Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grande Artista e Goleador

SPORTING CP 1-1 Benfica: derby enfadonho

Começo pela polémica, para ficar já arrumada. Houve três penaltis no jogo de ontem. Um sobre Bas Dost (claro, evidente e sem a devida acção disciplinar - amarelo para Ederson), um sobre Grimaldo (que poucos árbitros marcariam, devido à linguagem corporal do espanhol, que só caiu mais tarde, quando viu que não chegaria à bola) e outro sobre Lindelof (por estupidez de Bruno César que pode ser considerada experiência por alguns).

Ressalvo que os dois lances na área do Sporting aconteceram com um intervalo de 1:20 minutos e que, por isso, é natural que não fossem ambos assinalados mas, na minha opinião, são dois lances em que existe falta, mesmo que nenhuma seja tão evidente quanto a que originou o penalti convertido por Adrien.

 

Quanto ao jogo, o Sporting teve 15/20 minutos interessantes em todo o jogo, que coincidiram com o início de cada uma das partes, onde poderia ter feito pelo menos mais um golo para além do que conseguiu concretizar.

O Benfica disputou o jogo dentro do seu plano esperado e mereceu o empate.

 

A verdade é que o Sporting pouco fez do que podia para ferir a linha defensiva do Benfica. Deixámos que Bas Dost passasse ao lado do jogo na fase de construção e, com isso, limitámos imediatamente parte da influência positiva que Alan Ruiz pode ter no nosso jogo.

Gelson foi praticamente o único elemento desequilibrador da defensiva encarnada e os nossos laterais, não tendo estado mal defensivamente (até porque o adversário não causou grandes problemas e os que causou foram resolvidos sobretudo pela dupla de centrais), ofensivamente foram uma nulidade (a quantidade de cruzamentos para trás da baliza foi - é sempre - assustadora).

Muito bem, a dupla de centrais (Paulo Oliveira foi o melhor em campo) e também de agradou a dupla de meio-campo (não acompanho as críticas que li a William, para mim, o único em campo que nunca teve medo de ter a bola).

 

No geral, pareceram duas equipas com medo de fazer por ser felizes e isso prejudicou o espectáculo e defraudou as expectativas dos adeptos, sobretudo dos quase cinquenta mil que estiveram no Estádio José Alvalade. Claro que esta atitude se percebe da parte do Benfica mas, da nossa parte, sem qualquer pressão, exigia-se mais.

Naturalmente, isto sou eu a relativizar a importância do jogo pois creio que, lá dentro, a estrutura ainda teria uma réstia de esperança no título.

 

Perdida essa esperança ontem, espero que finalmente se comece a pré-época e que Jesus tenha visto como deve ser a qualidade dos jovens da equipa B que acabaram de golear o Vitória SC B por 3-0.

A qualidade mostrada por Ryan Gauld, Matheus Pereira, Francisco Geraldes, Gelson Dala e mesmo Ricardo Esgaio, João Palhinha ou André Geraldes, sem desprimor para os restantes, que também estiveram muito bem.

Sobretudo Ryan Gauld, pelo que fez durante mais 90 minutos, deixa-me um enorme ponto de interrogação sobre a capacidade de Jorge Jesus em avaliar qualidade e potencial. O escocês foi o melhor jogador em campo e mostrou, mais uma vez, toda a sua qualidade táctica, técnica e inteligência.

 

Termino voltando ao derby de ontem, apenas para salientar o enorme desportivismo e fair-play de todos os jogadores, de ambas as equipas e para criticar veementemente (mais uma vez) o comportamento dos adeptos do Benfica, que voltaram a entoar cânticos ofensivos, desrespeitosos, vergonhosos e, estes sim, incendiários. Parabéns aos adeptos do Sporting, que foram exemplares.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Vitória FC 0-3 SPORTING CP: Três, a conta que Dost fez

Fui rever o jogo com calma para apanhar o minuto em que Ryan Gauld entrou em campo. Certamente que, em directo, me tinha escapado e queria ter a certeza que, com 0-3 a meia hora do final, o puto escocês tinha entrado, já que não me havia parecido vê-lo em campo.

Parece que não entrou e que a sua ida a Setúbal foi apenas um exercício de fortalecimento mental. Para matar saudades e sofrer de fora, sem jogar por um ou outro.

Jesus sabe como chatear os Sportinguistas. Podia ter sido perfeito mas o gajo tinha de nos irritar com alguma coisinha. Então, lá pensou: "Acham que é hoje? O caraças!... Vou mas é tirar o Marvin, para ver se o gajo não é expulso mas deixo o Alan em campo. O gajo tem de fazer mais um golo para eu justificar os 8 milhões, mesmo que se arrisque a ser expulso".

Claro que isto é brincadeira, até porque eu gosto muito do Alan e não desgosto de ver o Marvin sair. Só é pena é que o sacana do JJ teime em errar no timing com que satisfaz os meus desejos e de muitos outros Sportinguistas.

Jorge, pá! Custava assim tanto dar uns minutos ao Ryan?! Porra! Nem os três que deste ao Esgaio?!

Começo pelo negativo, só para ficar já despachado. Gauld devia ter entrado, Marvin não devia ter saído e Alan devia ter saído, assim que Dost picou o ponto após uma trivelada de craque. 

Termino os pontos negativos com um simples "Foda-se, Bryan!"

 

Vamos ao jogo...

 

Parece que entrámos mal. Não vi o primeiro quarto de hora (ainda bem, segundo parece) e devo ter ligado assim que começámos a "espreguiçar-nos".

Mesmo assim, a primeira parte foi Gelson e pouco mais. O golo é mais do que merecido e falta-lhe apenas um para igualar os sete da época passada, sendo que já triplicou os passes para golo (12, segundo o transfermarkt.pt).

 

A segunda parte trouxe mais motivos de interesse, mais qualidade, mais oportunidades e mais golos.

Bruno César continuou a mostrar que está num excelente momento de forma, o meio-campo subiu de produção, Alan Ruiz continuou a mostrar que vale o investimento e Dost, num Manchester United, já teria triplicado o valor do investimento só em vendas de camisolas.

 

Enquanto isto, o árbitro da partida teimava em abusar de uma dualidade de critério que viria a materializar-se em três cartões para cada lado, quando os da casa deveriam ter visto o dobro. Não fosse Gelson ter fugido (e bem) a qualquer contacto físico e estaria, também ele, exposto à admoestação que o tiraria do derby do próximo fim-de-semana. Assim, só Marvin ficará de fora.

 

William marcou o segundo golo no campeonato, ambos ao Vitória sadino, e Bruno César assistiu o "Sir", que facturou de cabeça (não há meio de William se tornar mais decisivo, melhorando a finalização e aparecendo mais em zonas adiantadas - ainda não conseguiu melhorar o registo de 4 golos da primeira temporada).

O jogo não podia terminar sem os festejos frenéticos de "Thunder" Dost, que numa dúzia de segundos conseguiu festejar com os adeptos e abraçar Alan Ruiz, que o serviu com uma trivela que, certamente, o Quaresma teria aplaudido.

 

Em resumo, uma vitória tranquila num jogo em que, sobretudo na segunda parte, o Sporting soube controlar o jogo e avolumar o resultado com tranquilidade.

Venha o derby. afim de reduzirmos mais um pouco a vantagem para o Benfica. 

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

SPORTING CP 4-0 Boavista: Voltou a "nota artística"

Se há jogos que me deixam apreensivo, são os jogos com o Boavista. Ontem, Miguel Leal tentou jogar com a motivação e o estado anímico de Mickaël Meira. O primeiro lance de perigo do jogo começava a dar razão ao treinador do Boavista. Grande defesa de Meira, que tinha tudo para embalar para uma exibição de sonho num palco onde sempre havia sonhado jogar.

O destaque para o guarda-redes do Boavista é justo e simbólico. "Mika" tem 5 anos de formação no Sporting e, como todo e qualquer guarda-redes, vem passando pela enorme dificuldade que é para um jovem afirmar-se na sua posição. Espero que possa em breve dar continuidade à titularidade de ontem. Numa posição onde quase se privilegia a experiência, o caminho para os jovens é de enorme dificuldade e Meira é apenas mais um guarda-redes de enorme qualidade formado na nossa Academia para o qual não tivemos espaço. Boa sorte, puto!

 

Outro que terá cumprido um sonho foi Daniel Podence, que ontem se estreou como titular em Alvalade em jogos da Liga. Podence deu o litro mas notou-se que acusou a estreia. Foi menos instintivo que o habitual e, por pensar duas vezes em mais do que uma ocasião, acabou a hesitar algumas vezes. Foi por isso que não fez golo nem deu em condições um passe a Bryan Ruiz, ainda na primeira parte. Sente-se nele um certo respeito pouco habitual nos jovens de hoje pelos colegas com outro "estatuto". Não quero que o perca (porque o respeitinho é bonito) mas é necessário que isso pese menos nas suas acções. No segundo tempo apareceu mais "solto" e são estes minutos que lhe "limarão as arestas". Ainda assim, esteve bem.

 

Vamos ao jogo...

A equipa do Sporting nem entrou muito bem e passou os primeiros minutos a acumular falhas, sobretudo ao nível do passe. Vários lances mal definidos, alguns deles ainda à saída do nosso meio campo, não nos permitiram construir jogadas de perigo.

O lance em que Bruno César "obriga" Edu Machado a fazer falta em zona prometedora fazia prever um "esticão" no jogo mas foram precisos mais cinco minutos e um passe falhado (desta vez dos homens de xadrez) para que o jogo mudasse de feição.

Podence recupera e lança imediatamente em Schelotto, que serve Alan Ruiz no "coração" da área, na sua zona predilecta. Recepção e golo, mais um, o sétimo da temporada (sexto nos últimos oito jogos).

 

O que é certo é que o Sporting descobriu uma dupla de avançados de qualidade, embora bastante diferentes dos que compunham a dupla habitual da temporada passada. Bas Dost e Alan Ruiz estão a 10 golos da dupla Slimani / Teo e, não fosse Alan ter demorado mais a adaptar-se do que o colombiano no ano passado e veríamos os 46 golos marcados pela dupla do ano passado completamente dinamitados. Algo anormais, os últimos dois anos, se nos lembrarmos daquilo que tem sido o Sporting desde há muitos anos, que normalmente vive apenas de um avançado (e que só jogada com um, diga-se). Creio que Alan está a fazer uma boa época de estreia e fará uma segunda época de grande qualidade.

 

Continuemos...

Mais um erro. Mais um passe falhado de um jogador do Boavista e Bruno César faz sorrir Bas Dost que, como sempre, não deixou de agradecer efusivamente a quem lhe deu a possibilidade de nos fazer felizes.

A verdade é que, durante a primeira meia hora, o Boavista discutiu o domínio territorial do jogo, conseguindo inclusive algumas trocas de bola interessantes, parte delas no seu meio-campo ofensivo. É o erro de Edu Machado, deixando a bola à mercê de Bruno César, que "resolve" o jogo. O Boavista desmoralizou e o Sporting ganhou confiança.

 

Sentiu-se que, a partir daqui, um Sporting mais assertivo, agressivo e motivado facilmente construiria uma goleada. 

A circulação de bola melhorou, começaram a sair algumas combinações ao primeiro toque e, ao minuto 35, Schelotto isola Podence que, entre finalizar e entregar a Bryan Ruiz tomou a decisão menos natural dele. Sentiu-se aqui o peso da responsabilidade de quem ainda não ganhou um lugar. Agir naturalmente facilitará o cimentar natural de jovem leão nas escolhas habituais para cada jogo. Ao minuto 43, Podence deu um "cheirinho" daquilo que pode fazer. Boa jogada pela direita e Mickaël Meira a "sacudir".

 

O Sporting entrou bem para a segunda parte. Schellotto galgou pelo lado direito, cruzou com critério mas um defesa boavisteiro cortou o lance para canto. Do canto nasceu uma grande penalidade indiscutível que Manuel Mota, bem colocado, assinala, apesar da hesitação.

Bas Dost engana Meira e faz o 3-0. Desenhava-se a goleada no José Alvalade.

 

A partir daqui, para mim, o maior motivo de interesse era ver Francisco Geraldes em campo. Aos 55 minutos, o jogo já o justificava e Bryan Ruiz também, embora eu saiba que Jesus não vê o Chico como "8". Quando aos 60 minutos Adrien entrou para substituir Bryan, eu teria feito a dupla alteração, colocando Geraldes no lugar de Alan Ruiz.

 

Escassos segundos do capitão em campo e após uma dividida ganha nas alturas, William deu em Alan Ruiz, que serviu Bruno César na esquerda. O "chuta-chuta" voltou a servir Bas Dost, que assim completou o hat-trick e igualou em apenas 25 jogos os 27 golos de Slimani na época passada (em 33 partidas).

 

Os 25 minutos finais deram sempre a sensação que bastava o Sporting "apertar" para que mais ocasiões de golo surgissem. Bruno César e Podence saíram para dar lugar a Joel Campbell e Francisco Geraldes, à porta do quarto de hora final. Ambos entraram com vontade e foi possível ver, sobretudo o Chico sempre à procura da bola. 

Aos 80 minutos, Chico começou uma jogada que Campbell terminou. Pelo meio, Schelotto, mais uma vez, a permitir uma finalização a um colega (boa exibição do argentino). Ainda deu para Alan Ruiz testar a meia-distância e Coates cabecear frouxo para as mãos de Mickaël Meira que, embora tenha sofrido quatro golos, realizou uma boa exibição.

 

Impossível não destacar Bruno César. Sempre ligado ao jogo, esteve nos três golos de Bas Dost (o outro destaque inevitável) e sempre disponível para levar a equipa para a frente. Boa exibição global da equipa, que se espera quer tenha continuidade.

 

Segue-se uma visita a Setúbal, na próxima sexta-feira.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

BAS DOST 2-0 Nacional: Frieza e ambição holandesa

O golo de Bas Dost antes do quarto de hora fez parecer ao Nacional que o que aconteceu no Dragão podia repetir-se. Com a "sede" que anda o holandês, era uma questão de tempo até o resultado se avolumar.

O segundo golo chegou pouco depois da meia hora e, sem uma exibição que convencesse por aí além, parecia que poderíamos replicar a goleada de Tondela.

 

Só que não...

 

Os jogadores conformaram-se. Os do Sporting porque perceberam que os no Nacional até se "borravam" todos sempre que passavam o meio-campo. Os do Nacional porque sabiam que se esticassem demais o jogo, iam destapar buracos na defesa.

Era o jogo perfeito para "bater recordes". Podíamos e devíamos ter feito mais, embora tenhamos demonstrado bons momentos, sobretudo nos primeiros 45 minutos.

 

Acabámos o jogo a ouvir uns assobios tímidos vindos da bancada, que eu percebo, dado que faltavam 10 minutos para terminar o jogo e pareciam ser os jogadores a querer sair mais cedo, para fugir ao trânsito.

Apesar de tudo, mais três pontos que, depois da escorregadela do Benfica, nos aproximam do primeiro lugar.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Tondela 1-4 SPORTING CP: E ao oitavo mês, Jesus ressuscitou

Mais vale tarde do que nunca. Jorge Jesus parece, aos poucos, começar a admitir os erros na preparação desta temporada e, à medida que os jovens da formação vão tendo mais minutos, fica evidente que poderíamos ter contado com eles desde o início da temporada.

Sim, foi só um jogo, mas é evidente a qualidade, imprevisibilidade e irreverência que, sobretudo os jovens que actuam no último terço, dão à equipa do Sporting. Junte-se a isso a ligação forte que têm entre eles, a química do seu jogo e a identificação forte com o Clube, poderemos vir a ter um cocktail bombástico, caso sejamos efectivamente cirúrgicos e certeiros a contratar no próximo verão.

 

O jogo de ontem foi agradável, com bons períodos de futebol e com o tal aliciante de ver os miúdos jogar. É isto que faz sentido. Com nove jogos pela frente, todos os ensinamentos a dar numa pré-época, estarão já interiorizados em julho e será muito mais fácil planificar a pré-temporada e a época 2017/18 com esta identificação plena dos jogadores com o modelo e a exigência de Jesus.

Aos poucos, Geraldes terá mais minutos e tenho fé que a estes se junte Iuri na próxima época. Mané, pelo andar da carruagem, parece evidente que ficará pela Alemanha e será mais um a contribuir para a saúde financeira da SAD e para o prestígio internacional do Clube (este fim-de-semana voltou a assistir para um golo).

 

Bas Dost marcou quatro golos (podiam ter sido cinco), cimentou a sua posição como melhor marcador da Liga Portuguesa e ganhou terreno na perseguição aos líderes da Bota de Ouro Europeia. Começam a faltar adjectivos para o ponta-de-lança holandês. Com nove jogos para jogar, está a apenas sete golos dos 31 golos de Islam Slimani na época passada, certamente em menos jogos que os que o argelino precisou para ultrapassar a barreira dos 30 golos, que ninguém passava desde Liédson. Dost precisa de menos minutos e menos oportunidades para marcar que Slimani e dou por mim a imaginar o que poderá fazer com uma equipa a "carburar" como "carburou" a da época passada...

 

Por fim, a onda verde. A magnífica onda verde que, a doze pontos da liderança, encheu por completo o Estádio do Tondela e cifrou um novo máximo de assistência do clube do distrito de Viseu. Mais uma demonstração da força brutal do nosso Clube e mais um passo na construção do futuro da nossa equipa. Foi uma boa noite de sábado!

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

SPORTING CP 1-1 Vitória SC: Faltam 10 jogos...

A dez jornadas do fim, resta-nos cumprir calendário. Não iremos além do terceiro lugar e, pese embora a diminuição da distância para o quarto classificado,creio que estaremos longe de ter o pódio em risco.

 

O jogo de ontem até começou por correr bem. Fizemos uma boa primeira parte, mesmo sem ter aproveitado a maior parte do caudal ofensivo demonstrado. Estivemos mal a servir Bas Dost, de tal forma que, numa das poucas vezes que o servimos bem, ele resolveu assistir um colega para o golo, só para mostrar como se faz.

Alan Ruiz marcou o quarto golo nos últimos cinco jogos e fez a exibição menos bem conseguida entre as últimas.

 

Talvez William tenha mesmo sido o melhor do primeiro tempo, bem perto do melhor William. Varreu tudo defensivamente e foi sempre o princípio do nosso jogo ofensivo, queimando linhas e descobrindo espaços

 

Na segunda parte sentiu-se a maldita dormência, que tantas vezes tem afectado a nossa equipa esta temporada. O Vitória, mesmo sem criar o perigo da primeira parte, assumiu algum controlo do jogo, algo que lhe tinha faltado na primeira parte, onde se tinha limitado a explorar a velocidade dos avançados.

Entendi as mudanças de Jesus. Tirar os dois amarelados é compreensível. Já colocar em jogo um Campbell vindo de várias semanas de lesão em vez de um Podence em crescendo parece-me, no mínimo, discutível.

Mais discutível se torna quando o costa-riquenho está ligado a dois lances cruciais no segundo tempo. Falha na concretização da única verdadeira oportunidade clara de golo e no lance do golo do Vitória onde, pese embora o desvio que a bola sofre, se alheou completamente, não acompanhando o lateral contrário que serviu à vontade um Marega que não marcava há quatro meses.

 

A incapacidade revelada após o golo sofrido é fruto das alterações estratégicas anteriores (a equipa estava apenas preparada para segurar a magra vantagem e não para um volte-face no jogo) e também da intranquilidade e nervosismo que a equipa continua a sentir.

A entrada de Castaignos também não se percebe...de que valia juntar mais um homem na frente se a nossa maior capacidade era precisamente criar?! A entrada de Podence, mais uma vez, não se entende.

A verdade é que voltámos a perder dois pontos com este Vitória (desta vez por culpa própria) e que este Sporting já é pior do que o de Marco Silva que, à vigésima quarta jornada "já" tinha 50 pontos, mais dois do que os 48 actuais. O melhor é começar a pensar em 2017/18 e a utilizar os jogadores com que se conta para a próxima época.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Estoril 0-2 SPORTING CP: Ganhar sem deslumbrar

Há quase três meses que o Sporting não vencia três vezes consecutivas para o campeonato. Só este facto ameniza o fraco futebol que temos produzido.

Embora com exibições sofríveis, o que é certo é que a tal série de vitórias que já disse ser necessária para que a confiança melhore a nossa qualidade de jogo começa a ser construída e, finalmente, a equipa parece demonstrar novamente capacidade para segurar vantagens tangenciais e manter a baliza inviolada.

Em parte, estes últimos três jogos fazem-me lembrar dois períodos da primeira volta do ano passado em que a equipa, sem jogar bem, foi melhorando a sua auto-estima com resultados apertados e exibições menos conseguidas.

Não que ainda vamos a tempo de remediar os erros mas este final de época pode ser um impulso importante para o início da próxima.

 

O jogo voltou a pautar-se por fogachos individuas e um ou outro momento colectivo interessante. A dupla de centrais cumpriu, a de meio-campo mostrou que pode funcionar mas que precisa de mais jogos e entrosamento e os quatro homens da frente foram alternando entre eles nos momentos positivos e negativos. Dos últimos, nenhum foi consistente mas todos tiveram um ou outro momento de qualidade. 

William foi um dos melhores em campo, pese embora a primeira parte menos conseguida, Alan Ruiz voltou a ter momentos muito bons e mostra já um nível físico e um ritmo de jogo muito interessantes, Gelson esteve bem, após uma meia hora inicial terrível e Bryan fez um golo fácil, facto que é sempre de saudar, numa exibição mais positiva que o que tem sido habitual.

 

Apesar de tudo, o controlo do jogo foi maior do que em jogos anteriores e a equipa evidenciou uma capacidade no processo defensivo bem maior do que a que vem demonstrando. Sobretudo notou-se uma preocupação e cuidado maior no controlo da profundidade por parte dos laterais, do espaço entre-linhas nas transições defensivas e do aproveitamento das segundas bolas. Palhinha foi importante para este trabalho e a solidificação do processo defensivo acabará por soltar mais a equipa ofensivamente neste final de campeonato.

 

Embora me custe ver alguns jogadores no banco, entendi perfeitamente a opção de Jesus em manter praticamente o mesmo onze até final. A equipa estava a encaixar bem no Estoril, que aumentou o número de jogadores ofensivos na fase final do encontro e, por vezes, nestes jogos, é mais importante o foco dos que lá estão dentro do que a vontade dos que vêm de fora. 

Podence e Chico Geraldes terão de ter a paciência para esperar por um momento melhor da equipa para explanarem a sua qualidade sem a pressão constante dos resultados apertados e das exibições q.b. Assim que a equipa melhorar em termos exibicionais, acredito que poderão ter mais minutos, sobretudo o Chico, que ainda não se estreou.

 

Segue-se a final com o Guimarães, em casa, um dia depois dos sócios escolherem o Presidente do Sporting para os próximos quatro anos. Lá estarei no sábado, para cumprir o meu dever de sócio. No domingo, vai ter de ser pela TV.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

O dia em que o Sporting tirou o futebol feminino do "anonimato"

Começo por dizer que espero que o Sporting aproveite aquilo que ontem se passou em Alvalade para que a Europa e o Mundo saibam que em Portugal o futebol feminino está a evoluir e que, para isso, e entrada em cena do Sporting Clube de Portugal foi fundamental.

O que se passou ontem não foi normal. Estavam mais de 10 mil pessoas num estádio, em Portugal, a ver um jogo de futebol feminino do Sporting quando o jogo (em que tinham participado equipas nacionais) com maior assistência no nosso país tinha sido o Portugal - Roménia, do passado dia 21 de outubro, onde se jogou a primeira mão do playoff de acesso ao Europeu deste ano.

O número de espectadores desse jogo? 3415.

O número oficial de ontem? 9263, mas garante quem esteve que muitos mais entraram sem passar pelos torniquetes.

 

Para terem uma noção do que isto representa e da força que o Sporting tem, deixo-vos alguns números:

- O Lyon, vencedor da última edição da Champions feminina, teve uma assistência média na prova de 11.035 espectadores

- O Frankfurt, vencedor da Champions feminina em 2014/15, teve uma assistência média na prova de 2320 espectadores

- O Wolfsburg, vencedor das edições de 2012/13 e 2013/14, o melhor que conseguiu nesse período foi uma média de 5174 espectadores

- A média de espectadores da Champions feminina na temporada passada foi de 3009 espectadores. Este ano está nos 1985, embora aumente exponencialmente nas fases decisivas da prova

- A final da Champions de 2013/14, jogada no Estádio do Restelo, teve uma assistência de 11200 espectadores

- A final da Taça de Portugal da temporada passada, levou apenas 2500 pessoas ao Estádio do Jamor

Já deu para perceber o que ontem se atingiu à escala nacional e europeia do futebol feminino.

 

O jogo nem era uma final... "Apenas" um jogo importante, sabendo que ainda faltam oito para o fim da Liga. Aliás, os adeptos foram com a noção que era neste jogo que era mais provável que perdêssemos pontos mas completamente sem noção do que falta jogar. Foram para apoiar numa oportunidade rara de ver a nossa equipa feminina sem terem de se deslocar a Alcochete. E sim, a localização da Academia prejudica e muito as assistências das nossas equipas (masculinas e femininas).

Claro que nenhum dos outros jogos tem o impacto deste. Toda a gente sabe que são as duas melhores equipas e é irrealista pensar que se todos os jogos fossem em Alvalade, teríamos sempre 10 mil nas bancadas. Não teríamos. A competitividade da nossa Liga é baixa e o interesse pela maior parte dos jogos acompanha o nível de competitividade. Mas seria irrealista dizer que facilmente teríamos uma média de 3 mil espectadores, se os jogos se jogassem em Alvalade? Não, acho que não. E com bilhetes pagos (recordo que o jogo de ontem foi de entrada livre).

 

Vamos ao jogo.

Duas equipas em igualdade pontual, que apenas tinham perdido quatro pontos em todo o campeonato, dois deles no confronto directo. O Braga, com uma diferença de golos muito superior, sabia que um empate os manteria a depender exclusivamente de si para arrecadar o título. Ao Sporting, só a vitória interessava, dada a noção de que a perda de pontos até final será pouco provável (porém, possível) para ambas as equipas e que a vitória dava uma folga de três pontos mais a vantagem no confronto directo.

O jogo esteve longe de ser um hino à modalidade ou uma forte campanha para o futebol feminino (futebolísticamente falando) mas teve entrega e emoção de sobra.

Mesmo que o tenha visto pela TV, sentia-se a tensão e o peso da responsabilidade aos ombros das jogadoras. De um lado e de outro, todas tinham a noção da importância do jogo.

As equipas equivaleram-se na maior parte do jogo e o Sporting, que à semelhança do que aconteceu em Braga, teve sempre mais iniciativa de jogo e criou as melhores oportunidades para marcar (mesmo que em número reduzido), acabou por vencer com justiça, praticamente no último lance do encontro.

 

Curioso como nestes jogos as jogadoras mais influentes têm mais dificuldade em sobressair. Embora tenham estado em bom plano, Solange Carvalhas e Diana Silva tiveram dificuldades em se impor, graças à vigilância apertada das bracarenses.

A mim, mais uma vez, foi Joana Marchão quem me encheu as medidas. Inesgotável na entrega ao jogo, qualidade na maior parte das acções, tanto ofensivas como defensivas e um nível de comprometimento e entreajuda assinalável. É difícil atribuir um prémio de MVP num jogo em que é a equipa que sobressai (e tão bom que é constatar isto) mas, a fazê-lo, o meu ia para a nossa lateral esquerdo.

Ana Borges merece também uma menção, pelo que lutou e pelo que tentou sempre empurrar a equipa para a frente. Acaba por ganhar a grande penalidade precisamente por acreditar que chegaria àquela bola primeiro que qualquer outra jogadora. Meio golo, é dela.

 

Agora, directamente para o Presidente Bruno de Carvalho (que, acredito, se manterá como tal por mais quatro anos), segue um pedido. Três dos cinco jogos em casa não coincidem com os da equipa sénior masculina e é meu desejo que tenhamos mais três jogos das mulheres em Alvalade. Trate lá disso. Para o ano, agilize-se o calendário para que sejam mais frequentes os jogos em Alvalade do que na Academia.

Elas merecem isso. Por tudo. Porque desde o primeiro dia demonstram um prazer enorme em representar o Sporting. Porque se dedicam e sentem o peso da responsabilidade de nos representar de uma maneira que faz corar de vergonha muitos atletas do plantel profissional masculino. Porque apresentam resultados e qualidade. Porque acredito que seja a vontade de muitos dos adeptos e, por fim, porque tão facilmente idolatro o Rui Patrício, como o João Matos, o João Pinto, o Pedro Portela ou a Solange Carvalhas.

Porque só há um Sporting e porque o sentimento de o ver ganhar e a vontade de o ver atingir a glória é, para mim, igual no futebol masculino ou feminino, no futsal ou no ténis de mesa.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

SPORTING CP 1-0 Rio Ave: sofrimento deu fruto graças ao Senhor 400

Dificilmente haveria melhor forma de Rui Patrício celebrar 400 jogos oficiais de leão ao peito. Uma exibição imaculada, com um punhado de exibições difíceis e decisivas permitiu a conquista dos três pontos, oferecidos pelo pé direito de Alan Ruiz e as luvas do nosso "Marrazes".

 

O jogo voltou a ser sofrível, muito graças à nossa falta de qualidade na saída para o ataque e na transição defensiva. Passámos a primeira parte toda a sofrer contra-ataque e ataques rápidos, sobretudo por culpa da nossa deficiente primeira fase de construção. Saímos sempre a jogar mal e entregámos a bola ao adversário que, em dois/três toques se colocava em posição de finalizar. 

Não fosse Rui Patrício e, em meia hora, o resultado já podia estar desnivelado por mais de um golo a favor dos vila-condenses. O nosso 'redes' disse "não" a todos quantos lhe apareceram pela frente.

 

Impossível não falar dos nossos laterais, ambos muito fracos, tanto e defender quanto a atacar. Dificuldades no passe, no posicionamento, desatenções constantes...uma desgraça.

William continua a meio-gás e a primeira parte foi miserável. Adrien tenta correr pelos dois.

Os nossos extremos tiveram muita dificuldade em servir Bas Dost, que nem chegou a aparecer em campo.

 

Salvaram-se os três pontos, numa exibição que raras vezes nos permite amealhar tantos e quase sempre nos deixa aziados.

Uma noite que valeu pelo Senhor 400 e que não deve deixar de merecer análise profunda por parte de jogadores e equipa técnica. Para manter a série de vitórias, vai ser necessário fazer mais e melhor.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Moreirense 2-3 SPORTING CP: Os últimos meses espelhados em mais 90 minutos pobres

Assim que vi o onze, previ 45 minutos sofríveis.

Rúben Semedo tem andado um desastre mas voltou a merecer a confiança de Jesus. Bruno César, que é, compreensivelmente, um lateral sofrível viria a formar o trio da defesa num misto de má forma com incompetência para as tarefas inerentes às posições em questão. Claro que é Schelotto que completa o trio, embora o próprio Coates esteja num momento menos bom.  Juntemos a isto um Rui Patrício totalmente desconcentrado e desligado do jogo, um William a meio gás e um Bryan que não merece uma titularidade há meses e temos mais de meia equipa em sub-rendimento.

Os dois golos na primeira parte, por tudo o que já falei, não me surpreenderam (embora ainda consiga surpreender-me com alguns dos erros que os permitiram). Os responsáveis pelos mesmos já foram todos mencionados.

 

Para mim, foi incompreensível ver que Jesus não mexeu na equipa ao intervalo. Com deficiências tão evidentes, com uma falta de dinâmica gritante e com todo o jogo criativo entregue a Alan Ruiz (até Gelson começa a ser afectado pelo mau momento colectivo), não consegui entender o que ficou Podence a fazer no banco (e ver o Chico na bancada revolta-me).

Virámos o jogo na segunda parte graças a dois bons momentos de futebol e não graças a uma exibição demolidora, tal como havia acontecido no Dragão. O jogo continuou meio "mastigado" e aos repelões, à espera de um momento de inspiração.

Inspiração que acabou por vir do banco. Podence constrói sozinho o golo do empate, concluído pelo suspeito do costume (Bas Dost), o único que percebeu que o remate do recém-entrado podia não entrar, como parecia.

 

O jogo manteve a toada. O Sporting tentava mas o esclarecimento não era muito. Os cruzamentos saíram quase sempre mal e acabou por ser Adrien a pegar no jogo, sempre que se exigia. Mesmo recebendo a bola muitas vezes em más condições e em situação de aperto, muitas foram as vezes que o capitão conseguiu dar continuidade aos lances, levando a equipa para a frente. Foi o que aconteceu no golo da reviravolta. Descobriu Gelson na direita, após mais um passe para o meio da confusão de William. Gelson abre em Schelotto, que descobre Adrien, pronto para marcar um penalti em movimento.

 

Desta vez, a sorte esteve do nosso lado pois, no minuto seguinte, Dramé atirou à trave após mais uma abordagem defensiva ridícula de Schelotto (o Rui também podia ter feito mais).

Até ao fim, foi a "rezar" para que não acontecesse aquilo que não surpreenderia qualquer Sportinguista. Não aconteceu, e saímos de Moreira de Cónegos com os três pontos.

 

Sinal +
Alan Ruiz, o melhor em campo.
Adrien, o lutador incansável.
Bas Dost, sempre no sítio certo.
Podence, que entrou para mexer com o jogo e conseguiu-o.

 

Sinal -
Toda a linha defensiva esteve patética, sobretudo Patrício, Schelotto e Semedo. Mas é impossível que os restantes não acabem a cometer erros, quando se sente uma insegurança medonha em todo o sector. Schellotto só deu uma para a caixa, Semedo meia e Bruno César uma e meia. Coates andou por ali perdido, a tentar resolver umas e acabando por provocar outras.
William tem de dar mais.
Bryan é uma a menos. Custa dizer isto mas é a verdade.

 

A vitória foi importante mas voltou a ser sofrida. Não dá tranquilidade nem grande dose de confiança à equipa e é preciso trabalhar mais e durante mais tempo no próximo jogo, em casa, frente ao Rio Ave, uma boa equipa que já nos causou muitas dificuldades e dissabores.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Porto 2-1 SPORTING CP

Sporting e Porto entraram no Estádio do Dragão receosos e, assim, o medo de sofrer sobrepôs-se à audácia de tentar ganhar.

 

Na 1ª parte, tudo se resume ao aproveitar de dois erros nossos. Não jogámos bem. Eles também não.

A entrada de Soares baralhou-nos as contas. Jorge Jesus não contava que ele jogasse e bastaram uns minutos para perceber que o Sporting poderia explorar situações de superioridade numérica no meio-campo mas não o fez. Zero de aproveitamento do espaço interior...zero de oportunidades de golo.

Resultado: não demos uma bola ao ponta-de-lança, sobretudo pelo que os laterais não ajudam os extremos a produzir e ainda sofremos dois golos com origem em dois lançamentos laterais a nosso favor, em lances onde, sabendo que a equipa sobe para o lançamento longo (foram ambos no enfiamento da área), decidimos mal e expusémo-nos ao contra-ataque, muito bem explorado nas duas situações, ambas evitáveis, mesmo após o erro inicial.

O primeiro golo começa com Schelotto a desperdiçar uma oportunidade de atacar com qualidade, despejando a bola para as mãos de Casillas, que lança o contra-ataque. Depois, a passividade de Marvin deixa que Corona cruze sem oposição para, a terminar, João Palhinha controlar mal a profundidade e deixe em jogo Soares para fazer o primeiro.

No segundo golo, Matheus perde a bola, o Porto bate directo, Semedo aborda mal o lance e a bola sobra para uma dividida entre Palhinha e Brahimi (o lance é de dúvida mas a possível falta não é totalmente clara). A partir daqui, só um jogador pode anular o excelente passe de Danilo: Schelotto, mas o italo-argentino resolveu fazer um movimento de contorcionismo que o deixou fora da disputa do lance. Soares bate a concorrência em velocidade, ultrapassa Patrício e faz o segundo em dois remates.

Marvin e Schelotto fizeram 45 minutos abaixo do nível amador. A seguir a estes, o pior foi o Bryan.
Com 2-0, ao intervalo, JJ mexeu bem (eu teria feito troca por troca - Bryan por Alan), embora seja uma pena que não hajam mais substituições.

 

A defensiva do Porto foi mais desestabilizada nos primeiros 5 minutos da segunda parte do que em toda a primeira.
É a entrada do Alan que permite ao Adrien pressionar mais à frente, precisamente jogando com a intensidade que o Bryan não tem.
Adrien atira à barra e Esgaio substitui Marvin, que bem podia ter ficado logo no balneário ao intervalo. O Sporting era dono e senhor do jogo.
Acabámos por marcar num lance em tudo semelhante aos do Porto, mas numa jogada muito mais bonita e bem elaborada. Segunda bola conquistada por Bryan, que endossa a Alan. O argentino fixa o jogo a meio campo e entrega em Gelson que, com o adversário concentrado no meio, abre em Schelotto, que depois devolve a Gelson em espaço interior. O cruzamento para Bas Dost é bom, a assistência para Alan é má mas sua a capacidade técnica e de remate resolve o problema. Foi à bomba que o Sporting reentrou no jogo e não podia ser outro a agitar as águas. Excelente, Alan Ruiz.
Era fácil dizer que o Porto baixou as linhas e que, por isso, o Sporting cresceu no jogo mas isso não corresponde à verdade. O Porto tentou defender subido, condicionando a saída na primeira fase de construção do Sporting mas não conseguiu.
O Sporting passou a definir melhor, sobretudo porque Alan deu à equipa exactamente aquilo que havia faltado em toda a primeira parte: capacidade criativa em zonas interiores, intensidade e qualidade quer em condução de bola quer na gestão da posse da mesma. O jogo jogava-se agora nos três corredores e ainda faltava meia-hora para o final do encontro.
NES percebe o que mudou no jogo e lança André, por troca com André Silva.
(Ter lançado Alan de início podia ter mudado todo o encontro.)
Gelson "saca" um belo cruzamento ao qual Bas Dost não corresponde por culpa da sua movimentação errada. Tudo estava a começara a fluir melhor. Esgaio retribui da esquerda. Gelson remata por cima.
Aos 77', o "tradicional" penalti por assinalar, por mão dentro da área de Corona (que já tinha amarelo).
Podence entra para os 10' finais, arriscando a saída de João Palhinha que, tirando o lance do primeiro golo do Porto, fez uma boa exibição e não merecia as palavras que Jesus lhe dedicou no final da partida.
Os últimos minutos passaram com o Porto encostado às cordas e com Coates a fazer brilhar Casillas, que negou ao uruguaio dois golos, um deles no último lance do jogo.
 
Pelo que mudou no jogo, Alan Ruiz foi o MVP do lado leonino. Não foi só o golo. A forma como demonstra adaptar-se cada vez melhor à intensidade a que se joga em Portugal, ajuda-o a explanar melhor o seu futebol. Todo o jogo do Sporting passou por ele.
Depois, tenho de destacar Esgaio. Fez apenas 35 minutos mas a qualidade relativamente a Marvin é embaraçosa para o holandês.
Coates merecia coroar a assinatura do contrato com um golo.
Em sentido oposto, a primeira parte de Schelotto e Marvin, no tempo que esteve em campo, demonstraram o porquê do jogo exterior do Sporting se demonstrar ineficaz. Ambos atrapalham mais do que ajudam os extremos e a eles juntou-se Bryan Ruiz.
O costa-riquenho é uma sombra do jogador que chegou no ano passado. Pouco intenso em todos os momentos do jogo, perde bolas com frequência e facilita no capítulo defensivo. Melhorou na segunda parte onde, finalmente, acertou na marcação de algumas bolas paradas, embora a percentagem de acerto faça com que se torne difícil explicar o porquê de bater todos os lances de bola parada.
 
A época acabou! Resta segurar o terceiro lugar e aproveitar para fazer crescer os miúdos, não deixando de os aproveitar para a próxima época. É curioso como o que, para Jesus se paga caro, parece ser a solução para os nossos maiores problemas. Se há coisa que necessitamos é de dar crédito aos miúdos.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

SPORTING CP 4-2 P. Ferreira: Regresso às vitórias

Não vi quase nada do jogo. Porque o Sporting não é só futebol e foi o hóquei em patins a minha prioridade. TV e PC ligados mas olhos no pavilhão da Luz, onde todos sabem o que se passou.

 

Em Alvalade, entrada de leão, com espectáculo e nota artística. Vi os golos e pouco mais. Na segunda parte, os miúdos para deitar e toda a rotina nocturna fizeram com que apenas tenha visto a espaços.

 

Assim sendo, destaco dois nomes: Bas Dost e Gelson Martins.

Continuam a ser os mais preponderantes e com maior peso na eficácia da equipa. As saídas de João Mário e Slimani foram mais facilmente colmatadas do que seria à partida imaginável, no entanto, a equipa perdeu algumas dinâmicas nas quais esses jogadores eram essenciais e sofreu também com o mau planeamento da época e a chegada tardia dos campeões europeus, peças fulcrais na dinâmica e equilíbrios da equipa.

 

Mas não há como negar que os números impressionam. Apresentarei um quadro com os primeiros 26 jogos (número que contabiliza até agora Bas Dost) e outro com dados relativos às primeiras 19 jornadas. As épocas em análise serão aquelas em que cada um obteve a sua melhor performance ao serviço do Sporting.

Vejamos o comparativo de Bas Dost com os melhores avançados pós Mário Jardel:

 

PRIMEIROS 26 JOGOS

1.png

19ª JORNADA

2.png

Comparemos o registo de golos e assistências de Gelson Martins (2016/17) vs João Mário (2015/16):

3.png

Na próxima semana, já com o mercado fechado, teremos a difícil deslocação ao Estádio do Dragão.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Marítimo 2-2 SPORTING CP: Assim não dá mesmo

1.jpg

Não há má exibição que mereça ser castigada com um erro de arbitragem que custe uma vitória. Infelizmente, em jogos do Sporting, este castigo é recorrente. 

Alan Ruiz fez um golo limpo, após uma excelente jogada de envolvimento, onde Schelotto, Gelson, Adrien, Bas Dost e o próprio Ala Ruiz trataram a bola de forma excepcional. Nenhum golo legal merece ser anulado e mais triste se torna quando o golo é bonito e poderia ter encerrado um jogo com um resultado diferente.

São já 5 jogos neste campeonato com erros directos que nos retiram pontos. Mesmo com más exibições, podíamos estar coladinhos à frente da Liga e isto, pesem embora todos os erros e deficiências da nossa parte, não pode ser ignorado.

 

Voltámos a não jogar bem. Entregámo-nos ao jogo, subimos a intensidade com bola mas fomos ainda demasiado deficientes no posicionamento defensivo. Facilitámos as transições rápidas ao adversário e ainda dormimos na forma nas bolas paradas. De facto, era a receita para mais um mau resultado que, felizmente, desta vez contou com a nossa eficácia, ao contretizar três golos, suficientes para liderar a partida ao minuto 81...ou não.

É fácil dizer que este jogo devia ter sido ganho. A facilidade com que o Marítimo fez ambos os golos colocou-nos sempre a correr atrás de um resultado que, com outro rigor e concentração, poderia ter encerrado uma vitória justa e sem contestação.

Rui Patrício não pode abordar de forma tão displicente, desconcentrada e deficiente os lances de ambos os golos. No primeiro, tentou adivinhar o lance mas esqueceu-se que o adversário facilmente faria a leitura do seu posicionamento, completamente deficiente. No segundo golo, bastava ter feito o que tão bem fez em duas ocasiões do jogo posteriores mas ficou-se "nas covas".

Erros destes, com uma equipa num mau momento de forma e debilitada animicamente, facilmente nos custariam pontos. Custaram dois, mas nós nem fomos os únicos culpados. O Alan estava em jogo.

 

Coates, depois dos últimos rumores, fez uma exibição fraca. Caso raro, para não dizer único.

Marvin leva-me a questionar se demora muito a dizer "sim" á tal proposta inglesa.

Bryan Ruiz é uma sombra do que já foi e duvido que Miguel Leal o quisesse por troca com Iuri Medeiros, que ontem voltou a marcar mais um golo que deu três pontos ao Boavista.

Campbell leva-me ao desespero.

Castaignos...com o Sporting empatado, ficou no banco o único ponta-de-lança disponível no banco. Nem é preciso dizer nada.

 

Adrien arrasta-se em campo. Luta, corre, mas tudo em esforço.

Palhinha esteve bem, considerando que era a estreia.

William mostrou que pode haver alternativa ao William de ultimamente.

Gelson e Bas Dost continuam a milhas de distância dos restantes. Quase tudo o que de bom acontece, começa passa ou termina num deles.

 

Num momento em que o Porto deixou de se queixar das arbitragens (porque será?!), resta continuar a lutar...contra elas, para além dos adversários.

 

Apesar de tudo, não ignoremos que continua a ser necessário fazer auto-crítica e modificar coisas no plantel, afim de o melhorar, ao mesmo tempo que reduzimos custos. E sim, isso é possível e relativamente simples.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Chaves 1-0 SPORTING CP: Há males que vêm por bem

O Sporting esta fora da Taça de Portugal e resta-nos o campeonato para disputar até final da temporada. A eliminação não surpreende, tal é o estado anímico e de forma da equipa. Na verdade, acho que a desilusão seria muito maior noutras circunstâncias. Tal e qual como estávamos, a eliminação de mais uma competição era uma tragédia à espera de acontecer.

Consumou-se e, com tudo o que de mau isso traz, há uma coisa boa. Uma vitória no jogo de ontem poderia ter aguçado a tentação de empurrar com a barriga, de achar que estava tudo bem. Assim não dá para esconder erros e debilidades.

 

Nada a apontar à entrega da equipa. Correram, esforçaram-se mas voltaram a apresentar-se perdidos em campo, sem rumo e sem uma estratégia aparente que lhe permitisse ultrapassar um adversário mais bem organizado e preparado quer nós.

O Chaves tem uma boa equipa, bem orientada e com alguns bons executantes. Nada que se compare com o valor do plantel do Sporting, muito menos o monetário. Mas o estado anímico e motivacional com que se apresentaram fizeram transparecer que os papéis estavam invertidos. Foi o Chaves que entrou a mandar e o Sporting a tentar reagir. Nós tentámos marcar sem grande estratégia e acabámos por perder num lance de bola parada, novamente nos últimos minutos, fruto de falta de concentração, de foco e de ambição. Deixámos que um lance em que tínhamos oito jogadores na área para três do adversário acabasse com a bola na nossa baliza, fruto de um cabeceamento de um jogador que nunca tinha marcado um golo.

 

Tragédia consumada, é hora de fazer auto-crítica, já que publicamente foram criticados árbitros, comunicação social e os próprios jogadores.

Há que assumir que o planeamento e gestão desta temporada foi um desastre total. Estamos em Janeiro e resta lutar pelo campeonato, com oito pontos de atraso. Vislumbrar sucesso quando as hipóteses são tão reduzidas é difícil mas isso não pode deixar que baixemos os braços, desde o Presidente aos adeptos, os únicos que me parecem praticamente isentos de culpa, pois não têm faltado com o apoio em nenhum estádio deste país.

Felizmente, estamos em Janeiro e temos, por isso, cerca de duas semanas para arrumar a casa e criar um grupo adequado à competição domingo a domingo, menos extenso e mais solidário.

 

Há que assumir sem rodeios que Bruno de Carvalho confiou em Jorge Jesus e lhe deu tudo o que este pediu para esta temporada. O Presidente errou ao fazê-lo.

Há que assumir que os jogadores contratados, excepto Beto e Bas Dost, não corresponderam às expectativas criadas e muito menos à exigência pretendida. Jorge Jesus falhou.

Há que assumir que a equipa não rendeu o esperado e, pior do que isso, não se demonstrou totalmente comprometida, coesa e determinada em todos os momentos da época. Os jogadores falharam.

 

Em cima disto, há muito a construir.

Bruno de Carvalho deve ponderar se o treinador deve ter ou não carta branca para a formulação do plantel que, em abono da verdade, nem no modelo de jogo do treinador encaixa.

Jorge Jesus deve reconsiderar as opções tomadas e analisar se fez tudo o que estava ao seu alcance para retirar de cada jogador o seu melhor em prol do colectivo. 

Os jogadores terão de unir-se, conversar, alinhar objectivos e tentar cumprí-los em prol do Clube e não pensando individualmente ou amunado perante o egocentrismo e incapacidade para assumir o erro do seu líder. É na tentativa de satisfação dos adeptos que devem encontrar as forças para continuar.

 

Posto isto há excedentários para dispensar, flops para despachar, jogadores a reavaliar e regressos a ponderar. O Sporting não precisa de um plantel de 29 jogadores. Dois por posição são mais do que suficientes e não sou eu que vou por-me aqui a opinar sobre se deviam ser estes ou aqueles.

Jorge Jesus deve colocar de parte o orgulho e decidir o que é melhor para o Clube, em vez do que mais lhe massaja o ego. Tem de deixar-se de teimosias parvas para tentar provar o que quer que seja.

Os jogadores cedidos por empréstimo que tenham cláusulas de retorno devem ser equacionados no mesmo plano que os que fazem parte do plantel. O objectivo é único: dotar o Sporting de um grupo mais forte, unido e equilibrado para atacar a segunda volta. Só o que façamos daqui para a frente importa. O que passou, passou e deve servir apenas e só para aprender e melhorar.

 

A época pode até estar totalmente perdida mas não podemos arriscar o futuro. E se Bruno de Carvalho quer fazer parte desse futuro, tem de passar essa mensagem de forma clara aos sócios. As coisas não podem ficar tal qual como estão. Está provado que o investimento (sobretudo este, totalmente falhado) deu menos resultados que o fazer "mais com menos".

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Chaves 2-2 SPORTING CP: Maldito pastel de Chaves

"Muitas vezes os jogos ganham-se pelo que sentimos pelo clube e pela vontade de vencer por ele. Eu sinto o Sporting."

 

A frase é de Francisco Geraldes e traz-nos a parte do futebol que só o adepto percebe. A paixão, o amor, a entrega e a dedicação a um símbolo, habitual na bancada mas nem sempre transparecida em campo.

Ontem, demos mais uma vez uma pálida imagem daquilo que é o Sporting e até mesmo da real valia de alguns dos seus jogadores. William é mais do que mostrou. Muito mais. Adrien também. E isto custa, especialmente vindo destes, pois sabemos que sentem o clube e já demonstraram vontade de vencer por ele vezes suficientes.

 

"Sei que sinto o clube da forma que só a formação consegue sentir e que é difícil de explicar. Ninguém sua a camisola como quem a veste desde sempre."

 

Pareço um desesperado a transcrever citações de livros ou cifras como naquelas páginas de facebook. Mais uma vez, Francisco Geraldes relembra algo importante que tem faltado nos últimos tempos; suar a camisola. E tem faltado aos que a vestem desde sempre mas ainda mais a muitos dos outros.

Temos um Presidente adepto que contratou um treinador adepto que, por sua vez, tem um conjunto de jogadores composto por alguns que também torceriam pelo Clube mesmo estando de fora. De fora, precisamente o sítio onde alguns parecem querer estar, esquecendo-se que há ainda trabalho a fazer e respeito a dever a quem sofre, vibra e ama o Sporting todos os dias. Nós, os adeptos.

 

"Foda-se, que início de merda!"

 

Esta frase é minha (mas pode também ser tua) e foi proferida ontem, aos quarto minuto de jogo, quando Rafael Lopes nos coloca em posição de desvantagem após termos conhecimento do empate do líder em casa.

Nada pior que mais um jogo a correr atrás do prejuízo desde início, muito menos num terreno tão difícil quanto aquele que voltaremos a enfrentar daqui a dois dias.

 

"Tanto passe falhado"

 

Mais uma da minha autoria (sim, podem reclamar direitos de autor), que teve Adrien como principal destinatário. Num meio-campo que nos habituámos a ter como a nossa principal força, ver tanta displicência arruína as nossas possibilidades de apresentar um bom futebol, fluído e objectivo.

 

"Sempre os mesmos! Que seria de nós sem eles?!"

 

Gelson Martins e Bas Dost, obviamente. Tudo o que de melhor temos visto vem repetidamente da capacidade criativa de Gelson e do apurado faro de golo de Bas Dost. Não há quem deles sequer se aproxime nas suas posições e isso coloca-nos, de certa forma, reféns de dois jogadores, A imprevisibilidade que deveríamos dar ao jogo fica muitas vezes comprometida por a receita ser sempre a mesma: bola no menino e o holandês resolve. São sete assistências de Gelson e treze golos de Dost...só no campeonato.

 

"Uff"

 

Ir para o intervalo empatados constituía um alívio e trazia a esperança de um novo balão de oxigénio para a segunda parte, sobretudo para os primeiros minutos, onde se queria um Sporting incessantemente à procura do golo. 

 

"Porquê?"

 

Coração de Leão não tem descanso. Numa segunda parte que se esperava de velocidade e onde todas as armas seriam necessárias, Jorge Jesus terá indicado a Raúl José para lançar Bryan e André para os lugares de Alan e Campbell. Sendo verdade que nenhum dos dois fez uma exibição deslumbrante (na verdade nenhum deles entusiasmou), seria de esperar que o golo ao intervalo galvanizasse a equipa e trouxesse um pouco mais de confiança. Desperdiçar a velocidade de Campbell e a meia distância de Alan pareceu-me precipitado, sobretudo antes de ver o que dariam os primeiros dez minutos do segundo tempo. 

 

"Estava-se mesmo a ver"

 

Esta não disse, mais para afastar o fantasma, mas ecoou bem alto várias vezes na minha mente. Assim que Rúben Semedo viu o primeiro amarelo, metade da nação leonina terá dito que não acabaria o jogo. As duas substituições de Jesus ao intervalo não davam espaço de manobra. Paulo Oliveira acabaria por entrar mas não para o lugar de quem devia e, infelizmente, para completar uma defesa coxa, após uma expulsão mais que justa. O Sporting ficava a jogar com 10.

 

"Na na na na, na na na na, Bas Dost!"

 

André acabaria por se redimir do escandaloso golo que falhou, servindo Bas Dost para o 15º golo de leão ao peito. O holandês marca um golo a cada 126 minutos de competição. Em jogos da Liga, a cada 91 minutos as redes balançam. Bas Dost não merece ser, no geral, tão mal servido e, com um rendimento óptimo da equipa, já teria pelo menos mais meia dúzia de golos.

 

"Nãããããããoooo! O que é que este gajo está a fazer?!"

 

Qualquer Sportinguista que não viva no mundo da Lua e tenha consciência da realidade sabia que seriam minutos penosos até final. Abdicar de atacar, sabendo da nossa incapacidade para segurar resultados poderia ser desastroso. Tirar do jogo Bas Dost era ter a certeza que passaríamos o que restava a rezar a todos os santinhos para que o karma não voltasse a cair-nos em cima.

 

"Eu tinha avisado!"

 

Na última ronda pelos emprestados, deixei uma nota a Fábio Martins, jogador formado no Porto, que tem conseguido subir degraus seguros na carreira, graças à sua qualidade. Provavelmente nunca voltará a fazer um golo daqueles mas eu tinha alertado. Escusado será dizer que este golo surge devido a uma total apatia e inépcia na hora de reagir à chamada "segunda bola". Não há um jogador num raio de muitos metros preparado para reagir àquele ressalto de bola vindo do corte em esforço de Coates, tal como já não havia quem tivesse estorvado a acção do jogador que tentou o passe. Tudo isto numa equipa com 10 elementos, a precisar de segurar uma vantagem preciosa que manteria acessa a chama do título. O resto é talento do miúdo e um balde de água fria (ai um) tremendo que apaga a nossa chama e desanima a nossa esperança.

 

"E agora?"

 

Podia guardar este ponto para mais tarde mas isso seria empurrar com a barriga um problema evidente. Esperar por um desaire (agora ou mais tarde) na Taça não é o mais adequado, até porque, não salvando a época, a taça de Portugal é um objectivo que convém que não deixe de o ser.

Nada se mudará até terça-feira mas algo é preciso fazer depois disso. Bruno de Carvalho deu poder a Jorge Jesus. Esse poder acarreta responsabilidade e Jesus é o principal responsável do evidente mau planeamento da época. O plantel foi construído com lacunas gritantes e demasiados pontos de interrogação, que agora se mantêm. Aquilo que no início da temporada, esperançosamente, pareciam soluções, são agora problemas e está nas mãos de Bruno de Carvalho pôr termo a isto, restituindo para si a pasta do futebol e, consequentemente, retirando algum do poder a JJ. Ter tomates para tomar essa decisão poderá ser fulcral, até como medida eleitoral. É fundamental que se perceba que o Presidente não está refém do treinador. É fundamental que Jesus oiça o que ouviram os antecessores: "Os reforços estão em casa". Resta saber se alguém pega nos excedentários, muitos deles com contratos generosos.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

SPORTING CP 2-1 Feirense: O dia e a noite

Fazer uma primeira parte de grande nível sem sequer precisar de Gelson é de salientar. A lesão de Adrien foi mesmo o único ponto negativo do primeiro tempo e, felizmente, foi só um susto. Está tudo bem com o capitão.

O Sporting entrou intenso, acutilante, perigoso e com vontade de marcar cedo. Antes dos 20 minutos Bas Dost já havia marcado duas vezes e prognosticava-se uma noite tranquila em Alvalade...ou talvez não, visto que estávamos a assistir a um jogo do Sporting.

Com um Alan Ruiz transfigurado, um Campbel interventivo e Bas Dost a fazer aquilo que melhor sabe, dois golos foram pouco para o que podíamos ter produzido nos primeiros 45 minutos.

 

Mas não há Sportinguista que descanse com um resultado de 2-0. Todos sabíamos que era necessária uma entrada forte para "matar" o jogo ou ficávamos à mercê do azar e de uma quantidade de factores aleatórios (ou não) que acontecem com maior frequência em jogos do Sporting.

Tirando Campbell, todos baixaram de intensidade na segunda metade. Desde o minuto 37 que o nosso motor de alta cilindrada não estava em campo e, pior que ele não estar, era ter sido substituído por um de dois cavalos. 

Elias nunca conseguirá fazer o que faz Adrien, William nunca rende o mesmo sem Adrien, a verdade é que o Sporting não consegue ser forte sem o seu capitão e isso notou-se mais uma vez. A bitola de intensidade e entrega que habitualmente é definida por Adrien, passou a ser colocada muito baixa, ao nível de um pagode ao final de tarde com umas cervejinhas na asa.

A falta de Adrien não explica tudo mas o crescimento do Feirense tem muito a ver com a falta do capitão e a influência que ele causa nos restantes companheiros. Jesus tem de perceber definitivamente que, sem o motor em campo, o meio-campo tem OBRIGATORIAMENTE de ter três homens. Teremos de colocar dois a fazer o trabalho de Adrien mas é necessário garantir que o que ele faria sozinho é feito, sob pena de acontecer o que aconteceu nos segundos 45 minutos.

 

Depois, há que contar com o critério do árbitro a alargar sempre que se sente que o Sporting pode tremer, os foras-de-jogo que se vão assinalar para nos impedir de chegar à área e um ou outro golo que pode sempre surgir de um lance fruto ou precedido de uma ilegalidade.

Não, a passividade dos nossos laterais no lance do golo não pode ser ignorada mas também não posso deixar de dizer que o lançamento lateral que dá origem ao golo do Feirense é incorrectamente assinalado contra nós (sim, o Alan Ruiz também recebeu a bola em fora-de-jogo no lance do 2-0).

Durante toda a segunda parte nós dormimos na forma e vivemos dos fogachos de Campbell, parte deles cortados injustificadamente pela equipa de arbitragem (assim de repente, lembro-me de um livre à entrada da área por assinalar e um lance em que Gelson acabaria cara a cara com o guarda-redes, no qual é assinalado um fora-de-jogo inexistente).

 

Há coisas que têm de ser ditas. Frente a uma das equipa mais fracas do campeonato, acabou por ser suficiente jogar apenas metade do jogo mas, frente a 80 por cento das equipas do nosso campeonato, ontem teriam saído 40 mil adeptos tristes de Alvalade, após um resultado que nos atrasaria ainda mais na classificação.

Não aconteceu mas, se há coisas boas a retirar daquilo que se passou nos segundos 45 minutos é que a equipa não vai embandeirar em arco uma boa exibição em metade de um jogo, porque essa boa meia exibição quase não chegou para vencer um dos clubes da cauda da tabela.

Assim, foco e entrega total aos próximos jogos, ou chegaremos ao fim de Janeiro como um candidato a ganhar BOLA.

 

Retire-se o muito que de bom se fez e corrija-se rapidamente o que fizemos de errado. É tempo de encontrar uma forma alternativa de jogar sem Adrien, pois não sabemos quantas vezes isso vai ter de acontecer até ao final da época. Arranjemos um plano B que inclua Palhinha, que tanta falta fez ontem no banco. Potencie-se a qualidade que Alan Ruiz demonstra ter e saúde-se que, finalmente, Gelson tenha um parceiro de ala que possa suprir um jogo menos bom da sua parte. É bom saber que o miúdo não vai ter sempre de levar a equipa para a frente sozinho, mesmo que Campbell tenha os mesmos defeitos que o puto Martins. Depois, por favor, aproveitemos a máquina de fazer golos que é Bas Dost. Se em dois remates o holandês faz dois golos, imaginem se tiver 6/7 oportunidades por jogo. É urgente servir Dost com mais qualidade pois, o resto, ele faz como poucos. Imaginem dois jogadores de corredor que em mais de 100 cruzamentos só acertam com um colega (muitas vezes em más condições) por 30 vezes. Isto acontece e não pode, sobretudo quando muitas vezes há espaço e tempo para fazer melhor.

 

Enfim, venha o Chaves, num duplo confronto marcado para os próximos 10 dias e que venhamos de trás-os-montes com duas vitórias e um sorriso nos lábios.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

HÓQUEI / SPORTING CP 3-1 Oliveirense: Vitória fundamental

Há 3 épocas o hóquei do Sporting era uma modalidade autónoma e lutava pela manutenção. Em 2013/14 fomos 9º e só no ano seguinte a modalidade passou de forma oficial para o Clube. Na época 2014/15 vencemos a Taça CERS e fomos 5º no campeonato, muito perto da qualificação para a Liga Europeia. No ano passado (2015/16) conseguimos finalmente dar entrada na elite do hóquei europeu e qualificámo-nos para a prova máxima, após o 4º lugar, tendo disputado também a final-four da Taça CERS.

Este ano a aposta no título é mais séria mas não fomos apenas nós a investir. Todos os rivais directos o fizeram e têm objectivos sérios internamente e nas competições europeias.

 

O erro naquele jogo que nos tirou três pontos na secretaria atrasou-nos de tal forma que dificilmente teremos capacidade para discutir o título. O Benfica tem uma equipa fortíssima e, mesmo com dois jogos por realizar com o eterno rival, continuamos a precisar que eles escorreguem mais do que nós iremos escorregar. E vamos escorregar algumas vezes, podem acreditar.

 

Hoje, a recepção à Oliveirense era fundamental para manter viva a esperança do título mas, mais do que isso, coloca-nos em posição de discutir o segundo lugar que, não sendo um título, nos coloca numa posição dominante na mais forte liga do Mundo. 

Na minha opinião, melhorar esta época a classificação do ano passado, tornará a temporada positiva. Deve ser esse o foco...dar o melhor para ganhar cada jogo e, no final, fazer melhor que no ano passado, em pontos e no seu reflexo na tabela classificativa.

Mas há mais títulos para disputar esta temporada e é aí que devemos ir com tudo. A Liga Europeia começou mal e estamos obrigados a vencer os três jogos que faltam, sob pena de não nos qualificarmos para a fase a eliminar. Averbar três vitórias nesses jogos fará de nós um sério candidato ao título europeu. Porque temos uma grande equipa e porque numa competição por eliminatórias, tudo pode acontecer, como verificámos em 2014/15. Depois, há ainda a Taça de Portugal.

 

Quanto ao jogo de hoje, foi um duelo de grande intensidade. Nem sempre bem jogado mas com duas equipas que se respeitaram e lutaram pelos três pontos. O Sporting esteve a perder 1-0 já no decorrer da segunda parte e teve de correr atrás do prejuízo. Tuco empatou o jogo numa excelente execução, após um lance em que atacámos o último reduto oliveirense em superioridade numérica. De grande-penalidade, Tuco bisou e colocou-nos em vantagem e daí para a frente a equipa soube recorrer aos seus jogadores mais experiente para, não só segurar a vantagem, como dilatá-la. Foi o inevitável Pedro Gil que deitou por terra as esperanças da Oliveirense e colocou em polvorosa os fervorosos adeptos leoninos, que encheram o pavilhão do Futebol Clube Alverca.

Neste momento estamos a oito pontos da liderança mas a apenas três do segundo lugar, posição que dependemos apenas de nós para alcançar.

Para a semana temos uma determinante deslocação a Itália, para defrontar o Forte dei Marmi, na quarta jornada da Liga Europeia. Um resultado que não seja a vitória poderá arrumar por completo com as nossas esperanças de seguir em frente na prova. Será mais um jogo de tudo ou nada, numa série de jogos de elevado grau de dificuldade até ao final da primeira volta do campeonato.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Vitória FC 2-1 SPORTING CP: Será sempre a Taça Lucílio

A medida que Bruno de Carvalho tão bem implementou em 2014/15 devia ter ficado para sempre. A taça da liga, como competição que mancha a verdade desportiva em Portugal (não que as outras não manchem) e terciária que é, devia sempre ser para rodar a miudagem, dar prémios de mérito aos da equipa B e rodar os que não jogam na equipa principal.

Desde o início, o Sporting foi das poucas equipas que tentou valorizar a prova mas aquele episódio na segunda edição acabou com a aura de uma nova competição que pretendia lançar jovens e ajudar à valorização do jogador português.

Poucos terão sido os Sportinguistas que, depois daquilo que Lucílio Batista fez, olharam para esta taça como um troféu ambicionado.

Depois disso já tivemos o "dolo sem intenção" e agora isto.

O único ano em que a taça da liga teve interesse foi quando Gauld se mostrou, no mesmo ano em que Gelson, Podence, Tobias e Wallyson acumularam minutos e momentos que nos mostraram que tinham qualidade.

Uma competição usada para que o Benfica impedisse que o Porto cavalgasse para a frente da tabela total de títulos em Portugal, títulos esses assentes em bases semelhantes aos do Benfica de Vieira.

 

Posto isto, aquilo que se passou ontem em Setúbal foi mais um triste episódio que deveria suscitar a necessidade um momento de reflexão profunda sobre o estado do nosso futebol, sobre como foi formada e financiada a formação desta geração de árbitros e sobre os vouchers que sustentaram o sistema actual até que ele se tornasse autónomo.

Espanta-me que Jorge Jesus se surpreenda com isto, sobretudo por ter vindo de onde veio. Pois é Jorge, visto de outro prisma já dói...já não é limpinho, limpinho.

 

O Sporting jogou mal, fez o suficiente para se qualificar, não passou à fase seguinte e está na hora de voltar a dar a esta competição a importância que ela tem, não esquecendo as lutas pela transparência do desporto em Portugal (sim, isto não se passa apenas no futebol).

 

Domingo volta o campeonato e, até ao final da época, pouco mais do que essa competição se jogará. Não auguro nada de bom para Chaves, na taça de Portugal, até porque bem me recordo como saímos da competição no ano passado em Braga e em 2013/14 na Luz.

 

É o momento certo também para o Sporting perceber se todo o investimento deste ano valeu a pena, ainda mais quando se falharam a maioria das contratações e o estado das coisas em nada se alterou no nosso futebol.

Talvez esteja na hora de despachar os artigos com defeito e fazer regressar a prata da casa, que fará certamente melhor, com mais paixão e entrega e por menos dinheiro. Eles hão-de justificar a aposta e serão depois recompensados por isso, como foram outros. Porque a nossa formação é selo de qualidade e basta olhar para o que de melhor tem o nosso plantel.

Que esta revolta sirva para canalizar as forças para o que resta da temporada. Vamos precisar de estar juntos, unidos e fortes.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

SPORTING CP 1-0 Varzim: Faltaram mais golos

Jorge Jesus disse que foi uma exibição razoável. Eu diria que foi boa e teria mesmo sido muito boa com uma eficácia a condizer com a qualidade com que soubemos construir. Falhou o último passe e, quando este entrou, foi a finalização que falhou.

 

O Sporting fez um jogo, como se esperava, de domínio absoluto, com momentos de bom futebol e algumas oportunidades para concretizar mais do que um golo, sobretudo na segunda parte, onde conseguimos desorganizar mais vezes a defensiva do Varzim, sobretudo devido às investidas de Gelson Martins.

 

Por falar em Gelson, se é certo que nem sempre acerta no momento de fazer o último passe, é inegável que vêm dele os momentos de melhor futebol da equipa, sobretudo pela sua capacidade de, individualmente, resolver aquilo que muitas vezes não conseguimos em equipa. Os colegas sentem isso e, num momento que continua a não ser de grande confiança, é vê-los a entregar de forma consecutiva a bola ao miúdo à espera que tire um coelho da cartola. Foi o que fez ao marcar o único golo do jogo, um grande golo que me pareceu fortuito, dado que a intenção parece ser a de cruzar. Voltando às vezes que Gelson é solicitado durante os 90 minutos, é impossível que o jovem extremo não acabe por errar muito, dado que passa o jogo em constantes acelerações e subidas e descidas pelo corredor. Há alguns jogos que é evidente que Gelson faz a última meia hora cansado e isso é culpa da equipa, que o tem "massacrado" por não conseguir resolver as coisas colectivamente. Todos sabemos que o cansaço tira discernimento e a calma que Gelson revelou no primeiro terço da época tem sido atrapalhada nos últimos jogos pelo frenesim com que os colegas o procuram. Foi o melhor em campo e tenho a certeza que voltará a decidir melhor assim que o rendimento colectivo melhore e se torne constante.

 

O resultado escasso não resolve o apuramento, como por exemplo um 3-0 faria. Assim, uma derrota por dois golos em Setúbal coloca-nos fora da competição e, sabendo como são as coisas, não vai dar para facilitar no Bonfim. Se um resultado dilatado nos permitiria rodar quase a totalidade da equipa, o que obtivemos coloca-nos em posição favorável mas ainda em estado de alerta. Teremos de apresentar uma equipa forte em Setúbal, pois ainda há pouco tempo vimos como é difícil vencer lá. Felizmente Ryan Gauld e André Geraldes não poderão jogar e isso tornará os sadinos menos fortes (que regra estúpida que teve de ser criada para combater o chico-espertismo dos encarnados).

 

Termino aludindo às dificuldades que se aproximam. Teremos oito jogos em pouco mais de um mês e seis deles serão fora de casa, onde decidiremos a passagem às meias-finais de ambas as taças e jogaremos a continuidade da luta pela Liga. Precisaremos da segurança defensiva que temos apresentado nos últimos jogos (um golo sofrido nos últimos quatro) e será necessário melhorar ligeiramente a eficácia ofensiva. 1-0 chega mas temos de ganhar margem para vencer mais tranquilamente, afim de evitar dissabores. Ultrapassar esta fase com oito vitórias manterá certamente vivas as esperanças de vencer as três competições que disputamos.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Belenenses 0-1 SPORTING CP: Assim sabe melhor

Era impossível desejar uma equipa que se apresentasse no Restelo tranquila, confiante e assertiva. O nervosismo e ansiedade, embora indesejáveis, eram condicionantes normais num jogo daquela importância. Porque vínhamos de três derrotas nos últimos quatro jogos, uma delas com um rival e outra que nos afastou da Europa. Era isto e mais a revolta perante alguns factos que ajudaram a que essas derrotas se concretizassem. Factores a mais que acabam por resultar num normal jogo em que a lucidez foi quase sempre sobreposta pelo crer, a vontade de fazer depressa e bem.

 

Não foi um bom jogo mas não há nada a apontar aos jogadores. Houve vontade e intensidade, aliada a muita ansiedade.

Melhor a segunda parte que a primeira, onde tentámos resolver mais as coisas individualmente. Mesmo assim, só pode elogiar-se a atitude de Alan Ruiz e Gelson Martins, aqueles que menos se esconderam e mais chamaram a si a responsabilidade durante os primeiros 45 minutos.

Na segunda parte, embora agindo mais como equipa, continuou a faltar acertar o passe no último terço, sobretudo o malvado último passe. 

O número é absurdo mas, acreditem, real. Trinta e cinco (35). Foi este o número total de cruzamentos tentados. Apenas três encontraram como destinatário um jogador do Sporting e isto diz muito da descaracterização actual do nosso jogo, em que os nervos se sobrepõem àquilo que deveria ser o nosso normal comportamento em campo, individual e colectivamente. Todavia, os sete passes para ocasião acabaram com uma eficácia baixa mas suficiente para atingir o objectivo.

 

Porque gostei da atitude de todos, não vou apontar erros nem individualizar negativamente. Todos os erros foram claramente na tentativa de fazer o melhor, o mais depressa possível.

Destaco, isso sim, positivamente, alguns dos jogadores determinantes para que o nosso Natal seja mais alegre. 

Beto mostrou mais uma vez que, não estando Patrício, podemos contar com ele. Foi o melhor em campo e evitou aquele triste fado do leão.

Bas Dost, pelo golo, naturalmente, mas também por não ter desistido após um jogo ingrato.

Esgaio, que num contexto complicado soube pegar no jogo (e foi dos que mais teve a bola) e assumir-se, sem se esconder. Teve uma exibição bem conseguida que merece continuidade.

Alan Ruiz e Gelson, porque foram sempre os maiores factores de imprevisibilidade no jogo (Campbell também, nem tanto pelos mesmos motivos).

William e Adrien, mesmo desinspirados, com erros pouco comuns ou até cansados são sempre garante de qualidade e entrega em todos os momentos do jogo. 

Depois, e para terminar a análise mais individualizada, os três que entraram acrescentaram todos algo ao jogo. Campbell acaba por ser decisivo e é inacreditável como a sua imprevisibilidade desespera, ao mesmo tempo que entusiasma. Nunca se sabe o que vai fazer, se três cruzamentos para a bancada ou três passes para golo, se três fintas ou três perdas de bola. Traz uma anarquia ao jogo que faz dele quase sempre um melhor suplente que um bom titular. Assistiu primorosamente para o único golo do jogo.

 

Termino com o momento do jogo, a maior demonstração de que nada está perdido. Num jogo em que faltou alguma criatividade táctica e técnica, sobretudo no último terço, em que os nervos tornaram o destino dos passes mais incerto e em que parecia que acabaríamos o jogo no tão pouco característico "chuveirinho", é um raro momento de lucidez e boas decisões que termina com Bas Dost a empurrar para o fundo das redes e a festejar com a imensa onda verde que nunca se calou no Estádio do Restelo. Tudo o que tão mal havíamos decidido no último terço, durante todo o jogo, foi bem feito já após o minuto 90. Um momento de alegria que prova que os nossos rapazes sabem o que fazer em campo e nos indica que uma boa série de vitórias trará de volta aquela equipa confiante, desinibida, tranquila e assertiva.

 

Foi difícil mas assim soube melhor. São estas as que eu mais gosto, com sofrimento, à Sporting!

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal