de cabeça) falharam grandes competições internacionais e viram jogadores com menos qualidade e menos provas dadas em campo ocupar os seus lugares.

 

Até quando as selecções jovens continuarão a servir para alimentar os interesses de alguns clubes?

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Iuri ao nível dos melhores da Liga

Iuri Medeiros esteve mais uma vez em destaque neste fim-de-semana e parece-me oportuno comparar o seu desempenho com o dos extremos mais influentes da Liga.

Começo por fazer a comparação quase injusta com os extremos mais influentes dos três grandes:

Iuri Medeiros Comp.png

Está aqui comparado o registo ofensivo de Iuri Medeiros, Gelson Martins, Eduardo Salvio e Yacine Brahimi. Comparei também o registo defensivo mas não se verificam discrepâncias nos registos que justifiquem a sua amostragem. E não, Iuri não peca por defeito relativamente a nenhum no aspecto defensivo.

Como se vê, o registo de golos e assistências está ao nível de Gelson Martins. Ambos suplantam os registos de Salvio e Brahimi, mas o argelino tem bastantes minutos a menos jogados.

Aquilo que me salta à vista é uma característica do jogo de Iuri que o distingue dos restantes; Medeiros não é um driblador. É um jogador de equipa que privilegia a progressão sem bola e o passe, inclusive o longo, que usa o dobro das vezes dos jogadores apresentados para comparação. Iuri é um "passador" e, por esse motivo, perde muito menos vezes a posse que os restantes, no entanto, acerta menos ao nível do passe, sobretudo porque arrisca mais.

 

Mantendo a bitola num nível médio/alto, porque não comparar o açoriano com os extremos mais influentes das equipas de segunda linha do nosso campeonato (grupo do qual o Boavista inicialmente não fazia parte). Ressalvo que todos eles, em conjunto com os anteriores, são dos que mais têm atraído a atenção dos adeptos da Liga Portuguesa. 

Vamos a isso:

Iuri Medeiros Comp1.png

Marega não é bem um extremo, eu sei. Mas foi na ala que jogou a maior parte das vezes, fruto do posicionamento mais central de Soares no Vitória SC.
A verdade é que, mesmo numa equipa com objectivos mais modestos, num plantel menos apetrechado, Iuri não deixa de se destacar, sobretudo nas assistências, onde partilha com Wilson Eduardo (outro produto da formação do Sporting) o protagonismo no capítulo do último passe.

Por fim, há coisas que as estatísticas não mostram. Iuri queima linhas com uma facilidade impressionante, fruto da sua qualidade de passe e, sobretudo no último terço, não tem medo de arriscar e de ser criativo na procura de soluções. Alia à sua qualidade de passe e visão de jogo uma aptidão praticamente ímpar no nosso campeonato para a marcação de bolas paradas. Não fosse o facto de dividir a marcação dos livres e cantos com Fábio Espinho e os seus números teriam ainda maior expressão. Para além disso, e embora tenha essa capacidade, não marca grandes penalidades.

Espero que seja vontade de Jorge Jesus ter um jogador com a sua qualidade e características no nosso plantel. Iuri tem valências diferentes dos demais extremos e poderá acrescentar opções que hoje não existem. Tem a palavra o "Mestre".

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Impossível não olhar para isto com orgulho e satisfação

Ainda acabaremos a dar o nosso futebol feminino como exemplo para os rapazes. Tenho a certeza. Estamos no caminho certo.

Sigam-me no facebook e no twitter.

Jesus, Palhinha e as redes sociais

No sábado, fiquei de tal forma chateado, triste e desiludido com mais uma derrota que nem ouvi nada relativo ao pós-jogo. Assim sendo, soube das declarações de Jorge Jesus pelo eco das redes sociais. A maioria entendeu que Jesus se libertou de responsabilidades, "sacudindo a água do capote", colocando assim o ónus da critica nos jogadores.

Penso pela minha cabeça mas até admiti a opinião exacerbada de alguns relativamente ao que disse Jesus. Conhecendo-lhe o histórico, não seria de enjeitar um "ataque" a Palhinha e à formação do Sporting em geral.

Dentro do que li e ouvi, poucos foram aqueles que não caíram na tentação de atacar o treinador do Sporting mas, os poucos que tiveram uma visão diferente da maioria são pessoas que considero, respeito a opinião e, na maioria das vezes, com quem concordo. Assim sendo, resolvi ouvir e tirar as minha próprias conclusões.

 

Os jornais de hoje falam todos em assunção de erro por parte de Jesus, algo que acaba por bater certo com a ideia com que fiquei do que ouvi.

Jesus disse: "Palhinha não levou o guião certo" e "isto paga-se caro", referindo-se à utilização dos jovens da formação no onze e na convocatória, referindo depois que "estamos a dar um passo atrás para depois dar dois em frente".

Terei de ter em conta que Soares foi titular e que, tal como eu referi na publicação de análise ao jogo, Jesus foi surpreendido por isso.

Tendo tudo isto em conta, parece-me que Jesus, de alguma forma, até desculpabiliza Palhinha. O treinador do Sporting não tem o dom da palavra e nem sempre é fácil entendê-lo mas julgo estar certo na análise.

Palhinha levou o guião errado (entregue por Jesus, que não contava com Soares na manobra ofensiva portista) e andou perdido durante meia hora, o tempo que terá levado até reajustar a estratégia, que depois seria corrigida ao intervalo com a entrada de Alan Ruiz, precisamente para explorar o espaço interior que eu já havia referido que ficou por explorar na 1ª parte, fruto da inclusão de Soares por parte de Nuno, em vez de mais um médio.

 

Poderei criticar ligeiramente o facto de Jesus dizer que jogar com jovens se paga caro, mas não acho justo dizer que Palhinha foi responsabilizado (mais do que devia) pelo mau resultado.

Mais do que os jovens da formação, têm sido outros jogadores a estar sob critica constante dos adeptos. Serão mais admissíveis os erros de Marvin, Schellotto ou qualquer outro mais experiente relativamente aos de Semedo ou Palhinha? Não me parece. Aliás, seguindo a lógica, seriam até menos admissíveis. Mas nunca vi Jesus dizer que jogar com laterais destes se paga caro. E está à vista de todos que eles são fracos.

Ora, para terminar, acho que Jesus não culpou Palhinha de nada e que até assumiu culpa pelo erro estratégico dos primeiros 45 minutos.

Sobre a aposta na formação, que não me parece de sua vontade nem do seu agrado, espero que tenha de a engolir, até porque acho que dará os dois passos à frente mais rápido do que pensa e, quem sabe, até mais rápido do que daria com outros, sobretudo aqueles que aconselhou a sua contratação.

 

Siga!

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Preparar o futuro com garantias para o presente

Com os empréstimos de Palhinha (felizmente regressado), Francisco Geraldes e Gauld esta temporada podemos estar aqui a perpetuar algo que, sendo bom, muito bom mesmo, pode vir a tornar-se um problema a curto prazo.

Acredito que William e Adrien estarão com muita vontade seguir os passos de João Mário e experimentar outros campeonatos. A não inclusão dos três jogadores que referi no plantel desta época atrasa a integração dos mesmos, com vista à sucessão natural dos dois craques do nosso meio-campo.

 

Felizmente, Palhinha está de regresso e fará até final da época o "estágio" que lhe pode permitir atacar a próxima como titular indiscutível, podendo finalmente proporcionar a William o contrato e a experiência que, creio, o luso-angolano tanto espera.

Saber jogar com este timing é saber conjugar expectativas e objectivos com o futuro do nosso clube.

Caso Francisco Geraldes e Ryan Gauld se mantenham fora dos planos, tudo levará a crer que Adrien adiará o "sonho" para que este seja proporcionado a William. Nada contra, até porque Adrien é mesmo o mais difícil de substituir e Elias não é claramente o jogador ideal.

 

Vender William no verão, integrando no plantel Francisco Geraldes e Ryan Gauld permitirá mais uma época de resultados financeiros e segurança na capacidade de lutar por objectivos desportivos.

Ser campeão esta temporada facilitaria ainda mais a integração de todos e retiraria alguma da pressão sobre o rendimento imediato dos nossos jovens.

 

Confio em quem nos dirige para comandar com pinças todos estes processos, pois não podemos desperdiçar o talento dos nossos jovens. E, para além destes, há mais, parte deles estiveram nesta pré-época e, na próxima, voltarão com mais vontade e mais condições de mostrar valor.

 

Sim, porque o que lhes foi oferecido este verão foi um presente envenenado, uma oportunidade limitada.

Com a impossibilidade de atacar a pré-temporada com os melhores, os miúdos foram postos à prova sem a cobertura e segurança necessárias à sua afirmação ou simplesmente a dar nas vistas. Com os campeões da Europa de férias, foram os flops do mercado de transferências a fazer o papel dos melhores jogadores do plantel, e até alguns dos jogadores mais experientes e com qualidade pareceram banais sem o apoio do nosso núcleo duro.

 

Não me esqueço de ver os nossos extremos lançados com um meio-campo composto por Petrovic e Bryan Ruiz ou de Barcos ser a principal referência do ataque, enquanto se resguardava Slimani com vista à sua saída.

Tudo isto prejudicou muito Palhinha, Podence e Iuri, já que Ryan Gauld nem na pré-época teve a oportunidade de jogar (agora, pensando bem, talvez tenha sido o melhor, dadas as circunstâncias).

A pré-temporada serviu para passar um atestado de incompetência aos nossos jovens. Para muitos se alhearem das circunstâncias apontando-lhes o dedo e dizendo que não estavam prontos. Hoje, podiam já ter crescido no lugar de jogadores que não têm correspondido, como por exemplo, Petrovic, Elias, Meli, Markovic, Castaignos ou André.

Sim, todos estes, nem a jogar com os melhores do nosso plantel mostraram valor mas ainda há muito quem seja condescendente com eles e duro com o facto dos "nossos" não terem correspondido em Julho.

 

Não vou dizer que todos deviam regressar agora, até porque nem sempre são benéficas muitas alterações em Janeiro. Palhinha regressou e é natural que Petrovic acabe por sair. Ryan Gauld e André Geraldes foram retirados de Setúbal e, pese embora todos os rumores relativos à dificuldade em se desvincularem dos sadinos, creio que acabarão novamente emprestados, embora não fosse de descartar a sua colocação nos lugares de Meli e João Pereira, até porque Schelotto está lesionado e Esgaio é o único apto para a posição.

Pensar nas palavras com que iniciei este texto pode ser importante para o futuro dos jogadores e do próprio Sporting. Não convém desperdiçar talento, ainda para mais no qual investimos milhões para o potenciar durante o processo formativo.

 

 Sigam-me no facebook e no twitter.

O nosso ADN

Devem ser poucos os Sportinguistas que menosprezam os resultados e os valores emergentes da nossa formação. Somos formadores por natureza e temos gosto em aproveitar o que ajudamos a criar. É-o assim, mais visivelmente, no futebol mas o nosso ADN formativo é transversal a todas as modalidades, amadoras e profissionais.

Num ano em que Portugal foi campeão europeu com quase metade da sua equipa formada no Sporting Clube de Portugal, parece-me interessante olhar com atenção àquilo que tem sido a época dos nossos escalões de formação, projectando (se é que isso é possível) aquilo que poderá ser o futuro de alguns jovens na nossa equipa principal.

Vou, por hoje, cingir-me ao futebol, a modalidade que mais apaixona e move em Portugal e no Mundo.

 

JUNIORES

Campeonato: 1º lugar (+11 pontos),12 vitórias, 1 empate, 0 derrotas, 67 golos marcados, 10 golos sofridos
Youth League: 3º lugar (-2 pontos do último apurado), 1 vitória, 3 empates, 2 derrotas, 6 golos marcados, 9 golos sofridos

A única mancha na temporada da nossa equipa júnior é mesmo a desilusão que foi o não apuramento para uma das fases seguintes da Youth League, sobretudo quando partimos para a última jornada em posição favorável para aceder ao playoff e perdemos em casa do último classificado do grupo.

A derrota em Varsóvia não deixou marcas no campeonato e a equipa vai com uma série de quatro vitórias consecutivas (nove no campeonato) e já assegurou a passagem à fase final em primeiro lugar. Tiago Fernandes dirige uma equipa recheada de talento em que será uma pena que alguns tenham obrigatoriamente de se perder ou fazer um caminho mais longo, fora do Sporting.

O primeiro destaque vai para um jogador que até nem foi formado no Sporting mas que se vem revelando como um nome a seguir. Pedro Marques, recrutado esta temporada ao Belenenses, onde passou a maior parte da sua formação, leva um impressionante registo de 23 golos em 23 jogos (20 golos em 16 jogos, se contarmos só a prestação ao serviço dos juniores) e mostra que pode trabalhar-se bem na prospecção.

Quanto aos valores formados por nós, esta equipa tem muitos bons exemplos.

A minha aposta pessoal vai para Rafael Leão, aquele que me parece juntar mais características para singrar no futuro. É alto, ágil, hábil e pode fazer qualquer das posições da frente de ataque, onde demonstra uma capacidade interessante (mas que pode e deve ser trabalhada) para fazer golos. Faz parte do lote de segundos melhores marcadores deste escalão e é talvez o jogador que mais mexe com os jogos, sobretudo os de maior grau de dificuldade, factor interessante para um júnior de primeiro ano.

A estes nomes junto os de Luís Maximiano (guarda-redes), João Ricciulli, Gonçalo Vieira e Abdu Conté (defesas), Pedro Ferreira, Bruno Paz, Miguel Luís e Daniel Bragança (médios) e Elves Baldé, Nuno Moreira e Rúben Teixeira (avançados).

São treze nomes a seguir com atenção, doze deles com um percurso longo na nossa formação, muitos dos quais com mais um ano de juniores pela frente.

 

JUVENIS

Equipa A: 1º lugar (=),14 vitórias, 1 empate, 0 derrotas, 66 golos marcados, 7 golos sofridos
Equipa B: 3º lugar (-8 pontos), 7 vitórias, 2 empates, 2 derrotas, 36 golos marcados, 12 golos sofridos

A equipa principal de juvenis (sub-17) fez uma primeira fase brilhante, com onze vitórias em outros tantos jogos. Na segunda fase acabámos de ceder os primeiros três pontos da época, em Belém, e encontramo-nos em igualdade pontual com o Benfica, numa série onde passarão duas equipas à fase final.

Também a equipa de João Couto tem ao seu dispor um conjunto de jovens talentos que poderão vir a ter futuro como profissionais o serviço do Sporting.

Não conhecendo tão bem os jogadores, do que vi, destaco Gonçalo Costa (defesa), Bavikson Biai, Rodrigo Vaza e Bernardo Sousa (médios), Diogo Brás e Tiago Rodrigues (avançados). Há mais jogadores interessantes mas foram estes os que mais me impressionaram nos poucos jogos que vi. De todos, talvez Bernardo Sousa e Diogo Brás sejam os de maior potencial.

A equipa B (sub-16) tem a maioria dos jogadores que, no ano passado não tiveram capacidade para lutar pelo título de iniciados, tendo terminado em 3º na fase final. Este ano, as duas derrotas com os dois primeiros da divisão de honra da AFL (Benfica B e Belenenses B) deixam-nos a oito pontos do líder Benfica, que tem aqui uma geração que dominou toda a temporada passada e se sagrou campeã nacional de iniciados sem derrotas e com 33 vitórias em 34 jogos.

Claro que mesmo numa equipa que, como colectivo, não tem atingido os objectivos, há jogadores de qualidade, como os avançados Rui Reis e Tiago Gouveia, os que melhor conheço de todo o plantel.

 

INICIADOS

Equipa A: 1º lugar (+2 pontos),14 vitórias, 1 empate, 0 derrotas, 70 golos marcados, 2 golos sofridos
Equipa B: 2º lugar (-6 pontos), 9 vitórias, 0 empates, 2 derrotas, 35 golos marcados, 4 golos sofridos
Equipa C: 1º lugar (+4 pontos), 9 vitórias, 0 empates, 2 derrotas, 30 golos marcados, 7 golos sofridos
Equipa D: 1º lugar (=), 10 vitórias, 0 empates, 2 derrotas, 55 golos marcados, 5 golos sofridos

A equipa de iniciados (sub-15) tem feito um percurso quase imaculado. O empate frente ao Elvas em casa mais não foi que um acidente de percurso, num jogo atípico em que o guarda-redes alentejano fez a exibição da sua vida. Na segunda fase são 4 vitórias em 4 jogos, com 17 golos marcados e nenhum sofrido.

Pedro Coelho, o treinador dos mais jovens a entrar na competitividade mais a sério (na minha opinião, o futebol é sobretudo lúdico até aos sub-14), tem também ao seu serviço alguns jovens de qualidade. Embora a idade precoce faça com que qualquer aposta tenha uma margem de erro mais elevada, não posso deixar de destacar Rodrigo Rêgo (defesa), Gonçalo Batalha (médio), Tiago Tomás e Joelson Fernandes (avançados).

A equipa B (sub-14), onde Joelson Fernandes (13 anos) ainda podia jogar perdeu apenas para o eterno rival pela margem mínima e escorregou mais uma vez frente a um adversário que devia ter vencido. Os seis pontos não são irrecuperáveis na luta pelo título distrital mas afiguram-se difíceis de reduzir. Vencer o Benfica na segunda volta é obrigatório. Nas equipas a competir nos distritais não conheço os jogadores e poderemos acompanhar melhor o seu percurso a partir da próxima época, no campeonato nacional.

 

INFANTIS

Futebol 11: 1º lugar (+5 pontos), 8 vitórias, 0 empates, 0 derrotas, 51 golos marcados, 0 golos sofridos
Futebol 9: 2º lugar (-3 pontos), 8 vitórias, 0 empates, 1 derrota, 54 golos marcados, 8 golos sofridos
Futebol 9 "B": 1º lugar (+5 pontos), 7 vitórias, 1 empate, 0 derrotas, 52 golos marcados, 2 golos sofridos
Futebol 7: 1º lugar (+3 pontos), 8 vitórias, 0 empates, 1 derrota, 56 golos marcados, 14 golos sofridos

 

BENJAMINS

Equipa A: 1º lugar (=), 9 vitórias, 0 empates, 0 derrotas, 135 golos marcados, 2 golos sofridos
Equipa B: 1º lugar (=), 10 vitórias, 0 empates, 0 derrotas, 199 golos marcados, 3 golos sofridos

 

ESCOLAS

Equipa A: 3º lugar (-5 pontos), 1 vitórias, 1 empate, 1 derrota, 83 golos marcados, 17 golos sofridos
Equipa B: 1º lugar (=), 9 vitórias, 0 empates, 0 derrotas, 139 golos marcados, 5 golos sofridos
Equipa C: 1º lugar (+6 pontos), 10 vitórias, 0 empates, 0 derrotas, 75 golos marcados, 8 golos sofridos

 

TRAQUINAS

Equipa A: 1º lugar (+3 pontos), 7 vitórias, 0 empates, 0 derrotas, 57 golos marcados, 7 golos sofridos
Equipa B: 1º lugar (+1 pontos), 5 vitórias, 2 empates, 0 derrotas, 59 golos marcados, 17 golos sofridos

 

Em 18 competições, o Sporting lidera a sua série em 14, um excelente sinal e um indicador claro de uma das melhores formações do Mundo.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Ainda sobre a 4ª Bola de Ouro de Ronaldo (e a formação do Sporting)

O texto é de André Pipa, jornalista e cronista do jornal "A Bola". Um Sportinguista num antro de promiscuidade encarnada que teima em dizer o que tem de ser dito e outros nem ousam falar. (espero que não tenha em breve de passar a "independente" por ser isento e ao mesmo tempo uma espécie de "justiceiro da verdade")

 

"FANTÁSTICA consagração mundial de Cristiano Ronaldo no ano de ouro do futebol português e da Academia de Alcochete, que tem o seu nome umbilicalmente ligado à maior vitória de sempre do desporto nacional: a conquista do Euro 2016. Por alguma razão Aurélio Pereira foi convidado pelas televisões, rádios e jornais a comentar o enésimo sucesso do maior futebolista português de sempre, que até reuniu mais do dobro dos votos do rival Messi. Lógico: foi Aurélio quem o moldou, o formatou, e o preparou para ser lançado na equipa principal do Sporting - o que aconteceu por decisão do romeno Laszlo Bölöni, o homem que também lançou Ricardo Quaresma. Não sei se Aurélio Pereira e o Sporting têm noção do que significou a quarta Bola de Ouro de Ronaldo. Significou «apenas» isto: que a formação do Sporting igualou a Academia do Barcelona (La Masia) como o maior produtor mundial de Bolas de Ouro - vão cinco !!!, juntando-se o sumptuoso «tetra» de Cristiano (2008, 2013, 2014 e 2016) ao triunfo de Luis Figo em 2000. A cantera do Barcelona também tem cinco Bolas de Ouro, todas conquistadas por Lionel Messi, havendo depois quatro academias com três Bolas de Ouro no currículo: a do Ajax (Cruyff), a do UVV Utrecht (Marco van Basten), a do Nancy (Michel Platini) e a do River Plate (Alfredo Di Stefano e Omar Sivori). (......)

É claro que o triunfo de Cristiano tem vários progenitores, cada qual com méritos específicos em momentos diferentes da sua carreira. O Sporting será sempre o ponto de partida, o formador, e Aurélio Pereira o oleiro que moldou o barro. Pode e deve reclamar essa paternidade com mais que justificado orgulho. E devia fazê-lo com redobrada insistência, já que Alcochete continua a produzir diamantes de elevadíssimo quilate – olhem só o Gelson. Quem não faria o mesmo? (imaginem as reacções das «máquinas» propagandísticas benfiquista e portista se algum dia um futebolista formado no Seixal ou no Olival for considerado o melhor do Mundo !...). Mas é perfeitamente óbvio que Cristiano nunca se teria tornado o que se tornou se não tivesse ido parar às mãos de um ganhador compulsivo como Alex Ferguson no Manchester United; e nunca teria chegado onde chegou, em termos desportivos, mediáticos e financeiros, se não tivesse traçado - e cumprido! - o objectivo de representar o maior clube do Mundo, o Real Madrid, onde Cristiano chegou no auge das suas capacidades e se fez, definitivamente, um futebolista para a eternidade. Cristiano é, portanto, um «produto» elaborado pelo Sporting, aperfeiçoado pelo Manchester United e concluído pelo Real Madrid. E por ele próprio, com o seu inigualável e omnipresente carácter de vencedor, sua ânsia de superação, a sua férrea determinação de ganhar, de cortar a meta em primeiro. Creio que nesse particular – o CARÁCTER – Cristiano será porventura superior a Pelé e Maradona. Talvez o maior animal de competição que o futebol conheceu.

Em suma. Parabéns a Alcochete pela quinta Bola de Ouro no historial cinco meses depois de contribuir com dez jogadores - Rui Patricio, Cédric Soares, José Fonte, William Carvalho, Adrien Silva, João Mário, João Mário, Nani, Ricardo Quaresma e Cristiano Ronaldo – para a maior vitória de sempre do futebol português no Euro 2016. Alcochete é certamente umas das marcas portuguesas mais prestigiadas no estrangeiro (veja-se como Gelson já traz o selo de qualidade colado ao apelido…) e o sucesso reiterado na produção de grandes jogadores deveria funcionar não como motivo de inveja ou azia, mas como exemplo e inspiração às academias dos clubes concorrentes. Parabéns a Cristiano Ronaldo pela 4.ª Bola de Ouro da carreira– extraordinária carreira ! Parabéns ao Real Madrid de Florentino Perez (e ManuelPellegrini, José Mourinho,CarloAncelotti, eZinedineZidane...) por ter feito de Cristiano «o» futebolista total. Parabéns asirAlex Ferguson e ao ManchesterUnited por terem feito do promissor Cristiano um futebolista de classe Mundial.Lastbutnottheleast, parabéns ao mestre Aurélio Pereira, ao Sporting e aLazloBölöni por terem feito de um habilidoso magricelas Madeirense o protótipo do maior desportista Português de todos os tempos. Orgulho de um País. O nosso."

15401104_1359136030774901_8602291055809394972_n.jp

Sigam-me no facebook e no twitter.

Dupla Bola de Ouro

Impossível passar ao lado da eleição, pela quarta vez, de Cristiano Ronaldo como melhor jogador do Mundo. Neste momento é o segundo de sempre com mais distinções e coloca Portugal no segundo lugar de países com mais vencedores do prémio, apenas a uma eleição de Alemanha e Holanda.

O ano fantástico do Real Madrid e da selecção nacional Portuguesa fez com que o júri não tenha tido dúvidas, dando a Ronaldo a distinção com mais do dobro de votos que o segundo classificado, Leo Messi.

 

Nota de destaque, não menos importante para Rui Patrício. Surge no 12º lugar da lista final, com 6 votos.

Recordo que a lista final contemplava 30 nomes e onze deles não receberam qualquer voto. Nomes como Agüero, Iniesta, Müller ou Sérgio Ramos viram o seu nome "ignorado" e isso valoriza ainda mais o guarda-redes do Sporting, o segundo melhor guarda-redes do Mundo, visto que Buffon acumulou 8 votos, os mesmos que Pepe.

Mesmo que estes factos continuem a passar despercebidos à maioria da comunicação social nacional, é inegável que o estatuto de Rui Patrício neste momento é este, entre os melhores do Mundo da sua posição.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal