Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Grande Artista e Goleador

Moreirense 2-3 SPORTING CP: Os últimos meses espelhados em mais 90 minutos pobres

Assim que vi o onze, previ 45 minutos sofríveis.

Rúben Semedo tem andado um desastre mas voltou a merecer a confiança de Jesus. Bruno César, que é, compreensivelmente, um lateral sofrível viria a formar o trio da defesa num misto de má forma com incompetência para as tarefas inerentes às posições em questão. Claro que é Schelotto que completa o trio, embora o próprio Coates esteja num momento menos bom.  Juntemos a isto um Rui Patrício totalmente desconcentrado e desligado do jogo, um William a meio gás e um Bryan que não merece uma titularidade há meses e temos mais de meia equipa em sub-rendimento.

Os dois golos na primeira parte, por tudo o que já falei, não me surpreenderam (embora ainda consiga surpreender-me com alguns dos erros que os permitiram). Os responsáveis pelos mesmos já foram todos mencionados.

 

Para mim, foi incompreensível ver que Jesus não mexeu na equipa ao intervalo. Com deficiências tão evidentes, com uma falta de dinâmica gritante e com todo o jogo criativo entregue a Alan Ruiz (até Gelson começa a ser afectado pelo mau momento colectivo), não consegui entender o que ficou Podence a fazer no banco (e ver o Chico na bancada revolta-me).

Virámos o jogo na segunda parte graças a dois bons momentos de futebol e não graças a uma exibição demolidora, tal como havia acontecido no Dragão. O jogo continuou meio "mastigado" e aos repelões, à espera de um momento de inspiração.

Inspiração que acabou por vir do banco. Podence constrói sozinho o golo do empate, concluído pelo suspeito do costume (Bas Dost), o único que percebeu que o remate do recém-entrado podia não entrar, como parecia.

 

O jogo manteve a toada. O Sporting tentava mas o esclarecimento não era muito. Os cruzamentos saíram quase sempre mal e acabou por ser Adrien a pegar no jogo, sempre que se exigia. Mesmo recebendo a bola muitas vezes em más condições e em situação de aperto, muitas foram as vezes que o capitão conseguiu dar continuidade aos lances, levando a equipa para a frente. Foi o que aconteceu no golo da reviravolta. Descobriu Gelson na direita, após mais um passe para o meio da confusão de William. Gelson abre em Schelotto, que descobre Adrien, pronto para marcar um penalti em movimento.

 

Desta vez, a sorte esteve do nosso lado pois, no minuto seguinte, Dramé atirou à trave após mais uma abordagem defensiva ridícula de Schelotto (o Rui também podia ter feito mais).

Até ao fim, foi a "rezar" para que não acontecesse aquilo que não surpreenderia qualquer Sportinguista. Não aconteceu, e saímos de Moreira de Cónegos com os três pontos.

 

Sinal +
Alan Ruiz, o melhor em campo.
Adrien, o lutador incansável.
Bas Dost, sempre no sítio certo.
Podence, que entrou para mexer com o jogo e conseguiu-o.

 

Sinal -
Toda a linha defensiva esteve patética, sobretudo Patrício, Schelotto e Semedo. Mas é impossível que os restantes não acabem a cometer erros, quando se sente uma insegurança medonha em todo o sector. Schellotto só deu uma para a caixa, Semedo meia e Bruno César uma e meia. Coates andou por ali perdido, a tentar resolver umas e acabando por provocar outras.
William tem de dar mais.
Bryan é uma a menos. Custa dizer isto mas é a verdade.

 

A vitória foi importante mas voltou a ser sofrida. Não dá tranquilidade nem grande dose de confiança à equipa e é preciso trabalhar mais e durante mais tempo no próximo jogo, em casa, frente ao Rio Ave, uma boa equipa que já nos causou muitas dificuldades e dissabores.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal