Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Grande Artista e Goleador

SPORTING CP 4-2 Estoril: regresso às vitórias

Não conhecia o suficiente de Bas Dost e tinha dúvidas que conseguisse, a curto prazo, fazer esquecer Slimani. Enganei-me. Bem podem dizer-me que é cedo e que pode apenas ser um bom arranque mas, para mim, o holandês não engana. Tem tudo o que Slimani nunca teve (e que em parte ganhou no Sporting e o levou a Inglaterra)...aquilo que chamamos de "escola". Sabe movimentar-se dentro e fora da área, é exímio cabeceador e tem muito bons pés. Duvido que, daqui a uns meses, haja um único Sportinguista a suspirar pelo argelino.

 

E começo pelos destaques individuais porque há jogadores que valem o bilhete. Dost é um deles mas, depois, há os que valem a Gamebox. William vale e bem podem continuar a tentar desvalorizar aquilo que faz. Jogo após jogo, William demonstra porque é um dos melhores médios do Mundo. O passe para o segundo golo de Dost é de antologia e tudo o que faz é com um grau de certeza absurda. Uma exibição de gala daquele que foi o melhor em campo. Fez mais 107 passes, mais 40 que o segundo que mais passou (João Pereira) com uma impressionante eficácia de 91.6%. Acertou 12 dos 13 passes longos, recuperou bolas e rematou duas vezes, faltando o mais que merecido golo.

 

Depois, Gelson e Semedo, dois verdadeiros prodígios que me obrigam a perguntar vezes sem conta porque não são já opção para a principal selecção nacional.

Gelson, já o disse, é o jovem talento que mais rapidamente atingiu a maturidade de leão ao peito. A rapidez com que transformou a inconsequência num perfeito controlo dos tempos e ritmos de jogo é impressionante. Sabe sempre quando temporizar e acelerar o jogo e faz ambas as tarefas com uma qualidade incrível. Ontem juntou mais uma assistência (já vão quatro) à sua conta pessoal e, lá para Novembro, já deverá ter aniquilado os mais importantes números da época passada.

Semedo é um defesa central de classe mundial em potência e nem o erro (de timing e concentração - o único em 90 minutos) que permite ao Estoril reduzir para 3-1 afecta a sua fantástica exibição. Timing de corte, antecipação, qualidade técnica e velocidade são apenas alguns dos atributos que fazem dele um dos melhores da Liga.

 

Acabo de destacar 4 jogadores de grande nível, 3 deles "nascidos e criados" na nossa Academia. Jogadores com qualidades inatas (como tantos outros criados em Alcochete) que, com um treinador de classe mundial os catapultam para um patamar ao nível dos melhores. Isto leva-me a pensar se não seria o ideal ter mais jogadores da Academia como segundas linhas, até atendendo ao baixo rendimento de alguns dos que têm escudado os titulares ao longo desta temporada. Faria Iuri pior que Markovic ou Waalyson ou Francisco Geraldes pior que Elias? Acho que não, para além de que ganham incomparavelmente menos que os citados.

A nossa Academia está num patamar que poucas conseguem atingir e temos neste momento um estatuto e valorização nunca antes alcançado.

 

Voltando ao jogo, teria sido perfeito sem aquelas duas desatenções que valeram os golos do Estoril. Coates imitou Semedo no 4-2, já depois de Jefferson ser aquilo que sempre é.

A propósito de Jefferson, basta comparar a sua exibição com a do colega da lateral oposta para ver que não tem nível para o Sporting. Apenas 2 acções defensivas (contra 9 de João Pereira), 12 cruzamentos com 0% de eficácia (contra 5 cruzamentos acertados em 7 de João Pereira) e zero passes para ocasião contra os 3 de João Pereira.

 

Foram 4 bons golos (mais um de bola parada, numa eficácia nunca antes demonstrada) e uma exibição interessante de André, que apagou aquilo que não fez em Vila do Conde e onde foi mais vítima que culpado.

 

Segue-se o Legia (que ontem empatou fora) e nada menos que a vitória interessa.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal