Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Grande Artista e Goleador

Fazer regressar o Grande Sporting passa muito por aqui

Adoro atletismo! Talvez por conhecer as sensações de terminar uma prova com dificuldades mas também por já ter 'experienciado' o "poder" que uma conquista individual dá. Nunca fui federado e o único desporto que pratiquei nessa condição foi o futebol mas, graças aos corta-matos escolares e às "corridas de bairro", conheço as sensações por que passa um atleta. Talvez por isso valorize mais o esforço ou aprecie mais uma conquista.

 

Muitos não sabem, outros não ligam, mas haverá quem, como eu, valorize a modalidade que mais títulos e prestígio internacional deu ao Sporting. Não, lá fora ninguém conhece os heróis de 64 nem fazem ideia de quem seja Morais. Mas conhecem Carlos Lopes, Fernando Mamede, entre muitos outros nomes que o atletismo do Sporting deu a conhecer ao Mundo.

16 dos 24 títulos europeus do Clube foram conquistados pelo atletismo, que deu a Portugal o maior número de medalhas olímpicas, muitas delas ligadas ao Sporting, desde logo, começando por Carlos Lopes, o primeiro medalhado de ouro da história do nosso país. 

 

No nosso país, embora sejamos dominadores absolutos, com mais de duas centenas de títulos nacionais conquistados, esse domínio vem sendo ameaçado nos últimos anos onde, sobretudo o nosso escalão masculino tem tido dificuldades em se destacar.

Fruto do desinvestimento nas modalidades verificado nos últimos 20 anos e de um Clube que dirigiu para o futebol todo o dinheiro, acabando com modalidades e deixando outras à deriva ou em "piloto automático", temos agora a responsabilidade, capacidade e ambição de recuperar o tempo perdido.

Bruno de Carvalho trouxe ao Clube uma vitalidade e ambição que nunca verifiquei nas minhas cerca de duas décadas de vivência consciente do Sporting e daquilo que é ser Sportinguista.

 

Tudo isto para introduzir a disputa dos campeonatos nacionais de estrada em atletismo, prova a disputar hoje, às 15 horas, em Lisboa, com partida e chegada no Estádio Nacional do Jamor.

O Sporting marcará presença com mais de 40 atletas e tentará fazer aquilo que raramente conseguiu, tanto nos homens como nas senhoras; vencer.

 

O nacional de estrada é uma prova recente. Foi criado em 1990 e ganhou até alguma preponderância relativamente ao corta-mato, a prova mais importante e mediática das disputadas até então. Hoje, talvez devido ao proliferar das provas de estrada, acredito que o mediatismo que uma transmissão televisiva, bem como a qualidade dos atletas intervenientes, pode dar o click para o ressurgir da modalidade em Portugal que, mesmo sendo uma das que tem os mais bem sucedidos atletas, está longe de captar o interesse de novos praticantes.

 

Voltando à prova em si, o Sporting apenas venceu dois títulos individuais e um colectivo desde a sua criação. Dionísio Castro venceu a primeira edição, que coroou também o Sporting como vencedor colectivo nos homens. As mulheres nunca venceram qualquer título e, no ano passado, Rui Silva sagrou-se campeão nacional, naquele que terá sido o seu último título individual ao serviço do Sporting, antes de se mudar para o rival.

 

Hoje, teremos alguns atletas com capacidade para vencer (vários deles já coroados campeões ao serviço de outros emblemas), tanto nos homens como nas mulheres e o que espero é uma prova espectacular, com aquele ataque fulgurante no quilómetro final mas, mais importante que tudo, com uma camisola verde-e-branca a cortar a meta em primeiro lugar.

Quem puder, não deixe de passar no Jamor para apoiar os nossos.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal