Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Grande Artista e Goleador

Estoril 0-2 SPORTING CP: Ganhar sem deslumbrar

Há quase três meses que o Sporting não vencia três vezes consecutivas para o campeonato. Só este facto ameniza o fraco futebol que temos produzido.

Embora com exibições sofríveis, o que é certo é que a tal série de vitórias que já disse ser necessária para que a confiança melhore a nossa qualidade de jogo começa a ser construída e, finalmente, a equipa parece demonstrar novamente capacidade para segurar vantagens tangenciais e manter a baliza inviolada.

Em parte, estes últimos três jogos fazem-me lembrar dois períodos da primeira volta do ano passado em que a equipa, sem jogar bem, foi melhorando a sua auto-estima com resultados apertados e exibições menos conseguidas.

Não que ainda vamos a tempo de remediar os erros mas este final de época pode ser um impulso importante para o início da próxima.

 

O jogo voltou a pautar-se por fogachos individuas e um ou outro momento colectivo interessante. A dupla de centrais cumpriu, a de meio-campo mostrou que pode funcionar mas que precisa de mais jogos e entrosamento e os quatro homens da frente foram alternando entre eles nos momentos positivos e negativos. Dos últimos, nenhum foi consistente mas todos tiveram um ou outro momento de qualidade. 

William foi um dos melhores em campo, pese embora a primeira parte menos conseguida, Alan Ruiz voltou a ter momentos muito bons e mostra já um nível físico e um ritmo de jogo muito interessantes, Gelson esteve bem, após uma meia hora inicial terrível e Bryan fez um golo fácil, facto que é sempre de saudar, numa exibição mais positiva que o que tem sido habitual.

 

Apesar de tudo, o controlo do jogo foi maior do que em jogos anteriores e a equipa evidenciou uma capacidade no processo defensivo bem maior do que a que vem demonstrando. Sobretudo notou-se uma preocupação e cuidado maior no controlo da profundidade por parte dos laterais, do espaço entre-linhas nas transições defensivas e do aproveitamento das segundas bolas. Palhinha foi importante para este trabalho e a solidificação do processo defensivo acabará por soltar mais a equipa ofensivamente neste final de campeonato.

 

Embora me custe ver alguns jogadores no banco, entendi perfeitamente a opção de Jesus em manter praticamente o mesmo onze até final. A equipa estava a encaixar bem no Estoril, que aumentou o número de jogadores ofensivos na fase final do encontro e, por vezes, nestes jogos, é mais importante o foco dos que lá estão dentro do que a vontade dos que vêm de fora. 

Podence e Chico Geraldes terão de ter a paciência para esperar por um momento melhor da equipa para explanarem a sua qualidade sem a pressão constante dos resultados apertados e das exibições q.b. Assim que a equipa melhorar em termos exibicionais, acredito que poderão ter mais minutos, sobretudo o Chico, que ainda não se estreou.

 

Segue-se a final com o Guimarães, em casa, um dia depois dos sócios escolherem o Presidente do Sporting para os próximos quatro anos. Lá estarei no sábado, para cumprir o meu dever de sócio. No domingo, vai ter de ser pela TV.

 

Sigam-me no facebook e no twitter.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Blogs Portugal